vocabulário

Otto conversando com Fernando:

 

(Vocabulário, papai, vocabulário :D)

 

O: próxima vez vou fazer minha barba de festa igual a sua (põe as mãos no meu rosto), EXCETO por esse pedaço”

 

**

 

O: O que é isso no seu braço?

F: uma verruguinha, não mexe não.

O: Por que não?

F: Porque isso pode espalhar. Não é sempre, mas pode.

O: Tipo contagioso?

 

a que será que se destina?

Deito com o Otto, apago a luz. “Boa noite, meu amor.”

 

O: “mas antes eu tenho uma perguntinha, mamãe”

 

(Nunca é uma “perguntinha”. Nunca)

 

Eu: “tá bom, mas depois dormir tá?”

 

O: “então… que eu nasci da barriga eu já sei. O que eu quero saber é: eu existo pra quê?”

 

~ existimos / a que será que se destina?

 

Eu: “você quer dizer mais ou menos como o propósito, a função que alguém tem, como por exemplo o Wall-e, que faz cubos?”

 

O: “é. Pra que eu existo aqui?”

 

Não sei nem por onde começar. Mas enfim: ser mãe é também buscar sentido e organizar o caos, no sentido mais amplo.

 

Eu: “não existe um sentido, um propósito, meu amor. Nós só estamos aqui, e estando aqui podemos fazer o que quisermos. Ler, nadar, brincar, criar, fazer arte, inventar coisas, construir, fazer amigos.”

 

O: “qualquer coisa?”

 

Eu: “qualquer. Nós somos livres pra fazer o que escolhermos fazer”

 

O: “mas eu preciso fazer tarefa. E o wall-e não tem tarefa!”

 

(Eu sabia que essa conversa ia se voltar contra mim…)

 

Eu: “o wall-e tem tarefa sim: ele faz cubos, pra limpar a Terra; e a EVA busca plantas. É a tarefa deles. Lembra que ele sai de manhã e volta de tarde, depois que acabou?”

 

O: “MAS NÃO É UMA TAREFA!”

 

(Ele não gostou da minha lógica, falou assim mesmo em Caps Lock)

 

Eu: “é sim. Todo mundo tem tarefas, e nem todas a gente gosta. Mas tem coisas que temos que fazer.”

 

O: …

 

Eu: “tudo bem? Podemos dormir?”

 

O: “não sei de gostei da resposta, mas podemos. Boa noite.”

 

Ainda bem que amanhã é Páscoa, porque uma leve overdose de chocolate não vai fazer mal a ninguém depois dessa.

boas-vindas

Ai, crescer.

Fernando lidando com as perguntas do Otto antes de dormir:

“Papai, como começa a vida?”

Ele explica sobre a divisão celular, ele ama.

“Papai, como TERMINA a vida?”

Ele explica que um dia tudo acaba. E ele chora, diz que não quer crescer porque não quer que acabe. E lembra que demora, que estamos todos aqui, por muitos e muitos anos, e que não precisa se preocupar com isso.

 

(Entendo tanto, meu amor. Tanto.)

 

“Quero um abraço.”

E todos choram, né.

💔

 

**

 

Tem a morte

Tem o amor

E tem o mote

E tem a glosa

 

Eu digo que ela é gostosa.

o primeiro acidente doméstico a gente não esquece

neste domingo, no finalzinho do dia, tivemos nosso primeiro acidente doméstico importante (ou seja — que precisou de exames/intervenção): o otto prendeu os 4 dedinhos da mão direita no vão da porta (do lado da dobradiça), bem no meio dos dedos 🙁

eu estava cozinhando, enquanto ele brincava na despensa, como sempre faz. mas pela primeira vez decidiu enfiar seus dedinhos no vão e abrir a porta… até prender.

não consigo esquecer a carinha dele, começando a chorar e me chamando “mamãe, eu prendi os dedinhos na porta…”. eu, desesperada pra ajudar, não percebi que bastava “fechar” ele atrás da porta de novo pros dedos soltarem. fiquei ali, tentando entender o mecanismo, e enquanto isso os dedinhos presos. como não fechei a porta o suficiente pra conseguir soltar, soltei os dedinhos arranhando a parte gordinha. ficou bastante inchado, e arranhou de leve (por sorte não cortou). colocamos gelo, e o pai levou pro PS em pleno domingo à noite. depois do resultado do exame (que não deu nada), liguei pra pediatra, que pediu um exame feito por um ortopedista pediátrico, já que nessa idade os ossos são muito pequenos e maleáveis, não é qualquer médico que sabe avaliar.

fizemos o exame no dia seguinte, e tudo estava bem, tudo perfeito. a mãozinha já tinha desinchado bem, felizmente, e ele amanheceu desenhando e usando a mão normalmente.

mas fiquei de coração partido com ele chorando e olhando a mãozinha, pedindo ajuda e depois reclamando da dor (ou do susto, não dá pra saber direito). fiquei me sentindo culpada, não pelo acidente em si, mas por não conseguir ter sangue-frio suficiente pra ajudá-lo mais rápido e de forma mais eficiente. é como um filme que passa pela cabeça mil vezes depois (“poderia ter feito isso, e aquilo, e aquilo outro…”). tudo inútil, claro.

fiquei pensando em como é difícil esse papel de pai e mãe, de proteger a criança. porque é disso que se trata — nosso trabalho é protegê-lo. e eu falhei. sei que vai acontecer muitas vezes ainda, e que no limite eu não posso protegê-lo de tudo (afinal, ele precisa descobrir os limites do mundo por conta própria também, oras), mas eu queria. sofrimento de filho é pior que o nosso próprio.

e — clichê dos clichês — só agora consigo ter plena empatia pela situação da minha mãe, de 3 crianças muito peraltas. por mais que racionalmente seja possível entender o que passa uma mãe, sua preocupação com os filhos, sem ter filhos esse entendimento racional é basicamente nada. nenhum conhecimento prepara a gente pra tempestade de emoções que é ver seu filho chorando, machucado, com dor. por menor que seja, é muito difícil. antecipo muitos anos de sofrimento compartilhado pela frente, diante das molecagens que ele começou a aprontar…

**

e no meio disso tudo, com a mãozinha machucada e inchada, enquanto o pai se vestia para ir com ele ao PS, ele comeu um prato de arroz, feijão, carninha e chuchu. porque era isso que eu fazia enquanto ele se escondia atrás da porta: o jantar.

se comportou como um lorde no exame com a médica plantonista, com o moço do raio-X, com o ortopedista, e com a médica (era retorno de consulta, por coincidência, no dia seguinte). avisou que ela poderia examiná-lo, mas “sem ouvir o coração. não quero o estetoscópio”. a médica, claro, se encantou por ele saber o que é o aparelho, e por falar tão direitinho. nosso menino curioso e louco por palavras difíceis e um tiquinho hipocondríaco 🙂

no final tudo ficou bem, e voltamos à normalidade. mas o primeiro acidente a gente não esquece (eu acho. na dúvida, fica o registro!)

**

PS: ele teve um outro acidente (com corte e sangue, no supercílio), mas foi na escola. nós só vimos o resultado, que virou uma cicatriz até charmosinha.

tantas palavras

as conversas com o otto estão muito engraçadas, ele definitivamente “pegou o jeito” e está se comunicando muito bem verbalmente. ele não é exatamente tagarela ou extrovertido, mas passa suas ideias com precisão, e usando vocabulário bem interessante pra idade (ou pelo menos é o que nos dizem!)

resolvi neste post juntar algumas das frases/coisas mais divertidas que ouvimos ultimamente, porque as mudanças acontecem tão rápido que não consigo registrar, e quero poder mostrar pra ele quando for maior 🙂

**

ele anda apaixonado por fotos, e agora quer fotografar inclusive sua “obra”, os desenhos de giz no chão. “o otto vai tirar foto do desenho”, e fotografa com a maior pose de fotógrafo de verdade.

**

o adorado morris lessmore, na interpretação dele, é mézimór péssicor.

**

dia desses, bravo porque o pai não queria fazer algo que ele mandou (bem mandão, o menino), ele fala: “o papai precisa obedecer o otto!” (do jeitinho que a gente fala que ele precisa nos obedecer :D)

**

provavelmente imitando a maria, babá que cuida dele à tarde, que fala bastante “não faça isso, otto!” numa entonação bem particular e querida, ele repete pra tudo que não o agrada: “não faça isso, mamãe/papai/maria!”. o mais curioso é que ele fala isso inclusive pra outras crianças, que fazem com ele algo que não gosta (como tirar um brinquedo, ou coisa assim). bem sério, sempre mantendo a distância física, um rapazinho comedido.

**

o otto quando dá chilique e chora (normalmente porque não damos/tiramos algo que ele quer), entra no modo repetição da mesma frase, como se a repetição fosse mágica e fizesse as coisas acontecerem. “dá po otto, dá po otto, dá po otto!” (em geral 3 vezes), gritando e chorando. sempre repetimos a mesma reação: explicar pra ele que chorar e gritar não funciona, que só vamos evoluir na conversa se ele parar de gritar e chorar.

muitas vezes ele explica (chorando, e gritando): “o otto tá bravo! o otto tá chorando! O OTTO TÁ GRITANDO!”. e nós, segurando o riso (é muito engraçado um serzinho tão pequeno e tão bravo…), mantemos a posição de “gritando não sai coelho desse mato”. em no máximo 1 minuto ele percebe que não funciona mesmo, para subitamente e avisa: “o otto parou.”, pra gente continuar a conversa. e daí geralmente vai bem, ele entende e pronto.

às vezes ele pede colo no meio do chilique (e eu dou, desde que não grite no meu ouvido), percebe que só vamos dar atenção depois que parar, e para. como se não fosse nada. e ainda explica: “a mamãe ficou brava com o otto. o otto chorou.”

<3

**

das frases mais engraçadas (em especial quando combinada com o gesto da mão) e que mais faz sucesso com adultos é o “estou saStifeito!” depois do almoço. com a mãozinha, indicando que não quer mais comida.

**

“mamãe, conta a história do pão?” (ou do número 8, ou da nai, ou da folhinha, ou do vovô…) tudo agora ele quer que conte uma história, explique de onde veio, porque veio, pra onde vai. e a gente inventa, ou simplesmente conta mesmo a história das coisas. cem vezes.

**

ainda não consegui me acostumar com frases como “isso é muito legal, mamãe” ou “do que a gente vai brincar agora, mamãe?”, “o que é isso, mamãe?” que mostram como ele sabe o que quer, o quer gosta, e convida a fazer algo com ele. são poucos meses ainda de interação verbal (9 meses somente desde o início da fala), e é espantoso como o domínio da língua evolui.

mas no fundo, acho que o que mais me espanta e encanta é que a fala abre uma janela enorme para a mente, o raciocínio da criança, todo um processo que antes acontecia sem que percebêssemos claramente. agora podemos trocar ideias, negociar, interagir muito mais.

sei que a comunicação não-verbal é essencial, e deve permanecer e se desenvolver (inclusive a coisa que mais adoro por enquanto na experiência de ter filhos é o contato físico, sem palavras, que é intenso e lindo), mas esse canal de comunicação verbal é mágico e incrivelmente prazeroso.

diário do otto: 2 anos e 4 meses

otto-borogodó,

(ou piolhinho, tatu, tatuzinho, belzebu, bebê, godinho, meugato, gatito, pequeninho, menino, moleque)

sim, você agora se apresenta com nome e sobrenome. ouviu alguém falando “ó do borogodó”, e obviamente assumiu que era OTTO borodogó, e assim chama a si mesmo às vezes. mas aprendeu também a falar seu nome e sobrenome completo, “otto marvalhas balestrero” e é a coisa mais linda do mundo <3

neste último mês houve uma mudança significativa, que nos surpreendeu: subitamente você começou a cantar! não sabíamos que podia acontecer assim, do dia pra noite, mas com você assim foi. não cantava nada, absolutamente nada, só ouvia, atento, mexendo a boquinha imitando, mas sem som. e de repente, BUM: canta uma música toda, todinha. atirei o pau no gato, a casa, fui no tororó, e até clareana (“água, terra, fogo e aaaaaaarrrrr…”). sim, é claro que você só cantaria, ou arriscaria, com a certeza absoluta de acertar. nosso pequeno perfeccionista, você nasceu com a mãe certa, que vai insistir até seu último suspiro que se arrisque, tente, erre muito, pra poder acertar mais que errar, e se divertir mais que ter medo.

também mudou outra coisa, você começou a fazer perguntas diretas: “o que é isso?” ou “como chama esse?”. não começamos ainda os porquês, mas estamos aguardando ansiosamente, já que gostamos muito de perguntas-e-respostas.

você agora dorme juntinho comigo, desistimos da troca cama-berço-berço-cama. dormimos, e expulsamos o papai por enquanto. até que você se acostume com seu berço, e que queira dormir na sua cama. e por mais que haja quem pense que não muda, você já pede pra ir para o seu quarto, e de dia dorme bem no seu berço. e por enquanto, confesso que aproveito essa fase, tão curta, pra abraçar você, e ficar pertinho, de um jeito que sei que não será mais possível dentro em breve. meu bebê grande, menino carinhoso da mamãe.

sim, você é um menino observador, tranquilo, muito carinhoso e piadista (sabe tirar sarro da gente, entende piadas simples…). gosta cada vez mais das atividades físicas (com nosso incentivo), e continua apaixonado pelas letras e números, mas sem tanta fascinação agora que aprendeu todas as letras e contou até 20, ou mais. acho excelente que você conta errado, de propósito, subverte a ordem e não incentivamos que seja certo ou errado. queremos que você seja feliz, ria, se divirta. isso é mais importante que saber, fazer, decorar.

continua comendo muito bem, não recusa nada, não tem medo de tentar coisas novas. tenta, às vezes gosta e às vezes não. às vezes come tudo (mais frequente), às vezes recusa tudo, e diz não-não-não. ou NÃAAAA, que é a nova do mês. e chacoalha a cabeça, sai correndo, morrendo de rir de fugir das coisas e de ser do contra. essa sua idade, que chamam de “terrible twos”, às vezes é realmente terrível, especialmente quando tudo é NÃO, e se aplica até para coisas que você quer e gosta. está com fome, e fala NÃO só pra exercitar seu poder de fazê-lo. achamos que é importante que você o faça (e é engraçado às vezes), mas tem hora que cansa, confesso.

sua rotina de dormir agora é simples: você dorme na nossa cama, e acabou. planejamos levar você de volta pra sua cama, agora que já entende que é sua caminha, seu quarto e tal, vamos ver como funciona. mas desencanamos, e vamos esperar que você manifeste o desejo de ter seu espaço qualquer hora. por enquanto, não nos atrapalha (e dormimos, ufa, finalmente).

você tem lembrado da escola, professoras e amigos, o que é muito fofo. parece ter saudade da escola, e ficamos muito felizes. ficamos amigos dos pais de um dos seus amigos, ambos dinamarqueses vivendo no brasil, eles são muito legais e parecidos conosco, o que é uma surpresa. tínhamos medo dessa parte, dos pais dos seus amigos, mas por enquanto, tudo bem. até o aniversário dele (halfdan) foi legal, divertido, pra você e pra nós.

este mês foi dezembro, o primeiro natal que realmente você entendeu alguma coisa, apesar de não falarmos de papai noel e você ter dormido antes da ceia 🙂 mas ganhou presentes, gostou muito, e passamos uns dias na praia. sua visita à praia foi um acontecimento: já tínhamos ido à praia, mas desta vez você realmente participou, e AMOU. a cada onda você pulava, gritava e gargalhava de felicidade, foi a coisa mais linda. e nadou no rio “sozinho” (com bóias, né), brincou na areia, tomou picolé, se divertiu demais. e nadou no marzão aberto, num passeio de barco a parati, com os peixinhos (como na música). o pescador que nos levou mergulhou e trouxe um lindo ouriço, que você adorou, e lembrou dele por dias e dias (“o toninho mergulhou no mar e trouxe um ouriço!”). visitamos os aquários de ubatuba e SP, pra que você visse os peixinhos que tanto gosta. mas o que mais o encantou foram os cavalos-marinhos (e como não?)

temos nos divertido bastante cuidando de você, cantando, contando histórias, brincando na piscina, na rua, no jardim, conversando. cada dia é mais legal, melhor, e aprendemos mais sobre você, sua personalidade, e nos divertimos com suas ideiazinhas. você agora pede as músicas que quer ouvir e está especialmente apaixonado por “peixinhos do mar” (do milton nascimento) e “canto do povo de algum lugar”, do caetano, que foi a 1a música que ouviu fora da barriga, quando estava na UTI e seu pai cantava sempre, enquanto olhava você e segurava seus pezinhos, mãozinhas, enquanto aprendíamos a amar essa criaturinha incrível que você era e é.

aqui estão as fotos dos seus 2 anos e 4 meses. sempre achamos que não é possível amar mais, mas olha… nosso amor só aumenta! e todos os dias nos divertimos (e cansamos :D) muito com você, temos sido muito felizes.

um beijo com amor da sua mamãe.

contra fatos não há argumentos

a maria, que é babá do otto desde que ele nasceu e que cuida de nós desde que mudamos para vinhedo (quase 5 anos, já!), é muito carinhosa com ele, e com todo mundo. daquelas pessoas bem doces, que diz “eu te amo”, abraça e beija. uma linda!

pois ontem ela, carinhosa como sempre, virou pro otto e disse: “o otto mora no meu coração!”. ele não titubeou: “não, maria! o otto mora na rua araxá XXX*, na casinha dele!” 😀

(*) ele sabe o número certinho, só não coloquei por segurança. ele adora dizer pras pessoas onde mora, e no caminho de casa ele até dá instruções do caminho… “agora desce, agora vira, faz a CUIVA…” <3

diário do otto: 2 anos e 3 meses

otto,

tem sido mais difícil pra mim escrever mês a mês, porque agora tudo se mistura e já não lembro mais direito exatamente o que pertence a este mês. você nos surpreende diariamente com tiradas engraçadas, frases cada vez mais complexas e ideias curiosas vindas 100% da sua cabecinha 😀

todo dia tenho coisinhas novas pra contar sobre você. desconfio que essa sua fase de criança deve ser uma das mais divertidas. essa semana você cismou que se fala OTTO-borogodó (e morre de rir quando repete isso). também conheceu um amigo da mamãe que se chama hugo, como seu monstrinho de pano preferido, e ficou muito espantado com o nome, e repetia com olhos arregalados “ele chama HUGO, mamãe!”.

e você fala tão direitinho que dá gosto. “abre a rede pra eu balançar, vovó?” e 30seg depois “abre pra mim, vovó!”. (mas o ÍBULON eu não consigo corrigir, porque é fofo demais <3).

na escola está tudo bem, você gosta muito de ir e pergunta das tias e dos amigos E AMIGAS (aparentemente você não gostou dessa história de gênero masculino ser neutro no coletivo), embora às vezes fique grudento na hora de eu ir embora. na maior parte das vezes você fica bem, e até fala “TRABALHA, mamãe!”, me mandando embora 🙂 e você foi mordido pela 1a (e 2a…) vez na escola, o que nos deixou muito chateados, mas passou.

uma coisa que nos deixa muito felizes é que você é um menino carinhoso, que gosta de beijar, abraçar e ficar juntinho. nós adoramos! e por mais que eu reclame de ter que fazer você dormir todo dia (1 hora, 1 hora e meia…) e dormir com você na cama com muita frequência, tenho certeza que vou sentir falta quando você ficar independente e dormir na sua caminha. é gostoso abraçar você ou mesmo me ajeitar quando você resolve dormir EM CIMA de mim. o contato físico é uma das coisas que mais tenho gostado dessa história toda de ser mãe.

no geral você é uma criança educada, tranquila, obediente e muito divertida. não é montagem minha nas fotos — você está sorrindo sempre, fazendo graça e conversando com a gente. uma delícia de menino, que nos faz muito felizes!

sua alimentação agora é praticamente igual à nossa, que no geral é mesmo muito saudável. comemos em casa durante a semana, comida toda preparada aqui mesmo. muitos legumes, verduras, frutas, carne vermelha e branca, queijos, ovos (muitos ovos!) e peixes. nos fins de semana saímos para almoçar geralmente no domingo, e você se diverte bastante. já aprendeu a pedir comida pro garçom e não se faz de rogado: “moço, qué papá! uma shalada e batata fita!”. juro, é isso que você sempre pede. de vez em quando pede também carninha  ou farofa.

o sono mudou — você dorme agora a noite toda, mas nem sempre na sua cama. cansamos do esquema de fazer você dormir na sua cama, fazemos dormir na nossa cama, levamos pra sua e quando você acorda vem dormir comigo. seu pai foi expulso pro quarto de hóspedes, coitado. esperamos que essa fase não dure muito, mas francamente aceitamos qualquer arranjo que nos deixe finalmente dormir depois de 2 anos insones…

uma coisa que nos chama bastante a atenção é como você desenvolveu bastante nesse último mês a percepção sobre o funcionamento das coisas. aprendeu a abrir e fechar torneira, a embalagem de pomada (e agora alcança o interruptor, SOCORRO). entende o funcionamento das torneiras de água quente e fria (e identifica pelas letras…), diferencia esquerda e direita, entre muitas outras coisas. dia desses você pegou o garfo e falou “mindinho, seu vizinho, pai de todos, fura-bolo… (pausa) ele não tem mata-piolho!” 🙂

essa semana você teve estomatite pela primeira vez, algumas aftas apareceram na boca e você reclamou que “a língua incomoda, mamãe!”. seu pediatra avisou que podia ser vírus, e hoje você empipocou… mas fora isso, sua saúde é de ferro! fora o nariz meio travado quando muda o tempo (herança dos seus pais alérgicos), tudo muito bem.

uma coisa linda que aconteceu esse mês é que você começou a pedir pra que eu conte histórias sobre as pessoas. começou pedindo “conta a história do tio weno e da tia mawá po otto dumí?” e eu contei, claro. conto do meu jeito, com foco nas coisas que você conhece e talvez lembre…

“era uma vez o tio weno e a tia mawá que viraram palhaços! eles chamam frederico e cremilda, e quando se conheceram se adoraram tanto tanto que começaram a namorar…”

e você faz perguntas, e repete partes da história, é uma graça. até que essa semana você pediu “mamãe, conta a história do papai, da mamãe e do otto?” e seu pai (e eu também, ok) ficou todo emocionado.

agora a mamãe conta a nossa história toda noite no escuro antes de dormir, pra que um dia você se pergunte de onde vêm essas lembranças de antes de nascer, e de tão pequeno… e vou te contar, já bem maior, que grande parte das nossas lembranças de infância são memórias re-construídas, por mamães tagarelas e inventivas como eu.

nossos dias têm sido deliciosos, cheios de conversas e surpresas, pequenas coisas boas acontecendo todos os dias. e muito cansativos também, não vou mentir. trabalhar o dia todo + educar e brincar com você é bastante coisa pra uma mamãe quarentona só.

aqui estão as muitas fotos que tenho de você com 2 anos e 3 meses. cada dia mais lindo, e ainda loirão! achamos que você vai ter o cabelo do seu tio kito, que é castanho claro e fica loiro quando cresce.

um beijo cheio de amor da sua “mamãe zel” (e do “papai fer” também :)).

sujeito-verbo-predicado

o otto vem arriscando frases aos poucos, do jeito perfeccionista dele, mas normalmente ele fala de si mesmo na terceira pessoa (o otto quer, o otto pegou), e chama cada um pelo seu próprio “título”: a tia paula, a mamãe, o papai, etc.

o jeitinho dele montar as frases é um caso à parte: sempre muito lentamente, saboreando cada palavra e quase podemos ver os neuroniozinhos trabalhando pra articular as coisas “direito”. isso porque não ficamos corrigindo o menino, a gente no máximo repete o que ele fala do jeito certo, sutilmente, por exemplo: ele diz “venhanta, mamãe!” e eu repito “ah, é pra mamãe LEVANTAR?” e assim vai. eu em especial tenho uma preocupação em deixá-lo se arriscar, tentar mais, já que ele é tão contido.

e essa semana ele me pegou de surpresa, com uma frase tão completa, corretinha e cheia de significado. todo dia tomamoa banho juntos na banheira, eu e ele, antes de dormir. nesta hora, entre 18:30 e 19:00 começa o ritual de preparação da hora de dormir. ele adora a hora da banheira — corre pra ver a banheira enchendo de água, joga os brinquedos dentro, “ajuda” (aham) a pegar pijama, fralda, escova de dentes, água, etc.

pois entramos no banho os 2, ele sempre comenta que a água “tá quente”, e começamos a brincar. nesse dia ele sentou e olhou bem fixo pra mim (eu já pude “ver” a cabecinha dele funcionando, antes dele começar a falar, pela carinha) e disse, bem pausadamente:

“eu gosto de tomar banho com você!”

eu sorri, abracei ele e disse que gostava muito de tomar banho com ele também. e comecei a rir muito, porque a carinha dele foi tão engraçada, e a frase tão certinha! e comecei ao mesmo tempo a chorar, emocionada, porque me dei conta que ele tinha dito EU e não “o otto” e VOCÊ e não “a mamãe”. e, é claro, porque pela primeiríssima vez ele estava expressando verbalmente seu apreço por mim, pela minha companhia.

quão incrível é poder presenciar tantas primeiras vezes na vida de alguém?

a emoção de ver um ser humano distinguir a si mesmo do outro, e expressar seus sentimentos em palavras escolhidas por ele mesmo, é imensa. é claro que ele expressa seu amor de muitas outras formas, como só as crianças conseguem. me sinto muito amada por ele, várias vezes por dia. mas essa expressão de gostar da minha companhia foi emocionante demais pra mim. mais emocionante que o nascimento dele, andar ou mesmo falar a primeira palavra.

há coisa mais incrível e humana que se comunicar?

**

e pouco tempo depois dessa experiência intensa, leio esse lindo artigo (em inglês) sobre “as últimas vezes” dos nossos filhos. e chorei, chorei, porque é tão verdadeiro e a gente simplesmente não se dá conta.

ele fala sobre o quanto valorizamos as primeiras vezes (como essa minha história) e esquecemos das últimas vezes. por exemplo — quando será a última vez que o otto vai pedir para dormir na cama junto conosco? quando será a última vez que vai pedir “denguinho” (abraço apertado, no colo) pra mamãe e pro papai?

as crianças crescem, as fases mudam, e todos os dias deve haver uma “última vez” sem que a gente perceba. na ânsia da próxima novidade, do próximo “marco de desenvolvimento”, deixamos de viver este momento incrível e, aliás, único de fato existente, que é o presente.

o passado não existe, é só lembrança; o futuro é um sonho. mais, muito mais, vale a vivência de agora. seja num abraço, numa frase incompleta, no riso e no choro, no cansaço. o sono deste imediato instante é mais valioso que as tardes preguiçosas de anos atrás e que as férias no fim do ano.

e é verdade: para cada fase e momento que eu desejei ardentemente que acabasse há alguma coisa que eu sinto falta.

altos e baixos

o otto está muito, muito engraçado testando várias coisas no vocabulário recém-adquirido, entre elas o diminutivo. não sei se é porque usamos muito, involuntariamente, mas ele está com mania de tudo INHO. ottinho, soninho, denguinho, saladinha, JOTINHA (até as letras ele diminui)…

especialmente quando ele quer nos sensibilizar ou fazer gracinha, é tudo “inho”, mas ontem chegou no limite da cara de pau (e da graça) — ele fez alguma malcriação, acho que jogou a garrafa de água no chão e se recusou a pegar. fui lá e fiz ele pegar, ele esperneou, chorou, fez o maior drama e aí pediu o IPAD. aproveitei a deixa, avisei que não senhor, não ia ter ipad porque tinha sido mal educado, que na próxima vez não jogasse a garrafa e pegasse quando depois.

aí começou o berreiro, lágrimas e lágrimas, e depois de vários nãos ele tentou: IPADINHOOOOOO. não dei, mas tive que me esconder pra não morrer de rir 😀

**

e tem o inverso — ele alterna entre INHOS e GANDÃO. ele adora quando a gente fala que alguma coisa é maior, grande, e repete com um tom bem dramático — GANDÃOOOOO (normalmente fazendo gesto de grandão com as mãos também).

essa semana, nos devaneios antes de dormir, já deitado e no escuro, ele começa: caminhão… gandãaaaaaooooo… enóooooooime!… trator!

e a gente vai resistindo à tentação de morder e apertar, de tanta fofura <3

**

ele também tem explorado bastante o quente/frio, quente/gelado (ou GELADINHO), mas vive confundindo. o que ele nunca confunde é em cima e embaixo, que fala direitinho. ele já entendeu o que é pesado, ainda não vi falando que nada é “leve”, no entanto.

dentro e fora me parece que ainda confunde um pouco quando se trata de recipiente, mas dentro e fora de casa ele sabe muito bem o que é 🙂