Estado de guerra

Meu coração está do tamanho de uma noz vendo gente amada perder entes queridos para o COVID. Me doem as perdas dos não amados também, os mais de 3000 por dia (POR DIA) que estão deixando famílias e amigos que os amavam. Mortos por causa de um vírus que pode ser controlado com distanciamento social e vacina.

O distanciamento social está sendo boicotado pelo governo, seja de forma explícita (“kit COVID”, “é só uma gripezinha”, “e daí? Não sou coveiro!”) ou implícita (falta de suporte financeiro pra quem não tem como trabalhar de casa);

A vacina sempre foi desacreditada e colocada em segundo plano. Pior — foi boicotada quando os governadores tomaram a frente.

Essas pessoas não precisavam ter morrido. A maioria dessas mortes poderia ser evitada.

O resultado para o país é equivalente ao de uma guerra. O nosso número de mortos em 1 ano já se aproxima do total de mortos na guerra da Síria, que começou em 2011 e dura até hoje.

O que será dessas famílias? O que será de nós, com esse legado de morte e desespero? Em que buraco nos metemos… lamento tanto que nem sei. E sinto raiva, muita, de toda essa gente que repete os absurdos que o PR diz. Muita raiva de quem continua fingindo que tá tudo normal enquanto morrem 3000 por dia.

3000 pessoas é a população da cidade onde moramos aqui. Como se em 1 dia apenas todas as pessoas desaparecessem.

Quem não está com muita raiva é porque está dopado.

Deixe uma resposta