no logo

recuerdo cosas de otros tiempos,
de cuando el almacén no tenía luces de neón
cuando el paraíso no tenía marquesina…

(logo, kevin johansen)

que eu tou idosa nem se discute. porque vocês sabem que a idade da pessoa não é só a da certidão de nascimento, né? no corpo tenho quarenta, mas às vezes me sinto anciã. e não é por ser conservadora e nem apegada ao passado, longe disso. mas porque cada vez mais valorizo e aprecio comportamentos e práticas associados às pessoas de idade. o silêncio, a companhia de poucos e bons, dormir cedo, comer direito, cuidar da minha casa, do meu quintal, meu filho, dos meus. ler um bom livro ao invés de sair “pra balada” (ô palavrinha que eu odeio!), e aí vai. idosa com prazer, sem culpa, sem problema.

depois do post ali sobre moda, pensei muito, conversei, refleti. por que moda não me interessa? por que notícias, novelas e programas populares em geral não me interessam? será que me tornei uma pessoa pedante, elitista, chata?

supermercados não me interessam, detesto ir. shoppings não me interessam, só vou quando preciso, por pura praticidade. sim, gosto de adquirir coisas das quais eu gosto e de trazê-las pra casa quando possível, mas não sinto prazer no ato de comprar. deu pra entender? ou seja: terapia de shopping pra mim não serve pra nada. roupas e sapatos? se eu ganhasse tudo de segunda mão ficaria feliz da vida. comprar em brechó é a mesma coisa que comprar em loja, pra mim. se eu ganhar coisas que foram de outra pessoa fico ainda mais feliz, é como se a pessoa transferisse um pouco dela pra mim, entendem? não, né? ok.

não sou elitista, nem pedante, nem chata. simplesmente perdi o interesse em consumir por consumir. e acho que o motivo é uma combinação de 2 coisas: a percepção de que não preciso de tantas coisas, e posso viver com menos, de forma mais simples + o fato de que deixei de ler revistas, jornais e tenho visto poucas horas de TV me afastou da propaganda.

não sinto desejo de comprar a marca X ou Y. sempre comprei qualquer marca de quase tudo, pra ser honesta, nunca fui fiel a marca alguma. mas agora eu simplesmente não conheço, não ligo, e (a menos que seja realmente necessário ou super-mega-lindo-e-fofo) eu não compro. os únicos apelos que realmente sinto para consumir atualmente são os de comida (adoro comer fora e comprar ingredientes diferentes) e coisas “únicas” ou bem diferentes.

sempre achei horrorível usar coisas “de marca”, com o logo gritando. sei lá, me sinto meio garota-propaganda, só que pagando (=otária). como sempre quis ser diferente dos outros, desde pequena, tenho um pouco de dificuldade de entender pessoas que querem usar coisas que todo mundo usa.

sei que muitas pessoas usam certas marcas como forma de status, mas isso realmente é fora da minha realidade. fui criada para desprezar esse tipo de pessoa que esbanja dinheiro e ostenta tudo o que tem, e funcionou: tenho nojo. primeiro porque chega a ser deselegante ostentar riqueza num país com tanta desigualdade, um pouco de humildade não faz mal a ninguém; segundo porque se a pessoa precisa tanto assim mostrar que tem e que pode, bom sujeito não há de ser, tem algo errado aí. mantenho distância, acho feio e deselegante.

mas vamos pro título: por que tudo precisa ter LOGO? qual é o real valor da marca? por que comprar a marca pela marca?

deixar de ver propagandas me tornou menos consumista, é fato. foi e é bom. a propaganda é ilusória, direcionada, psicologicamente desenhada para atingir nossos pontos fracos, é a tentação, o diabo, o mal.

bah, não é que comprar seja mau em si, que as equipes de marketing sejam demônios malignos. mas eles só pensam no lucro, sim senhores. as blogueiras que escrevem publieditorial querem ganhar dinheiro e não compartilhar coisas com você, bobinha. a fernanda torres não liga lá se a marca de sabão X vai tornar sua vida mais fácil, ela recebeu vários dinheiros pra usar a imagem e credibilidade dela como atriz pra convencer você que você PRECISA MUITO daquele sabão pra “facilitar sua vida”.

e por mais que a gente saiba que sabão é sabão, e que é verdade que uns são melhores que outros, poxa, eu vi a propaganda da fernanda torres, ela é tão bonita, atriz, magrinha, mãe de família, né? o sabão deve ser bom.

se possível fosse, eu faria meu próprio sabão, plantaria minhas comidas e costuraria minhas roupas. porque francamente é uma afronta à minha inteligência o grau de (tentativa de) manipulação a que somos expostos o tempo todo na TV, rádio, cinema e agora — TCHARAM! — na internet. tenho lá meus “amigos” virtuais e já não sei mais se eles realmente recomendaram o restaurante X porque curtiram ou porque pagaram pra eles elogiarem.

consegui desligar a TV, o rádio, os jornais, mas estou enfronhada nas redes sociais, como boa geek que sou desde sempre. estragaram o mundo todo, porra!

TUDO TEM LOGO.

só queria poder identificar, agora. nesse mundo de publieditoriais não declarados, já não sei mais nada. só me resta filtrar, filtrar, até sobrar só a essência mesmo. e voltar aos chás e bate-papo no beiral de casa, que eu ganho mais.

9 comments to “no logo”
9 comments to “no logo”
  1. Pingback: » O consumismo e a construção de uma nova marca Ilha Dodô

  2. Minha nossa Ivanise, somos duas rsss, já não gosto mais de fazer compras, mas tenho que fazer, nunca liguei p marcas, consumir somente o necessário , e propagandas, a quem eles enganam hein…não dá p acreditar kkkkkk.
    É amiga, ano que vem tbm faço meus 40 tinha rss, sabe Ivanise, eu tbm não vj nada na Tv a não ser as coisas das crianças, desenhos, clips da Galinha pintadinha, ou Palavra Cantada ….
    Não sei mais de noticias, as vezes falam as coisas ou vj na página do Yahoo, meu lema agora é tentar acrescentar um pouco me rss.
    To me interessando p artesanato, to arranhando algumas coisas, redes sociais, to fugindo …. cria um certo vício p mais que não se queira, me afastei, com os afazeres domésticos, as crianças, fico nos blogs, em alguns, sobre artesanato….
    E ai amiga, a vida vai se indo e agente querendo um pouco de paz e tranquilidade, pensei que não, mas a gente acaba mudando um pouco com o passar do tempo, e muitas coisas que agente ve p ai, não dá p acreditar, a consciência das pessoas, estão p ai, que nem elas acham onde kkkk
    super bjsssssss
    Dri (Adriana Ávila) 🙂

  3. Eu trabalhei com gente que fazia publieditoriais. Sei quanto se paga por eles, como são redigidos e como seu retorno é medido. Por isso que simplesmente não confio em nenhuma “recomendação” que vejo em blog ou no Facebook. Se querem me dizer que algo é legal, digam pessoalmente, obrigada 🙂 (e que bom que mais alguém acha Louis Vuitton uma marca feia. Podemos formar uma ONG :P)

Deixe uma resposta