goiabinha da vovó

de tanto o otto pedir a tal da goiabinha da vovó do cocoricó eu resolvi aprender a fazer, porque me recuso a comprar esses biscoitos cheios de açúcar que vendem por aí. nada contra docinhos de vez em quando, mas se puder fazer e garantir a qualidade dos ingredientes, eu prefiro.

(e fazer biscoito é uma delícia, verdade)

bom, achei essa receita aqui, mas precisou de adaptações, então aproveito pra deixar minhas dicas aqui também no meu blog-caderno 🙂 rende uma cacetada de biscoitos, tipo 60! mas faça a receita toda, e dê de presente (se sobrar). conserva muito bem por mais de 1 semana em pote fechado.

 

ingredientes

3 ovos inteiros

5 colheres de sopa de manteiga em temperatura ambiente

2 colheres de sopa de açúcar

1 pitada de sal

1 colher de chá de fermento em pó

400g de farinha branca, e mais um pouco para abrir a massa depois (não faça se não tiver mais que essa quantidade de farinha, pois sempre precisa mais para dar ponto e abrir!)

300g de goiabada — não recomendo a de lata, mais industrializada e mais macia. a cascão é trabalhosa de cortar, então procure goiabada caseira de consistência mais firme

 

utensílios

– vasilha para misturar a massa

– rolo para abrir a massa (é preciso superfície lisa e limpa para abrir a massa e preparar os biscoitos, tipo pia ou bancada)

– cortador de biscoito (ou equivalente), quadrado (5cmx5cm)

– bandejas/espaço para ir colocando os biscoitos prontos

– assadeira grande

– papel manteiga (se não tiver, unte a forma com óleo)

 

modo de fazer

misture na vasilha a manteiga, ovos, sal, açúcar. eu misturo no garfo até virar uma meleca, aí adiciono o fermento e começo a adicionar a farinha aos poucos. coloque metade da quantidade (200g), misture bem, e sinta a massa. se ela estiver grudando na mão e na vasilha, pode colocar mais. adicione farinha até que a massa solte da mão e da vasilha, mas ainda esteja muito macia, mais ou menos assim:

massa goiabinha

deixe a massa descansar, com um pano, por 10 minutos.

enquanto isso, tome coragem e corte a goiabada em tiras, como no prato ali em cima da foto. as tiras não devem ser muito longas, pois quanto menos “cantos” sobrarem fora da massa na hora de assar, melhor. quando os cantos sobram, a goiabada derrete, escorre do biscoito e gruda na forma, fazendo uma meleca bem ruim de limpar.

cortadas as goiabadas, e passados os 10min, você pode começar a abrir a massa aos poucos — jogue farinha na bancada, passe um pouco no rolo, pegue um pedaço da massa (não dá pra abrir tudo, é muita massa) e abra. a espessura é importante: se ficar muito fino, é difícil de enrolar na goiabada; se ficar muito grosso fica muita massa pra pouca goiabada. tente deixar a massa com 1-2mm, e corte fazendo pequenos quadrados.

coloque a tira de goiabada na diagonal do quadrado e “abrace” com os cantos do quadrado. é importante realmente grudar os cantinhos do meio bem juntos, senão na hora de assar ele vai abrir. se a massa estiver seca, molhe um tiquinho a mão e “cole” o cantinho (não deve precisar, a massa é bem úmida).

faça os biscoitos e vá colocando na assadeira com o papel manteiga ou untada, pode colocar sem muito espaço entre eles, pois não cresce muito. quanto encher, coloque no forno pré-aquecido a 220C e deixe assar por 25min ou até dourar. fique de olho pra não torrar, e descubra se prefere mais branquinha ou mais douradinha (importante é estar assado embaixo, você pode abrir o forno e testar, o biscoito não liga).

detalhe: fiz uma das fornadas jogando açúcar em cima dos biscoitos, como vemos às vezes por aí. não acho necessário, fica ótimo sem a adição de açúcar em cima, mas se curte um doce bem doce, pode colocar que não estraga.

se sua assadeira for imensa como a minha, vai precisar de 2 levas para assar; senão, boa sorte, porque é biscoito pra caramba!

recomendo experimentar ainda quente, que é divino (mas cuidado, que a goiabada pode queimar a boca. só dê pras crianças depois de esfriar um pouco).

**

fica assim, e é melhor que qualquer goiabinha que eu tenha comido na vida 🙂

(note que algumas minhas ficaram com goiabada demais “escapando” da massa, depois que derrete. foi a 1a vez que fiz, e depois aprendi a deixar a tira de goiabada um tico mais curta)

goiabinha

2 thoughts on “goiabinha da vovó

  1. Oi Zel, tudo bem? Ficaram lindas as suas goiabinhas!
    Essa foi a primeira receita de biscoito que aprendi a fazer, lá para os meus 10 anos… e sempre é assim, um dia a tira de goiabada fica maior, outro menor, mas nunca sobra biscoito! Houve um tempo em que eu fazia para vender, mas com a concorrência do industrializado a preço de banana não deu mais…
    Beijos pra família!

Deixe uma resposta