Dia das mães… sei não

Não comemoro dia das mães, se for por mim. Só mando feliz dia das mães pra minha mãe porque ela parece se importar, e se ela gosta, eu fico feliz em fazê-la feliz.

Nem dia dos pais, namorados, crianças. Acho tudo uma desculpa pra gastar dinheiro, e especialmente esse ano não convém, né? Se você é de comemorar, agradeça às mães por fazerem esse trabalho exaustivo, não remunerado e não valorizado.

Inclusive estava pensando aqui, em conjunto com Fernando, que não existe absolutamente nada que me caiba como mãe que também não caiba a ele. Não existe nenhuma atividade relacionada ao nosso filho que ele não possa fazer ou que não tenha feito, além das biológicas — gestar/parir e amamentar no peito, e essas são pouco relevantes no grande esquema da vida.

(Várias mães não gestam nem amamentam seus filhos, e ainda são mães, afinal)

As mães só são endeusadas porque são sobrecarregadas com tarefas que cabem aos pais, como time, e à família também. Não tem nenhum motivo pras mães carregarem tudo nas costas! E o dia foi criado pra vender o quê? Eletrodomésticos. Mãe-doméstica.

Da mesma forma, os pais, no “seu dia”, são homenageados por serem provedores, ganhando presentes neutros, impessoais, desprovidos de afeto. Meia, cueca, coisas práticas. Pai-caixa-eletrônico. Quando ele existe, né? Porque tem que os que estão em casa e pagam as contas, e só. Tem os que pagam (mal e mal) pensão. E os que desaparecem (5 milhões de crianças sem pai no Brasil, lembram?)

Vejam que merda é essa lógica, e que a gente propaga. Quem vive um outro tipo de arranjo é uma minoria muito privilegiada. Aqui somos ambos provedores e cuidadores. Não tem diferença alguma no que podemos fazer, só tem diferença graças aos nossos acordos — quem tem mais flexibilidade cuida mais do Otto; quem tem mais habilidade com algumas coisas assume essas tarefas (cozinhar, por exemplo, ou organizar algumas coisas).

Não tem absolutamente nada pra comemorar só pelo fato de ser mãe. Não é prêmio, não é mérito, não é nada além de fato e função. Não consigo entender receber parabéns  por ser mãe, sério, é muito bizarro. Agradeço e sorrio, mas a real é que é muito esquisito parabenizar alguém por ter assumido uma função.

Se quiser agradecer por estarmos fazendo o duro trabalho de criar humanos, até entendo, é duro mesmo se a gente quer criar humanos melhores. Mas na real a maioria não sei se está se dedicando a criar humanos melhores não. E tem a questão da superpopulação né? Mais humanos no mundo? Não, obrigada, não sei se é mesmo uma boa ideia.

(Penso nisso todo dia: por que mais um humano nesse mundo? De onde veio essa ideia ecologicamente incorreta?)

Por outro lado, quem sabe meu filho vida mesmo um cientista, como ele quer, e descobre algo muito incrível pra melhorar o planeta?

Farei minha parte pra que isso aconteça. Mas enquanto isso, vamos lembrar de cuidar do planeta e das crianças como sociedade, porque nenhuma mãe tem condições de resolver essa treta, ok? É só uma função, não é um manto mágico.

Feliz dia das mães, Fer!!! 殺❤️

Deixe uma resposta