conhecendo a escandinávia

sei que ando sem tempo, mas tempo pra férias eu sempre arranjo 🙂 essa história de nunca tirar férias eu simplesmente não compro, não importa qual é minha posição profissional e nem meu cargo. acredito que esse tempo de folga é necessário para não só descansar a cabeça mas também ter ideias novas, arejar mesmo. sei que sou melhor porque viajo e tenho tempo para explorar novos lugares e culturas. então nunca deixo de aproveitar as férias, da melhor forma.

essa viagem pela escandinávia é um sonho antigo, nascido muito antes do otto, muito antes do meu casamento inclusive. o sonho era um pouco diferente do que foi possível realizar, é verdade — originalmente eu queria conhecer a dinamarca, noruega, suécia e finlândia + aquele pedacinho da rússia que faz fronteira com a escandinávia. tudo de trem, mochilão e tal. e ver a aurora boreal!

a viagem real — realizada em 16 dias e com um bebê de 19 meses — foi bem mais modesta (e cara), mas foi muito bonita e interessante. os detalhes de viajar com o bebê eu conto lá no fabricando, pra quem interessar. aqui vou contar mais ou menos o que fizemos em cada dia, e minhas impressões sobre o que vimos e vivemos.

copenhagen e roskilde: dias 1, 2 e 3

viajamos de executiva (decisão 100% em função do bebê, e muito acertada), chegamos relativamente descansados e fomos recebidos pela linda mawá, que já estava por lá com o weno. ficamos num hotel muito bonito e confortável (considerando que todos os hotéis na cidade têm quartos minúsculos), que recomendo muito para os apaixonados por design.

aliás, a escandinávia é o sonho de todo designer. tudo é lindo, pensado para ser funcional e agradável. eles são muito criativos, e até o aeroporto tem pequenos toques de design que fazem a diferença.

chegamos tarde no 1o dia, e tiramos o fim da tarde para descansar e comer. no dia seguinte fomos ao museu louisiana, que está entre os mais bonitos que já visitei. ele é todo projetado para se integrar ao ambiente externo, com muitas paredes de vidro e grandes janelas. a vista para o mar é incrível, e o jardim é um passeio por si só. tivemos sorte de ver lindas exposições de foto e instalações temporárias. e compramos algumas das coisas lindas da loja do museu, que é imperdível.

neste dia também fizemos algumas compras necessárias — casaco e macacão impermeáveis pro otto, pois estava chuviscando e com temperaturas ainda muito baixas. andamos pelo centro da cidade, fechamos o dia jantando num restaurante chinês, pensando o quanto é maluco estarmos com um bebê, em copenhagen, jantando com nosso casal de amigos preferidos do brasil num restraurante chinês…

no dia seguinte compramos um carrinho de bebê (não conseguimos alugar) e fomos visitar roskilde, cidade que foi capital da dinamarca antes de copenhagen. lá está uma das grandes catedrais do país, onde estão sepultados os reis e rainhas da dinamarca. também lá fica o maior museu de barcos vikings do país. a cidade, além dessas atrações, é muito bonita. fizemos um passeio a pé, atravessando a cidade, passando pela catedral e descendo até o mar por um caminho no meio de uma pequena colina que tem resquícios da primeira igreja daquela região. não conseguimos pegar nem o museu nem a catedral abertos (somente no verão eles mantêm tudo aberto até um pouco mais tarde), mas a paisagem valeu a visita.

na volta, pegamos um táxi cujo motorista falava um inglês lindo, e nos contou um pouco sobre a cidade e seu passado. e se espantou que alguém saia do brasil para visitar a fria dinamarca 🙂

jantamos neste dia num caríssimo restaurante australiano, mas a comida estava impecável (comi um kit de creme bruleé preparado com 3 condimentos diferentes que foi um espanto!). novamente nos espantamos por estar ali juntos, tão longe da nossa terra, comendo comidas estrangeiras. acho que uma das coisas que mais amo no weno e mawá é essa eterna capacidade de se espantar com a vida, com os pequenos milagres, assim como a gente. é muito bom ter amigos que compartilham destes pequenos prazeres.

veja fotos desse trecho da viagem.

estocolmo: dias 4 e 5

viajamos logo cedo para a suécia, de avião (com wifi, pra meu espanto), com a mawá. saímos do aeroporto direto para o super-trem-bala e dali para o hotel. o hotel é um caso à parte — lindo, chique, totalmente inadequado para viagens com filhos 😉

almoçamos num lindo restaurante, experimentando a comida típica da suécia (almôndegas e purê de batatas com molho) e depois fomos caçar uma bota pra mim, que a minha abriu o bico. chovia e fazia muito mais frio do que esperávamos, e acabamos fazendo um passeio de ônibus pela cidade e voltando para o hotel nos esquentar.

no dia seguinte fomos passear pela cidade e conhecemos o centro antigo, uma loja de quadrinhos massa (onde tiramos foto com um trooper e tudo :D), o museu nobel e o metrô. deixamos o weno e mawá passearem enquanto nós voltamos para o hotel, pra descansar e comer.

no dia seguinte acordamos cedo pegamos o avião para o próximo destino: oslo.

veja fotos desse trecho da viagem.

oslo: dia 6

chegamos pela hora do almoço, fomos para o hotel e apelamos para o velho e bom restaurante japonês (ninguém falava inglês, mas comemos bem!). fomos então conhecer o famoso parque frogner, enorme e cheio de esculturas incríveis. não conseguimos gastar quase nenhum tempo por lá, pois estava muito frio e chovendo, mas deu pra conhecer um pouco da cidade no passeio de ônibus. a mawá nos encontrou mais tarde no hotel, e fomos dormir ansiosos pelo próximo (e mais esperado) trecho de viagem.

veja fotos desse trecho da viagem.

norway in a nutshell: dia 7

esse foi o passeio que mais planejamos, e que motivou a viagem. a norway in a nutshell organiza viagens pela região, de acordo com a disponibilidade de tempo. escolhemos o passeio de 1 dia, que inclui a viagem de trem de oslo a flaam (parando em myrdal), barco de flaam a gudvangen, daí até voss de ônibus e finalmente um trem até bergen. a viagem começa às 8h da manhã e termina depois das 20h!

é simplesmente lindo, e tivemos sorte de pegar um dia limpo, com várias porções de céu azul. o trecho até flaam é no meio das montanhas, com muita neve e estações de esqui. o trem que desce para flaam é mais antigo, e lindo. há um intervalo antes da viagem de barco, no meio das montanhas e à beira da água. o barco navega entre os fiordes, passando por fazendas e pequenos povoados no sopé das montanhas de pedra, ainda com neve no topo. as gaivotas acompanham a viagem toda, ao lado do barco voando. vestimos todas as roupas que tínhamos pra enfrentar o vento, mas ainda assim tivemos que nos abrigar do lado de dentro e brigar com uma trupe de turistas orientais (coreanos? vietnamitas?) muito mal-educados por lugares para sentar. nem mesmo com bebê no colo facilitaram nossa vida, mas no fim acabamos arranjando lugares para sentar e aproveitar o passeio.

o trecho de ônibus e trem é igualmente bonito, passando por lagos, pequenas cidades e catedrais, tudo muito cheio de neve. vimos lagos ainda congelados — a primavera pelo jeito não tinha chegado ainda por aquele pedaço do mundo 😉 — e muita, muita neve.

chegamos à bergen já era noite, e felizmente tínhamos conseguido reservar apartamentos (tipo flat), como alternativa aos caríssimos hotéis. os apartamentos eram excelentes, e pudemos preparar o jantar em casa, lavar e secar roupa, e dormir muitíssimo bem.

veja fotos desse trecho da viagem.

bergen: dias 8 e 9

acordamos e fomos explorar a cidade, tomar café e comer os maravilhosos pães que eles fazem. nossa primeira visita foi ao museu de design da cidade, bem pequeno e pra ser sincera meio sem graça 🙂

almoçamos num italiano, pra variar, e nos divertimos com o otto comendo sua primeira refeição completamente sozinho!

descobrimos que uma das atrações da cidade era o aquário, e fomos a pé do centro até lá, conhecendo a cidade no caminho. tudo muito pequeno e lindo, ruas estreitas e cheias de cor (talvez para compensar os mais de 200 dias de chuva do ano?). o aquário é uma graça, cheio de peixes e animais interessantes especialmente para crianças. o otto ficou apaixonado pelos pinguins e leões marinhos, e nós também 😀

voltamos caminhando — sob protestos meus– e fomos fazer compras do jantar. pasmem:  GANHAMOS tudo que compramos, graças a uma promoção da rede de supermercado (eu ainda acho que a mawá é que deu sorte). preparamos nosso jantar, e compartilhamos o prazer de jantar tranquilamente “em casa”.

aí a gripe se instalou definitivamente: eu e otto ficamos muito mal e decidimos não sair de casa por um dia todo, aproveitando que estávamos num apartamento. a mawá foi andar no bondinho da cidade e explorar o mercado de peixe, e fez fotos lindas. nós ficamos de molho, e foi ótimo porque choveu e estávamos realmente um caco.

a mawá voltou a copenhagen neste dia, e no dia seguinte seguimos viagem para o sul da noruega. nos separamos dela com muita saudade, foi muito gostoso estar com ela estes dias <3

veja fotos desse trecho da viagem.

(aproveitem e vejam as fotos maravilhosas da mawá dessa viagem toda!)

sul da noruega: dias 10, 11 e 12

alugamos um carro (apesar do preço extorsivo) para viajar contornando o outro fiorde que queríamos visitar. esse trecho da viagem foi lindo, mas confesso que não aproveitei muito porque estava realmente muito doente. há anos não ficava nem resfriada, e essa gripe derrubou a mim e ao otto. ficamos com nariz muito entupido, tosse, dor no corpo e falta total de apetite (bem, suponho que ele também tenha ficado com estes 2 últimos, tomando a mim mesma como base). mal consegui tirar fotos, e dormi uma boa parte da viagem.

almoçamos num lugar lindo, em uma cidade minúscula na beira da água, e dormimos numa pousada na montanha, cercada de uma paisagem incrível. comemos bem, o quarto era bom e dormimos o que foi possível estando doentes. resolvi passar num médico para ver como estávamos (estava preocupada com garganta e ouvido, e a tosse que não passava), consegui uma consulta e uma prescrição de xarope. o otto não podia tomar nada, e só nos restou paciência (ele chorava cada vez que tossia :(). continuamos em direção ao sul, apreciando paisagens maravilhosas enquanto viajamos por uma estrada estreita que contorna o fiorde, e paramos em stavanger.

a cidade é muito bonita, e o hotel que ficamos é bem na beira da água, com uma linda vista. fechamos o dia com a primeira pizza do otto, e a mais cara das nossas vidas: R$115 reais! no dia seguinte fizemos um passeio de barco para visitar um outro fiorde próximo, e embarcamos para atravessar da noruega de volta para a dinamarca por mar, na nossa primeira viagem de barco dormindo em cabine.

dormir em um barco não foi uma boa experiência pra mim. acordei várias vezes à noite balançando, e confesso que fiquei com medo. eu, que não tenho medo de avião nem em turbulência, me apavorei com o balançar de um ferry! tsc. o chuveiro, pra compensar, era maravilhoso, e o café da manhã também, a despeito da minha falta de apetite crônica.

as fotos deste trecho estão misturadas com as de stavanger, me perdoem 🙂

norte da dinamarca: dia 13

desembarcamos no norte da dinamarca, e aproveitamos para visitar o ponto mais ao norte do país, skagen, que tem uma paisagem bem peculiar, vejam fotos no google.

o fer foi tirar fotos do local, eu e otto ficamos dormindo no carro pois o vento estava muito forte e simplesmente não tínhamos condições de enfrentar o lado de fora (dois zumbis gripados).

paramos na cidade para almoçar e caminhar um pouco, é uma daquelas cidades minúsculas e perfeitinhas, especialmente num domingo de manhã. dali seguimos para o próximo destino, aproveitando a paisagem no caminho.

aalborg e randers zoo: dia 14

acordamos e depois de um café muito bom como sempre, fomos visitar o site arqueológico viking próximo da cidade, lindholm hoeje. eu visitei esse museu há 15 anos, e gostei muito, pois além de muito bem organizado, os achados arqueológicos são excelentes, muito conservados. é interessante poder conhecer como viviam os vikings na idade do ferro, de forma tão precisa. aproveitei e comprei de novo um anel que comprei nessa primeira visita e perdi. passeamos pelo museu (o otto adorou explorar tudo, estava bem vazio e ele pode ficar à vontade) e depois rapidamente pelo sítio arqueológico.

as cidades são todas muito próximas, então seguimos viagem e conseguimos visitar no caminho o zoológico tropical de randers, um lugar incrível que recria o clima e o ambiente da ásia, áfrica e américa do sul. é realmente uma estufa (calorão), com animais e plantas típicos de cada região. muitos animais ficam soltos, e é incrível mesmo de visitar, fiquei feliz por ter conseguido. o otto adorou (apesar do calor) e nós também 🙂

neste mesmo dia viajamos para odense, nossa última parada antes de copenhagen.

odense: dia 15

essa é cidade onde nasceu hans christian andersen, e tentamos visitar o centro cultural especialmente desenhado para crianças, mas estava fechado 🙁 passamos na loja do museu (que não é na verdade uma boa atração para crianças) e levamos algumas lembranças para quando o otto crescer, em especial alguns pôsteres lindos que eles vendem.

fomos então em direção a copenhagen, mas não sem antes dar de cara com a porta de um museu viking no caminho que só abre no verão 😀

esta noite jantamos com o weno novamente, no hotel, fazendo a maior bagunça de comida chinesa. matamos a saudade, e dissemos um “até breve” 🙂

de volta a copenhagen: dia 16

esse foi nosso dia de preparação para ir embora, e de tentar fazer compras. não consegui comprar na danafae, infelizmente (não aceitam cartões de crédito internacionais!), mas conseguimos passar na IKEA (comprei 1 babador pro otto e guardanapos, só) e na toys’r’us pra o otto brincar um pouco.

não tínhamos muito tempo livre, na verdade, e fomos pro aeroporto fazer check-in e finalmente voltar pra casa. a viagem de volta foi tranquila, para nosso alívio, e às 5h pisamos no brasil 🙂

se quiserem saber mais sobre como foram os detalhes com o bebê, confiram lá no fabricando. foi fácil? não. valeu? VALEU. é uma linda viagem, com paisagens inesquecíveis. recomendo!

2 comments to “conhecendo a escandinávia”
2 comments to “conhecendo a escandinávia”
  1. Pingback: conhecendo a escandinávia… com um bebê! | Fabricando

  2. Oi Zel … Putz, me deu uma saudades enquanto eu ia lendo !!!

    Fui pra lá como “ultima viagem” antes da “grande viagem” da maternidade e foi simplesmente uma das viagens mais lindas que eu já fiz. Mas tendo isso em mente, foi uma das viagens que eu mais reparei em crianças. Vc percebeu como tem criança por lá ?? E olha que chovia, ventava, fazia sol (com chuva .. hehe), mas todos estavam lá com aquelas roupinhas fofas impermeáveis, galochinhas e chapéus.

    Fiquei surpresa com a incrível VIDA que pulsa naquele lugar. Acho que por ser mt frio, as pessoas não tem mt alternativa e simplesmente vão ! Uma vez eu li uma reportagem de uma brasileira entrevistando um pai sobre as crianças e ela perguntou assim: “mas com esse frio e chuva, vc vai DEIXAR os seus filhos irem brincar (ou acampar, não lembro) na FLORESTA ????”. Daí o filhote dele respondeu: “não existe tempo ruim …. existe roupa inadequada !” … e ele tinha uns 3 anos … hahahhahahaha

    AMEI !! Isso pra mim, exemplifica a atitude das pessoas de lá …

    Para quem gosta de natureza, eis o lugar. Fala se não tem uns tons de verde que vc nunca viu aqui ?! Bom, eu fui no começo de Setembro e não peguei neve, mas estava beeeemmmm friiioooo !!! Pelo menos para os nossos padrões de SP. Nunca passava dos 13 graus … mas foi delicioso.

    Se eu posso te recomendar outra viagem maravilhosa, eu sempre digo: Turquia …. foi surpreendente !!

    Que bom ler o seu relato … me deu mts saudades !!!!!!

    Bjs

Deixe uma resposta