descobertas interessantes

na falta da médica pra me orientar no início, vou contando com a denize e o google. mil vezes a dê que o google, honestamente – a maior parte das informações que encontrei sobre gravidez na internet são um show de horror completo.

a única que me pareceu minimamente razoável foi essa aqui, explicando o que acontece semana a semana. minha primeira surpresa foi descobrir que as semanas se contam a partir da data da última menstruação (no meu caso, 9/novembro). ou seja, estou entrando na sexta semana. na minha cabeça, devia contar a partir da data mais provável da concepção (pelo menos 2 semanas depois da menstruação), mas… aliás, contar gravidez por semana é coisa moderna, né? que eu me lembre, gravidez era contada por mês!

outra “descoberta” que me irrita é tudo que é texto falando de gravidez chama a mulher grávida de “mamãe”. odeio. pra mim, “mamãe” só deve ser usado pelo filho ou num contexto com o bebê presente quando se refere à mulher que no caso é mãe dele. exemplifico:

bebê – “mamãe!” <== OK pai da criança - "a mamãe tá chamando" <== OK amigo, conhecido, whatever - "olha, a mamãe trouxe sua chupeta" <== OK qualquer outro uso acho péssimo. "a mamãe no segundo mês está..."? eca. "bom dia, mamãe, veio fazer o pré-natal?" chute na boca. ninguém além do meu filho pode me chamar de mamãe. só se aplica se for pra me identificar para o meu filho.

2 thoughts on “descobertas interessantes

  1. Também ODEIO essa coisa de “mamãe”! Afeee!! E marido que chama a mulher de mãe e mulher que chama o marido de pai? O uó é pouco!

    Eu pedi pro pediatra em SP me chamar pelo nome. PELAMOR, né? Eu tinha gostado tanto dele, mas se continuasse com aquela palhaçada eu iria cair fora!

    Chute na boca! ;o)

Leave a Reply