diário do otto: 1 ano e 9 meses

otto,

você completou 21 meses no meio da sua primeira mudança de casa. e tratando-se dos pais que você tem, prepare-se para muitas mudanças ainda na vida 🙂 desde que o papai e a mamãe foram morar juntos (há 9 anos) já trocamos de casa 3 vezes (sem contar nossa 1a casa), ou seja, estamos na 4a casa.

essa casa nova é bem mais legal do a outra, apesar de não ter um jardim. teremos que improvisar com as plantinhas da mamãe e algumas árvores que encomendei pra você. teremos jabuticaba, pitanga, amora e cereja, espero que algumas delas produzindo ainda este ano. mas em frente à nossa casa tem uma enorme área verde com lago, patinhos e árvores de monte pra você brincar.

este mês você continuou ensaiando palavras novas o tempo todo, parece um papagaio! já arrisca os nomes dos bichinhos que você adora no livro de histórias: coruja e caramujo ainda são UUÚ; gá-tô; au-au; am-bá (saruê); o morcego é IR, graças ao seu morcego moacir de pelúcia; rato-pato (que é um personagem da história) é ATO-PÁ; pa-tô; co-có; ovelhinha é BÉ-É-É; e o único animal que você fala PERFEITO é a águia. não temos a menor idéia de porque você gosta de falar e repetir águia, mas todos os dias quando pegamos o livro você começa a repetir “águia, águia” até que a gente achar, e mostrar.

e, não tem como esquecer, você FINALMENTE começou a falar mamãe, mãe e MAMI (o mais fofo) <3

os nomes das pessoas agora começaram a aparecer também (além de aía, que é a maria, sua babá e pau que é a tia paula) — artá (marta, que ajuda com a limpeza da casa), vovó véa, vovó lu, tia, pé-go (prego, o jardineiro que você ama) e kito (seu tio). os verbos aparecem aqui e ali, mas sempre e principalmente qué (quer), ábi (abre), papá (comer ou comida), naná (dormir), mamá (mamar). e tem chulé, janjão (o camaleão de brincar no banho), ága (água), aqui (sempre apontando, pra dizer exatamente ONDE), úa (rua) e uá (lua), EU (que muitas vezes significa outra pessoa :D), ábo (rabo, seja de bicho seja de cabelo).

você começou também a chamar a si mesmo de otto, apontando pra barriguinha, é a coisa mais linda! “quem tá fazendo bagunça?” “OTTO!”, você aponta.

mas o mais impressionante destes dias foi você aprendendo a contar e falar os números. você gosta de mostrar os dedinhos quando conta (uuum — 1 dedinho; dôsh — 2 dedinhos com o maior esforço). o tês e cáto você só fala, não faz dedinhos. mas conta “uuum, dôsh IIIII XÁ!” (1, 2 e já) e morre de rir. só que no meio das brincadeiras, esses dias, você viu 2 gatinhos no livro e disse: “ga-tô. uuum, dôsh!” e mostrou 2 dedinhos! e logo depois mostrou a mãozinha (“uuum”), a outra mão (“ooô” — outra) e mostrou 2 dedinhos (“dôsh!”). juro que não estamos tentando ensinar você a contar assim tão cedo, mas aparentemente você já entendeu como funciona e achou legal 🙂

sua rotina de dormir está a mesma, e ÓTIMA. sempre tem um dia ou outro que você chora à noite, acorda porque tem picada de mosquito ou nariz um pouco entupido (maldição dos seus pais com nariz estragado), mas no geral tá muito bem. tenho feito você dormir na minha cama à noite e só depois coloco você no berço, pois você demora um pouco para pegar no sono e estava muito cansativo ficar sentada do lado do berço, toda esticada. você gosta de dormir abraçado no nosso braço, e não queria privar você desse aconchego, especialmente porque passo o dia todo fora, né? a mamãe tem gostado bastante de ficar abraçadinha com você até que você durma!

bem, você continua comendo de tudo e cada vez mais independente, querendo fazer tudo sozinho. a novidade atual é que você não quer mais cottage, prefere os queijos amarelos e está apaixonado por castanhas! (noz, amêndoa, castanha do pará, de caju e macadâmia) aliás, qualquer castanha você come direitinho e adora. descobrimos seu gosto por elas porque mantemos um pote de castanhas no armário e você para na frente dele, pedindo e apontando, e enfim, adora.

na casa nova tem um espaço na sala só pra você, que ficou lindo e cheio de brinquedos e suas tranqueiras. você amou a casa nova, ainda não sei se é por ter mais espaço, espaço só pra você ou porque também gosta de mudanças, como seus pais.

você continua lindo (e cabeludo, já que não conseguimos ainda cortar seu cabelo), brincalhão, geralmente muito feliz e bem humorado e cheio de personalidade, o que nos dá um trabalho e canseira enormes 😀 mas não reclamamos. a convivência com você melhora a cada dia, e a diversão também. temos muito orgulho do menino bonito e feliz que você é e amamos você mais que tudo no mundo.

um beijo carinhoso da sua MAMI 🙂

PS1: esqueci, tem mais um bicho — você também reconhece o dodô no seu macacão, aponta e fala DODÔ 🙂

PS2: muitas fotos deste mês 🙂

em uma palavra: empatia

pretendo escrever sobre este assunto pela última vez, não só porque não sou engajada e nem tenho tempo para bandeiras mas principalmente porque ser mãe é muito, muito mais que parir. é, eu sei que quando estamos grávidas do primeiro e único filho sentimos que aquilo é a coisa mais importante e intensa e uau! e etc. mas a verdade é que o restante, o que vem depois, é mais intenso, mais punk, mais incrível e (é óbvio, mas enfim…) mais importante.

já afirmei aqui inúmeras vezes que sou 100% a favor de parto natural. sem drogas, sem intervenção, completamente humanizado. e que acredito que quem faz o parto é, sim, a mãe. processo fisiológico, complexo, intenso e cheio de significado, e que deve sim ser conduzido pela grávida. médicos devem ser apoio, suporte, ajuda, e nada mais. a menos, é claro, que a gravidez ou o parto sejam caso médico, o que é realmente a minoria.

acho que os médicos são mal preparados para lidar com partos. tratam como procedimento médico, não sabem lidar com o imprevisto, são muito inseguros quanto ao processo fisiológico e se apegam em horas, dias, tamanho. muitas métricas para tentar controlar o que não é tão simples controlar (e por que afinal precisa ser controlado?). acho que os médicos têm muito a aprender com as parteiras, e as próprias parturientes. deviam aprender a acompanhar o processo, e se adaptar à realidade de cada ser humano que atendem, aprendendo a cada experiência, ao invés de repetir mecanicamente procedimentos. aliás, todos os médicos deviam ser assim, não? (mas essa discussão de perfil do médico é OUTRA, não cabe aqui)

dito isso, lembro que meu parto foi um pesadelo. a gravidez foi perfeita, eu sonhava (e me preparei) para um parto natural e humanizado, ainda que dentro de uma maternidade, que foi minha opção. na prática, fiz uma cesárea de emergência e meu filho quase morreu. além de ter passado por um risco IMENSO de ter sequelas. felizmente ele aparentemente não tem sequelas (nunca saberemos com 100% de certeza, na verdade), mas a experiência do parto emergencial e filho na UTI por 8 dias foi horrível, não desejo pra ninguém.

ordenhei desde o primeiro dia, quando o otto nasceu, e jogava o leite fora, pois ele não podia ainda se alimentar e não era possível congelar no hospital. essa rotina, além de fisicamente desgastante foi muito difícil, pois me lembrava a cada ordenha que ele devia estar ali, se alimentando, e estava numa estufa na UTI. fer e eu visitávamos o menino a cada 3h no mínimo, às vezes mais, e só saímos quando nos expulsavam, ou quando eu precisava descansar. passei por uma cirurgia muito pesada e estava ali, andando pra cima e pra baixo pra visitar meu filho, cantar pra ele, acariciar seu corpinho pela parede da estufa. e no quinto dia depois de nascido eu pude finalmente pegá-lo no colo e dar o peito, e ele mamou tranquilamente, sem dificuldade. e eu tinha tanto medo de perdê-lo, dele ter algum problema, que nem me deixei apaixonar nestes primeiros dias. vivi dias de sombra, anestesia emocional. foi só quando ele chegou em casa que me permiti sentir amor, emoção, apego, e tudo o mais que precisava sentir. adoeci enquanto ele estava na UTI, e era tudo emocional. stress, medo, tudo misturado.

meu plano de parto deu todo errado. mas eu continuava a mesma pessoa, procurando fazer o que achava melhor pra mim e pra ele, a partir dali, depois do trauma todo. e aqui é que começa o que eu realmente quero dizer pra vocês sobre os movimentos e grupos de parto humanizado e “maternagem” (vejam que é preciso inclusive inventar uma palavra nova para a atividade mais antiga desde que o primeiro animal apareceu nesta terra).

não existe apoio, conforto e nem empatia deste grupo seleto de mulheres que “buscam os melhor para si mesmas e para seus filhos” quando acontece de você parir seu filho via cesárea. a única explicação possível é que você foi ENGANADA (ou seja: é ignorante ou idiota). e que infelizmente seu parto não é um parto, é uma cirurgia. e que seu vínculo com seu filho jamais será igual ao que as mães-de-verdade têm, porque afinal o vínculo se estabelece no instante em que a criança nasce e é colocada no seu colo ou no seu peito.

vocês leram tudo que escrevi ali em cima, sobre minhas crenças antes da maldição da cesárea se abater? ofereço mais informação: consumo alimentos orgânicos, sempre prefiro este tipo para o meu filho e para minha família. tudo feito em casa. sou contra deixar bebê chorando, sou a favor de amamentação em livre demanda (e assim fiz, até quando o otto quis e meu horário de trabalho permitiu), não tenho nada contra os pais dormirem junto com os bebês, e acho que lugar de bebê é no colo.

parece que sou parte da minoria, e que me daria muito bem nestas comunidades, certo? ERRADO.

procurei informação e apoio através da leitura de blogs e sites sobre parto, amamentação, maternidade em geral, e em todos que se preocupam com as coisas que eu me preocupo predominam as xiitas. ou você abraça completamente a “causa”, ou é mãe-de-cesárea. não há lugar, nestas comunidades, para mulheres que fazem opções diferentes das que elas propõem como perfeitas ou “naturais”. exemplifico: quando relatei meu caso, ouvi / li coisas como “ah, mas isso só aconteceu porque você foi para o hospital e aceitou a indução do parto. se tivesse ficado em casa, o menino poderia ter nascido sem complicações”. é, ele poderia ter morrido também, já que eu estava com 38 anos tendo meu primeiro filho e ele teve compressão de cordão. mas vamos convenientemente esquecer essa probabilidade.

também li que meu cansaço e saco cheio com o bebê pequeno, a rotina intensa de amamentação eram consequência do meu parto. cesárea = não tem vínculo = fico cansada e de saco cheio de cuidar de bebê o dia todo.

aí eu pergunto: por que mulheres que são minoria, e estão lutando pelo direito a parir e criar seus filhos de uma forma alternativa, anti-mainstream, são tão incapazes de sentir empatia por outras, como eu, que estão MUITO mais próximas delas do que das mães que marcam hora da cesárea logo depois da manicure e alimentam os filhos com danoninho?

eu respondo — porque elas deviam estar lutando pelo seu próprio direito de escolha, mas estão lutando na verdade contra as escolhas DOS OUTROS. é tudo ou nada: se você fez uma cesárea e não se arrepende e não tem ódio de médicos e do “sistema”, você é um DELES, e não merece simpatia alguma.

mas elas são minoria, então por que você se importa e reclama? porque a causa delas É A MINHA TAMBÉM, só que elas estão estragando tudo! e é minha causa parcialmente, claro, pois não concordo com o pacote todo. mas quando pessoas radicais e que, no fundo, só se importam com “a causa” predominam, a mensagem importante que está por trás disso tudo se enfraquece. eu mesma me sinto muito menos inclinada a defender essa bandeira, já que fui excluída da “patota” porque não guardo rancor contra minha médica e nem acho que cometi nenhum erro. foi como foi, e sigamos.

alguém cruel pode dizer que eu sou contra esses grupos porque fui excluída, que é puro rancor e despeito porque não “consegui” parir. já devem ter dito, aliás, se me lembro de alguns comentários aqui no blog. a verdade é bem mais simples e menos intrincada emocionalmente: eu sou pró escolha. em todas, absolutamente TODAS as instâncias da vida, desde a concepção de um filho até o dia da própria morte. e estas senhoras tão cheias de boas intenções, no frenesi do “empowerment”, esquecem que todas as escolhas são possíveis e ABSOLUTAMENTE TODAS devem ser respeitadas.

acho incrível alguém se permitir dizer a uma mãe que seu amor por seu filho é menor porque ele nasceu através de um corte na barriga e não através da vagina, ou porque mamou na mamadeira e não no peito. seja por ignorância ou por escolha, esse julgamento devia estar fora de questão. o empenho devia estar na informação, educação, apoio e não no julgamento! afinal, por ignorância ou simples opção, escolhas devem ser respeitadas.

no mais, vida longa a todos os blogs e sites com informação sobre parto natural, amamentação, contato prolongado com o bebê. a grande maioria das mulheres realmente precisa de mais informação para tomar decisões melhores e com mais confiança, sem precisar delegar a outros a decisão sobre seu corpo e sua vida.

update 1: excelente artigo sobre tolerância, completamente relacionado a esse assunto, dica da denize barros.

update 2: não mencionei isso no post, mas é tão importante que resolvi atualizar. tenho certeza que o parto/amamentação no peito/proximidade da mãe nos primeiros meses de vida faz MUITA diferença para o bebê. mas se fosse TÃO determinante, pobres dos seres humanos adotados, não? estariam condenados para o resto da vida! não duvido se encontrar por aí alguém dizendo que amor pelos filhos adotivos não é igual ao que temos pelos filhos biológicos.

diário do otto: 1 ano e 8 meses

otto,

você completou 20 meses imediatamente após a volta da sua primeira viagem internacional, e foram muitas novidades em pouco tempo. viajamos de avião por 15h (com intervalo em frankfurt), andamos de trem, ônibus, metrô, barco, a pé, dormimos em 8 hotéis diferentes, comemos em vários restaurantes, você experimentou um monte de comidas novas e se adaptou muito melhor do que eu esperava.

passamos praticamente este mês todo viajando, conhecendo lugares e pessoas novas, e você se mostrou quase sempre simpático e bem humorado. em compensação, quando o humor azedava… aiaiai. suponho que o temperamento “fácil” do papai e da mamãe foram transmitidos pra você também, não? 🙂 não tivemos problema com fuso horário e nem com seu sono. em compensação, você gripou (eu também!) e ficamos os dois cansados e reclamões. o papai, felizmente, não adoeceu e nos aturou neste período.

você começou a ficar mais mandão e cheio de vontades, quer fazer tudo do seu jeito. o que é compreensível, afinal está na idade de entender que você e as demais pessoas são distintos, que você é um ser único, um indivíduo, e tem suas próprias vontades e desejos. é difícil às vezes lidar com seu desejo de independência (não quer que troque fralda, que dê banho, que coloque/tire roupa e sapato, que dê comida ou água…) já que você ainda não aprendeu a fazer tudo sozinho. mas por outro lado, é tão bonito ver você tomando as rédeas das pequenas coisas da sua vida, como colocar sapatos e comer sozinho! acho uma graça você concentrado segurando os talheres, brincando com o iPad ou tentando colocar sapatos.

no meio da viagem você comeu sua primeira refeição completamente sozinho. pedimos um prato de macarrão à bolonhesa, você pegou seu garfo e se recusou a comer se a gente oferecesse. foi pra cima do prato e comeu, com gosto, um MONTE de macarrão. ficou imundo, derrubou um monte, mas ficou super feliz, e nós deixamos você dar seu primeiro passinho de independência, cheios de orgulho (ou no caso do seu pai, nojo da meleca! hahahahaha).

também foi neste mês, faltando 1 semana para completar 20 meses, que você falou sua primeira palavra “completa”, com intenção e significado: . meu filho, saiba que uma das coisas mais difíceis de ser pai/mãe é não comparar, não criar expectativas e respeitar sua individualidade. a mamãe falou muito cedo (10 meses) e o papai a gente não sabe, mas também foi bem antes de 2 anos. ficamos apreensivos porque você não começava a falar, porque os pais sempre acham que tem alguma coisa errada quando os filhos não se desenvolvem como “os outros” ou eles mesmos quando bebês.

sabemos que isso é bobagem, e que cada pessoa é única, tem seu tempo e personalidade própria, mas sempre queremos que nosso filho seja o melhor, o mais rápido, mais inteligente, mais tudo. quando, de verdade e lá no fundo, pra nós você é e sempre vai ser o mais lindo, inteligente, esperto e divertido dos bebês, independente de qualquer coisa que você faça. nunca duvide disso!

dizem que “palavra” na sua idade é qualquer expressão verbal que represente alguma coisa, mas eu e seu pai não contamos assim; se fosse assim, sua comunicação por vogais tônicas já contaria como um vocabulário bastante impressionante desde muito cedo! atualmente você fala: pé (é pé mesmo e ipad também), mão (seu ã é super engraçado!), chão (muito frequente, quando quer que a gente deixe você solto andando), có (colo), tetê (chupeta), pão, papai, tia, pau (paula), aía (maria), qué, não, roXão (rojão), dirigí (você adora sentar no banco do motorista no colo do papai quando estacionamos na frente de casa!), xixi, cocô, pum, pepé (papel), iX (lixo), papá, fofô (vovô). e nada de mamãe, seu sem-vergonha!

seu sono melhorou MUITO. você simplesmente não deu trabalho a viagem toda com sono (só nos dias de nariz entupido, claro), e agora dorme muito bem das 19:30-20:00 até 7:00 mais ou menos. às vezes não acorda nenhuma vez, às vezes acorda para mamar somente por volta de meia-noite. seu pai e eu nem conseguimos acreditar, parece milagre! depois de 1 ano e 8 meses, seu sono finalmente estabilizou à noite. agora a única coisa que dá trabalho é a hora de dormir, pois você tenta se manter acordado (apesar de cair de sono), e tem demorado até 1h para pegar no sono. mas teremos paciência, e ficaremos ali do seu lado, até você aprender a dormir e (com sorte) apreciar a delícia de descansar 🙂

bem, você continua comendo feito um ogro, apesar de ter dado trabalho para comer na viagem (sem apetite algum, super seletivo e querendo comer sozinho somente). em casa, tudo vai muito bem e você come tudo e de tudo. continua super fã de brócoli e cenoura, e está numa paixão incrível com quiabo (come 2 bandejas por semana, sozinho!). nas frutas, continua fã de melancia, morango, pera e agora adora abacaxi também. além das outras todas, tem aqueles que pega direto do pé, que você come na pracinha (pitanga, amora, goiaba).

seus passeios estão muito divertidos, você caminha bastante sozinho (mas às vezes pede colo, e está PESAAAADOOO), começou a se interessar por brincar com outras crianças, interage mais e adora areia, carrinhos, pazinha, etc. tem sido interessante observar seu interesse pelas outras pessoas aumentar, suas tentativas de socialização. aliás, na viagem, você foi muito simpático e aprendeu a piscar para todo mundo, sorrindo, como quem flerta. essa gracinha fez MUITO sucesso e arrancou risadas das pessoas mais sérias. você foi total sucesso em todo lugar, e batemos muito papo pela rua graças a você e sua simpatia! muitas pessoas elogiaram seu cabelo (que é lindo mesmo, e bem dourado), seu sorriso, enfim, sua lindeza. nós somos suspeitos, afinal pra nós você sempre vai ser o bebê mais lindo do mundo. e agora, que manda beijo então? (com a mãozinha e com barulho) de morrer de fofura.

meu amor, este mês foi incrível. foram 3 semanas intensas, 24/7 com você e apesar do cansaço de ter alguém pra cuidar o tempo inteiro, foi muito gostoso também. você está cada dia mais divertido, esperto e comunicativo, e temos brincado muito juntos. tenho certeza que cada ano que passar será mais e mais legal!

ah, esqueci de contar: eu faço uma brincadeira com sua tia kelly desde pequena, a gente imita ogro (imitando dentões fora da boca), e descobri que você acha O MÁXIMO a cara de ogro. morre de rir, e imita (tenta, por enquanto), fechando a boquinha. e fala OGR (opa, mais uma palavra!)

um beijo e abraço daqueles bem apertados da mamãe, cada dia mais apaixonada por você.

PS: veja as suas fotos neste mês!

conhecendo a escandinávia… com um bebê!

para saber detalhes do roteiro, leia este post. por aqui vou complementar com informações sobre a viagem com o bebê, as dificuldades e dicas.

vou separar esse post por assunto, já que o roteiro está coberto no outro post.

a bagagem

sou bastante econômica com bagagem, minhas malas são sempre pequenas, mas não é tão simples fazer malas pequenas para um bebê de 1 ano e 7 meses. sempre há o risco de necessidade de troca de roupa mais de 1 vez por dia graças a fralda que vaza, comida que derrama na roupa ou acidentes na hora de trocar (aconteceu na viagem na chegada em frankfurt, e eu não estava preparada, não tinha todas as peças para repor!).

se a viagem for para algum lugar frio, como no nosso caso, complica mais. eu levei bodys de manga longa (6), camisetas de manga longa (4), moletons com capuz (2), casacos de frio (3), calças de malha fina (4), moletons (2) e jeans (2), meias (4), gorros (2), par de luvas (1), 1 tênis e 1 bota. levei peças suficientes para 10 dias no máximo (caso sujasse 1 “kit” por dia), então planejamos lavar roupas no meio da viagem. fizemos o mesmo com as nossas roupas, e conseguimos lavar o que estava sujo no meio da viagem. não faltou nada, e as camisetas de manga comprida do otto sobraram todas. na verdade, faltou sim: tive de comprar camisetas de manga curta pra ele, que é muito calorento e passou calor em alguns lugares fechados.

comprei também pro otto algumas coisas que não precisava mas foram úteis e queria levar de volta: 1 macacão impermeável (muito útil para os dias de chuva e neve), 1 casaco impermeável mais pesado (o que eu levei era mais leve, e não usei), 1 touca e algumas blusas/macacões.

é muito importante levar sacos plásticos para guardar roupas sujas, especialmente do bebê, pois pode acontecer de vazar fralda, e aí fica impossível guardar a roupa suja até a próxima possibilidade de lavar sem sujar o restante. sugiro levar pelo menos 3 sacolinhas plásticas, pra mim foi suficiente. não levei toalhas, usamos as do hotel mesmo. mas levei 2 babadores (e comprei mais 2 na viagem, mais porque achei bonitos do que por necessidade :))

na necessária dele levei shampoo, sabonete, bepantol, creme hidratante, cotonetes, tylenol baby (febre/dor), hixizine (antialérgico) e soro fisiológico de spray (pro nariz).

além disso, levei 2 fraldas de pano (foram úteis) e 1 saquinho com fraldas (10) / lencinhos / bepantol. compramos fraldas descartáveis no decorrer da viagem.

viajamos assim: 1 mochila grande (60L) com o fer, 1 mochila média comigo (40L), 1 mochila pequena (tipo notebook) com o fer e 1 mochila pequenina comigo. voltamos com essas malas + 1 carrinho dobrável + 1 mala média de rodinha que compramos para acomodar as coisas adicionais que compramos na viagem.

o vôo

começo dizendo que viajar de classe executiva foi a melhor decisão que tomamos. eu sei que nem todo mundo tem possibilidade de pagar por esse luxo, mas faz MUITA diferença.

até os 2 anos a criança não paga, então o custo fica um pouco menor. para vôos longos, há a opção de usar o berço que se acopla à parede do avião, na frente do assento dos pais. o problema é que o berço é para bebês até 2 anos, mas o otto simplesmente não coube (nem de longe) no berço, os 2 pés ficaram pra fora, ele parecia que estava numa caixa de sapatos.

dou aqui a dica que a companhia aérea me deu (e pra nós funcionou muito bem): reserve 2 lugares na fileira de 3 cadeiras, um em cada ponta (meio livre), e peça na reserva para marcar que o casal está com um bebê. o bebê não tem assento marcado (se o vôo estiver lotado, ele vai no colo o tempo todo), mas caso o vôo não esteja cheio, a chance de alguém querer sentar no meio de 2 pessoas com um bebê é mínima 🙂 sendo assim, o assento do meio fica livre e o bebê pode ir no meio.

no caso da executiva, fica perfeito porque o banco reclina completamente. quando o bebê dorme, basta colocá-lo no assento do meio dormindo e pronto. além, é claro, do espaço enorme para levantar e até sentar no chão com o bebê (como eu fiz, para desgosto dos comissários alemães :D). o otto dormiu a viagem toda de ida e de volta, depois do jantar quando apagam as luzes. na ida ele acordou assustado 2x, chorou 3 segundos e depois dormiu de novo. nós conseguimos dormir também, pelo menos parte da viagem. dormimos o suficiente pra acordar com ele chorando NO CHÃO 🙂 (não sabemos se ele desceu sozinho ou se escorregou. pelo chorinho reclamão sem grande drama, suponho que tenha descido sozinho).

a comida no vôo foi ótima, e o otto comeu junto com a gente, de tudo um pouco. levei lanchinhos também, mas o que serviram nas refeições foi suficiente pra nós 3. só na volta precisei pedir mais uma porção de sobremesa porque o otto adorou as frutas e quis mais (morango, uva, kiwi).

levei livros pra ele, brinquedos e o iPad, mas de verdade não foi necessário. as novidades dentro do próprio avião e as pessoas ao redor foram distração suficiente 🙂

uma coisa que sempre fiz por ouvir recomendações a respeito é dar a chupeta pra ele no pouso e decolagem. ele já viajou de avião algumas vezes e nunca reclamou de dor de ouvido, então suponho que funciona mesmo! pra quem não usa chupeta, imagino que dar o peito ou a mamadeira faz o mesmo efeito (só que esse período de pressão no ouvido dura um pouco, precisa segurar no peito/mamadeira por um tempinho…)

o que levar na mochila de mão

levamos no decorrer da viagem (pra ele, além das nossas coisinhas) o iPad, 2 livros, 1 brinquedo, biscoito, uvas, queijo (aquele da vaquinha. ele não comeu nenhum :D), água, mamadeira, chupeta (2), 2 mudas de roupa (inclusive luvas/touca), 1 fralda de pano, 1 kit de talheres de plástico, 1 babador, o saquinho de troca de fralda.

eu e fer dividimos as coisas dele e as nossas em 2 mochilas: uma grande ele e 1 pequena minha.

não senti falta de nada na rua, o que levamos foi mais que suficiente. o chato era carregar o casaco impermeável que tira/põe quando entra e sai dos lugares. nos dias de chuva/frio levamos também o macacão impermeável dele (e usamos).

além das mochilas de mão, compramos por lá um carrinho (dobrável, super leve) porque não conseguimos alugar (muita encheção de saco, reserva, recomendações…). no carrinho deixávamos os casacos e uma mantinha que compramos por lá para cobrir o otto quando ele dormia no carrinho.

no hotel

eu e o fer usamos shampoo e sabonete do hotel, então nem levamos na necessária. todos nós usamos somente toalhas dos hotéis, então economizamos espaço na mala com isso também.

eu dei banho nele no chuveiro ou banheira, quando tinha. ele tomou banho junto comigo todos os dias. eu sentava no chão, com o chuveirinho, e ficava brincando com ele e dando banho, ele adorou! algumas noites ele me puxava pela mão pra dar banho nele <3 foi muito gostosa essa parte, que normalmente é diferente em casa (ele toma banho antes de dormir sempre, mas na banheira dele). a gente tomava banho, o fer pegava ele, trocava, colocava pijama e fazíamos a rotina de dormir.

em todos os hotéis que ficamos (com exceção de 1 pousada, cujo berço era muito pequeno para o otto) pudemos contar com berços portáteis. ele dormiu muito bem nos berços todas as noites — eu contava história, fazia dormir no colo ou na nossa cama e depois colocava no berço. ele dormiu bem quase todas as noites, até porque dormia muito mais tarde do que o normal (entre 21h e 22h, quando o normal dele é 19:30h). só deu trabalho realmente nas noites com nariz entupido, pois gripou no meio da viagem.

o problema de dormir em hotel com bebê é que a noite acaba na hora em que ele dorme. mas, honestamente, estávamos tão cansados no final do dia que às 22h já queríamos os 2 dormir também, ficamos no máximo mais 1h acordados depois dele…

jantamos algumas noites no hotel, pra não precisar sair pra jantar. pedimos comida (no hotel ou delivery) e algumas vezes compramos lanches. o otto comeu muito bem alguns dias (pizza e macarrão eram sempre bem-vindos. na viagem ele comeu pizza pela primeira vez e AMOU) e muito mal em outros. procuramos pedir pratos que ele talvez gostasse, mas só o macarrão é certeza absoluta, o restante depende do dia. alguns dias ele comeu pepino em conserva e recusou purê de batata; em outros, comeu carneiro e recusou legumes. aliás, a maior dificuldade pra nós foi conseguir legumes e frutas pra ele, já que são as comidas preferidas. ele via brócoli e só faltava IMPLORAR. até pimentão e cenoura crua o menino comeu, na falta do restante.

café da manhã no hotel foi sempre ótimo, mas tivemos que estabelecer uma rotina de dar a mamadeira para o otto ANTES de ir para o restaurante, pois quando ele via a comida não queria mais mamar (ogro). então dávamos o leite dele ainda no quarto e depois íamos comer. ele comeu muito mal a viagem quase toda, e ficamos preocupados. felizmente ele come muito bem normalmente, acabamos deixando ele comer o que queria (pouco), já que sabíamos que ele ia recuperar o tempo e peso perdido na volta. mas olha — que chato quando a criança não come! tive uma amostra do quanto é estressante estar com um bebê que não quer comer nada. não invejo mães que têm filhos que não comem bastante.

comendo fora o tempo todo

essa é uma questão que depende muito da criança, obviamente. o otto é uma criança que come muito e de tudo. ele não está habituado com sanduíches, lanches e snacks (bolacha, etc.), o que é um problema em viagens desse tipo. ele come normalmente arroz, feijão, carne, legumes e verdura, sopa ou macarrão. e muitas frutas, todos os dias. por mais que essa alimentação seja ótima e saudável, não é muito simples servir esse tipo de comida todos os dias em todas as refeições durante uma viagem.

os restaurantes que ele comeu melhor foram chineses e japoneses (arroz, carne, legumes — check!) e italianos (macarrão e carne — check!). comidas que associam com crianças, tipo almôndegas e purê de batata, por exemplo, ele não gosta. para nossa sorte, ele AMA batata frita, que se acha em todo lugar. na emergência, apelamos para batata frita. até NUGGET tentamos dar pra ele no mcdonald’s, vejam bem… ele recusou os nuggets, mas comeu a batata e a cenoura CRUA.

para completar a mudança total de alimentação (rotina e oferta) ele ainda ficou gripado, e o apetite desapareceu, ele não queria comer NADA. ah, sim, e como cereja em cima do bolo, o pouco que comia ele só aceitava comer sozinho. ele está na fase de querer fazer tudo sozinho, e eu acho super legal e incentivo, mas convenhamos que no meio de uma viagem, com roupas limitadas, frio, e querendo passear, gastar 2h para almoçar e sujar a roupa toda não era exatamente uma boa opção. tentei balancear, deixei ele comer sozinho enquanto não estava muito demorado e nem muito bagunçado.

as frutas foram um problema à parte — ele come uma variedade muito grande todos os dias, mas na viagem não é simples dar todo tipo de fruta. procurei as mais fáceis, e fiquei com elas: banana, uva e blueberries. ele comeu relativamente bem todas essas, que são fáceis de comprar e levar. pelo menos isso!

ele começou a comer com frequência algumas coisas que não comia normalmente, foi interessante: pepino, tomate e ovo cozido/quente. todos no café da manhã, como um legítimo viking!

e o comportamento em lugares públicos? brigamos muito em vários restaurantes e locais fechados, pois ele estava nos enfrentando bastante. batia os talheres, chutava a mesa, jogava a comida no chão, recusava a comida e fazia manha (nhééééé…), dava gritinhos re protesto, etc. suponho que o comportamento diferente do normal (ele não é tão chato normalmente) seja uma mistura de saco cheio, mudança de rotina, gripe, e a idade (terrible twos approaching fast…). não foi fácil pra nós, pois DETESTAMOS criança fazendo manha e tendo chilique em locais públicos. demos bronca, como sempre fazemos, e tentamos aproveitar a oportunidade para educá-lo, mas várias vezes também acabamos cedendo para evitar constrangimento maior. esse balanceamento é difícil, e nos causou bastante stress.

se fôssemos o tipo de pais que não se importa de incomodar os outros ou que não se importa em não educar na hora que é necessário, provavelmente não nos incomodaríamos. mas pra nós essas 2 questões são muito importantes, e não é fácil ceder para evitar uma crise no meio da viagem.

de certa forma, a viagem foi educativa também pra nós, como pais. entendemos que por mais que queiramos controlar tudo e fazer tudo “certo”, às vezes é preciso aceitar situações não ideais, e recomeçar numa próxima oportunidade.

trocando as fraldas

é um incômodo, já vou avisando. pelo menos pra nós, porque o otto não para quieto pra trocar, protesta sempre. as fraldas de xixi dá pra segurar bastante a troca, mas de cocô a gente trocava imediatamente (não dá pra ficar PERTO do menino nesse estado, hahahhahaa). pela escandinávia toda tem “baby rooms” (unissex, não é dentro do banheiro feminino como por aqui) para trocar fraldas, tudo muito espaçoso e boa infra.

no entanto, o bebê pode fazer cocô nas horas mais inconvenientes, como dentro do avião (trocar bebê no avião, do tamanho do otto e sob protestos… not funny) ou 3 minutos antes de entrar no passeio de ferry, como aconteceu conosco. o ferry não tinha baby room, somente banheiros minúsculos que mal cabiam 1 pessoa. eu e fer tivemos que trocar a fralda do menino em pé num banheiro minúsculo… e ninguém mais pode entrar no banheiro, graças à fralda atômica 😀

aliás, recomendo fortemente levar saquinhos de guardar fraldas sujas de forma que seja possível fechar completamente o saco, caso precise levar as fraldas consigo. as fraldas de cocô do otto são PODEROSAS, não dá pra viver com elas no mesmo ambiente sem isolar, hahahahaha!

as sonecas

o otto ainda dorme de dia, normalmente 1 vez, às vezes 2 (manhã e tarde). a rotina dele é de dormir no quarto, com musiquinha e tals. imaginem esse menino cansado, na rua, sem rotina, sem quarto, sem nada que ele está acostumado.

o que aconteceu é que ficamos atentos ao comportamento dele (cansaço, sinais de sono, etc.) e tentamos promover um ambiente melhor pra ele dormir. andar no carrinho, bem agasalhado, sem muitas intervenções, ajudou. ele dormiu algumas vezes no carrinho, sem problema (e aí descemos o carrinho e ele ficou por lá por até 2h). outras vezes pegamos no colo para dormir (avião, ônibus, trem, barco, etc.), e ficamos lá de castigo com ele no colo.

no geral as sonecas não deram trabalho, bastou prestar atenção ao cansaço dele e dar um jeito de deixá-lo confortável para dormir seu soninho do dia.

os passeios

primeiro: o carrinho é uma necessidade. ponto. se soubéssemos que não ia ser possível alugar, teríamos levado. faz muita diferença, principalmente nessa idade em que ainda é possível usar carrinhos e eles estão pesados pra gente carregar, seja para passeios ou para dormir. na escandinávia toda é fácil andar de carrinho em todos os lugares (ônibus, trem, rua, museus, etc.), dá pra usar sem problema nenhum.

passear pela rua e parques, pelo menos com o otto, é ótimo. ele gosta de ver gente e paisagens, seja no carrinho ou andando. é importante arranjar uma forma de poder “soltar” a criança de vez em quando, deixar andar e explorar. não dá pra manter no colo ou no carrinho por muito tempo, eles ficam entediados (e é chato mesmo né?). procuramos encontrar oportunidades de deixá-lo andar, explorar e brincar solto. ele adorava cada oportunidade de correr e explorar, ver pessoas e interagir. fez muitos “amigos” pela viagem, uma graça. fazia charme pra todo mundo, e as pessoas em geral foram muito simpáticas com ele e conosco carregando um bebê. aliás, viajar com bebê tem isso de diferente: as pessoas sorriem o tempo todo, perguntam e fazem graça (o que é incomum na europa, sem bebê :D).

o mais chato de fazer com bebê é comprar. entrar em lojas e supermercados é uma tortura, ele quer andar e fazer bagunça nas lojas e, óbvio, não dá. então temos que ficar lidando com a criança surtada querendo explorar corredores estreitos, com monte de gente e produtos que ele não pode pegar. MUITO CHATO. ou seja: com bebês que não ficam quietinhos no carrinho, melhor evitar compras.

museus, parques, rua, trem, barco funcionaram muito bem com ele. ele se distrai com paisagens e bichos, quadros, pessoas, é bem fácil de lidar. nos acompanhou muito bem! só não pode ficar parado muito tempo, que ele reclama. keep moving.

ah, e o abençoado iPad: nos passeios de barco/trem/ônibus ele salvou nossas vidas. entre galinha pintadinha, toca boca e joguinhos de memória ele se divertiu e distraiu em situações que seriam difíceis sem o brinquedo. obrigada, apple!

a maldita mamadeira

o otto mama só na mamadeira desde os 9 meses, quando recusou o peito em definitivo. por um lado é uma libertação pra mim (a teta), por outro é um incômodo, pois a mamadeira precisa ser preparada (diferente do peito, que está sempre ali). precisa comprar o leite e esquentar, 3 vezes por dia, uma delas no meio da noite.

comprar o leite é OK (mas é um desperdício, pois de cada 1L conseguimos aproveitar no máximo 500ml a cada dia já que ele mama 250ml por vez, o resto temos que deixar no hotel), mas esquentar não foi tão OK. ele não toma leite em pó nem a pau (parou faz uns 3 meses, não aceita de jeito nenhum) e só toma leite quente/morno. descobrimos que diferente do brasil, os hotéis não têm microondas nas cozinhas. quando era possível esquentar, tinha que ser no fogão. imagine que a cada dia ele mama 3 vezes: 1 vez de manhã (ainda no hotel), 1 vez à tarde (na rua!) e 1 vez à por volta de meia-noite (no hotel). por incrível que pareça, na rua era mais fácil dar mamadeira do que no hotel (comprávamos o leite já quente em cafés, normalmente era simples, mas nem todos os dias conseguimos).

se seu bebê mama no peito ou aceita leite em pó é moleza. água quente tem em todo canto, e amamentar é tranquilo em todo lugar. comprar leite e esquentar, por outro lado… foi um saco. alguns dias simplesmente desistimos de dar a mamadeira do meio do dia, para evitar a peregrinação do leite.

ou seja — nesta viagem a rotina de alimentação dele ficou toda estragada, e ele comeu MUITO menos do que o normal. tenho certeza que perdeu peso, mas como ele normalmente come super bem, já está recuperando as calorias perdidas 🙂

ah, a lavagem da mamadeira: nós não esterilizamos nada desde que ele fez 3 meses. e quando uso água quente nem detergente eu uso. pra nós foi tranquilo lavar a mamadeira nos hotéis, pois sempre tem água quentíssima na torneira. água quente + sabão resolveram muito bem, sem stress.

vestindo o bebê

para a temperatura de 0-12C que pegamos (com eventual chuva, neve e sempre muito vento), vestia ele com 1 body de manga comprida + moleton de capuz + casaco impermeável (em locais fechados, deixava só o body) e dependendo da temperatura 1 ou 2 calças + meia + bota. quase não usei o tênis que levei pra ele.

o mais chato foi tirar/colocar roupa a cada vez que entra/sai dos lugares. a diferença da temperatura do lado de dentro e de fora é MUITO grande, e vestir/tirar casaco de um bebê pequeno com frequência é MUITO chato. pra não falar de colocar luvas… mas depois de 2 ou 3 dias já tinha acostumado, e ele também (até ajudava a colocar e tirar as roupas :))

os vírus estrangeiros

eu nunca fico doente. aliás, não me lembro a última vez que fiquei gripada, faz muitos anos. o otto resfriou 2x, mas bem de leve, nunca teve uma gripe de verdade. pois que no 4o dia de viagem ele resfriou. e o resfriado evoluiu para uma gripe daquelas poderosas, com tosse, febre e tudo o mais. e eu, 2 dias depois dele, adoeci também.

e foi daquelas gripes do mal mesmo, de vírus que a gente não conhecia, sabe? dor no corpo, febre, tosse, catarro, espirro, falta de apetite. além então de toda a mudança de rotina e dos empecilhos de viajar com o bebê, ele ficou doente e eu também.

fiquei mal a ponto de marcar uma consulta no meio da viagem, para olhar nossa garganta e ouvidos, que a coisa tava feia. fizemos até exame de sangue (tudo muito profissional e eficiente — e pago!), conclusão: infecção viral em ambos, eu estava pior que o otto, mas pelo menos podia tomar xarope (e tomei, ufa), mas ele não. com ele, somente paciência e um abençoado remédio de nariz especial para bebês que salvou nossas noites.

usei o tylenol bebê 1 noite, que ele estava com bastante febre, o soro de nariz com frequência, e o meu xarope amigo comprado lá. e fomos melhorando, aos poucos, e aproveitando a viagem como deu nestes dias piores.

conclusão

é difícil viajar com bebês, mas é possível; e não vou enganar ninguém: é mais divertido viajar SEM bebês, é claro. mas como pra nós deixá-lo em casa e viajar sozinhos não é uma possibilidade (nada contra quem faz isso, é que NÓS não queremos), procuramos tirar o máximo do que é possível numa viagem com o bebê. suponho que viajar junto com ele vá se tornando mais legal conforme ele cresça e se torne de fato companheiro de viagem. nessa idade ele é um viajante involuntário, às vezes protestando contra o fato inclusive 🙂

e acho que forçamos a barra com ele várias vezes, que ele passou por situações que não são ideais (atraso de refeição, atraso de hora de dormir, desconforto pra tirar sonecas, etc.). mas ao mesmo tempo também acho que sair da zona de conforto é importante, mesmo para bebês. quero poder expor o otto a situações diferentes (e às vezes desconfortáveis, faz parte) para que ele aprenda também a se adaptar.

para minha surpresa, ele se adaptou muito bem a situações que eu achava que seriam muito difíceis. o fuso, por exemplo, de 5h+ ele tirou de letra, nem sentiu. dormiu muito melhor na rua do que eu imaginava. a alimentação, por outro lado, que não me preocupava, foi terrível. ele dormiu bem nos hotéis, adorou tomar banho comigo, e se divertiu na rua e conhecendo pessoas novas.

foi uma viagem completamente diferente do que costumávamos fazer, e nos sentimos frustrados e cansados em vários momentos. mas ao mesmo tempo é incrível poder viajar (com todas as restrições, foi uma experiência maravilhosa e única), tirar fotos e criar histórias e memórias que fazem parte da nossa vida e da vida dele. vou fazer um álbum (impresso) pra ele, com a história da viagem, com fotos dele para contar como foi. como ele não vai lembrar, vou criar um diário para que de alguma forma ele reviva a experiência. comprei também lembranças no decorrer da viagem, para que daqui a 10 anos ele possa olhar e saber que ele esteve lá, na terra dos vikings. e quem sabe decida ir por conta própria no futuro revisitar os lugares que conheceu e só lembra pelos meus olhos.

e, mais importante que tudo isso, é SABER que é possível viajar com ele. que nossa vida de viajantes, que prezamos tanto, não acabou. que tudo é questão de se adaptar e aceitar que às vezes as coisas dão errado — o bebê faz cocô no barco, um vírus nos ataca, não tem melancia pra vender no mercado.

já não tenho mais medo de nada, de nenhuma viagem, depois dessa experiência. mentira — eu continuo não querendo ir pra índia nem pra china nem de 1a classe 😉