Em guerra

A Juliana, que escreveu o post (sigam. Ela ela é uma artista incrível) além de artista e feminista tem uma briga pessoal contra a pedofilia.

View this post on Instagram

vou ser sempre grata as mulheres que lutam contra a pedofilia por terem me ajudado a enxergar e a entender do pq eu nunca consegui acreditar na pedofilia como doença e me fazer entender que minha visão e análise como sobrevivente deve ser ouvida e é válida. e que a narrativa sobre a pedofilia precisa de nós, mulheres anti pedofilia. . @brasilcontrasap @feministas_antipedo @combate_ap . “NEM TODODO PEDOFILO É ABUSADOR E NEM TODO ABUSADOR É PEDOFILO” se a maioria dos pedofilos n cometem abusos, como q tem criança sendo abusada, estuprada, assediada, aliciada todos os dias? qm sao esses homens? se não são pedofilos, sao o que? pq eu n posso chamar eles de pedófilos? q q se deve fazer p eu poder chamar o homem q abusou de mim de pedofilo? tenho q ter um laudo médico? o mesmo que inocenta e/ou diminui a pena de muitos pedofilos por ai? vc acha q material p pedofilo ta sendo produzido p que? vc acha q pornografia infantil, pornografia COMUM q imita e faz alusao a pedofilia existe p que? se um homem chega p vc e se assume pedofilo mas afirma q nunca encostaria numa crianca vc deixaria teu filho ou tua filha c ele? como q vcs podem confiar tao cegamente nesse afirmação? como q vcs podem ficar repetindo a mesma frase sem nem mesmo ver o histórico pedofilo que a nossa sociedade vive? vcs estao vivendo numa soxiedade pedofila. parem de ficar repetindo igual papagaio frases q ja nem fazem mais sentido.

A post shared by Juliana Lossio (@julianalossioart) on

Ela foi abusada quando criança por vários anos, dentro da sua própria casa (como acontece na imensa maioria das vezes, +70%) e se recusa a simplesmente aceitar que pedófilos são todos doentes, porque é mesmo conveniente não ver essas pessoas como normais e esquecer que de várias formas a sociedade valida o comportamento pedófilo.

Meninas são incentivadas a parecerem mulheres desde a mais tenra idade, são sexualizadas de forma asquerosa, e na pré adolescência já são consideradas “perigosas”, são acusadas de seduzir seus próprios estupradores e abusadores. Lembram que em +60% das gravidezes de adolescentes os pais são maiores de 21 anos?

Meninos são incentivados desde bebês a se comportarem como predadores sexuais, objetificar mulheres, assediar homens que não são “masculinos”. Aprendem a ter muito orgulho do seu pinto, que deve aproveitar qualquer “oportunidade” pra enfiá-lo em alguém, entre outros absurdos.

Como pode dar certo uma sociedade construída nessas bases?

Não é o caso de duvidar que a doença mental exista, mas admitir que temos um problema como sociedade, que permite que crianças (e mulheres!) sejam abusadas e estupradas de forma crônica.

Em 2018 foram registrados no Brasil 180 estupros POR DIA (ainda há os não notificados). 63% deles são cometidos contra vulneráveis. 82% cometidos contra mulheres (destas, 51% são negras). 76% dos agressores são conhecidos das vítimas.

Vivemos em guerra. Precisamos fazer alguma coisa.

Deixe uma resposta