Coisas não trazem alegria

Nessa manhã de domingo, do ano esquisito de 2020, eu quero contar uma história que (quem sabe) vai ajudar você, pessoa mais jovem, a não cometer erros parecidos com os meus.

Essa semana chegou na minha timeline propaganda da Camper, que faz sapatos maravilhosos. Lindos e bem diferentões. Voltei no tempo — no louquíssimo ano de 2001, exatamente quando acontecia o ataque às Torres Gêmeas em NY, eu estava na Itália, de férias com uma amiga querida.

Eu tinha 29 anos, ganhava um salário bem bom pra época, morava sozinha, podia fazer viagens internacionais, PORÉM, não tinha um centavo guardado e parcelava tudo que comprava. Algumas coisas nessa viagem, inclusive, minha amiga querida pagou porque é de uma generosidade imensa e sabia que eu não poderia bancar.

Ou seja: eu gastava muito mais do que ganhava, que sempre foi meu padrão.

Em Florença (acho; ou Milão?), nós entramos numa loja lindíssima da Camper e eu comprei não um, mas 2 pares de sapato. Porque eles eram lindos, mágicos, nossa, eu me apaixonei.

Usei os sapatos algumas poucas vezes (eles não ficaram tão confortáveis no meu pé, infelizmente) e depois de alguns anos dei, já não lembro nem pra quem.

Em SP, no Iguatemi, tem uma loja da Camper. Nunca entre lá, os preços são ofensivos. Eu sempre achei que era culpa do fator Brasil (também é).

Votemos pra essa semana: propaganda da Camper! Fiz minha viagem no tempo e fui pro site, animada pra comprar um parzinho de sapatos que eu não preciso mas que é tão lindo né?

Os sapatos continuam lindos, mas menos diferentões do que eu me lembrava. Os preços começam em 100 dólares, e os que eu achei mais legais são mais de 200 dólares.

Eu ganho hoje umas 10 vezes mais do que eu ganhava em 2001, e JAMAIS pagaria 100 dólares num sapato só porque ele é bonito. Nunca, never, jamé.

Com 100 dólares dá pra comprar uma quantidade absurda de coisas, mesmo aqui nos USA. É MUITO dinheiro.

Hoje eu penso 10x antes de comprar COISAS que se acumulam. Eu ainda compro coisas, sim, mas penso muito mais, e compro muito menos. Dinheiro gasto com EXPERIÊNCIAS vale muito mais, e gasto com muito prazer.

Fico pensando quanto dinheiro eu gastei com coisas que não usei, que ocuparam espaço, que acabei dando ou jogando fora. Imagina esse dinheiro sendo gasto numa viagem? Em presentes pros amigos? Em doações pra quem precisa mais? Em festas?

Valorizem mais o dinheiro de vocês, gente. Mesmo (e especialmente) quando é pouco, pense 10x antes de gastar em coisas. A gente precisa de menos coisas e mais vivências — quem se importa com um sapato, daqui a 10 anos?

Vamos gastar com coisas que realmente importam e criam memórias?

Deixe uma resposta