dos medos escondidos

sempre que me vejo confrontada com a morte – mesmo que seja num seriado ou filme – fico desconfortável, receosa. pensei bastante, e concluí que não tenho medo da morte, mas da vida.

tenho pavor de não viver, de deixar passar os minutos-horas-dias, além dos malditos meses e anos, e não fazer basicamente nada. o problema é a sensação de nada contraposto ao tudo – o que significa aproveitar o tempo?

não quero ficar como minha mãe, que se inquietava aos fins de semana, porque “temos que fazer alguma coisa”; quanto do meu desejo e não fazer nada, de deixar o tempo passar, não é uma resposta à pilha da minha mãe, meu deus? será que eu estou repetindo padrões ao contrário?

alguém mais tem medo de repetir padrões inversos? não sei o que pior – trilhar os caminhos tortos dos nossos pais ou revoltar-se absolutamente e dar volta de 360 grau. às vezes me sinto parada, costas-com-costas. no mesmíssimo lugar que eu sempre detestei.

estou num momento difícil, de impasse. lembro que este ano, segundo a astrologia, seria lento e pesado pra mim (e só lembrei disso agora, vejam bem, enquanto escrevo) – pesado é apelido, é a encarnação da santa bigorna amarrada no meu pezinho 35.

a vontade é de ficar quieta, esperando passar. em silêncio, torcendo para as hordas do mal esquecerem que eu existo. entoando mantras, procurando explicações para o que não entendo.

chamem de karma, coincidência ou simplesmente destino, mas há um livro de auto-ajuda na minha cabeceira. foi presente de um colega querido e preciso ler – essa é minha desculpa. a verdade é que ando precisando de metáforas e caminhos sem pedras. tou calejada, cansada e não estou gostando de me dirigir tão rapidamente aos 40.

não, não senhores, não tem sido um ano fácil. considerando os ciclos de 7 anos, eu achei que os 35 é que seriam difíceis, mas os 37 estão sendo uma corrida de obstáculos e eu me sinto um tanto contundida.

havendo simpatias para redução de medo (e peso, que continua um problema como sempre), não deixe de escrever pra mim, tá?

beijomeliga.

One comment to “dos medos escondidos”
One comment to “dos medos escondidos”

Deixe uma resposta