o machismo na escola

Falemos sobre o machismo atrapalhando nossa vida e nos irritando, versão “todos perdem”.

 

Aqui em casa o Fernando é que faz a função “horário comercial” da casa, já que eu estou mergulhada até o topo da cabeça em trabalho das 8 às 18h. Eu busco o Otto na escola quase todo dia, mas o restante das atividades do Otto (levar pra escola, médico, dentista e outras atividades extras) e de funcionamento da casa (supermercado, manutenção) são dele, que tem flexibilidade.

 

A luta começa na direção da escola, que insiste em ligar pro meu celular quando há alguma emergência ou necessidade de contato — já aconteceu de eu sair correndo de reunião importante porque me ligaram da enfermaria (pequenos acidentes); tive que ligar pro Fer pra ele ir buscar, e aí fico arrancando os cabelos no trabalho preocupada, sem poder fazer muita coisa. Demorou meses pra ligarem pra ele e não pra mim.

 

Os recados “práticos” são todos direcionados à mãe. Mandar toalha, mandar garrafa, pensem aí em coisas pra fazer. Tudo a mãe. Nem o pai pedindo mandam pra ele.

 

Mas tem mais. O Fer quer (mentira; precisa) participar do grupo de WhatsApp DAS MÃES. Porque não existe grupo de “pais”, “cuidadores”, “responsáveis”, “GENITORES”. Não, são mães.

 

E as mães ficam mega resistentes em receber homens no grupo.

 

(Pausa para entender mulheres serem resistentes à presença de homens em qualquer lugar, dados os FATOS HORRÍVEIS que acontecem conosco todo dia, né)

 

Bem, mas aí o Fer procura essas mães e explica que ele é que cuida das coisas do dia a dia do Otto e que gostaria de participar. Depois de alguma resistência, aceitam.

 

MAS (é aqui que a coisa fica triste) elas interpretam que o Fer cuida do Otto **sozinho**. Que eu, a mãe, não existo, não ligo, não participo, sei lá, fugi com o circo.

 

Porque a única coisa que faz sentido numa história na qual o pai é protagonista na criação e cuidado do seu filho é aquela em que a mãe não existe, ou é uma porralouca, e o pai — ó, tenhamos compaixão dele e vamos “aceitá-lo” — é um herói solitário.

 

A ideia da existência de um arranjo tão simples quanto este que Fer e eu temos é muito menos provável pras pessoas do que a ideia de uma mãe que não existe na vida do filho.

 

Eu acordo com meu filho, resolvo várias coisas em conjunto com o pai sobre ele, vou às visitas do médico sempre que posso, pego ele quase todo dia na escola, levo ele na escola quando o pai não pode, ajudo na lição, dou jantar, dou banho, visto, leio histórias, durmo com ele, escovo os dentes, compro roupas e sapatos, separo roupas pequenas e velhas, organizo brinquedos, compro livros, falo com a terapeuta no WhatsApp, entro em contato com as mães dos amigos que são minhas amigas pra combinar programas, penso em programas de fim de semana, desenho, faço escultura, organizo festa, cozinho tudo que é coisa que ele gosta (de fim de semana e dia de semana), sento pra brincar com ele, mas…

 

… eu não tou livre todo dia pra dirigir e levá-lo pra escola na hora do almoço, e nem pra levar pra festinha no meio do dia. A ausente.

 

(Mais uma pausa aqui pra considerarmos o quanto a flexibilidade de horário faria bem à igualdade de gêneros, não é?)

 

Não culpo essas mulheres. Elas nem entendem o quanto a visão machista da função de criar um filho está cristalizada em suas mentes.

 

Culpo a sociedade, e faço minha parte pra mudá-la. Contarei essas histórias quantas vezes forem necessárias e pra quem quiser ouvir, porque os homens precisam ser mais presentes nas atividades domésticas e as mulheres precisam não só cobrar que eles sejam, mas valorizar isso. Nível “se você não limpa casa e não cuida de criança, não serve pra ser meu parceiro e pai dos meus filhos”.

 

O principal conselho que tenho para moças jovens é — escolham bem seus / suas parceiros/as.

sobre maternidade, filhos e casamento

Tive uma epifania louca aqui agora enquanto dirigia, sozinha, à noite, depois de ouvir diversas mulheres falando sobre ações para diminuir a desigualdade de gêneros:

Eu sempre achei que não queria ter filhos. E talvez até não quisesse mesmo, mas o fato é que eu não queria SER MÃE.

Não querer ter filhos e não querer ser mãe são coisas completamente diferentes.

Criar filhos (da sua barriga ou não) é uma coisa muito foda de incrível. É um processo de dissecar a própria humanidade, contemplar toda a complexidade do que é ser humano, começando pelas funções básicas de sobrevivência até a criação de laços intelectuais e afetivos, passando pela descoberta da linguagem. É louco, e é muito interessante.

Já ser mãe, vejamos, significa: flutuar entre a condição de puta (deu: engravidou!) e santa (pura, casta, intocável); criar seu filho sozinha ou quase pra maior parte de nós; ir trabalhar e sofrer porque não sabe como está seu filho; ficar em casa cuidando do filho e sofrer porque não tem independência financeira; ter sua sexualidade toda bagunçada porque ser mãe e gostar de sexo são coisas que parecem excludentes; engolir sapo no trabalho, ou em casa, porque não pode sustentar o filho sozinha; acumular função em cima de função para que o dia a dia meramente funcione; lidar com a frustração de ser o tambor da disciplina que bate na orelha do filho pra que ele consiga sobreviver no mundo; e finalmente, ouvir que sofre porque a culpa é sua, quem mandou ser puta e dar?

Quem em sã consciência e estando atento ao que é ser mãe na nossa sociedade quer ser mãe?!

Aí tem o pai que concilia escalar o Himalaia e cultivar plantas; enquanto isso, volte 1 parágrafo e pense na mãe.

O mais cruel é que já não tem mais a ver com classe social, ou raça, embora seja ainda mais cruel com as pobres e pretas — em que momento inventamos de criar filhos sozinhas? Que modelo estragado é esse de “núcleo familiar” papai-mamãe-e-filhinhos?

Acho que encontrei meu gatilho pra essa elucubração toda: uma das mulheres falando sobre ações sociais mencionou que “não temos mais valores familiares”, que “as famílias estão fragmentadas”.

Ela quis dizer: os pais não são casados. “70% das crianças não vivem com o pai e a mãe”.

O casamento estilo noivado, compra casa, casa, tem bebê — essa instituição hipócrita e podre, e podemos falar mais sobre isso — nos fodeu. Os homens tratam o casamento como se fosse uma prisão, e por algum motivo maluco as mulheres não perceberam que elas é que são prisioneiras.

Precisamos viver mais em grupo, em coletivos, não precisamos de mais papais-e-mamães casados. Precisamos de ajuda, de colaboração, para sermos pais e mães melhores.

Os valores não têm nada a ver com o “núcleo familiar”. Valores sustentáveis só poder vir com mais cidadania, colaboração, conviver coletivamente. Aprender a ajudar e ser ajudado.

DIVIDIR TAREFAS. Respeitar a colaboração do outro.

Não é que eu não queria ter filhos, exatamente; é que eu tinha um medo desgraçado de ser mãe.

Ainda tenho. E não é que eu seja sozinha nessa tarefa, como tantas de fato são — o Fer tá na área, e não consigo pensar em pai mais presente. Mas uma tribo de dois é simplesmente impossível. Não é uma tribo.

Precisamos voltar a ter tribos mais numerosas. Somos bilhões de micro tribos sofrendo pelo mundo, deputados por muros.

**

Acho que meu cérebro deu tilt.

 

**

Estão com paciência pra mais elucubrações?

 

Tem aqui aquela história do Otto não querer ir pra cama sozinho, e nem dormir sozinho. Ele acha que não tem sentido os pais dormirem acompanhados e ele dormir sozinho.

 

Não consigo não dar razão a ele. Por que devemos privá-lo do prazer físico de dormir com seus pais, juntos? Nós viemos todos preparados de fábrica pra buscar conexão física, emocional, aconchego, prazer.

 

Dito isso, e voltando ao tema tribo x casamento e núcleo familiar, vou mais além:

 

Será que as pessoas se casariam (no modelo papai-e-mamãe-numa-casinha) se vivêssemos numa sociedade em que o aconchego, o carinho, o dormir junto não fossem vinculados à necessidade do compromisso?

 

“Quando você casar, pode dormir com sua mulher! A mamãe é namorada do papai e dorme com ele!”

 

Todos queremos aconchego e prazer da conexão física e emocional. Se a forma de obter isso é casar… vambora né?!

 

Será que as pessoas casariam se vivêssemos em uma sociedade em que o sexo fosse simplesmente uma expressão de afeto, prazer, uma forma de conexão com qualquer pessoa, sem necessidade de “aliança”?

 

Bah, mas sexo é MUITO legal. Se o jeito de conseguir sexo frequente e de boas é casando… vambora.

 

O que deu na nossa cabeça pra inventar regras de compromisso para poder estar fisicamente juntos e próximos, com ou sem sexo?

 

Ah, você vai dizer que casar é mais que sexo. Claro que é. Mas esse “a mais” não precisa do casamento para existir. Acordos, pactos, desejos mútuos, tudo continua válido.

 

Por que o modelo noivar – casar – mudar – ter filhos, tudo super restrito ao tal núcleo familiar? “Agora somos UMA FAMÍLIA”.

 

Queria a tribo.

 

E a sociedade alternativa.

 

**

 

Mas e o silêncio, a privacidade, como ficam?

Pois. Quem dera as coisas fossem simples 🙂

boas-vindas

Ai, crescer.

Fernando lidando com as perguntas do Otto antes de dormir:

“Papai, como começa a vida?”

Ele explica sobre a divisão celular, ele ama.

“Papai, como TERMINA a vida?”

Ele explica que um dia tudo acaba. E ele chora, diz que não quer crescer porque não quer que acabe. E lembra que demora, que estamos todos aqui, por muitos e muitos anos, e que não precisa se preocupar com isso.

 

(Entendo tanto, meu amor. Tanto.)

 

“Quero um abraço.”

E todos choram, né.

💔

 

**

 

Tem a morte

Tem o amor

E tem o mote

E tem a glosa

 

Eu digo que ela é gostosa.

amor e cuidado

[26-jul-2015, mas não mudou nada ainda…]

Não sei se são os 5 anos do menino se aproximando (uma idade tão… Numérica :D) mas tenho tentado aproveitar coisas que sei que vão acabar um dia, talvez pra sempre.

 

Minha Mami Vera esteve aqui semana passada por 4 dias, e eu estava trabalhando o dia todo. Conversamos e fizemos coisas juntas, mas a maior parte do tempo eu fiz coisas minhas, da casa ou com o Otto.

 

E aí prestei atenção ao quanto hoje, nesta fase, eu estou intensamente interagindo com o Otto. Não no nível verbal, da troca de ideias (como faço com minha mãe hoje, e é tão legal), mas o contato físico, a integração ainda tão intensa que é difícil separar o que ele faz (ou deve fazer) e eu faço.

 

Hoje eu tomava banho junto e dei o sabonete pra ele (queremos ensinar a tomar banho, independência, e tal), ele devolveu “você me dá banho mamãe? Por favor?” e veio sem querer a ideia de que em não muito tempo eu nunca mais darei banho nele; nunca mais dormirei junto com ele; nunca mais vestirei roupas ou sapatos, e tantas coisas que parecem (e são) tão boas, porque significa que ele cresceu e (ufa) não precisa mais de mim.

 

Quando foi a última vez que minha mãe me deu banho, abraçou meu corpo, sentiu meu calor, o cheiro de filho que só a gente reconhece? Eu não lembro. Mas lembro do cheiro do colo dela, como se fosse ontem.

 

Acho que já comentei que das coisas mais maravilhosas de ter filho é o contato físico. Tocar aquela criatura, abraçar, sentir o cheiro, é uma experiência indescritível. É um banho de amor que invade a gente, um amor profundo sem palavras. Observar aquele serzinho viver, respirar, é um milagre.

 

(Imaginei que ia amenizar com o tempo, mas não)

 

E ao mesmo tempo em que considero (e é; sei que é) importante dar a ele os instrumentos pra navegar no mundo por conta própria, como abrir mão desses momentos preciosos de cuidado?

 

**

 

Dei banho. E pedi que ele conferisse tudo e fizesse de novo, que “a mamãe pode ter esquecido alguma coisa”.

 

Criatividade, me ajuda, que eu quero mas não quero que meu filho cresça.

sendo mãe em público

[6-julho-2015]

Sou mãe, adoro comer fora e concordo 100% com esse texto sobre o quanto a forma de alguns pais lidarem com seus filhos em restaurantes atrapalha todos nós. Esse tipo de segregação acaba acontecendo graças aos pais sem noção, que parece que esquecem que crianças fazem parte da sociedade como qualquer outra pessoa — é preciso respeitar o ambiente onde estamos, e suas regras. Se não é aceitável um adulto berrar, sair incomodando as pessoas desconhecidas no corredor ou lamber o saleiro, por que devemos aceitar isso de crianças como se fosse OK?

 

Inclusive considero as saídas para locais públicos como uma excelente oportunidade de ensinar ao meu filho como é esperado que um ser humano se comporte. Porém há lugares que não dá pra administrar as necessidades especiais de uma criança — um restaurante cujo ambiente é apertado, silencioso e que a comida demora a chegar não é lugar pra uma criança pequena que ainda não aprendeu a controlar seu tom e nem tem paciência. VAMOS PRA OUTROS LUGARES, e treinamos a criança, aos poucos.

 

Não é tão difícil, pessoal! Sejamos razoáveis, respeitemos os ambientes. Levar bebê e criança pequena pra concertos e locais em que o silêncio é importante para a experiência coletiva também não é legal. Há que ter consideração pelas outras pessoas e ensinar nossos filhos em ambientes mais adequados, com paciência.

 

Uma coisa que eu já sabia e até por isso fico bem tranquila a respeito: a vida não é igual depois de ter filhos. Você precisa se planejar mais, abrir mão de alguns programas por um tempo e ter paciência de ensinar ao seu filho algumas regras sociais, lembrando que demoram ANOS até que isso esteja OK. Prepare-se para intervir e procure lugares nos quais seja possível transformar a experiência em oportunidade de aprendizado.

maternidade não tão real

Bem interessante esse artigo — ainda me lembro de comentários no meu blog quando eu contava que me sentia aliviada de poder voltar a trabalhar; que me sentia cansada de estar com meu filho por muito tempo; que não curtia bebês (essa é praticamente heresia).

 

Porque, repare: a mulherada faz gracinha sobre como é puxado ser mãe, urru, “a vida como ela é”, mas é raro alguma admitir que não curte a função e que tem vontade de sumir, sair correndo. Mesmo que não seja (como é meu caso) uma coisa que eu odeie em sim, eu só acho chato quando fico muito tempo na função. Amo essa criatura mais que tudo na vida, mas tem muitas horas que tou cansada e de saco cheio e só queria era deitar no sofá e comer Doritos (ao invés de dar banho e ler história).

 

E olha que amo dar banho e ler histórias.

 

Não tem nada de errado em gostar de dividir a função, de querer tempo pra não fazer nada e achar chato pra caramba brincar de pega-pega. As pessoas são diferentes e MULHER NÃO NASCE PRA SER MÃE NEM CUIDADORA.

 

A gente aprende e se adapta à necessidade, do nosso jeito. Se eu soubesse disso quando pensei em ter filho teria sofrido muito menos antes e durante.

um post de maternidade desmotivacional

desde que começou essa história, esse blog, fiz questão de não glamurizar o processo, o ato, os fatos. ser mãe nunca foi um sonho pra mim, foi mais o desejo da experiência incrível (e é impossível se arrepender dela, pelo menos por mais de 10 segundos…) de gerar e criar um humano. antropologicamente imperdível, mas com tantos (tantos. TANTOS) momentos difíceis que justificam com muita folga a opção de “não, obrigada, fica pra próxima encarnação”.

no facebook eu compartilho frequentemente minhas dificuldades, peripécias e também as fofurices do Otto, mas hoje foi um dia especial: depois do post reproduzido (ops) abaixo, nasceu (ops!) um outro post derivado, brincando com a ideia de ajudar quem não quer ter filhos a se manter firme neste propósito, caso bata a dúvida ou apareça uma tentaçãozinha.

o post ficou engraçado, mas os comentários ficaram impagáveis. não vou conseguir reproduzir a dinâmica das respostas e dos diálogos paralelos, que me fizeram rir o dia todo, mas não podia perder a oportunidade de registrar as ideias sensacionais destas mães que se uniram pra rir de si mesmas, e dos absurdos da maternidade.

espero que vocês gostem, porque eu gostei demais, e ri tudo de novo compilando a lista 🙂

**

o post original:

Você quer de alguma forma reafirmar seu desejo de não procriar?

Bate um papo comigo sobre a rotina da manhã nessa casa e eu garanto um bom tempo sem essa ideia insana de ter filhos passar pela sua cabeça.

— daí veio a ideia de criar um workshop inédito: palestras (des)motivacionais para quem NÃO quer ter filhos.

nos painéis estão listadas todas/os que colaboraram, porque isso foi escrito a sei lá quantas mãos. muitas. todas elas sujas de ranho.

**

você está determinada/o e não ter filhos, mas recebe pressão da família ou do/a parceiro/a e precisa de ajuda para se manter firme no seu proósito? este workshop foi feito pra você!

venha conhecer a realidade de pais e mães sincerões, que vão contar a real do mundo das pessoas-com-filhos tirando a parte que todo mundo já conhece: filhos-são-a-melhor-coisa-do-mundo 😀

(este post não é patrocinado pela JONTEX, mas estamos abertos a propostas)

há painéis / palestras disponíveis para todo tipo de interesse, os assuntos são intermináveis:

  • Cama compartilhada: como dormir em 10cm, com pé de criança na sua boca. Renata Corrêa
  • Tempo para si mesmo depois de ter filhos: uma ilusão. Carla
  • A arte de manter vivo um ser humano que não acredita em alimentação sólida. Tina
  • Sobrevivendo às manhãs de choro, chilique e ranger de dentes, todos os dias por anos a fio. Zel
  • What Not To Wear protagonizado por crianças e sua correlação com a pressão alta em mães. Por Silvia M.
  • Como sobreviver sem assassinar nenhum parente de 1o grau após 3 anos sem dormir uma noite completa. Angela R.
  • Como criar adolescentes e vencer o monstro do mau humor generalizado. Simone M.
  • Planejamento Estratégico e Alocação de recursos, módulo básico: tirando férias das férias das crianças através da chantagem com os avós. (palestrante ainda em aberto — sugestão de Ila F.)
  • Xixi e cocô na hora das refeições — planejando um cronograma efetivo para driblar interrupções. Camila B.
  • Como dirigir na hora do rush enquanto acalma as crianças no banco de trás: conheça relatos verídicos de pessoas que não enlouqueceram. Rita P.
  • Relato de vivência: “Bati o carro para não bater nas crianças que gritavam no banco de trás”. Silvia M.
  • Nutrição, módulo 1: comida fria e restos devolvidos pelo filho ainda são melhores que não comer. Simone M.
  • Multitarefa, módulo 1: Como escrever um texto enquanto seus filhos brigam e se pegam – A arte de otimizar o uso de seus braços, ouvidos e fala. Stella R.
  • Multitarefa, módulo 2: Como se fingir de morta enquanto trabalha e os filhos põem a casa abaixo. Silvia M.
  • Módulo de vivência des-motivadora: Brincando com o filho dos outros – a arte de devolver mais sujo que pegou. Vevê M.
  • Especialização rápida para crianças descabeladas: Desembaraçando Cabelos Cacheados. Rita P.
  • Privacidade, uma fábula pós-maternidade: Como se concentrar enquanto seu filho te chama/abraça/chora/fica no seu colo/faz gracinhas enquanto você realiza atividades fisiológicas ou de higiene pessoal. Por Emili G.
  • Maternidade Zen Saco: Como manter a paz interior enquanto seu filho, sem nenhum motivo aparente ou lógico, bate a cabeça no chão, na parede, no vidro do carro, no vidro do restaurante, na rua, na chuva, na fazenda ou numa casinha de sapê. Por Fernanda W.
  • Short e camiseta regata aos 11o C: Quebrando a resistência ao guarda-roupa de frio. Por Camila L.
  • Os 7 anos: como sobreviver às vontades próprias, birras e o poder de argumentação dos pequenos seres dessa idade. Vanessa M.
  • O poder da oxitocina, módulo básico: Achando fofo a criança que cospe água do chuveiro — a estética da primeira infância. Por Carla
  • Sexo e Tesão, após a maternidade: ele existe ou resiste? Por Luanna
  • Como ouvir 58 vezes por hora MAAAAÃEEEE + reclamação e/ou pedido sem perder a paz de espírito. Por Dani F.
  • Como lidar com o marido que quer ser outro filho. Consuelo
  • Negociação básica: Como dizer não à criança que acha que comida do seu prato é mais gostosa que a do dela sem causar uma calamidade pública. Por Dani F.
  • Negociação avançada: Como mandar seus filhos tomar banho, pentear o cabelo e escovar os dentes de mil formas diferentes — Do amor à ameaça de morte. Por Naomi
  • Negociação, técnicas anti-terrorismo: Aprenda que usar cachaça não é mais permitido e entenda como sobreviver. Mesa de palestrantes mista em formato de sessão de descarrego, regada a muito vinho
  • Das fraldas sujas da primeira infância ao chulé da adolescência: como sobreviver sem máscara de oxigênio. Por Mariana D.
  • Odontopediatria para leigos: “20 dentes, esses inimigos causadores do caos”. Lorena R.
  • Marketing pessoal, nível avançado: Como convencer todas as pessoas na rua que você não espancou e torturou seu filho, ele só tomou uma vacina. Angela R.
  • Técnicas de Feedback indireto: táticas para antecipar momento SINCERÃO do seu rebento e evitar dissabores pela rua. Naomi, COM LOUVOR.

Estudos de caso:

– C. 7 anos, sobre a escolha de música da Kate Perry para a festa de uma amiga: “eu acho essa música inadequada para crianças”

– O. 4 anos, para visitantes em sua casa: “eu acho que vocês deviam ir para suas casas agora”

– Filhos da Naomi, idade irrelevante: “não sei porque gente burra teima em dar opinião!”; “moça, você sabia que o seu perfume fede?”; “se a barriga dele não fosse tão grande, caberia mais gente no elevador né, mamãe?”

– Y. 4 anos, almoçando na casa da madrinha: “essa sua comida ficou um pouco ruim”

**

aguardamos a presença de todas/os 🙂 (quem quiser que coloque link no post me avisa, e eu atualizo)

porque sofro por você

achava que o medo melhorava com o tempo (melhora), mas descobri que ele só muda, se disfarça. fica ali à espreita, basta uma brecha e ZÁZ, cá estou me forçando a limpar a mente, foco no HOJE, AGORA.

o medo é assassino da mente. o medo é a pequena morte que traz total obliteração. enfrentarei meus medos, permitirei que passem sobre mim e através de mim, e quando tiverem passado farei com que o olho interior enxergue seu caminho, onde o medo esteve não restará nada. somente eu permanecerei. (litania contra o medo)

fizemos seu primeiro exame de sangue depois do período de UTI neonatal (você odiou, claro), e agora TUDO passa pela minha cabeça. será que está tudo bem? são tantas as histórias horríveis de crianças doentes que eu tenho que me esforçar pra não pensar, não projetar, não sofrer.

você não tem se mostrado uma criança sociável, o que para os padrões da nossa sociedade é um problema grande. não tem amigos, não dá bola pra nenhuma criança. fala pouco, só quando tem mesmo alguma coisa importante pra dizer. as pessoas comentam, cobram, acham diferente, e eu sofro. não só porque seu jeito não se adequa à expectativa dos outros, mas porque sei que o mundo privilegia os extrovertidos, que você pode ser visto como antisocial ou esquisito para o resto da vida.

como lidar com o mundo, com a expectativa, com o desconhecido, o acaso, o incontrolável?

**

não sei. tento não me ocupar do que não está no meu controle, tento deixar para pensar e resolver coisas quando elas aparecem. mas o medo, ah.

**

quero ajudar você a navegar nesse mundo. somos muitos diferentes, e talvez minha angústia seja a de não poder compartilhar com você minhas ferramentas, minha história — talvez nada do que serviu pra mim sirva pra você.

vou precisar aprender a navegar de outro jeito, ver o mundo com seus olhos, aprender novas formas de viver, pra poder ensinar pra você. aprender junto.

**

mas o medo. ai.

a história da chupeta

chupeta sempre foi um assunto que eu considerei simples antes de ser mãe: não darei  para o meu filho, já que não tem nenhum benefício.

mas aí seu filho nasce num parto complicadíssimo e passa 8 dias na UTI, onde você pode visitá-lo somente a cada 3h, e as coisas mudam. ele chorava, sem ninguém amamentando ou pegando no colo, então as enfermeiras deram chupeta pra ele e uma boa parte do tempo isso era suficiente pra ele não chorar. quando a fome apertava ele chorava MUITO — quando eu chegava pra amamentar, ouvia de longe o menino gritando de fome, e além da preocupação com a situação (ele estava na UTI em observação, pra ver se não havia nenhuma seqüela do parto) eu ainda sofria horrores de não poder dar o peito na hora que ele quisesse.

dessa forma, minha opinião sobre a chupeta tornou-se irrelevante e cedi. não suportava a ideia de deixá-lo chorando sem colo e sem peito. a chupeta é um substituto ruim, mas me pareceu melhor que a alternativa. não me arrependo.

voltando para casa, tínhamos muito medo e total inexperiência. a chupeta não atrapalhou em nada a amamentação (ele pegou o peito perfeitamente de primeira, e assim foi até que decidiu desmamar por conta própria aos 9 meses), mas acredito que pelos 8 dias na UTI ele associou o peito a comida e não ao efeito calmante, e simplesmente não aceitava mamar como forma de conforto ou mesmo para dormir. mamar, pro Otto, sempre foi objetivo: acabou a fome, acabou o peito. os incômodos e o sono nunca foram resolvidos com o peito, ele não pegava de forma nenhuma sem fome. colo sempre foi essencial, ele ficava mais calmo e muitas vezes parava de chorar estando no colo (andando, de preferência), mas o peito era buffet mesmo.

acho até que por isso aos 9 meses, quando ele já tinha muitos dentes (>7 com certeza) e comia de tudo, desinteressou do peito. pegava pra mamar, e ele mordia o peito, cuspia e ria. não queria mesmo, pra minha frustração (se pudesse, teria amamentado até sei lá quando, era muito legal, em especial depois da 1a fase de mamar a cada 2h).

mas enfim, devido a esse detalhe do peito não acalmar a criança, a chupeta tornou-se uma âncora, porque acalmava o menino imediatamente. talvez se tivéssemos suportado o choro nos primeiros dias e “ensinado” pra ele que o peito era uma boa alternativa à chupeta, ele tivesse aprendido. mas se você tem filhos e lembra o que a gente sente quando o recém-nascido chora, há de ter empatia com nossa situação e entender que a chupeta já não parecia tão ruim.

conforme a época crítica de RN foi passando, reduzimos o uso da chupeta para apenas a hora de dormir (e sempre que podíamos, tirávamos da boca dele enquanto dormia). quando ele parou de mamar no peito, adotamos a mamadeira (que ele aceitou na boa, bem parecida com a chupeta) para dar leite, porém paramos quando ele completou 2 anos. por mais que tivéssemos cedido à chupeta e à mamadeira, sempre tivemos a preocupação de minimizar o uso e evitar problema buco-maxilares. e escovamos os dentes dele pelo menos 2x/dia desde que os dentes nasceram, aos 6 meses.

(além de acharmos bem complicado a criança usar chupeta o tempo todo)

aos 3 anos levamos o otto a uma dentista pela primeira vez, e pra nosso alívio ela afirmou que não havia nenhuma consequência do uso da chupeta na dentição, nem nada que fosse visível. ele tem os mesmos problemas alérgicos de nariz que eu e o pai, que não acho que têm relação com chupeta, a genética explica 100% (mas veja que disse ACHO, já que não investigamos nem sou especialista no assunto). sorte, ou é porque o uso da chupeta nunca foi muito intenso.

o otto sempre deu trabalho pra dormir, e a chupeta também era uma muleta enorme. naquele momento crítico do sono, da chatice do cansaço, a chupeta ajudava a acalmar e ele dormia. não nos parecia OK deixá-lo chorando pedindo a chupeta e simplesmente não dar, ele parecia tão pequeno ainda! nós estávamos aqui há mais de ano sofrendo com o momento de tirar a chupeta, já que tampouco nos parecia legal inventar alguma história maluca pra tirar a chupeta (dar pro papai noel, pro coelho da páscoa, pros ETs…).

até que há 1 ou 2 meses a boquinha dele apareceu meio assada, como que rachada de frio. achamos que podia ser de dormir com a chupeta, pois ficava bem vermelho acima do lábio superior. decidimos tirar a chupeta por uns dias pra ver como ficava, e explicar pra ele que não ia usar a chupeta porque estava machucando a boquinha. não era uma tentativa de tirar a chupeta, era mesmo um jeito de testar uma hipótese.

na 1a noite ele pediu a tetê, e explicamos a situação. ele reclamou (não lembro se chorou, mas reclamou), explicamos de novo, ele acabou cedendo. pra nosso espanto (e alívio) dormiu normalmente, sem chupeta. fizemos o mesmo no próximo dia, e nos demais, até que a boquinha melhorou. ele continuou pedindo a tetê, mas cada vez menos enfaticamente. continuamos explicando, e quando a boca melhorou percebemos que podíamos eliminar a chupeta sem drama. alguns dias depois, ele já não pediu mais, como se a chupeta nunca tivesse existido! e o sono continua bom, normal, dormindo rápido quando cansado e mais devagar quando está menos cansado.

no fim a assadura na boca não era da chupeta, é causada por ele mesmo, que passa muito a língua no lábio quando o tempo está muito seco. tenho passado batom hidratante e melhora 🙂

não sei se tiramos a chupeta tarde demais, e nem se existe algum problema causado por ela que nem descobrimos, mas essa foi mais uma das muitas lições de ilusão de controle e certeza que a maternidade me trouxe: nem sempre a gente consegue fazer as coisas do jeito que considera ideal; as coisas acontecem no tempo em que precisam acontecer, e não quando a gente quer — precisamos estar atentos se agir na hora certa quando ela aparece!

entrevista sobre ser mãe

uma amiga me indicou para ser entrevistada sobre a experiência de ser mãe, e como não sei se a entrevista vai mesmo ser publicada (sou uma entre várias entrevistadas), fica aqui para registro e caso alguém queira saber 🙂

(se sair alguma parte dela na revista eu coloco o link aqui depois)

**
Você escreveu no seu blog algumas vezes que não tinha o sonho de ser mãe, mas ama a experiência, hoje, de ver o filho crescer e descobrir coisas. Como é essa descoberta? Como foi essa mudança?

Nunca tive sonho de engravidar e ser mãe, não fazia parte das minhas metas, desejos. Mas aos 36 anos mais ou menos (meu marido, 34) começamos a conversar sobre o assunto e achamos que apesar de nenhum de nós ter esse desejo apaixonado a experiência devia ser muito interessante. Brincamos que foi uma “experiência antropológica”, e é mais ou menos isso mesmo. Não fomos do tipo que celebra a gravidez e a nova vida, aquela coisa de cinema. Sempre fomos bem pragmáticos e encaramos a experiência como uma jornada, uma novidade, sabendo que muda tudo na vida e é um outro caminho. Depois do nascimento do Otto as descobertas foram diárias, às vezes muito incríveis de tão legal e às vezes muito chatas e desagradáveis. Como não romantizamos a experiência, acho que pudemos viver tudo — a parte linda e a parte muito chata de ser pai e mãe.

Como foi sua gestação? Nessa fase, quais foram as “surpresas”, coisas que você não esperava e acabou tendo de se adaptar?

A gestação foi tranquila, engravidamos poucos meses depois de decidir que íamos ter filhos. Não posso reclamar de quase nada da gravidez em si, porque tive poucos incômodos (azia o período todo, enjoo no começo, e o final é inevitavelmente difícil fisicamente, pelo volume). Só uma lembrança de incômodo é bem forte: fiquei com nojo de alho, então comer fora era difícil e chegar perto de gente que tinha comido alho acabava com meu dia! Felizmente passou. Fora isso foi vida completamente normal, trabalhando e fazendo tudo que sempre fiz.

O mundo da maternidade tem várias “regras”, que já viraram às vezes até piada. No seu blog, por exemplo, você sempre fala de #paidecesarea. Como você vê essa história da escolha do parto? Como lidou com isso?

Eu já tinha lido e acompanhado muito sobre parto humanizado bem antes da ideia de ter filhos, e na minha família quase todas as mulheres fizeram parto normal de vários filhos (apesar de não serem nada humanizados, ao contrário). Pra mim era claro que queria um parto humanizado sem intervenção desnecessária (no meu corpo ou no corpo do bebê), de preferência, como é a recomendação da OMS. Tendo engravidado com 37 anos, minha gravidez automaticamente era considerada de risco, o que complicava a opção de parto em casas de parto (muito recomendada por várias pessoas) e eu não queria fazer parto em casa também. Fiz acompanhamento inicial na casa Moara (muito boa, recomendo), mas eles não atendem no interior, onde moro. Achei então uma obstetra na região alinhada com meu plano de parto (uma dificuldade enorme, a propósito), visitei hospital, falei com pediatra chefe, fizemos um plano completo de parto. Ou seja — nos engajamos muito no processo todo, sabendo das dificuldades de evitar intervenção. Mas no final das contas, acabei fazendo uma cesárea emergencial, pois no processo de trabalho de parto houve uma complicação grave. O Otto nasceu de 41 semanas e 5 dias e ficou 8 dias na UTI em observação, graças ao parto complicado, mas eu fiquei muito bem e ele também. Saiu tudo diferente do que eu planejei, mas estou certa que o processo que adotamos foi o melhor possível, e isso é que é importante: ser protagonista da gestação, do parto, e ser acolhida pelos profissionais que estão dando o apoio (ao contrário de ser coagida, por medo).

Depois do nascimento do Otto, como ficou sua rotina? Havia algo que você imaginava e que foi totalmente diferente?

A rotina mudou completamente, a vida virou outra. Fiquei de licença por 7 meses, então tive muito tempo de tentar me adaptar (e não adiantou nada, porque quando estava entendendo o que estava acontecendo, mudei a rotina!). Eu não tinha ideia de como seria, só sabia que seria diferente e cansativo. O Otto mamava muito (amamentei em livre demanda), mais ou menos de 2 em 2h, e demorava 40min para mamar, o que torna o processo muito desgastante fisicamente. O Fernando (meu marido) foi um suporte essencial, pois ele fazia tudo que não fosse dar de mamar, e nossa funcionária e nossa família ajudaram muito também. Sem ajuda é uma tarefa impossível. Jamais esquecerei o ditado africano que diz “é preciso uma aldeia para criar uma criança”, porque é 100% verdade. Ajuda é fundamental — mas precisa ser ajuda de verdade, e não palpite e julgamento. É preciso de espaço e tranquilidade para errar e acertar, e conhecer aquele ser humano que acaba de chegar e muda toda a dinâmica da família, da casa, do relacionamento. Eu não tinha ideia de que ficaria sem dormir (ou dormindo picadinho) por tanto tempo, pra ser honesta. As pessoas nunca dizem a verdade pra gente, e repetem que “o amor incondicional compensa tudo”. Não me senti assim, e apesar de toda a alegria que traz a chegada de um filho, há também o medo e o cansaço, que são muito grandes.

Como foi lidar com questões cheias de expectativas, como rotina de sono e amamentação?

A amamentação foi muito tranquila, desde que o Otto começou a mamar (ainda na UTI). O início, quando ele estava com soro ou recebendo meu leite por caninho, e eu tinha que ordenhar, foi MUITO difícil, assim com letras maiúsculas mesmo. O processo de ordenha é muito mais difícil que amamentar, mas felizmente eu tive um apoio maravilhoso das enfermeiras no hospital, foi essencial para o processo e para a minha sanidade mental. Estar com filho na UTI, recém-parida (com dor, por causa da cesárea) e ainda ter dor e dificuldade para ordenhar é um horror. Mas quando ele veio para o peito (5 dias depois do parto, somente) foi muito tranquilo, ele mamou bem e de forma simples, e foi assim até parar de mamar por conta própria aos 9 meses. Então fora a dor na lombar (tenho uma hérnia) que voltou nos meses da amamentação e o cansaço da frequência, amamentar foi tranquilo. Já o sono foi infernal, eu sempre adorei dormir muito, e me senti um zumbi por vários meses. Fiquei sem dormir uma noite completa (6h seguidas) até perto do menino completar 2 anos, quando decidimos (tarde demais, na minha opinião) fazer cama compartilhada. Depois que ele veio dormir na nossa cama, nossa vida mudou: melhorou MUITO, pois já não acordávamos mais durante a madrugada para fazê-lo voltar a dormir. Deixá-lo chorando sozinho nunca foi uma opção pra nós, então o processo todo foi muito desgastante. Se tivesse nos ocorrido que dormir junto seria tão simples, teria mantido assim ao invés de colocá-lo no berço no seu quarto aos 5 meses, como fizemos.

Você conta também da expectativa de o filho ser parecido com você, e que, diferentemente, ele é introvertido. Como você lida com isso?

Isso é uma das coisas mais difíceis e mais bonitas da maternidade, na minha opinião. O Otto é completamente diferente de mim, em personalidade, e mais parecido com o pai. Mas o pai é adulto, e já aprendeu a “navegar” no mundo dos extrovertidos. Pra mim é um mundo novo, complexo, misterioso, e com o qual não me sinto 100% à vontade, sempre fica a paranoia de que o menino “tem problema” porque não é extrovertido e super sociável. Por mais que a pediatra afirme que ele é ótimo, e várias pessoas confirmem que isso é só personalidade, eu não consigo entender, então fico tensa. Mas está melhorando, conforme eu leio, converso com amigos introvertidos e (o mais importante) presto atenção aos meus preconceitos. É isso que tenho feito: me educado, e aprendido a conviver com a diferença (o que me faz muito bem na vida de forma geral, não só como mãe). Mas nunca tive grandes expectativas concretas sobre meu filho, até porque nem pensava em tê-lo. Sou muito flexível e gosto de improvisar, seja pra mim mesma ou pra família, então não fico fazendo planos ou pensando no que ele vai fazer, o que vai estudar, essas coisas. Eu quero mesmo é que ele seja saudável, feliz, seguro, e isso ele já é desde muito pequeno. Apesar de introvertido, ele é muito assertivo, objetivo, se expressa bem, sabe o que quer, sabe dizer não (coisa que eu aprendi aos 30!). Não podia querer nada além disso.

Hoje, com ele maior, como é a rotina de vocês? Como os cuidados com ele se encaixam em seu dia a dia (viagens, trabalho etc.)?

Minha rotina é bem estruturada, mas não é exatamente rígida (ou seja, a gente adapta quando precisa). Eu trabalho fora o dia todo, sou gerente de TI de uma multinacional para a América do Sul, o trabalho me exige muito. Mas já na gravidez decidi que seria mais regrada com minha dedicação ao trabalho, e procuro fazer poucas horas adicionais, sempre dou muito foco em ser produtiva ao máximo no horário de trabalho, e desligar quando vou pra casa — é assim que tenho feito, e funciona muito bem. Nossa família foi organizada de um jeito muito moderno, e diferente da maioria que conheço — eu trabalho das “8 às 17h” e meu marido é freelancer, desde antes do Otto nascer. Então é ele que cuida de coisas da casa, supermercado, que leva e traz o Otto para a escola, que resolve todas essas coisas do dia a dia, que cuida dele quando eu viajo a trabalho (raro, mas acontece). Temos ajuda de uma super funcionária (segunda a sexta), que cuida da casa e ajuda com o Otto quando o pai não está. Eu chego à noite e só brinco e cuido do Otto, junto com ele. No fim de semana, passeamos, fazemos coisas juntos, nada muito planejado — fazemos o que temos vontade. Não gosto de criar “calendário” para a criança, já basta a nossa vida de adulto cheia de compromissos. Então, temos nossa rotina do dia a dia bem fixa (horário de escola, almoço, lanche, jantar, dormir), mas estamos sempre dispostos a improvisar e nos fins de semana fazemos o que der vontade. Quanto às viagens, é uma das atividades que mais amamos, desde que casamos, e o Otto foi incluso nessa rotina a partir de 1 ano. Viajamos todos os anos, para diversos lugares diferentes, outros países ou aqui mesmo, sem muito planejamento, improvisando no caminho. A experiência é diferente com uma criança (quanto menor, mais difícil), mas é também muito bonita — ver o mundo através dos olhos da criança (além dos seus) é mágico, e muito interessante. Dá trabalho? Dá, mas vale a pena.

Uma coisa que vale para todas as perguntas que você me fez, vale em especial aqui: para ser feliz na experiência de ser mãe e pai é preciso parar de perseguir a perfeição, o “certo”, e ver alegria e beleza na surpresa, na diferença e até na dificuldade (mesmo que seja olhando depois). Criar uma criança é reviver nossa própria história, e muitas vezes fazer as pazes com o passado. Caso você insista em condenar o passado, e for muito perfeccionista, o sofrimento é inevitável. Eu escolhi ser feliz 🙂