waiting for you

Em Julho de 2011:

Um ano atrás, a essa altura, eu estava em casa me preparando pra receber o Otto, que ficou na barriga até os 45 do segundo tempo. Mal sabia eu que não há preparação suficiente, que nenhuma explicação vai dar a mínima noção do que é aquele ser existir do lado de fora. Incrível, e assustador. Ainda!

obrigaDOS

[20-jul-2013]

As conclusões infantis em relação à língua são divertidas demais de observar. O Otto tende a falar “obrigada”, pois convive com muitas mulheres, é o que ele ouve. Hoje, enquanto explicava pra ele que se diz “obrigado”, no caso dele que é menino, comparei: “o Otto e o papai falam obrigadO, a mamãe fala obrigadA”.

 

E ele, rindo de mim, corrigiu: “eu e o papai falamos obrigadOS, mamãe!” <3

 

Sabido demais, ele menino 🙂

 

(E com senso de humor goofy, que é o que me deixa mais cheia de orgulho. Se conseguir ensiná-lo a rir de bobagens e de si mesmo já vai ser a melhor herança que poderia receber)

superman

[20-jul-2015]

Se eu escutar a trilha do superman mais UMA vez, entro em combustão espontânea.

#mãedemeninodequase5anos

despacito

Distraída na cozinha agora de manhã, cantei baixinho sem perceber:

 

Eu: “… des-pa-ci-to…”

Otto: “… suave, suavecito…”

Eu: “HAHHAHAHAHHA!!”

Otto: “é, eu já ouvi essa música!”

 

😂😂😂

serenou

[19-jul-2014]

Nosso pirilampo amanheceu doentinho — vomitou 3x (só tinha acontecido 1x antes na vidinha dele, que não sabe como lidar com o evento), está febril e quer “descansar” 🙁

Não sei se foi a farra de ontem à noite no sereno (já mostro as fotos) ou uma virose qualquer, mas o coração da gente fica minúsculo.

a auto-estima do meu filho

[17-jul-2016]

Das coisas que eu realmente tenho orgulho da criação do Otto é a segurança que ele tem de saber (e expressar) o que quer e não quer, e o porquê.

 

Lá na casa da avó, ela preparou quiabo (sabendo que ele adora). Na hora de comer ele recusou, avisou “não quero quiabo”. Ela tentou persuadir — “mas precisa pelo menos experimentar!” e ele mui perfeitamente respondeu “mas eu já experimentei e gosto, eu só NÃO QUERO”.

 

Não é maravilhoso? Eu com 44 ainda não aprendi a falar assim tão direta e tranquilamente.

 

<3

BOA NOITE

Mas não falha nunca.

 

Eu: “boa noite, meninos!”

 

(Apago a luz)

 

O: “…mas por que a noite começa escura e termina clara…?”

 

VAI DAÍ, Fernando!

 

(Fecho a porta)

pensamentos soltos

Tive um clique aqui agora: sempre pensei em maternidade como uma FUNÇÃO, e não uma meta de vida, um “dom”. Não sei se é porque minha mãe, e a família, sempre foram muito pragmáticas a esse respeito, mas nunca achei a maternidade glamurosa nem realizadora. É mais uma função, uma experiência da vida, como tantas outras.

 

Aí olho ao redor e vejo esse mundo de mulheres tratando a maternidade como uma ascensão ao patamar de divindade E/OU competição (parto X, filho com habilidades Y, alimentação W e pedagogia Z, etc.) e fico bem besta.

 

Ser mãe e pai é um negócio que consome a gente, verdade, e ficamos monoassunto por ANOS basicamente porque não fazemos mais quase nada (hahahahhaha <= risos histéricos), mas daqui a pouco as quianças vão pra vida e a gente continua aqui. Pessoas cheias de outras coisas pra pensar e fazer e realizar, ou bundar, que é um prazer perdido quando há quianças na equação.

 

Mas viajei, voltando: maternidade não precisa de tanta elucubração e nem comparação. Como bem me ensinou a Claudia, nosso filho só tem a gente de referência, não tem como comparar. O que a gente fizer, sempre por amor (não tem como ser diferente), tá bem feito. O que for mal feito se corrige, sempre é tempo.

 

Não compliquemos.

a mamãe viaja, o bebê adoece

[15-jul-2013]

otto com pneumonia 🙁 leve, porém pneumonia. e infecção nos 2 ouvidos, pobrezinho. já tá medicado, mas tamos com tanta peninha. eu e Fernando também estamos só o pó. virose do mal, pessoal, fiquem atentos aí que pelo que ouvimos da médica e no hospital a coisa tá feia, muita gente doente.