sejamos alavanca!

Fui lá no Sarau de Valinhos, totalmente (muito bem) organizado pelos jovens, e estou ainda pensativa, além de feliz.

 

Acompanhei a linda Maria Eduarda na sua fala poderosa, forte e emocionante sobre cotas. O tambor ajudou a dar peso no assunto tão difícil, e me deixou com um misto de emoções — eu, pessoa branca, tocando tambor enquanto uma moça negra fala sobre racismo.

 

Gosto de pensar que estar ali é uma forma de alavancar a voz dela, moça negra, jovem mulher. Busquei ser o mais neutra possível, porque quem precisa brilhar é ela.

 

Enquanto dirigia pra casa, pensei tanto nisso: qual é nosso papel, nós que estamos em posições de poder seja pela idade, posição social, cor, gênero?

 

Cada vez mais acho que é apoiar, construir junto, trazendo nossa experiência para que outros possam também crescer e ocupar seu espaço.

 

Justo eu, que amo ser protagonista, quero ser também apoio, coadjuvante, quero apoiar outros cada vez mais. Seja porque me dá prazer ou porque posso. Gente, eu POSSO, e isso é o maior privilégio de todos.

 

(Cada vez mais entendo porque as pessoas que mais doam e mais são voluntárias são as que têm menos.)

 

Ajude os outros a crescer, sem querer nada em troca; não tem sensação maior de poder, de alegria, de completude na vida.

Deixe uma resposta