GoT – episódio final

como foi o último episódio de GoT? é duro dizer isso mas eu GOSTEI.
(fuja se não quer saber nada do episódio!)
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

vou começar pelo que não gostei: da temporada toda. achei mal amarrada, apressada, pasteurizada, transformando personagens que eram complexos e profundos em personagens bobos. todo mundo piorou, só a Sansa melhorou. acabaram as cenas de sexo, os diálogos inteligentes, as relações complexas. ficou parecendo NOVELA.

entendo quem se frustrou com o epidódio final, pensando na série como um todo — foi bonito, foi suave, e URRU HOUSE STARK! a matilha sobreviveu! quem esperava? quem sabe foi desenhado pra ser assim desde o começo, considerando a tragédia e o horror que foi a perda de Ned Stark e o casamento vermelho?

confesso que meu coração se alegrou pelos lobos do norte com esse final. numa série cheia de caos e injustiças, os mocinhos (se você ignorar o Jon matando a rainha e a Arya matando todo mundo :D) venceram!

(o que deve ser provavelmente, e com razão, motivo de muita gente ter se chateado com o final. .entendo.)

o que mais gostei do episódio é algo que ficou escondido, ou em segundo plano, na série toda — a série deixou de ser uma guerra pelo trono, e tornou-se uma jornada para tirar westeros da idade das trevas e entrar na idade da razão. chega de monarcas, de tronos sendo herdados pelos mais fortes, chega dessa relação tão vertical (rei/rainhas >>> súditos). tyrion foi brilhante conduzindo essa explicação, embora eu ache que é um pouco forçado dizer que esse era o plano da dany desde o início. é verdade que ela sempre quis representar o povo, o “bem”, mas ela nunca foi tão racional, sempre foi muito emocional e se via como a salvadora dos inocentes.

tyrion fez limonada desse limão, foi o grande articulador do fim dessa era de tiranos que pendiam hora para a luz, hora para as trevas. fiquei pensando até que ponto ele tinha isso em mente o tempo todo ou só percebeu isso no final mesmo, é claro que aquela cena é forçadíssima — todo mundo que antes era um bando de hienas querendo matar os outros agora concorda em tudo… mas teve uma cidade todinha destruída por fogo de dragão e o quase fim do mundo zumbi, o que pode ter deixado todos mais maleáveis..

enfim, ele conseguiu ressignificar a tal da roda que dany queria quebrar e ganhou o argumento (e não acho que ela queria destruir a lógica da posse do trono; ela queria ser regente mesmo).

dany é galadriel que tomou o um anel pra si — uma tirana que é puro brilho e amor, e destrói todos que não a adoram. “all shall love me and despair!”. é o amor de mãe levado ao seu extremo.

fiquei feliz que ela não morreu como uma louca — morreu como uma tirana maternal. que mata por sufocamento. mas não gostei na cena “limpa” da morte pelas mãos do seu amante. pareceu uma cena editada para audiências sensíveis, sessão da tarde. mas a morte fez sentido.

amei a cena do dragão coberto pela neve, reconhecendo e respeitando jon (o inverno chegou a westeros; uma era acabou).

detestei aquela morte do jaime e cersei, e acho que ela foi criada dessa forma só pra ter aquela cena dos dois gêmeos envolvidos pelas pedras como num útero — começando a terminando a vida juntos. é poético, mas cersei tinha que ter morrido confrontando, sarcástica e raivosa. não me conformo.

sansa rainha do norte — HELL, YES! vi (homens, claro) reclamando disso. como pode? depois de tantas demonstrações de que ela era mais do que capaz, completamente respeitada. fez todo sentido. manter-se separada, como sempre foi, também fez sentido pra mim.

arya… gourmetizaram a moça, mas tudo bem. não foi um mau final.

brianna foi ela mesma. me decepcionei por ela não incluir a si mesma no livro, esperava esse momento de reconhecer a mulher foda que ela é, e a 1a cavaleira do reino. mas ela finalizar a história do jaime eu acho bem legal também — deixar de reconhecer os feitos dele só porque ele a abandonou seria muito pequeno, mesquinho. ela foi nobre, como sempre foi aliás, e não mudou só porque levou pé na bunda do namorado.

bran como rei… EU GOSTEI. ele é uma peça de transição, não é rei porque merece, porque é forte ou poderoso, mas exatamente porque representa a mudança de uma era (cuja história ele guarda toda) para outra. essa era morre com ele, quando ele se for como rei, e uma nova começa. e curti bem a dica de que ele pode encontrar o dragão (que é algo que todo mundo queria — ele se apossar do monstro!). colocar o Bran como rei é concretizar um acordo de tomar decisões RACIONAIS e não mais se render aos costumes bárbaros.

bom, jon snow… ele se reuniu com o seus amigos do norte e o ghost. carinhosamente. voltou a ser um stark, foi fofo. MAS… em que universo ele mata a dany e o verme cinzento deixa ele viver, pessoal? custava terem pelo menos inventado alguma forma de isso ter acontecido que fosse plausível? não tem nenhuma lógica! e sua herança como targaeryan? todo mundo desencanou do fato dele ser o rei LEGÍTIMO? entendo que ele jamais poderia ser rei depois de matar a rainha, mas, gente, tinha que ter amarrado essa ponta!

e o exército da dany, metade fanático e metade selvagem, foi embora de boa, só porque ganharam território? achei bem inverossímil. (aliás, não tinha morrido praticamente todo mundo? de onde saiu TANTA gente? multiplicação por esporos?)

enfim, minha única grande decepção com esse episódio foi a falta de lógica de não ter havido revolta e massacre com a morte da dany. de resto, gostei muito do desfecho deixando pra trás o trono de ferro, que aliás foi LINDAMENTE destruído pelo dragão, que aparentemente foi o mais sensato de todos os personagens, destruindo de vez a razão de todas as guerras. arrasou, drogon!

Deixe uma resposta