apanhado do facebook: abril

A lógica imbatível das crianças 


Fernando: “já demos tchau pra vó Maria Lucia, pra tia Paula e até pro vô Gê. Agora já vamos voltar pra casa, pode dar tchau pra Marília!”

Otto: “não, pra Marília não!”

Fer: ” por que não?”

Otto: “Porque Marília não tem OLHO, papai!”

<3

**

Otto hoje estava insuportável. Chorão, manhoso, reclamando de tudo. Estava já perdendo a paciência, quando chegou o motorista e fui me trocar, avisei ele que estava saindo, e tudo ficou claro: “eu não quero que você vá pro Chile, mamãe” 

Foi a 1a vez que ele reclamou, desde que nasceu. Nunca chorou quando eu saí, e nunca saí escondido. Ele me beijou e abraçou, deu tchau e desejou boa viagem, sem chorar ou reclamar. Mas explicou antes que eu saísse: “eu não gosto que você vá pro Chile”.

Eu também não gosto, pequeno.

Suponho que vocês tenham ouvido daí o barulhinho do meu coração se partindo. <\3

**

Temos um problema de Páscoa: dei pro Otto um coelho de chocolate e ele se recusa a comer, porque “o coelho não quer ficar sem alguma parte, mamãe!”

A sugestão do Fernando é guardar até ele esquecer, e esquartejar o pobre tal que o Otto não reconheça os pedaços e coma sem culpa.

Me pergunto como será quando ele se der conta de onde vêm o salame, o frango, o bife…

**

E hoje logo cedo teve mais um round da mãe-palhaça versus menino-pé-no-chão.


Hoje na entrada da escola teve teatrinho de Páscoa, e eu fui. Mas eu queria fazer uma brincadeira, e decidi prender o cabelo com “orelhinhas”. Fiquei na dúvida entre uma orelhinha toda presa no alto ou prender tipo maria-chiquinha estilo orelhão de cocker. Deixei uma de cada tipo pra ver se o Otto tinha opinião. Ele tinha.

(Fernando me viu de orelhas e riu, claro, como uma pessoa normal)

Eu: “Otto, a mamãe vai fazer orelhas no cabelo pra ir ver o teatro de Páscoa!”

Otto: “mamãe, você já tem duas orelhas!” (ele foi inclusive conferir com as mãos, as duas estavam lá)

Eu: “eu sei, meu amor, mas é de brincadeira. Qual delas você prefere — a pequena ou a grande?”

Otto: “mamãe, eu prefiro sem orelhas.”

Fui sem, né. Fuén.

**

hoje percebemos um problema no delicado equilíbrio familiar: toda sexta (ou véspera de feriado, claro) é dia de pizza aqui em casa, desde que casamos. e a pizza é de 3 sabores: são 2 ou 3 pedaços pra mim (depende da fome), os demais pro Fernando.

só que agora o Otto também quer comer pizza no nosso ritual sagrado, e nós estamos felizes por incluí-lo nessa importante tradição da família paulistana, mas… o menino come TRÊS PEDAÇOS DE PIZZA. sozinho (se desse mais, acho que comia mais).

o Fer está de dieta, portanto. ou teremos que pedir 2 pizzas 

**

Morrendo de rir aqui com Fernando — Otto passou o dia cantarolando “down to earth” do Peter Gabriel (ele ama Wall-e, lembrem), mas do jeito dele, já que não fala inglês, né. SUPER gozado (filmei, depois subo).

Acabamos de vir conferir o menino, que cantava DORMINDO a música!

**

Hahahhahahaha (morrendo de rir) do Otto:

— “TRIIIM-TRIIIM!”
(Pega uma embalagem de brilho labial que estava em cima da pia e coloca NO OUVIDO, à guisa de telefone)
— “Alô, controle de pragas! Como posso ajudá-lo?”

x


DESSE JEITO. Um patrocínio de Wallace & Gromit n’A batalha dos vegetais! 😀

**

Não acho que encontrar crianças que gostem de vegetais seja uma missão impossível, conheço várias. E cada vez mais acho que os primeiros meses de alimentação são essenciais para “moldar” a relação da criança com a comida.

(Lembrando que pais neuróticos com alimentação ou cheio de restrições eles mesmos = … Adivinha?)

**

levamos (significa — o Fernando levou, eu só agendei :D) o Otto no dentista pela 1a vez esse ano, com 3a7m. morríamos de medo, porque ele é daquele jeito, né (“NÃO ME PEGA!”). na 1a visita ele obviamente soltou um “NÃO ME PEGA” pra pobre dentista, mas logo ficou amigo dela e amou a cadeira cheia de funções. incrivelmente ele já deixou olhar os dentes todos na 1a vez, e pra nossa tranquilidade está tudo ótimo, só precisava mesmo limpar, já que aparentemente nem a escovação nem a pasta-placebo da Weleda estão dando conta.

ele voltou então pra limpeza, e depois de inspecionar TODO o equipamento, ficou encucado com a água que sai do caninho: “mas de ONDE vem essa água?” perguntou pra dentista, encantada com a lógica do menino analítico.

também aproveitamos pra perguntar sobre o uso da chupeta (ele ainda usa pra dormir, somente), e pelo menos nele não teve efeito absolutamente nenhum: nenhuma alteração, tudo perfeito.

agora é planejar pra tirar de vez, ainda esse ano. ele não é exatamente dependente da chupeta (dorme sem, às vezes esquece de pedir), mas tem um relacionamento ali… e do jeito que ele sempre foi chato pra dormir, morremos de medo de mudar qualquer coisinha na rotina.

a ver. vamos lá pra mais uma mudança 

(mas pelo menos os dentes estão perfeitos. segundo a dentista, o fato de não comer doces quase nunca, se alimentar bem e escovar pelo menos 2x/dia é o segredo. e olha que ele tem dentinhos desde 5 meses e meio!)

**

Otto: “Mamãe, você sabia que ontem eu fiz cocô no chão?”
Eu: (PAVOR) “Não! Mas onde foi?”
Otto: (rindo) “No chão da sala de brincar!”
Eu e Fernando: (AHHH! <o>) “Que sala de brincar?!”
Otto: “A da tia Kelly! Mas foi muito mais ontem!”

3a7m, aprendendo a posicionar fatos no tempo.

(Em tempo: Ufa.)

**

Eu não sei onde o Otto aprende essas coisas, sério. Hoje passei na saída da escola dele pra dar um beijo (estava indo pra Valinhos), ele ficou todo feliz. Aí expliquei que ia embora, até mais tarde, beijo e “Tchau, amor!”. Estava saindo e ele me solta essa: “Tchau nada, vem aqui!”. Assim, bem mandão (como sempre, né, Kelly?)

Pior que eu voltei  #mãemole

**

Descobri uma coisa que eu odeio mais que acordar cedo — acordar o Otto cedo.

O menino acorda devagar, e gosta de dormir até umas 8h (isso porque vai dormir normalmente às 20h). O processo é lento e doloroso. Além de não ter ideia de quando vamos ensinar o rapazinho a se vestir, porque se fosse depender disso pra sair de manhã teríamos que acordar às 5h pra sair 7:30h.

Se naquela época de bebê pequeno alguém me dissesse que eu ia preferir ele acordando às 6h a ter que acordá-lo, eu teria rido. (E eu preferiria)

**

Ensinando pro Otto a respeitar o NÃO alheio, o que o outro gosta / não gosta, o limite físico do outro, o desejo de não querer alguma coisa.

Como é difícil! Porque a única coisa que recebemos em troca ao abrir mão do nosso desejo é a apreciação do outro. Mas isso também é tanto, e tão grande. Quero que ele perceba, logo que possível. Mas o mundo-umbigo dele ainda não permite, acho.

E enquanto isso ele chora e me explica que “quando alguém fala que não quer uma coisa, mas EU QUERO uma coisa!”.

É bonito ver um humano se formar, mas aprender a escolher dói. A gente acostuma, mas dói.

Leave a Reply