a maledeta cursiva

A saga da letra cursiva tá foda. Duzentos anos pra fazer um exercício ridículo. Ele erra de propósito, por princípio, só pra mostrar o desagrado.

 

Teve que fazer 3 vezes, por motivo de fazer errado e malfeito.

 

Choro, ranger de dentes e revolta geral.

 

O: “por que todas as letras precisam ser IGUAIS?”

 

Eu, sempre a Alegria, tentando ajudar:

 

—  “não precisam ser iguais, mas precisam ser parecidas; já sei: vou mostrar quando você acabar que a letra cursiva da mamãe é diferente da letra cursiva do papai!”

 

O: (PAUSA DRAMÁTICA) “não me mostre! Nunca me mostre letras cursivas! Tem coisas que é melhor nem ver!”

 

(HAHHAHAHAHHAHAHHAHA)

 

Fernando quase engasga com o jantar, eu tive que fingir que tava com tosse, os dois gargalhando em silêncio porque D-R-A-M-A.

 

A pessoinha é virginiana mas o drama tá escondido em algum planeta, vou pedir ajuda prazamiga astróloga, que tá puxado.

 

**

 

Mas a melhor da noite: no meio da discussão, ele fala pro Fernando —

O: “agora eu vou falar que nem você, papai: SE VOCÊ APAGAR DE NOVO EU NÃO FAÇO MAIS NADA!”

Adicione à fala as mãos abertas gesticulando mui italianamente como forma de ênfase.

 

😂😂😂

😬

cascão (só que não)

Otto no banho:

 

Eu: “vai lá, lava o bumbum com a mão mesmo e água, não precisa de sabonete!”

 

(Sou dessas)

 

O: “não dá, eu tenho a preocupação de  que minha mão vai ficar suja!”

 

😬😂

 

E foi pegar o sabonete.

 

(E o sabonete, não fica sujo? Sei lá hein!)

proibido

Tem alguém aqui que odeia muito exercício de letra cursiva (ele escreveu esse “aviso” na própria mão na hora de fazer a lição de cursiva…).

**

O: — “me arrependi um pouco de ter escrito isso.”

 

🙄😂

cabeça dura (ou: lua em áries)

Otto hoje com a vó Vera em casa, ela acha que o quarto dele tava muito frio e decide abrir a janela pro sol entrar e aquecer.

 

Ele é contra, claro, todo um debate, porque “eu prefiro fechado”, ela convence ele e abre. Fica gostosinho, mais quente, ela pergunta:

 

V: “e aí, quer que eu feche a janela?”

 

O: “não, deixa, ficou bom. Mas eu ODEIO admitir.”

 

🙄😂

all night long

[jul-2015]

 

Essa noite, de tão cansado (dormimos mais tarde, depois de uma pizza com os amigos), Otto só acordou 8:30h e declarou: “hoje eu quis dormir sozinho!”

 

(Normalmente ele chama um de nós no meio da noite, avisando “pessoal — eu estou dormindo sozinho!”. Essa noite foi direto, um moço)

 

**

 

Eu não lembro (porque quando durmo eu durmo até andando), mas o Fernando diz que na noite passada, enquanto ele lia na sala e eu dormia, o Otto acordou e encontrou com ele.

 

Otto: “papai, a mamãe tá em casa?”

 

Fer: “tá sim, ela tá no quarto dormindo”

 

Otto: “é que eu preciso MUUUUITO da minha mamãe!”

 

(Diz que ele foi me chamar e eu fui dormir com ele. Não lembro de nada, mas é muito amor <3)

peek-a-boo

Meu coração acaba de quebrar em 1000 pedaços de pena e ternura.

 

Otto todo dia quer brincar com o Fernando de se esconder na cama, logo antes de dormir. Ele me pede pra ajudar a enganar o papai, cobre a cabeça e o corpo e pede pra eu chamar o Fer.

 

Óbvio que dá pra ver que tem alguém escondido, né. O Fer entra na brincadeira e finge que deita em cima, dá um jeito do Otto rir ou reclamar, que é a desculpa para “encontrar” o menino escondido.

 

Hoje ele reclamou que o pai achou ele rápido demais, e o Fer disse alguma coisa que deixou claro que era uma brincadeira que ele também fazia, e o Otto sabia que era o papai escondido, mas brincava mesmo assim, CERTO?

 

Otto ficou sério, seríssimo.

 

O: “papai, você sempre sabe que sou eu aqui escondido? Então por que você diz que não sabe e me procura?”

 

(O conceito da mentira proposital por motivos de piada ou manutenção da sociedade civilizada é problemático aqui, como vocês verão)

 

F: (pude sentir na hesitação dele a dúvida: minto pra ele ficar feliz ou falo a verdade e estrago a vida do menino?) “… eu sei sim, Otto, do mesmo jeito que você sabe que sou eu escondido. Eu finjo que não sei pra ter graça a brincadeira.”

 

É, não dá pra mentir mais nessa idade. Não consigo também. Saí correndo e deitei junto na cama e abracei muito ele, que tava com a carinha de maior decepção, quase chorei.

 

F: (chateado, né. Destruiu a ilusão de Houdini do menino) “quer falar sobre isso, Otto?”

 

O: “acho que quero dormir.”

 

AHHHHHHHHHHHHHHHH!

 

Não há terapia cara o suficiente, gente. Especialmente depois de ter filhos.

 

**

 

Pensa no que será o dia que ele confirmar que não tem Papai Noel nem Coelhão nem Fada do Dente?!

 

😬😱😭

caminho crítico

Acabo de fazer um exercício de memória aqui lembrando dos temas dos aniversários do Otto até hoje! Já tá na hora de planejar o de 8 anos ❤

 

1 ano: bolo de arco-íris, nenhum tema específico

2 anos: Wallace & Gromit ❤ (ainda temos os bonecos e as lembranças, a Paula fez mini-Shawns!)

3 anos: Pocoyo, teve até bolo da baleia, gente do céu 😱

4 anos: Wall-e, a Paula fez as botinhas de feltro e colocamos mudinhas nelas de lembrança ❤

5 anos: super heróis (Otto de Iron Man, eu de Robin e Fer de Batman). Demos capas pra todo mundo!

6 anos: super heróis de novo, mas com fantasias livres. Não lembro a lembrança (hahahahha)

7 anos: Gotham City, Batman Lego. Tivemos chaveiros de Lego feitos pelo Vinicius, além da cidade de Gotham!

 

O de 8 anos ainda não sabemos. Já vou começar a colocar pilha 😀

**

Fui conversar com o Otto sobre o tema da festa dele em final de Agosto (sou mãe CLT, preciso de antecedência pra fazer as coisas fora do horário comercial) e criei um monstro.

Primeiro, descubro que ele quer que a festa seja sobre os Vingadores, e que ele será o Homem de Ferro, porque precisa derrotar o Ultron, QUE DEVERÁ SER FEITO DE PAPELÃO, 3cm (exatos) MAIS ALTO QUE ELE.

Segundo, precisamos da cidade ao redor, versão dia E noite.

Terceiro, eu serei o Hulk. 😃💚

 

Entao que bom que começamos antes, porque precisaremos de muita caixa de papelão, Vinicius!

Neste momento Otto está sentado na mesa FAZENDO O PROJETO.

(Vou dar o PMBOK pra ele daqui a pouco)

precisamente sincero

Gente, quando a gente fala que é puxado… é. Diálogos do Otto com a vó Vera:

 

 

V: ficou bárbaro esse coqueiro!

O: você está vendo algum coco?

V: não…

O: é porque é uma palmeira!

 

**

 

A avó levou manga para ele. Ele comia enquanto explicava o desenho e acontecia o diálogo acima.

 

Logo depois:

 

V: não quer uma aguinha?

O: a manga tem água!

V: ave maria!

CNV

a gente conta, e tem quem ache que exagero ou coloco palavras na boca do menino. juroporzeus que não altero NADA e nem invento, pessoal.
 
esse relato é da vó Vera, chegando com ele da escola semana passada.
 
ela está tendo dificuldade na entrada do condomínio, e é uma pessoa… impaciente, digamos 😀
 
depois de vários minutos tentando entrar pela portaria sem sucesso, com o Otto dentro do carro, ela perde a linha:
 
vó: “PUTAQUEOPARIU, &%$#*(! Eu vou falar com o Renato!” [é o chefe da segurança]
 
O: “olha, vó, você não precisava ser assim tão agressiva. mas acho que você tem que falar com o Renato sim!”
 
HAHHAHAHHAHAHHAHAHHAHAHAHHA!