Nova era

Esse é um assunto interessante pra mim, por 2 motivos: 1/ eu sempre acreditei nessa lenda de que mulheres falam mais que homens; 2/ eu falo pra caramba, o que reforça o item anterior.

Esse estudo me lembra aquele episódio que contei aqui sobre uma visita a uma empresa de inovação tecnológica que fiz há uns anos: o diretor me apresentou os projetos e algumas equipes, não vi nenhuma mulher. Como desde 2013 trabalho como embaixadora de diversidade e inclusão, esse é um assunto que está sempre na minha cabeça. Perguntei pra ele se tinham a preocupação de contratar mulheres e aumentar a diversidade.

Ele, empolgado, me disse que sim, e que tinham muitas mulheres na empresa, que me levaria para conversar com a gerente de RH sobre isso. Quando falei com ela, o tom foi outro — ela parecia até constrangida, e me explicou que infelizmente eram pouquíssimas mulheres.

Para ele, as que existem são muitas. Nem acho que no caso dele há qualquer sentimento de “são poucas e já são mulheres demais”, é só questão de viés mesmo, pois ele está tão acostumado a ver NENHUMA mulher nas áreas de STEM que ter uma ou duas já é muito.

Mas quando eu recebi o desafio de liderar com uma amiga na empresa a iniciativa de igualdade, um dos meus funcionários me disse “nossa, mas as mulheres já dominam TUDO na empresa, por que ainda precisam de apoio?”. As mulheres são bem menos de 20% dos líderes; nas posições mais altas, menos de 2%. E ainda assim a percepção dele é que “dominamos”.

Porque lugar de mulher, no imaginário dos nossos amigos homens, não é na liderança, nem na engenharia, nem na tecnologia, nem falando. Nosso lugar é cuidando da casa e de preferência caladas.

Tenho uma boa e uma má noticia:

A boa é — mulheres, nós podemos tudo, inclusive dominar a conversa. Não se deixem intimidar nem calar.

A má é — homens, abram alas, que o tempo em que vocês faziam o que queriam acabou.

Bom dia!

Deixe uma resposta