para os fãs de bossa-nova

eu sou. leiam, já que eu ainda não consegui:

Getz/Gilberto, naturalmente, tornou-se o clássico dos clássicos e, até hoje, botá-lo para tocar é uma experiência insuperável. Quem consegue acreditar que esse disco já existe há 45 anos? E como convencer os mais jovens de que foi gravado em apenas dois dias e ao velho estilo? Ou seja: nada dessa história de gravar primeiro as “bases” – piano, contrabaixo e bateria – para depois o cantor “botar a voz” ou o saxofonista solar por cima. Eram todos ao mesmo tempo no estúdio, tocando juntos – se um errasse, tinham de parar e começar de novo.

3 comments to “para os fãs de bossa-nova”
3 comments to “para os fãs de bossa-nova”
  1. Pois é, Zel. Em l95 e tantos, passei uma noite inteira presa dentro de um estúdio de gravação (comercial), com orquestra, Cid Moreira, acho que Zezé Gonzaga e eu, que já era quase trintona, só tinha que dizer à certa altura: Valda. Era um jingle das Pastilhas Valda. Gravador? não mesmo. Era direto num bolachão de acetato. Esqueci de dizer: eu éra ótima em imitar voz de criança.

    PS: sempre leio seu blogue e gosto demais.

Deixe uma resposta