bones

a lu freitas fala sobre magreza (que acaba sempre virando assunto em tempos de desfiles de moda), e pede opinião, eu dou.

esse é um assunto que sempre me interessou, por dois motivos: (1) como não sou magra, sofro pressão e encheção de saco pra emagrecer; (2) acho triste a obsessão da maior parte das mulheres em atender a determinados padrões.

nem vou falar sobre as regras e exigências absurdas do mundo da moda com as modelos, pois ninguém é obrigado a seguir a profissão. modelos se submetem à ditadura do corpo e aparência porque querem, porque há benefícios (materiais e não materiais). deve ser sensacional ganhar milhões de dólares em 1 desfile, e deve ser mais sensacional ainda ser admirada por milhões de mulheres e homens. toda profissão tem seus prós e contras, não tenho pena nenhuma de modelos que passam fome a vida toda, francamente.

padrões de beleza/aparência sempre existiram e sempre vão existir. fazemos parte de uma espécie que leva em consideração a aparência para acasalar, sejamos honestos. os padrões mudam juntamente com a nossa história como espécie, mas sempre teremos as preferências da moda. a aparência pode não ser sempre fator determinante no nosso interesse, mas tem um grande peso, sim.

hoje o padrão é parecer um esqueleto pálido, ontem era ser atlético bronzeado, no século passado era ser gorduchinha e empoada. o que realmente me incomoda (meus pontos 1 e 2) é a pressão pra ser igual, pra me encaixar no que quer que considerem certo.

entendo a necessidade dos adolescentes de “pertecerem”, faz parte do desenvolvimento do indivíduo. nos reconhecemos como seres independente e únicos na infância e na sequência queremos nos agrupar, ser parte de um todo coeso, queremos ser parte da turma (com características parecidas). o problema é que as pessoas não passam mais dessa fase e esquecem de declarar independência de novo, já na fase adulta.

olhe ao seu redor: os adultos que nos cercam são adolescentes velhos. marmanjos/as de 25, 30 e 40 anos continuam se comportando como adolescentes que precisam se adequar e se provar pra fazer parte da patota. ser único, independente, responsável pelos próprios atos e assumir consequências virou lenda. vivemos cercados de adultos que ainda fazem qualquer coisa pra serem aceitos pelos seus pares e colocam a culpa de tudo que dá errado nos outros (família, significant other, deus e etc.)

gosto do meu biotipo, me acho bonita do jeito que sou. sei que ser mais magra seria mais saudável (e mais fácil de comprar roupas…), e venho tentando manter algum equilíbrio no decorrer da vida. mas é difícil não ceder à pressão do ambiente e da indústria de roupas. há muitas roupas que acho legais e simplesmente não posso ter porque não servem no meu corpo. isso é frustrante e, honestamente?, me sinto discriminada e excluída. certas marcas, por exemplo, não são para mulheres que têm bunda ou peito. se você não for magra, não poderá nunca usar a marca X.

quando eu era adolescente, isso me incomodava mais. hoje eu opto por marcas que entendem as mulheres que vestem e é com elas que gasto meu dinheiro (ao invés de emagrecer pra caber no jeans da fórum, por exemplo).

resistir à tentação de entrar no jogo é essencial. não leio revistas femininas de nenhuma espécie. abomino comerciais/propaganda de cosméticos – sempre há algo errado com você, que o produto conserta, já repararam? se por um lado o simples fato de sermos humanos nos leva à comparação e tentativa de pertencer, por outro lado a indústria da beleza nos pisoteia, nos coloca peladas no espelho 360 graus e aponta cada suposta falha.

não podemos deixar de ser humanos, mas podemos repelir a pressão externa só interessada em lucro. não aguento mais ver a cara linda da gisele espalhada em todas as propagandas. eu não vou comprar nada só porque a mulher mais sexy do mundo está usando, sacou? eu não vou fazer dieta porque a marca X não cabe na minha bunda ou porque inventaram que quem veste 40 é gorda.

não compro mais a marca X e não me deixo massacrar pela opinião da “massa”.

e se você faz parte de um grupo de pessoas que valoriza excessivamente a aparência e pressiona você, resista. “push back”, como bem dizem os americanos – empurra aí, nega, ocupe seu espaço. reconheça suas qualidades, seja quem você é. o mundo não é feito de um bando de playmobil. declarar independência dos seus “clubes” (amigos, família, seja o que for) é parte do processo de se tornar adulto.

todos temos o direito de escolher: as modelos têm direito de ser magras e ganhar sua recompensa em grana e fama; nós outras também temos o direito de ser normais, gordas, atléticas e o que mais quisermos sem ter que sofrer. basta exercitar a individualidade e repudiar pressões contrárias. ter orgulho do que se é e aceitar os outros como são.

e não me canso de repetir: ignore revistas e anúncios. se o diabo existe, ele com certeza é da área de marketing.

4 comments to “bones”
4 comments to “bones”
  1. Concordo muito com vc no que se refere a nos desvincularmos desse padrão de beleza imposto pela mídia como um todo. E, apesar de ser da área de publicade/marketing, achei ótimo o comentário sobre o ‘diabo’ (rs).

    Porém, venho me esforçando para conseguir uma alimentação mais saudável e fazer algum exercício físico. Não para caber na marca X pois sei que não sou magra e meu biotipo não me permite isso. Mas, realmente acredito que isso vai me fazer bem no futuro. E isso vale também para as magras.

    O que me deixa feliz é saber que apesar da mídia tentar de toda a maneira impor um padrão de beleza, cada vez mais eu vejo as pessoas sorrindo mais ao ver uma pessoa mais ‘cheinha’ passar.

    E assim vamos que vamos!

  2. Isso de ver adultos comportando-se como adolescentes me cansa tanto. E eles se reproduzem né? E ninguém cresce. Conheço avós que são verdadeiros adolescentes, fico até com vergonha dessas pessoas.

    E eu também não gasto meu dinheiro em loja que não me tem como público alvo. É difícil a gente tomar essa decisão, mas quando tomamos é libertador. Hoje eu nem escuto mais quando vem aquela pessoa “super bem intencionada” comentar de um chá roxo que fez fulana perder 30kg ou da nova escova da moda alisante de cabelos.

  3. Quilida,

    Quanto tempo não visito sua casa, sempre tão gostosa, com papo ótimo esta sua “casinha”.

    Bom, eu acho que é difícil, porque a realidade e que as vezes queremos ser olhadas como “bonitas”, vivemos claro um mundo machista mesmo, mulher inteligente, indepedente e bem sucedida não quer dizer NADA.

    Mais tento achar o equilibrio, nunca vou ser magra, mais tento, manter um cabelo bonito, unhas bonitas, cuidados com a roupa certa,(haja tencel) e simpatia…se dá certo ! as vezes sim as vezes não..mais a gente tenta né

Deixe uma resposta