Empreendedor

[2019]

Otto essa semana me avisou que vai criar uma empresa com a melhor amiguinha, a L., e que já tem equipe definida 😀

O: “vamos construir coisas, e cada um vai ter tarefas diferentes!”

Eu: “opa, e o que cada um vai fazer?”

O: “vocês vão construir; eu vou projetar e a L. vai ANALISAR”

Hahhahahhahahaha!

Eu: “nossa, e o que ela vai analisar?”

O: “os meus projetos, ué, caso eu tenha cometido algum erro!”

HAHAHHAHAHAHAHAHAHAHA!

O: “ah, mas eu sou o dono, porque a ideia foi minha!”

😀

Não quero ser grande

[2018]

Otto ontem deitado na cama (“a hora da filosofia”) me disse, chorando — “mamãe, eu não quero crescer. Os adultos trabalham mais do que brincam, e eu quero continuar brincando mais do que trabalho!”.

😞

Expliquei, claro, que ele vai ter oportunidade de trabalhar com algo que o divirta também, é uma questão de escolha. Dei seu exemplo, Elias, que trabalha fazendo algo que adora e o diverte.

Mas ele tem tanta razão. A gente não pode esquecer de que é preciso se divertir, não deixar a vida adulta nos embotar.

Assa fada do dente

Ontem o Otto perdeu mais um dentinho de leite (até quando vai isso? Não lembro!). Perdeu é modo de dizer né, ele arranca o próprio dente quando tá meio mole, dá muita aflição, e é sangrento. Ele não tá nem aí e dessa vez ficou super curioso com o sistema circulatório, ao descobrir que nosso corpo é inteiro vascularizado.

“O coração então é tipo um pistão?”

🤣🤣🤣

Mas a história de hoje é sobre a Fada do Dente — ele ainda acredita em tudo (fada, coelho, papai noel, etc.) e deixou o dentinho lá do lado da cama pra fada trocar por dinheiros.

Ele foi dormir, e antes de deitar, A FADA (=eu, a única que tinha trocado 🤣) deixou um dinheirinho debaixo de um dos travesseiros, cuidadosamente. Não quis deixar debaixo do travesseiro que ele estava deitado porque tive medo de acordar a criança e ter que inventar alguma mentira no meio da noite. Fui dormir.

3 da manhã…

O: “PAPAI PAPAI meu dente sumiu mas a fada não deixou nada! O que tá acontecendo?”

(Fernando também não sabia, procurou no travesseiro errado e não achou)

F: “Dorme e a gente procura amanhã, Otto, a fada [FDP VTNC MALDITA] de repente se confundiu…”

O: “mas eu NÃO CONSIGO DORMIR!”

F: “fala com a mamãe então… Zzzzzz”

Eu até então, mezzo dormindo mezzo acompanhando, agora entrei na festa. E ele fala, fala, fala. Abraça, avisa que não consegue dormir, eu tento ajudar, nada. Ele decide voltar pra própria cama mas COM O PAPAI 😬

Fer finalmente acha o dinheiro da fada debaixo do outro travesseiro e o menino sossega. Depois de enrolar um pouco, dorme de novo. Umas 4 da manhã.

Corta pra agora cedo:

Eu: “putz que inferno ontem hein?! Por que ele acordou e não dormia mais?”

F: “porque a fada do dente, ESSA DESGRAÇADA, não foi capaz de colocar o dinheiro no travesseiro certo! Cara, se eu pego essa fada…”

Eu: “HAHAHHAHHAHAHHAHAHAHAHHHA”

E saio correndo porque não se brinca com gente que não dormiu 😀

Espaço pessoal

(Relato do Fer)

**

Otto senta no sofá ao meu lado, colado em mim.

Quase simultaneamente, também Otto:

“Eu posso ficar sozinho, por favor?”
“Por que você quer ficar sozinho, posso saber?”
“Espaço pessoal, né!?”

Vim jogar videogame, humpf.

À flor da pele

Hoje o Otto teve um insight tão interessante! Eu tenho reparado que ele está diferente — maior, mesmo. Parece que mudando de fase. E ele é tão atento a si mesmo, sabe se expressar tão bem, que me espanta.

A gente no carro, ele pede pra parar a música e conta o seguinte:

O: “Gente, eu tava vendo um desenho outro dia que o fulano [não lembro o nome] transforma um boneco em uma boneca e ele se apaixona muito por ela porque ela é muito linda e fofinha.”

“Aí eu fiquei sentindo uma coisa estranha que eu não sei explicar, e eu tou sentindo de novo!”

(Perguntamos se ele sabia explicar, pra entender. Se era porque virou boneca, se era porque ele se apaixonou…)

O: “Eu não sei, acho que é tudo. E tou sentindo uma emoção, mas eu não sei explicar ela!”

(E é bom ou ruim? Perguntamos)

O: “Acho que é um pouco de cada”

**

O que será que me dá?
Que me bole por dentro, será que me dá
Que brota a flor da pele, será que me dá
E que me sobe as faces e me faz corar

E que me salta aos olhos a me atraiçoar
E que me aperta o peito, me faz confessar
O que não tem mais jeito de dissimular
E que nem é direito ninguém recusar

E que me faz mendigo, me faz suplicar
O que não tem medida, nem nunca terá
O que não tem remédio, nem nunca terá
O que não tem receita

❤️❤️❤️