Mundo atômico

Domingo na mesa do almoço, Otto 8a:

“Se entre todas as moléculas e átomos existe um ‘espaço’, por que a gente não consegue atravessar as coisas usando esses ‘espaços’?”

E agora depois de pesquisar moléculas, átomos e microscópios eletrônicos, meu histórico de pesquisa acha que eu sou algum tipo de gênio do mal.

(Tentei explicar usando uma peneira, com a água e ar passando e a mão não passando. Não sei se ele tá convencido não)

criando meninos num mundo machista

mães feministas de meninos têm muito trabalho pra DESFAZER ou NEUTRALIZAR o que o entorno empurra. e me pergunto até quando eu conseguirei fazer isso, já que na adolescência a última pessoa que eles escutam é a mãe.

quando se é feminista atenta e ativa e mãe de menino é que você percebe o quanto a mensagem é martelada pra esses meninos desde pequenos, o tempo todo: meninas são inimigas; homem tem que ser forte; homem não pode chorar; homem precisa GANHAR o tempo todo, não pode ceder; homem precisa ser forte, provedor, dominar a situação.

meninos não são incentivados a ser criativos, gentis, cuidadores, sensíveis. inclusive quando são assim por natureza, são hostilizados.

e eu ainda tenho junto comigo um pai companheiro e que abraça o feminismo na vida e na criação do menino; ele assume a responsabilidade de criar um menino com outra postura. mas e o mundo, gente? e quando esse menino se percebe tão diferente dos outros que sentirá desejo de se adequar à sociedade machista e escrota?

precisamos criar meninos melhores, URGENTE.