Poliglota

Essa semana Otto declarou, muito espantado (na hora que acorda, sempre… uma animação que me irrita 🤣) — “percebi que a minha voz é diferente quando eu falo inglês. E a sua?!”

A minha voz é BEM diferente quando falo inglês, português ou espanhol. Cada uma tem sua tonalidade, sua cadência. Em inglês minha voz é mais grave que em português, e em espanhol também — não só mais grave mas um pouco mais anasalada.

Achei lindo ele perceber essa sutileza; cada idioma que se incorpora em nós traz a subjetividade do contexto, da idade em que aprendemos, das nossas referências sobre ele.

Tenho dificuldade de memorizar números em inglês, só os números. Quando me sinto à vontade e relaxada numa conversa, frases em português escapam sem querer, é muito louco.

Não existe língua mais fácil, mais difícil, melhor, pior. Idiomas são mais que regras, pronúncia, são expressões culturais e afetivas.

Comments are closed.