grécia, dia 2: atenas

o dia 2 começou às 3 da manhã do dia anterior (porque enquanto eu não durmo considero o mesmo dia). chegamos ao novíssimo aeroporto de atenas, tudo deu certo.

pedimos informação sobre táxi e soubemos que custaria cerca de 50 euros até nosso hotel, isso é claro se não fôssemos roubados no valor. aliás, saibam: andar de táxi na grécia não é recomendado, pode ser uma aventura desagradável. parece que além de tentarem roubar no valor (como fazem lá no rio – eu já fui vítima) os taxistas também pegam mais de um passageiro por corrida, mudam o caminho pra encaixar cada um (essa eu não conhecia!). em defesa dos taxistas de atenas posso dizer que os 2 táxis que pegamos foram ótimos.

bem: nos recomendaram pegar o ônibus que sai do aeroporto para syntagma e de lá negociar um táxi (sempre combinando preço antes). pois assim fizemos: 3,20 euros por pessoa e muitos quilômetros depois (o aeroporto é longe pra caramba do centro) chegamos, negociamos um táxi pra nos levar, por 8 euros. no caminho eu vi a acrópole iluminada à noite, pelas frestas dos becos, foi lindo!

chegamos mais mortos que vivos e dormimos até meio-dia. o hotel foi a primeira roubada da viagem: bem barato para os padrões de atenas (50 euros/dia), e não é à toa. o chuveiro era absurdamente minúsculo (mas tinha água quente. mal sabia eu como isso pareceria um luxo em alguns momentos da viagem…), tudo muito velho e acabado. mas não somos de frescura e ficou tudo bem, descansamos depois de assistir 2,1 minutos de TV em grego.

eu na acrópole!

decidimos gastar nossa tarde com a acrópole e ágora. não visitamos nenhum museu porque simplesmente não cabia nos 2 dias que tínhamos. decidimos ver só os sites ao ar livre, paciência. comemos um café na esquina (muita massa folhada e muito creme / queijo), pegamos o metrô e descemos na estação acrópole, claro 🙂

pra quem está curioso com o idioma, é o seguinte: na maior parte da grécia é muito fácil se comunicar em inglês, principalmente se suas necessidades são básicas. se você precisar de coisas complexas tipo “cotonete” eu francamente não sei se seria tão fácil 🙂 nós precisamos de água quente e gelada, comida, quarto, estacionamento, ônibus, essas coisas que todo mundo sabe. então foi tranquilo, até porque se faltar vocabulário você sempre pode fazer mímica 😉

quanto à leitura das placas eu já não posso dizer o mesmo, mas falo disso quando entrar na parte da viagem que andamos de carro.

foi um dia lindo em atenas, o sol estava forte mas o ventinho ajudou a refrescar. andamos e subimos/descemos tanto que achei que meus pés iam cair, juro. mas valeu cada passo, foi incrível caminhar por aquelas pedras e pensar em tudo o que já aconteceu ali. passeamos pela acrópole e a ágora, subimos no monte areopagus e já foi suficiente pra cansar bem. terminamos o dia em monastiraki, comendo (adivinhem?) salada grega 🙂

bem mais tarde da noite fomos fazer um lanchinho perto do hotel, em omônia, num fast-food grego que nos deixou malucos: salada grega maravilhosa e souvlaki impecável. sobre comida eu falo com mais detalhes em um post separado, pois a culinária grega merece.

Deixe uma resposta