by
on
under
tagged
Permalink

história #24: camila

Zel,

minha história nao é tao emocionante como as várias já publicadas, mas é minha. Não me lembro mais quando ou como cheguei ao teu blog, mas sempre foi – e ainda é – um dos que leio com mais gosto. Muita coisa mudou na minha vida desde que comecei a acompanhar o blog, ainda que nem tudo seja consequência disso, já me peguei pensando vez ou outra… Será que ela tb gosta disso? Será que ela já viu tal filme? Como será a voz dela? Vibrei com as notícias boas que vc posta, me entristeci com as passagens tristes, tenho acompanhado a sua gravidez tb e mandado good vibes pra vcs…

Depois de ter casado e mudado de país, minhas certezas ficaram pra trás. Aqui eu nao posso exercer minha profissão, nem todas as referências que eu tenho servem pra vida daqui, os cheiros/gostos/sons/rostos são diferentes. Isso tudo assusta, me introverti ainda mais, tive que aprender a me virar em uma língua que soava áspera aos meus ouvidos. O que me ajudou a não perder o rumo foi a internet, especialmente no inverno, sempre difícil com seus dias escuros. Talvez a sua amiga que mora em Berlim tenha dito o quanto é mais difícil fazer amizade por aqui… Tem gente que enlouquece – literalmente – por conta da solidão. Nisso vc e tantas outras pessoas têm me ajudado, ainda que sem saber. E com o Twitter tenho feito contato com alguns donos de blogs, é muito bacana poder “falar” com gente que eu apenas lia.

A cada nova visita ao Brasil vejo um pedacinho que não conhecia – segui a sua dica da viagem de trem pela Serra do Mar, sensacional! Rendeu ótimas fotos, um bronzeado-camarão e a vontade de percorrer aquilo tudo de carro, pra ir parando pelo caminho e aproveitando aos bocadinhos.

Obrigada por compartilhar suas ideias e experiências!

Camila (@FrauGlaeser)

***************************************************************


camila, eu meio que acompanho você também, viu? e meio de longe consigo perceber a dificuldade de estar em um país que não é o seu, posso sentir sua tentativa de continuar pelo menos com uma parte de você aqui perto da gente do lado sul do globo. imagino como deve ser morar na europa (especialmente na alemanha), e confesso que não invejo você. apesar de tudo (que é muito, aliás), ainda acho o brasil o melhor lugar pra se morar em todo o mundo. gosto demais daqui, por vários motivos, e precisaria de uma enorme motivação pra adotar outro país pra viver.

que legal esse lance de ter curiosidade com minha voz… você vai conhecer minha voz muito em breve, quando eu gravar o vídeo. e não ria, tá? é que minha voz frequentemente surpreende as pessoas que só me lêem. tenho voz bem de mocinha de filme sessão da tarde, uma doçura só. acho que graças a essa minha personalidade, digamos, assertiva, todo mundo pensa que eu tenho voz de mezzo-soprano. sou sopraníssima, mas mesmo eu demorei anos pra me assumir doce, é coisa recente.

que legal que você aproveitou alguma das nossas dicas de viagem! morro de curiosidade sobre como as pessoas que me lêem encaram nossa forma de viajar. como você deve ter percebido, somos um tanto caóticos na (não) organização das viagens. gostamos de improvisar, e essas viagens aqui no brasil permitem mais liberdade (improvisar em outro continente dá mais medo, afinal). essa viagem de trem na serra é lindíssima, e morro de vontade de fazer de novo. que delícia você ter gostado da dica 🙂

querida, espero que de alguma forma o blog continue a levar até você um pouco não só de mim, mas do seu país. prometo continuar contando viagens e histórias, fazer você se lembrar que este é um lugar para o qual você sempre pode voltar.

obrigada pela torcida e pelo carinho de sempre.

beijo, sorte e felicidade!

One comment to “história #24: camila”
One comment to “história #24: camila”
  1. Zel, motivacao pra mudar eu tive, das boas.

    Como mais uma pessoa que teve a vida revirada aos 30, conheci meu marido e me apaixonei de uma maneira arrebatadora, em um ano casei e mudei.

    Conheci a Alemanha na Copa do Mundo de 2006, em plena primavera. Flores, flores, flores, as pessoas alegres, assistindo jogos e festejando pelas ruas, sol até as 10 da noite.

    Nao me arrependo de ter decidido mudar pra cá, viu.

    Claro que poderia ser mais fácil, mas tb poderia ser infinitamente mais difícil. O que me deixa muito feliz é ver o quanto o meu mundo cresceu e que tenho mais um lugar pra me sentir em casa.

    Obrigada pelo carinho!

Deixe uma resposta