Sonhos de liberdade

Acordei às 10h (agradeço todo dia por uma criança maior, que acorda às 8h e adora ver desenho / YouTube de manhã), vim preparar meu café da manhã e senti o peso da quarentena, pela primeira vez.

Você vai dizer que sou pisciana e lerda pra perceber o fim do mundo 🤣 ok, eu sou mesmo, mas é porque me adapto a qualquer coisa com bastante facilidade, não gasto tempo sofrendo, eu sou só vou com a maré.

E continuo indo, essa parte eu tou de boas, onde pegou pra mim hoje, nesse sábado de manhã, é não ter sonhos de fuga pra planejar e realizar. Eu amo viajar, descobrir lugares novos, conhecer culturas e pessoas. Mesmo que seja ir aqui na cidade ao lado ver o Dia da Marmota, ou dar um pulo lá em Morungaba e comer um peixe na beira do lago, quando estávamos em Vinhedo.

É muito ruim não poder sonhar nossos sonhos favoritos porque não temos ideia de quando poderão se realizar. A gente devia estar no Brasil, nesses meses, passando as férias de verão do Otto no inverno tropical, e já não sabemos se poderemos ir bem no Natal. Também planejamos fazer a próxima grande viagem pra Itália, justo ela que foi epicentro da pandemia por algumas semanas, e cuja situação foi tão dramática.

Alguém consegue se imaginar entrando num ônibus de viagem, num avião tão cedo? Entrando num hotel, numa pousada? E as preocupações com higiene?

No momento em que até vírus são globais e viajam rapidamente, nosso mundo encolheu.

Sei bem que tenho um privilégio imenso de poder viajar pra tantos lugares no mundo, mas até as pequenas viagens acessíveis pra vários de nós estão inviáveis, e sofro.

Dura pouco o sofrimento, que eu me conheço, mas hoje estou sentindo o peso desse momento de transição, e imaginando o que será que podemos inventar pra que possamos ser livres de novo.

Deixe uma resposta