uma receita que cheira a natal

descobri esse bolo aqui, e só no último mês já fiz 3 vezes. o bolo é realmente incrível, bem do jeito que eu gosto — com fruta, saboroso, consistente e cheiroso. mas o mais legal é que descobri também que este é um bolo considerado “domínio público” americano, pois leva ingredientes simples, não vai leite nem manteiga. há centenas de receitas dele por aí, todas muito parecidas.

fiz pequenas adaptações na receita do link — usei macadâmia, que adoro e acho que dá um crocante indispensável no meio do bolo, não uso baunilha e reduzi a quantidade de óleo. funcionou perfeitamente, o bolo fica lindo, cheiroso e delicioso. faço então minha transcrição da receita, para referência futura 🙂

quanto ao tipo das maçãs, francamente não sei qual usei, não consigo reconhecer. marido comprou “maçã argentina”, não sei dizer qual é a variedade, só sei que não é fuji. de verdade? acho que qualquer uma funciona.

fiz esse bolo de presente de natal para uma família de amigos, e acho que esse cheiro de maçã e canela combina demais com natal. combinado com sorvete, para aplacar o calor do nosso hemisfério nessa época, fica perfeito!

Quase uma receita ;)

ingredientes

3 maçãs grandes ou 4 médias, descascadas, sem miolo e cortadas em pedaços médios

1/2 xícara de macadâmia cortada ao meio (ou mais… quanto mais melhor :D)

3 xícaras de farinha de trigo

1 colher de chá de bicarbonato de sódio

1/2 colher de chá de sal

1 colher de sopa de canela em pó (parece muito, mas não é)

2 xícaras de açúcar

3 ovos

1 xícara de óleo

 

utensílios

1 forma grande com furo no meio (já fiz esse bolo em forma de papel, tipo colomba pascal, pra dar de presente, e funciona bem também)

batedeira, pelo amor de deus 🙂 (dá pra fazer sem, eu acho, mas olha… haja braço)

peneira

vasilha para peneirar os secos e para guardar a maçã picada

colherão pra misturar

 

modo de fazer

pré-aqueça o forno em temperatura baixa, 180C.

descasque, tire miolo e pique as maçãs. das 2 primeiras vezes piquei pedaços pequenos, mas depois de pesquisar sobre essa receita, descobri que pedaços grandes são melhores, pois cozinham e ficam bonitos e meio “caramelados” na massa. recomendo assim. reserve.

peneire a farinha, canela, bicarbonato e sal, misture bem, bastante e reserve.

bata na batedeira os ovos inteiros, óleo e açúcar por cerca de 5 minutos no modo “poder” da sua batedeira. cuidado, que nem toda batedeira aguenta bater tanto, vá dando folga pra ela. a ideia é que a mistura fique fofa e clarinha.

junte à mistura de ovos/açúcar e óleo, aos poucos, a mistura de farinha, até incorporar tudo muito bem. e não se assuste (como eu me assustei): a massa é BEM consistente, parece quase massa de pão. juro que dá certo.

misturando agora à mão, adicione os pedaços de maçã e a macadâmia. recomendo usar a colherona, porque com a de sopa eu não consigo misturar tão bem. é difícil incorporar, porque a massa é dura, mas tenha paciência e misture bem, lembrando de “puxar” a massa de baixo da vasilha, para não ficar com massa sem maçã e macadâmia no fim.

esse é o otto, 2 anos e 3 meses, me “ajudando” com o bolo. ele quebrou os ovos, ajudou a misturar a massa e quis experimentar depois ainda crua (adorou, a canela e açúcar são uma coisa juntas, não?)

Meu ajudante fazendo bolo de maçã pra levar pra escola amanhã <3

aí é colocar a massa na forma já untada e enfarinhada, às colheradas (não dá pra despejar esse bolo na forma, é realmente colher a colher). asse então no forno baixo por 1h – 1h e 30min (depende do forno), até dourar em cima. faça o teste do palito, deve sair sem grudar (mas não sai completamente seco, o bolo tem pedaços molhados).

espere pelo menos amornar para desenformar, e sirva com o lado de cima pra cima, que é mais bonito e crocante. ele fica molhado por dentro e crocante por cima/fora. pode servir com sorvete, calda de caramelo, ou puro com café, que é o jeito que eu mais gosto.

esse bolo não cresce muito, mas compare a foto da massa crua na forma (1a foto do post) e essa foto aqui, depois de assado e frio. ele quase chega à borda e durante o tempo de forno ele cresce pra fora da forma (só depois ele baixa). portanto, cuidado se ele ainda cru ficar muito na beirada da forma (um dos que eu fiz transbordou, a sorte é que coloquei outra forma embaixo e aí comemos as casquinhas crocantes que caíram… :D)

Para as crianças

e me conte se você experimentar. esse atualmente é meu bolo preferido! e pode ser dado de presente, depois de salpicado de açúcar de confeiteiro e embaladinho num pano bonito.

9 comments to “uma receita que cheira a natal”
9 comments to “uma receita que cheira a natal”
  1. Zel, eu fiz ontem esse bolo mas como não estava a fim de sujar batedeira e untar forma coloquei tudo na máquina de fazer pão e acionei a opção bolo.
    Ele ficou gostoso, mas o meio ficou bem molinho, cremoso, é assim mesmo ou o melhor para essa massa é assar numa forma com um furo no meio como a que você mostra nas fotos?

  2. Moça, eu nem te conheço, mas resolvi deixar aqui um comentário em forma de agradecimento.
    Uma amiga minha, acho que por mero acaso caiu aqui no seu blog, nesta receita e mandou o link pra mim, achei a receita muito interessante e resolvi tentar. (O cheiro que fica pela casa enquanto o bolo assaé delicioso!)
    Como eu moro sozinho, então as vezes é chato fazer bolo, não tenho com quem compartilhar, então fiz e levei no escritório, o pessoal devorou tudo! E ainda fiquei com fama de bom cozinheiro, rendeu até um pedido de casamento (de mentirinha, ahahaha), mas eu gostei muito!
    O bolo é fantástico, parabéns!

    • Giovanni, que delícia <3 que bom que você fez e dividiu! Uma das coisas mais legais da vida é dividir comida, especialmente quando foi a gente que fez. E fala a verdade -- esse bolo é uma delícia de fazer, não é? É incrível como ele se transforma de uma massa esquisita num bolo incrível. Parabéns e beijo!

      • Ah, e eu esqueci de dizer, eu bati tudo na mão, com um fuet… empunhei o fuet, gritei “eu tenho a força!” (e não tenho batedeira) e passei lá uns bons 5 minutos… cansei, mas deu certo, ahahah.

        A massa chega a dar um medinho mesmo, ainda mais sem fermento, só o bicarbonato pra crescer, me surpreendeu o resultado final.

        E hoje eu fiz de novo, não achei macadamia no mercado, fiz com amendoas, ficou tão bom quanto!

  3. oi, Zel!
    eu sou a amiga que passou a receita pro Giovanni, que também comentou. rs
    acabei de comer um pedaço do bolo, que sobrou do Natal, que foi quando eu fiz. nham!
    ficou muito bom, apesar de eu ter feito duas adaptações: esqueci de comprar óleo, então usei azeite extra-virgem, e não encontrei macadâmia (que eu amo) e acabei substituindo por castanha de caju. assim como o otto, eu experimentei a massa crua, e fiquei meio preocupada, porque o sabor do azeite estava bem forte, mas depois de assado, ele sumiu.

    aqui o cheiro também se espalhou pela casa toda. deixei um pedaço com meus pais, e outro com minha sogra, que foi quem mais elogiou.

    falando por mim: adorei. achei super facil de fazer (e rápido, o que é um milagre, porque eu demoro muito quando invento de fazer algo). a consistência dele ficou otima, a casquinha ficou perfeita, e a castanha de caju também combinou.

    ah, e diferente do que o Giovanni pensou, eu te leio desde… sei lá, 2000.

    um beijo e obrigada por compartilhar a receita!

Deixe uma resposta