Archive

Posts Tagged ‘dieta’

baby steps, pra sempre

julho 6, 2017 Leave a comment

No começo desse ano decidi ir a uma nutricionista, já que dieta não é algo que estou disposta a fazer mais (até porque não funciona. Emagreço um monte e depois engordo de novo) e meu corpo não me agrada do jeito que está. Pedi uma indicação e cheguei à Carol do blog “O corpo é meu”.

 

Fiz um acompanhamento quinzenal por 3 meses, com diário detalhado da minha alimentação. Conclusão: ela não  mudou NADA do que como normalmente, minha “dieta”.

 

No entanto, ela trouxe um elemento que eu desconhecia, mesmo sendo pró em dieta: ela expôs minha forma de lidar com a comida e com a fome. Percebi que como sem fome, que não sei quando parar de comer.

 

Decidi não me pesar mais, porque o número na balança me deixa ansiosa e triste. Quero mudar meu corpo pra um formato que seja confortável e que me permita movimentar sem esforço. Essa é minha meta. E foi disso que falamos nestes 3 meses; ela me mostrou que o corpo que eu desejo ter é MUITO próximo do que eu já tenho. E que me movimentar mais e estar atenta aos sinais do meu corpo provavelmente é mais importante que mudar minha alimentação.

 

(Estou nesse momento num check-up, aguardando o próximo exame. Tive que me pesar e dizer o peso pra enfermeira. Me sinto péssima. Meus números não “batem”, e no momento só penso que precisaria perder 20kg pra ser “normal”)

 

Estes 3 meses me fizeram perder peso (senti nas roupas), mas 1 mês depois, com menos atenção a como me sinto ao comer, senti o corpo mudar de novo. E não estou me movimentando muito (essa é minha maior barreira no momento, a inércia).

 

Penso cada vez mais que sem atenção a nós mesmos, constantemente, não é possível ser saudável.

 

Me perco nas coisas do dia a dia, e me deixo de lado, vivendo no automático. Como se eu fosse apenas uma engrenagem na grande máquina do mundo. Acho que é urgente trazer mais consciência para o dia a dia, seja para comer, cuidar-se, movimentar-se, conversar com as pessoas. Estar presente.

 

O celular, esse mesmo que serve pra escrever esse texto, me ajuda a desconectar do presente. Me ajuda a ignorar não só os outros ao meu redor, mas a mim mesma.

 

Esse peso que sinto carregando em excesso no meu corpo é consequência da minha desconexão comigo e com o meu entorno.

 

Não sei ainda como mudar, mas estou determinada a voltar aos exercícios de presença que a nutricionista me propôs, de notar o que se passa comigo enquanto me relaciono com mundo, me observar profundamente e (parece um paradoxo, não?) ser mais ativa.

quando sua mãe diz que é gorda

outubro 23, 2013 Leave a comment

texto lindíssimo, traduzido neste blog: uma carta de uma mulher à sua mãe, contando como se sentia quando a mãe se auto-depreciava, e como sempre a viu como uma mulher linda.

**

cada vez que uma mulher que influencia outras (direta ou indiretamente; de propósito ou não) se deprecia, ela atrapalha a auto estima das que se inspiram nela ou a amam.

cada vez que uma mulher comemora que “pode” usar a roupa X ou Y ou fazer Z porque está magra, machuca e atrapalha as demais ao seu redor, que procuram por referências e inspiração.

o que fazer? parar de julgar nossa aparência e nosso corpo, para o bem é para o mal. tratar nossos corpos como instrumentos que são, recipientes, nossa casa. com respeito e amor. assim, ensinamos aos nossos filhos, amigos e família que é OK ter qualquer tipo de corpo. parar de valorizar tanto emagrecimento ou body building. simplesmente parar de valorizar o que não devia ter tanto valor.

narciso vai gritar. deixa ele morrer de fome e sede, já vai tarde.

uma mudança importante depois de 13 meses

setembro 20, 2013 Leave a comment

há 13 meses iniciei uma mudança — resolvi perder peso, inicialmente tomando remédio e depois só mudando a alimentação (os exercícios ainda não fazem parte da mudança, apesar de saber da importância deles). tomei remédios por 2 meses, perdi 7kg rapidamente, e depois perdi mais 8kg lentamente, nos 10 meses seguintes.

tenho brigado com “platôs” de peso, experimentado algumas mudanças pequenas mas importantes na alimentação (e exercício que é bom, nada), e aos poucos vou baixando. ainda tenho 10-11kg para perder, idealmente. já não estou tão certa de que essa meta é realista, mas resolvi não encanar com números. porque, como disse em alguns posts aqui mesmo nesse blog, eu não sou um número, meu corpo não precisa estar em padrão nenhum. é só um corpo, é só um número na balança.

pois que percebi que esses platôs de peso são mesmo temporários, e que do primeiro “platô” até aqui, sem mudar quase nada, baixei 5kg. ou seja — devagar, e sempre. aos poucos meu corpo vai chegar onde for bom e saudável chegar. e estou tranquila, porque mesmo no início, com os remédios, minha alimentação tinha de tudo, eu não fiz por nem um único dia uma dieta restritiva com coisas proibidas.

algumas coisas mudaram depois da remoção da vesícula (outubro/12) — frituras, bebida alcoólica, gorduras e leite/iogurte me fazem mal. posso comer/tomar muito, muito pouco, ou realmente passo mal (vômito), então é só pra matar a vontade mesmo.

mas hoje, neste dia (e por isso vim aqui registrar a historinha, eu que acho chatíssimo falar de dieta), algo diferente aconteceu: me dei conta que não “estou” de dieta, mas que meus hábitos realmente mudaram. me dei conta disso na fila do restaurante por kilo, quando olhei para o meu prato e vi as comidas todas lá — montão de salada, arroz, grão de bico, pedaço de frango, um pedacinho de batata doce frita. dispensei a sobremesa. e tudo completamente sem pensar, sem sofrer! eu não fiquei balanceando a refeição na minha cabeça, eu peguei o que eu gosto, que estou acostumada a comer, e tudo com o maior apetite. as sobremesas me pareceram sem graça, nada que realmente me interessasse.

fiquei tão feliz! primeiro porque consegui o que queria, em vários sentidos — mudar meus hábitos pra melhor, baixar meu peso e continuar sendo feliz me alimentando, sem paranóia dos “alimentos proibidos”, comendo de tudo um pouco, do jeito que eu gosto.

meu cérebro mudou junto com meu corpo. e atribuo isso a 2 fatores — o tempo (o processo foi lento, dando tempo pro corpo/cérebro se ajustarem) e não restringir os alimentos. são 12 meses de dieta comendo pizza, doce, e o que quer que eu queira comer. algumas semanas eu perco, outras eu estaciono, outras eu ganho peso. mas no geral, estou perdendo. e ganhando em aprendizado sobre meu corpo, refazendo meus caminhos neurais, sem encher o saco de ninguém (especialmente o meu) com a dieta.

que agora, entendi, não é mais dieta. é minha deliciosa alimentação. que combinada com um pouco mais de movimentação da minha parte, vai me levar ao peso ideal (seja qual for) e a um corpo mais saudável.

menos medidas, mais felicidade e saúde.

\o/

receitas e não-receitas

Abril 23, 2013 7 comments

as coisas que fazem mais sucesso aqui nesse blog, desde sempre, são minhas receitas (ou as que não são minhas mas que testo e aprovo) e opiniões. as receitas eu acho perfeitamente compreensível, afinal todo mundo come e gosta de comer, e procuro fazer receitas fáceis a maioria das vezes. já as opiniões, credito puramente ao meu desejo de diálogo, porque o que comprovo na prática, todo dia, é que penso bem diferente da maioria das pessoas que cruzam meu caminho todos os dias (amigos inclusos).

tenho me sentido muito incomodada nos últimos meses observando o mundo e pessoas próximas, através de redes sociais e do convívio do dia a dia. pela segunda vez na vida tenho desejos de isolamento (o primeiro foi no final da adolescência, quando entrei para a vida adulta) e estou de “saco cheio” generalizado com as pessoas, em especial com o que é diferente de mim e coisas sobre as quais discordo. justamente porque já vivi isso e depois concluí que me tornei uma chata pedante por alguns anos, decidi que desta vez preciso entender melhor o processo e ao invés de me afastar simplesmente do que me incomoda, vou encarar e aprender, por mais que seja desagradável.

há mais ou menos 1 ano vivo um processo ativo de mudança de hábitos, e de vida. há uma manifestação externa e mais óbvia da mudança (há 9 meses comecei uma dieta de perda de peso) mas isso é muito menor que tudo o que passa aqui dentro. venho observando o que me incomoda, nos outros e em mim mesma. tenho repensado decisões, amizades, direções, e tenho reestruturado não somente meu cardápio mas também meu comportamento geral, disponibilidade e paciência para as pessoas. tive nos últimos meses muitas conversas francas (e difíceis), expus incômodos e em alguns casos, não expus e deixei pra lá. sobraram incômodos não expressos, mas também decidi não gastar energia com questões fechadas. repito meu mantra pessoal, continuamente: problemas que não têm solução não são problemas. deixo partir, como mera observadora.

não faz 1 ano ainda que voltei a praticar a bendita ioga (e pratico muito menos do que gostaria e deveria), e uma constatação triste é que deixo meu pobre corpo sempre em segundo plano. mesmo quando pratico ioga, meu fascínio maior é sempre quanto à filosofia envolvida e todas as questões da dualidade entre corpo/consciência. a verdade é que esse tem sido meu drama constante — a energia enorme consumida no mundo interior/imaginário versus a necessidade de concretização e enfrentamento da realidade.

não é que eu não seja prática — sou bastante. mas somente com o que é essencial, necessário para a sobrevivência. podendo divagar e me perder no mundo etéreo, pode me esquecer. até porque viver no universo paralelo (dormindo ou acordada) é muito, muito mais fácil que enfrentar a realidade fora do meu controle 🙂

mas divago. (claro)

no mundo exterior, meu esforço é domar os impulsos alimentares, aprendendo a comer de tudo um pouco, balanceando prazer e saúde. quero comer o mundo todo, às colheradas. pois aprendo a cada dia, um de cada vez, que é possível provar todos os gostos, um tico por vez, saboreando mais. degustando devagar, e sempre. quero colocar o mundo todo pra dentro do meu universo, do corpo, em contraposição à necessidade de colocar também coisas pra fora, fazer com que meu corpo acorde, se mova, saia da inércia e interaja com o mundo concreto. preciso mover a energia de dentro pra fora, transformar potencial em cinética.

tudo que preciso acelerar no corpo, preciso desacelerar na mente, na mesma medida. esvaziar, tranquilizar. dissipar raiva, frustração, julgamento. dissolver o ego, parar de olhar (e julgar) o outro, eliminar a necessidade do espelho (real e também o mais difícil deles, o que se encontra em quem não somos). descobrir o porquê dos incômodos, da inveja, da falta de paciência, ir ao fundo desse poço, pra que possa finalmente me dedicar às não-receitas, a simplesmente viver e deixar que vivam, sem categorizar ou racionalizar tanto.

meu pai, homem maluco e sábio do seu jeito, sempre tentou me ensinar a ser mais livre, menos exigente, a improvisar com o que aparece na vida. mais ou menos como ele faz, em sua profissão de marceneiro: transformar com as mãos a madeira bruta em algo útil ou simplesmente bonito. aos 41 concluo que o improviso e a flexibilidade são artes, sim. são úteis, são também uma forma de ser feliz.

ainda aprendo, papi!

**

e como não podia deixar de ser, em especial neste post, cumpro uma dívida antiga e coloco uma não-receita (e uma das muitas histórias divertidas) do meu pai.

todos em casa cozinham bastante bem, e meu pai é um dos melhores. seus pratos são sempre caóticos, servem dezenas de pessoas e não têm receita. das coisas que ele faz muito bem é o molho bolonhesa, desde que me lembro. quando cresci um pouco, pedi que me ensinasse a fazer o molho, e ele sempre dizia “não tem nada demais: tempero, carne moída e tomate!”. mas nenhum molho era igual ao dele, nunca.

até o dia em que fui junto comprar os ingredientes para o danado do molho, e ao pararmos no açougue tive o momento “ah-ha!” — ele pediu acém moído na hora, mas mandou misturar mais ou menos 1/3 do volume de carne de porco e mais um pedaço de bacon!

fiquei p da vida com o “segredo”, e ele riu muito da minha indignação, com aquela cara de “peguei você!”. eu devia ter desconfiado, tendo aprendido a jogar buraco com ele, que é do estilo esconde-o-jogo-e-pega-todo-mundo-de-surpresa. tinha segredo, claro, e era a deliciosa carne de porco e bacon.

então a receita é assim, estilo maravalhas:

ingredientes

carne moída magra

1/3 do mesmo volume de carne de porco magra moída

um pedaço de bacon de boa qualidade moído

cebola

alho

pimenta do reino

tomate pelado / molho de tomate

azeite

 

utensílios

panela, colher, faca, tábua

 

modo de fazer

refogue a cebola ralada, até secar um pouco mas sem dourar. adicione o alho amassado, só para tomar cor. coloque então em fogo bem alto as carnes misturadas, tempere com sal e pimenta a gosto e refogue, mexendo bem, até a carne toda tomar cor mas sem secar.

adicione o molho ou os tomates pelados, até que cubram a carne e formem um molho bem grosso. acerte o sal e a pimenta. salpique um tico de canela (esqueci de avisar né? receita do meu pai é assim), misture bem e deixe apurar em fogo baixo.

sirva com macarrão fresco, que é o preferido do meu pai (não coloque óleo do cozimento do macarrão, faça o favor), e muito queijo parmesão ralado na hora.

**

que a vida seja mais leve, mas que não falte o talharim a bolonhesa nunca! 🙂

o dilema desta onívora

Fevereiro 5, 2013 2 comments

sugiro ver o documentário muito além do peso antes de ler o post. e se tiver lido o dilema do onívoro, tanto melhor.

**

tenho lutado com meu peso a vida toda, desde mais ou menos 9 anos. só me tornei obesa de fato depois dos 30, mas desde sempre me lembro de alterar entre peso normal e sobrepeso. nunca pude e nunca poderei simplesmente relaxar e comer, sem engordar. é duro chegar a essa conclusão, porque é preciso admitir uma fraqueza, uma falha.

não tenho doença alguma que me faz engordar, sou absolutamente saudável (inclusive enquanto obesa). meu problema com a comida é de outra ordem, e pelo que ouvi dizer somente 2% dos obesos de fato têm alguma condição que os faz engordar. os demais, suponho que sejam como eu e têm uma relação complicada com a comida e com o ato de se alimentar.

comida não é pasto, bebida não é água. comida e bebida são amor, cumplicidade, conforto, felicidade, prêmio, glamour, conquista (amorosa e meta), mágica. comer é a coisa que mais fazemos na vida, durante toda ela. comer é também e principalmente uma grande atividade social, um meio de se relacionar, momento de olhar nos olhos, oferecer, trocar, compartilhar. o desejo de compartilhar, tão bem explorado e usado pelas redes sociais, é inato. não existe religião na história que não passe pelos rituais do alimento, que não o utilizem como alavanca e não explorem o milagre e alegria de ter comida à mesa para dividir.

comer é um ato social, desde o primeiro momento — quem alimentou um bebê no peito sabe perfeitamente do que estou falando. é um ato muito maior que simplesmente fornecer alimento, é a criação de um laço de amor e comida, intimamente relacionados. e suponho que o mesmo se dá se for preciso usar uma mamadeira, nestes primeiros momentos de vida. a experiência de se alimentar pelas mãos de outro, num abraço absoluto e intenso, olhos nos olhos, é poderosa. e depois, experimentar o mundo com a boca, alimento por alimento, sendo ensinado como comer e, em última instância, sobreviver. a forma através da qual nos alimentamos nós, humanos, é totalmente permeada pela experiência social e cultural, é uma extensão de quem somos, como espécie e como indivíduos de uma determinada sociedade. sim, somos exatamente o que comemos, e não estou falando do aspecto nutricional da alimentação.

essa mistura de cultura, afeto e socialização, para alguns indivíduos (como eu), desanda e comer já não é mais meio, mas fim. come-se para ficar feliz, para comemorar, para relaxar, para se relacionar e para esquecer outras coisas. some a isso um estilo de vida sedentário, e está feita a fórmula da obesidade.

**

no documentário muito além do peso mais algumas variáveis dessa equação complicada se mostraram: o poder da propaganda (que explora muito bem todo o aspecto emocional e social da comida); a influência do meio (família, amigos) na alimentação; o despreparo ou descaso das escolas e das próprias famílias no que diz respeito à alimentação das crianças.

somos onívoros. um dos principais motivadores da nossa espécie (primeiro? segundo, talvez, depois de procriar?) é procurar comida, e comer. mas não é simplesmente procurar qualquer comida, é procurar as melhores comidas, as que têm maiores benefícios. nossos antepassados sobreviveram graças à sua habilidade em se alimentar, e sobrevivemos e prosperamos como espécie graças à nossa capacidade em grupo de ensinar uns aos outros como comer, o que comer. é através da imitação, da transmissão do conhecimento, que o ser humano se tornou o mais bem sucedido onívoro que já habitou este planeta.

e o que aconteceu, depois de tanta evolução? já não aprendemos mais a procurar e selecionar alimentos notoriamente bons para nossa sobrevivência; o conhecimento dos nossos antepassados, toda nossa cultura alimentar desaparece rapidamente, geração após geração. agora aprendemos a comer com a TV, com a propaganda. não é mais nossa tribo, nossa família que nos mostra o que devemos comer, o que é bom, é um outdoor, um comercial, uma embalagem no supermercado. não, é pior: desde pelo menos a década de 50 as famílias pararam de preparar suas comidas e começaram a comprar tudo pronto, industrializado. você não escolhe mais as batatas mais bonitas para fazer seu purê, ao invés disso, compra o pó pronto numa caixa bonitinha, que é muito mais prático. ninguém mais vê a galinha sendo morta e depenada (eu vi quando criança!), o que existem são bandejas plásticas com pedaços. não sabemos mais o que estamos comendo. nossos alimentos vêm em caixas pretas metafóricas (experimente tentar descobrir a exata composição do que você compra e come), e engolimos sem questionar. desaprendemos dia a dia uma das capacidades mais importantes da nossa espécie — procurar e consumir os melhores alimentos.

**

esse post vai ficar um livro, mas não consigo parar: ontem fui ao supermercado, depois de meses sem entrar em um deles (quem faz compras aqui em casa é o marido). fiquei absolutamente chocada (e hipnotizada) pela quantidade de cores, embalagens, opções. e o desbalanceamento injusto entre alimentos industrializados versus alimentos in natura é assustador. a seção de frutas, verduras, legumes e carnes é muito pequena, comparada com o restante do mercado!

alimento pra mim é compensação e prazer, o que combinado com a vida sedentária que adotei, se transforma em peso adicional. mas ainda como de forma minimamente saudável, sou o tipo de pessoa que gosta de comida feita em casa, carnes, grãos, verduras, legumes e frutas. e é assim também que crio meu filho — comendo comida feita em casa, usando ingredientes frescos. com 2 anos e meio ele sabe reconhecer frutas, legumes, verduras e até temperos direto da horta ou do pé. considero esses ensinamentos (sobre os alimentos, sobre os preparos) parte essencial da educação dele, tão importante (mais importante!) do que aprender matemática, por exemplo. acho assustador que tantas famílias permitam que a cultura alimentar se perca, ou seja substituída por industrializados cujo apelo afetivo é falso, fabricado, kitsch.

é preciso repensar (em especial os que decidiram ter filhos) os próprios hábitos, e questionar não somente se são saudáveis mas principalmente se são legítimos, se são seus mesmo ou efeito propaganda. não faz sentido ser escravo de uma marca. é uma vergonha ser “viciado” em coca-cola, ou qualquer outra marca de comida que vive de criar propagandas que nos induzem ao consumo. é um crime perpetuarmos essa cultura do consumo para as próximas gerações. é simplesmente errado não ensinar as próximas gerações a se alimentar de forma saudável e prazerosa.

**

a lei da ação e reação é implacável, e é claro que como resposta ao “ataque do doritos assasssino” a que somos submetidos o tempo todo em todos os lugares, nasceram os radicais da alimentação saudável. eles são muito melhores que os inconscientes, os que simplesmente se deixam levar pela maré e chafurdam no cheddar. o radicalismo serve um propósito nobre, mas não acho que seja uma boa opção. o mundo está dominado pelas comidas industrializadas de propaganda, e SIM, elas são extremamente gostosas e viciantes. há milhões de dólares investidos nestes alimentos e na propaganda deles, justamente para que todos queiram experimentar, e quando experimentam a experiência é UAU. estes alimentos são exatamente como drogas — eles dão prazer. são feitos pra isso, e por isso são tão consumidos. as pessoas não são simplesmente estúpidas (ok, algumas são), elas simplesmente são inconscientes, ou não se preocupam com o resultado dessa complicada equação.

ou você também é dos que acham que gordos são meramente preguiçosos e hedonistas, e por isso são gordos? é claro que deixar de ser gordo é possível para todos (com raríssimas exceções), mas definitivamente não é simples e nem fácil.

drogas, bebidas alcoólicas, comidas gordurosas, cheias de açúcar e sal — tudo isso é gostoso, dá prazer. queremos mais, e mais. não vamos nos enganar. é difícil abandonar drogas, é preciso empenho, muito apoio e força de vontade.

como ensinar às nossas crianças (e a nós mesmos) sobre drogas (todas as acima)? negando sua existência? proibindo terminantemente senão-você-vai-ver? não comprar, não ter à mão, é uma boa opção, e funciona por um tempo, mas não pra sempre. porque (insisto) comer (e consumir drogas, a propósito) é um ato social. a menos que você pretenda se trancar numa caverna, ou montar uma sociedade alternativa dos sem-ruffles, sugiro que pense como lidar com o mundo lá fora. claro que você também pode optar por ser aquele mala sem alça que leva arroz integral num tapauér pro almoço na casa do amigo e não come nada que lhe oferecem, mas a maioria de nós não quer ser essa pessoa. a outra opção, que na verdade não é sequer uma opção mas uma necessidade, é educar-se, aprender a conviver com essa realidade da comida-que-não-me-faz-bem.

**

penso muito nesse assunto (alimentação saudável, relação com a comida, propaganda). desde que meu filho nasceu e começou a se alimentar, tomei essa tarefa de educá-lo para se alimentar bem muito seriamente. e é claro, não podia mais ignorar minha condição de obesidade, já que o assunto é ser mais saudável. iniciei em agosto/12 uma reeducação alimentar séria para voltar a um peso aceitável e me alimentar da forma que considero adequada. porque afinal, a melhor forma de educar nossos filhos é dando bons exemplos.

uma das coisas que concluí, nessas reflexões sobre alimentação, é que não quero categorizar os alimentos como maus e bons, permitidos e proibidos. meu primeiro motivo pra evitar essa divisão é que realmente acredito que equilíbrio entre prazer/obrigação é o caminho (e busco isso, todos os dias). existem as coisas que (1) são boas pra nossa saúde, mas não são tão gostosas; (2) existem as coisas que são super gostosas e que nos fazem mal (ou são neutras, não contribuem em nada); (3) existem as coisas que fazem mal e que não gostamos; (4) e existem as coisas saudáveis e gostosas.

pode parecer óbvio, mas juro que precisei pensar pra começar a balancear melhor minhas escolhas, considerando os 4 cenários ali em cima. a minha prioridade alimentar deve ser o (4), é claro. nesta categoria devem estar a maioria das coisas que eu consumo, e essas são as coisas que devo escolher ter sempre em casa, à mão. no meu caso, nesta categoria estão quase todas as frutas, verduras, legumes, castanhas, etc.

as coisas (3) eu simplesmente devo excluir da minha vida, não comprar, e pronto. uma coisa interessante aqui é perceber o que não se gosta. confesso com um pouco de constrangimento que eu não sou completamente consciente do que eu realmente gosto. depois de um escrutínio forte eliminei algumas coisas, mas percebo que ainda como/bebo coisas por influência do meio, como forma de socialização. um exemplo chocante? pão de queijo. eu não gosto de pão de queijo! não tenho aversão, mas não tenho muito prazer consumindo. mas cada vez que servem numa reunião, e todos adoram e comentam e tals, eu acabava pegando (só pra me decepcionar). pois parei.

o diabo está nas coisas (1) e (2). por exemplo — eu não sou fã de pão integral e cottage, mas eles são melhores pra minha saúde que um pão francês na chapa, a gloriosa categoria (2). então decidi consumir saudáveis durante a semana, e o pão francês com manteiga fica pro fim de semana.

fazer dieta e perder peso é fácil, gente. acreditem em mim, eu já fiz várias, e já perdi uns 100kg nestes 40 anos. é chato, irritante, frustrante e TRISTE, mas é fácil. difícil é manter o peso, aprender a se alimentar e viver de forma saudável, sustentável, e ser feliz. eu jamais seria feliz sendo vegetariana, macrobiótica, comendo salada e grelhado todos os dias ou nunca comendo açúcar branco. preparar e comer um bolo de aniversário, um brigadeiro, servir para os amigos, para o meu filho, é parte da minha bagagem cultural.

comer não é só obter vitaminas, combustível, para ter um corpo saudável. cheirar, mastigar, engolir, sentir o sal ou açúcar na língua, é uma experiência sensorial. comer é prazer também, e não precisa sempre, o tempo todo, ser para fins de nutrição. como o sexo também não serve somente para se reproduzir!

eu também como para sentir prazer e socializar, e ponto final. jamais tratarei minha alimentação como questão meramente de saúde. meu grande desafio neste momento é encontrar esse equilíbrio, fazer as pazes com meus hábitos alimentares, essa questão tão central da vida de cada ser humano. e, é claro, preciso também mudar alguns conceitos, eliminar vícios, repesar a importância da comida na minha vida, em detrimento de outras coisas prazerosas (como mexer meu corpo, por exemplo).

**

depois de tanto falar, pensar, ver filme e ler, coloquei pra mim mesma algumas metas ou diretrizes que acho essenciais para ter uma alimentação melhor e ser mais feliz:

– consumir o máximo de alimentos naturais (não industrializados)

– preferir a comida feita em casa, a partir de ingredientes básicos

– consumir orgânicos sempre que possível

– beber água, durante o dia todo. não suco, não refrigerante. ÁGUA

– comer frutas frescas e castanhas no decorrer do dia

– não ficar mais de 3h durante o dia sem comer. a fome atrapalha a concentração, irrita e leva a comer em excesso quando chega a refeição

– preferir grãos integrais, sempre que possível

– lembrar de escolher, em função do meu desejo. não me deixar levar pelo impulso ou pelo “efeito grupo”: “eu realmente QUERO comer isso?”

– e finalmente: não virar uma chata neurótica com a alimentação. continuar tendo prazer em comer, dividir refeições, exagerar de vez em quando, comer simplesmente porque é gostoso.

**

em 5 meses perdi 11.5kg. estou estacionada neste momento, e revendo novamente meus hábitos para chegar a um peso mais adequado ao meu tamanho. tenho absoluta certeza que vou chegar a um peso melhor, é só questão de paciência e persistência. meu maior esforço no momento é identificar mudanças de comportamento que possa carregar para a vida toda. pois esse movimento que estou fazendo é porque quero viver meus próximos 50 anos — oxalá 🙂 — com um corpo mais leve, mais ágil. carregar a mim mesma tem sido difícil, essa é a verdade. ainda tenho 15kg (ou 10kg, segundo a meta colocada pela minha nutricionista) pra deixar pra trás, e poder caminhar só com o peso realmente necessário.

comer também serve para acumular, como preparação para os tempos difíceis. pois eu decidi que os tempos difíceis se foram, e tenho muita fé no futuro. não preciso de bagagem extra.

agora falta o próximo passo, não menos importante e pra mim extremamente difícil: sair da inércia, me mexer, fazer o sangue circular. porque quando eu chegar aos 90, quero estar caminhando pelo meu sítio e cuidando da minha hortinha 🙂

**

eu hoje!

Bêj!

sobre a auto-estima perdida

Março 5, 2012 32 comments

muito apropriado para o meu momento atual de vida esse post da denize barros sobre “ser quem se é”.

concordo 100% com ela que a atriz melissa estava linda no seu vestido drapeado, e visivelmente feliz e confortável. que, no fundo, é o que importa.

estou gorda, mais gorda do que nunca estive. e, ironicamente, cercada por todos os lados de mulheres em dieta. mulheres muito — MUITO mesmo — mais magras que eu. neuróticas, chatas, só falam de dieta o dia todo, trocam receitas de dieta, comparam perda de peso, trocam dicas de como não passar fome, reclamam de fome o dia todo, suspiram de desejo de um simples purê de batata ou uma sopinha de macarrão.

e na TV, no cinema, na vida, uma enxurrada de angelinas jolies, anoréxicas, consideradas lindas e perfeitas. modelos, sonho de consumo. adele, linda e jovem, com talento sobrando pra todo lado (irresistível a piada :)), é constantemente lembrada não pelos muitos prêmios ganhos e talento inegável, mas pelo peso. e emagrece, pouco a pouco, porque afinal “é preciso”.

considero seriamente neste momento em que viro os 40 mudar meus hábitos, emagrecer e me tornar mais saudável. muito menos por questões estéticas — porque afinal jamais serei considerada magra nem linda em nenhum padrão, nem me dou ao trabalho — mas porque estou com dificuldade de acompanhar meu filho de 18 meses nas suas (hiper)atividades. e porque comprar roupa é mesmo muito deprimente quando se é gorda.

mas resisto, numa atitude quase punk. por mais que minhas motivações sejam muito minhas e muito simples (em oposição ao “se enquadrar” ou agradar ao marido, mãe, enfim), não quero ser parte dessa horda de mulheres loucas com o próprio peso, cabelos, aparência. por mais que eu saiba que aparência é importante, que a atitude inversa do total desleixo é tão danosa quanto a vaidade sem limites, me identifico com o lado de cá, com a turma de calça rasgada e moicano feito de sabonete barato.

sempre há quem alegue que seja pura e simples preguiça (afinal, gordos são preguiçosos; feios são mal cuidados, desleixados), e em parte pode ser mesmo. uma preguiça imensa de provar algo, de investir na aparência que, de coração, não me faz nem nunca fez tanta falta.

e nem me venham com a ladainha de “é um sacrifício para sentir-se bonita, sentir-se bem consigo mesma”, porque há milhares de pessoas lindas e perfeitas no mundo absolutamente infelizes consigo mesmas, com sua aparência. continuamente em dieta e tratamentos estéticos, comprando loucamente roupas e sapatos e acessórios, carros e barcos e infelizes. porque o lóbulo da orelha direito está flácido, por causa de um espectro de celulite ou… enfim.

mas tudo estaria mais ou menos bem se não houvesse a patrulha, explicando o que pode e não pode, como pode, porque pode, deve ou não deve. em outras palavras, tudo seria mais fácil se cada um cuidasse da sua própria vida. não sei quantas vezes ouvi da minha mãe coisas como “olha, ouvi falar de uma dieta ÓTIMA…”, e do meu pai o constante “ah, seu cabelo é tão bonito, por que não deixa crescer, cabelo comprido é mais bonito”. creio que sempre falaram com a melhor das intenções, mas… caramba. todas as pessoas precisam ser magras de cabelos ao vento, sedosos e lisos. né?

well, e se fossem só meus pais, dava para administrar, deixar pra lá. mas é, repito, uma horda. estou cercada por todos os lados. e resisto, me debato, e adio o momento inevitável de finalmente sucumbir e me enquadrar. mesmo que não seja pelos mesmos motivos, me sinto como tentada a ir para o lado negro da força.

um dia volto aqui com notícias dessa minha batalha inglória — além de não ser nada fácil tornar-se mais leve e saudável, ainda tenho essa angústia de me transformar nesse tipo de mulher que acho chata de marré-marré-marré.

mas prometo que no momento em que engatar minha primeira nessa ladeira tratarei de tudo com meu usual bom humor. quem sabe consigo mudar E evitar esse caminho que tanto detesto. e continuar sendo eu mesma, ainda que em outro patamar de peso.

 

PS-1: a propósito, visitei uma endócrino há 2 ou 3 meses, pra fazer uma “geral”. ela me examinou, pesou, mediu e escarafunchou. e me disse bem calmamente — se quiser emagrecer, emagreça, e posso ajudar. mas NÃO PRECISA. você está absolutamente saudável, parabéns. o título ali no post não é à toa.

PS-2: e prefiro mil vezes ser gorda a me transformar nessas mulheres que precisam tomar remédio pra fazer cocô. acredite ou não, as 2 coisas estão 100% relacionadas (dieta/neurose com aparência e o cocô-ausente :D)