sistema de governo para crianças

NÃO SEI SE MORRO DE ORGULHO OU DE APREENSÃO, gente!

 

Otto insiste em não querer ir pra escola, como sempre. Cita pra mim OS DIREITOS DA CRIANÇA (só as partes que interessam, claro, como direito de brincar). Eu menciono uma lista maior, entre eles o direito de IR À ESCOLA.

 

O: “pera. Ir pra escola não é um direito!”

 

Eu: “claro que é. Há crianças que não podem ir à escola”

 

O: “e por que isso é ruim?!”

 

Eu: “porque elas vão virar adultos que não poderão escolher seu trabalho, e serão exploradas quando trabalharem.”

 

(Eu comecei a antever o que podia vir…)

 

O: “mas por que todas as pessoas precisam trabalhar?”

 

Eu: “porque é trabalhando que se ganha dinheiro pra viver, morar, ter coisas”

 

O: “pois eu vou QUEBRAR AS REGRAS DO DINHEIRO. Eu vou achar uma forma de não precisar de dinheiro pra conseguir as coisas que eu quero!”

 

Nessa hora eu (sério) quase comecei a chorar de tanto orgulho da inteligência dele. E ao mesmo tempo me doeu perceber como ele é privilegiado.

 

Nós não somos pais que “doutrinamos” nosso filho. Nunca falamos muito bem sobre dinheiro, nem sobre riqueza e pobreza. Provavelmente porque somos tão privilegiados que ele nunca sequer precisou saber sobre isso. Que foda.

 

Eu: “Otto, a sua ideia é MUITO interessante. Não digo que não exista forma de quebrar a regra do dinheiro, mas é difícil. E estudar vai inclusive te ajudar a quebrar essas regras. Vamos pensar juntos nisso, tá bom?”

 

O: “hm.”

 

Meu filho nasceu anarquista. ✊🏻❤️

 

**

 

Aí na sequência ele me aparece com um gibi da Mônica que fala sobre PROFISSÕES. O puro suco da meritocracia by Mauricio de Souza.

 

🙄

 

Deixei ler, sem filtro, pra balancear.

Comments are closed.