Fabiola Pereira

#retratofalado de uma vida.

**

ontem foi dia dela, e não há um ano sequer que a data passe em branco pra mim. a Fabiola se tornou mais que amiga, uma irmã, parte de mim e da minha vida independente de estar perto ou longe. sinto falta dela frequentemente e ao mesmo tempo cada vez que nos vemos é como se tivesse sido ontem. acho que o amor acontece independente do andamento das nossas vidas, como um ser autônomo.

a fabiola, aliás, me ensinou a amar em silêncio.

mas foi mais que isso — ela me ensinou sobre *silêncios*, esse artigo de luxo. até conhecê-la, achava que a vida era feita só de som e fúria, e ela me convidou a observar, sentir, respirar. me ensinou obviamente sem falar, através do exemplo — muito me espantava seu silêncio, a agudeza das suas observações, a sensibilidade dos comentários sempre mínimos, precisos, e sua delicadeza.

seu olhar é sempre generoso, inclusivo, mesmo quando critica. ela é de uma inteligência espantosa, e consegue captar sutilezas e profundidades que a gente nem sonha. mas isso faz com que ela sinta muito, sinta tudo por todos nós, e sei que isso não é fácil. ela é boa na essência; sabe aquelas pessoas boas mesmo, que não sabem fazer mal? ela é assim.

mas eu posso estar induzindo vocês a achar que ela é frágil, e essa mulher é uma leoa. cheia de paixão, curiosidade, ela é uma das mulheres mais corajosas que eu conheço. foi morar sozinha nos Estados Unidos, largando tudo pra trás, encarando uma vida nova com uma alegria contagiante. ela vai rir dessa lembrança, mas esse caso expressa tudo que eu não consigo: ela escolheu dirigir um carro conversível vermelho! 🙂 (e nesess tempos me senti um pouco lá vivendo essa liberdade cheia de sol, junto com ela, feito Telma & Louise com final feliz)

foi nessa época que ela se apaixonou pela dança, primeiro o tango e depois sua paixão maior, o flamenco. é dançando que você vai conhecer essa mulher cheia de força, inteligência, amor e alegria. toda a fúria que ficava escondida quando ainda éramos adolescentes veio à tona agora que estamos maduras, mulheres.

(repara que eu falo de você como se eu estivesse sempre junto, querida? é assim que eu sinto. onde você vai, eu vou).

e ela ama poesia, como eu. e já que estamos aqui, te deixo essa de presente, combinando com nossa história de estar juntas-separadas, sempre com muito amor.

**

[i carry your heart with me(i carry it in]

i carry your heart with me(i carry it in
my heart)i am never without it(anywhere
i go you go,my dear;and whatever is done
by only me is your doing,my darling)
                                                      i fear
no fate(for you are my fate,my sweet)i want
no world(for beautiful you are my world,my true)
and it’s you are whatever a moon has always meant
and whatever a sun will always sing is you
here is the deepest secret nobody knows
(here is the root of the root and the bud of the bud
and the sky of the sky of a tree called life;which grows
higher than soul can hope or mind can hide)
and this is the wonder that’s keeping the stars apart
i carry your heart(i carry it in my heart)

Deixe uma resposta