psiu!

[27-jun-2016]

Otto na piscina hoje socializando (pausa para: UAU) com 2 irmãos de 6 e 4 anos:

 

“Ei, vamos brincar de DIVERSÃO SILENCIOSA?”

 

(Juro por Dadá que não fomos nós que ensinamos isso!)

 

E convenceu os meninos <3

7 anos

Otto já decidiu que quer um bolo do IronMan (a cabeça), e vou encomendar pela 1a desde ele nasceu (sempre faço eu mesma). Só se eu tirasse férias pra fazer essa festa 😀

 

(Aliás vou conseguir ajuda pra tudo esse ano, e vamos fazer decoração de NY pros Vingadores fazerem a festa)

 

Mas não era disso que eu ia falar — ele decidiu também o sabor do bolo, e eu neste momento sou puro orgulho:

 

“Mamãe, meu bolo tem que ser de morangos com queijo, e o bolo amarelo.”

 

😁❤

família

[25-jun-2015]

 

Foi pedido pro Otto desenhar a família usando animais pra representar as pessoas.

 

Ele era um pinguim num iglu, e que só sai do iglu com “um vento muito forte” (ô gente </3) e eu sou… um elefante! Enorme, com grandes orelhas e jogando água pela tromba, “dando banho nos amigos”.

 

Achei tão tão tão lindo! <3

 

(Papai Fernando é um cavalo — hahahaha! — e o Otto se desenhou ao lado do cavalo, de mãos dadas <3)

tudo é passageiro

[25-jun-2014]

 

Se alguém me dissesse, há exatos 18 meses, que o Otto dormiria das 20 às 7h, sem intervalo, e reclamaria pra acordar de manhã eu diria HA-HA-fucking-HA.

 

E agora parece que foi assim sempre. Preciso me lembrar de como era aquele horror de acordar de 2 em 2 horas com criança chorando.

 

#atéauvapassa

(not so) baby steps

[23-junho-2016]

 

Otto, como vocês devem ter percebido, é uma criança muito mental. E perfeccionista, pobrezinho, modosque se arrisca muito pouco porque odeia errar. Vai sofrer muito ainda essa criança, e faço cá a minha parte pra amenizar esse lado da personalidade dele.

 

Exatamente por isso ontem tive tanto orgulho dele se arriscar USANDO esse lado tão mental. Acampamos na noite passada, e ele foi comigo escovar os dentes. Ele acabou, eu ainda estava escovando. Estava muito escuro lá fora (a lua não não tinha nascido ainda), ele quis voltar sozinho pra barraca (que estava perto, uns 20 ou 30 passos, mas no escuro).

 

Eu: “tá muito escuro! Como você vai achar o caminho?”

 

O: “mamãe, eu tenho 2 opções: usar a lanterna — mas eu não trouxe — ou procurar a luz verde. Do lado da luz verde está nossa barraca!”

 

Eu: (que não tinha me lembrado que havia mesmo uma luz externa verde perto da barraca) “ótima ideia. Então vai lá e se precisar de ajuda me chama”

 

Acabei de escovar os dentes e fui espiar, chegando perto da barraca chamei, ele responde “tou aqui, mamãe! Cheguei na barraca!”

 

Sei que é pouco, mas ele foi sozinho e achou o jeito dele de resolver um problema e se arriscar (de forma controlada, claro, senão não seria ele :))

 

É muito incrível observar um ser humano tão diferente de mim se desenvolver. Ele faz caminhos diferentes, escolhas outras, algumas delas alienígenas pra mim.

 

Observando, aprendo todo dia.

Diário de um OGRO

[23-junho-2014]

(Essa é pra você, Mami Vera!)

 

Sentei pra jantar em frente à TV com o menino (#menasmain) enquanto vemos o jogo, tinha frango ensopado. Eu não gosto da pele do frango, separei em cima do jogo americano aqui da mesa compartilhada.

 

Quando eu olho, Otto tinha comido a salada dele toda, parte do arroz com feijão E TODA PELE QUE EU LARGUEI! <o>

 

Nesse momento ele tá terminando o prato dele.

 

HALP, nutri.

carneiro

Eu: “amor, desenha os personagens completos, ao invés de fazer esse desenho de boneco de palito! Fica mais bonito.”

 

O: “ah, fica, mas assim é mais rápido.”

 

Lua em Áries, presente.

o sapo se mudou

[22-junho-2015]

 

Quase explodi de fofura com o Otto cantando “as flores já não crescem mais / até o alecrim murchou …” COM COREOGRAFIA <3

 

(E descobri que agora a música tem a versão feliz, com a água voltando e tal. Deve ser orientação do PSDB nas escolas, pra continuar todo mundo na ignorança :D)

bê-a-bá

[22-junho-2013]

2013

 

O Otto ama letras e números, percebemos quando ele começou a falar. Como ele sabe as letras todas (maiúsculas; as minúsculas ele ainda se perde), andamos na rua e quando tem outdoor escrito ele soletra, ou comenta sobre alguma letra.

 

Semana passada, no caminho da escola, ele me fala “olha, mamãe, um F de papai!”. E eu, no automático, “não, Otto, é o F de faca. O P é de papai”. Ele muito seguro insistiu no F de papai até eu me lembrar que o papai no caso é o Fernando!

 

Toma, mamãe 😀