desfralde from hell

[20-jul-2013]

A fase aqui é: não quer colocar fralda; não quer usar o banheiro; não quer que tire a roupa suja. Dá CHILIQUE pra tirar. Super legal, urru.

olhos e mãos

[11-jul-2014]

Graças às maravilhosas histórias da Vera sobre a Bia, eu sempre fiz o ritual do “tchau, cocô!” com o Otto. Acho legal incentivar o menino a valorizar o que fez 😀 (mas ao mesmo tempo deixar ir, e tal). Sempre foi super tranquilo e divertido, até ontem.

 

Ele tem um livro chamado “Everyone poops”, que é sensacional (japonês, claro, com desenhos lindos. Juro.), e eu sempre termino de ler dando tchau pros cocôs da página final, e ele também dá. Mas ontem…

 

Eu: “… Então, tchau, cocôs! Dá tchau pra eles, Otto!”

 

Otto: (pensou, olhou…) “Não vou dar não. Eles não têm OLHO e nem MÃO.”

desfralde — 2a tentativa ou AGORA VAI

sei que todo mundo fala sobre não voltar atrás quando começar o desfralde, mas nós voltamos e acho que nossa decisão foi acertada.

iniciamos o desfralde observando o menino — aos 2 anos e pouco ele começou a reclamar da fralda, não queria colocar, e já falava super bem. achamos que podia ser uma boa hora, já que era mesmo verão (ou seja, dá pra deixar sem roupa ou se molhar/sujar a roupa não é um problemão). nos demos mal: ele aprendeu a fazer xixi na privada ou nas plantinhas super rápido, mas por 7 meses vários “acidentes” de xixi e o cocô nunca aconteceu na privada ou no penico. só na roupa, e com muito stress (sujeira, não queria tirar, chorava pra limpar, um horror). quando o inverno chegou de vez, resolvemos desistir depois de conversar com ele, e voltar à fralda.

e conversamos de forma bem simples mesmo — explicamos que a gente estava voltando pra fralda (porque houve o discurso de tirá-la, porque já era um menino crescido, etc.) porque parecia que ele preferia usar a fralda, então que íamos esperar quando ele estivesse com vontade de usar a privada. perguntamos várias vezes, nos meses seguintes, se queria usar a privada e a resposta era sempre NÃO.

nos meses que seguiram, compramos e lemos vários livrinhos pra ele sobre o cocô, e ele amou esse aqui (que recomendo demais, além de super legal ele é bonito). lemos inúmeras vezes, e o livro explica que todos os seres que comem fazem cocô, e direciona para a forma que humanos fazem cocô, comparando com outros bichos. muito legal, ele adorou, e foi um gancho pra falar que ele era menino (ele não se considera mais bebê, e reclama se chamamos de “bebê”) e podia começar a fazer no penico ou na privada.

quando começou dezembro, ele já estava com 3 anos e 3 meses, acabou a escola e o calor voltou, resolvemos tentar de novo. ele foi um pouco resistente no início, mas explicamos que estava tudo OK, que a gente ia tentar, que não fazia mal se não desse certo. retomamos o xixi nas plantinhas (ele ama), no ralinho do quintal, e também no penico e na privadinha (compramos uma de apoiar no chão, além da privada redutora e do penico. apelamos geral, hahahhahahaha).

o xixi em 1 semana resolveu. ele teve 1 acidente só e nunca mais. e melhor — pede pra fazer xixi ou vai por conta própria, ele tomou pra si o processo, a gente não precisa “levar”. ao mesmo tempo já parou de fazer xixi na fralda à noite e à tarde (colocamos sempre pra dormir, ainda), ela acorda sequinha.

quando está de fralda na rua (dependendo de onde vamos, se é algum lugar que não conhecemos a infra ainda deixamos de fralda por causa do cocô) ele também já pede pra ir ao banheiro, o que nos surpreendeu.

o cocô foi outro processo — não conseguimos que ele pedisse (ou seja, que identificasse que queria fazer), e ele acabava fazendo na cueca, e o processo de limpeza é muito chato (pra ele e pra nós). aí tive uma ideia: já sabemos os horários que ele faz cocô, então resolvemos deixá-lo pelado, pois percebemos que ele não faz cocô no chão (ou seja, algum tipo de controle ele tem!).

deixamos pelado, e ficamos observando. o que acontece é que ele começa a ficar inquieto quando tem vontade de fazer cocô, e ele confunde com vontade de fazer xixi (vai várias vezes, tenta, e não tem mais nada). conseguimos convencê-lo então a sentar e esperar um pouco, pra fazer o cocô, e na 1a vez que deu certo ele ficou completamente surpreso, como se “entendesse” o processo!

e aí deu certo também na segunda vez, quando ele fez o cocô, olhou bem depois e disse “olha, mamãe, o cocô parece uma cobra!” HAHHAHAHHAHA 🙂

agora ele aceita com frequência quando convidamos para fazer cocô, já pediu pra fazer e já foi até fazer sozinho! mas ontem por exemplo tivemos um acidente — depois de perguntar várias vezes se ele queria fazer cocô, sem sucesso, de repente ele fica aflito — “quero fazer cocô, quero fazer cocô!” — e não deu tempo de chegar.

suponho que acidentes ainda devem acontecer periodicamente, mas ele já entendeu e aceitou o processo, e estamos caminhando para o desfralde definitivo.

DEPOIS DE UM ANO DE SAGA.

mas tudo bem. cocô e xixi são importantes o suficiente pra gente dedicar 12 meses a eles no prazo de uma vida toda 🙂

o desfralde mal sucedido

essa semana desistimos do desfralde, depois de 7 meses de tentativa. o xixi quase sempre funciona chamar pra ir ao banheiro (mas nem sempre. e ele já sabe segurar!), mas o cocô ele simplesmente se recusa a tentar.

resistimos em voltar atrás, porque ele não quer colocar fralda, só quer “ficar de cueca”. mas não dá, neste frio, trocar de roupa 3, 4 vezes por dia. não é só a sujeira, é o stress, porque ele não quer trocar de roupa, não ajuda a limpar, é um inferno toda a vez que temos acidentes (e temos sempre).

conversamos com ele, e explicamos que ele poderá tirar a fralda quando estiver disposto a ir ao banheiro pelo menos tentar o cocô. e o xixi a gente continua convidando (e ele vai, e faz o xixi na privada na maior parte das vezes), mas o cocô vamos esperar ele estar pronto.

todos os lugares que consultamos dizem que não se deve voltar atrás quando começa o desfralde, que confunde a criança, etc. concordamos, mas achamos que pra ele e pra nós isso é melhor. e ele realmente entende o que estamos falando, pra nós parece que ele realmente não quer fazer cocô na privada. não parece preguiça, ou aquele esquema de “não quero parar de brincar pra ir”, é algo diferente. algo dele, que não entendemos, mas que resolvemos respeitar. ele não quer ir, então não vai. acreditamos que uma hora ele vai pedir, e vamos continuar incentivando.

vou compartilhando aqui como andamos com essa história, quem sabe tem mais gente por aí que passa por isso e a gente nem sabe 🙂

de qualquer forma, obrigada pelas várias dicas! vamos continuar tentando de outro jeito.

e o desfralde? tá assim:

o nosso sofá, gente. aquele lindo, design italiano, chiquérimo, embelezando a casa há 13 anos? tá moribundo. xexelento, nojento, sem salvação.

graças ao nosso lindo filho, que se recusa a ir fazer xixi no banheiro e faz no sofá, bem confortável, dia sim, dia não.

e eu me RECUSO a comprar outro enquanto essa novela do desfralde não acabar. modosque conviveremos com um sofá que lembra vagamente os banheiros da rodoviária do tietê.

ser mãe é UMA ALEGRIA SEM FIM, né gente? 😀

#RIPsofá #0800casasbahia

diário do otto: 2 anos e 7 meses + 8 meses

menino-otto,

agora você é um menino. ainda não sabe usar o banheiro, é verdade, mas não fosse isso já poderia considerar você um ser humaninho, e não mais a criatura pertencente à espécie toda especial que são os bebês. pra nós — eu e seu pai — essa sua nova fase é infinitamente mais interessante e deliciosa. estamos apaixonados pela sua versão criança, por mais que você-bebê fosse lindo, louro e fofo.

agora é possível conversar com você! negociar, explicar, ouvir suas ideias, suas questões. nas últimas semanas você começou com questionamentos mais claros, e perguntou pra mim pela primeira vez “por que aquela luz tá piscando, mamãe?”. era um carro, na minha frente, e fiquei tão emocionada que expliquei pra você quase o código de trânsito 🙂

você agora pergunta “o-quês”, “porquês” e “comos”. e nós respondemos, cheios de encantamento e espanto. repito — pra quem não passou pela experiência de acompanhar um ser crescer daquela minhoquinha que é um recém-nascido para uma criança aprendendo sobre o mundo, é difícil explicar o quanto é incrível. tão incrível quanto ver um cavalinho sair de dentro da sua mãe e andar/correr (ok, os cavalos são mais incríveis). nosso cérebro é uma máquina espantosa, assustadora. observar você crescendo nos torna ainda mais amantes da natureza e da vida.

agora você canta músicas, da sua cabecinha, inventa palavras pra gente rir, conta histórias de forma eloquente e sempre bem-pau-sa-do, explicando tu-do. e fala com as mãozinhas <3 enfatizando seu ponto de vista com dedos, braços, caras e bocas. você é muito expressivo, sério e engraçado no seu método. nos últimos meses você tem sido mais “moleque”, sobe nas coisas, alcança coisas no alto, se arrisca mais. bem diferente do seu comportamento de sempre, o que nos deixa muito felizes. achamos que é a escola que está ajudando você a se soltar mais, e ser menos sério e contido.

ultimamente você tem se interessado ainda mais por livros, histórias, e pede que contemos a mesma coisa várias vezes. começou a achar filmes (TV ou ipad) mais interessante, até senta pra ver um pouco. a TV você não gosta muito porque quando tem intervalos (comerciais) você reclama e se desinteressa; quando precisamos que você dê sossego por um tempo mais longo, o ipad é tiro e queda — são horas (mesmo, se a gente deixar!) de desenhos, vídeos, músicas e jogos. mas você continua se interessando pelos carrinhos, dominó, pião e outros brinquedos.

e hoje, do nada durante o café da manhã, você anunciou “vou ler!”, e foi para o seu quarto. sentou, sozinho, com 2 livrinhos, 1 deles no colo e outro do lado, e ficou lá, “lendo”. sozinho. tranquilo. e nos convidou pra ler junto, pra rever as mesmas histórias, uma depois da outra. não sei descrever a emoção de ver você “lendo”, no seu quarto, como uma pequena pessoinha, não mais um bebê. com vontade própria, calmo, independente.

conviver com você tem sido fácil, na maior parte do tempo (tirando o desfralde, por enquanto sem progressos além do xixi). alimentar você é moleza (come de tudo, e muito), divertir você é fácil, seja na rua ou em casa. dormir ainda é aquela novela de 1 a 2 horas, na nossa cama. mas você dorme a noite toda, o que acaba nos deixando tão felizes depois de 2 anos de drama que a gente até esquece que você devia dormir na sua caminha 😀

a paixão pelas letrinhas e números continua, e você agora conta bonitinho em inglês (até 10, que tem num livrinho que você ganhou), e até corrige o meu THREE (“é FREE, mamãe!”). fala o SEVEN com o “n” bem marcadinho, chega a ser engraçado.

e recita as músicas e a “oração” de agradecimento pelo almoço, que fazem na escola. junta as mãozinhas e fecha o olho, agradecendo “a cleonice pelo almoço gostoso que ela preparou!”. é de apertar muito, de tanta fofura!

já não sei mais se vou conseguir escrever a cada mês. a impressão que tenho é que algo mudou, alguma chave, e aqueles marcos de desenvolvimento tão claros dos primeiros meses agora se misturam, e seu tornar-se menino é fluido, cada vez mais próximo dos seres humanos que somos nós, seu pai e eu. o sorriso de um, o cenho franzido do outro. mais que só mistura, você é uma ponte, um caminho que traz e leva mensagens de um para o outro, cria mundos e questões que não existiam antes de você existir.

acho que finalmente estamos aprendendo a ser pais, e não só filhos. incorporamos estes novos (e difíceis) papéis na nossa existência. e quanto mais você se destaca como ser independente de nós, mais nossa condição se aprofunda e evidencia. temos um compromisso, uma meta, um desejo — que você seja feliz, autônomo, confiante. um menino louro e sorridente no meio desse mundo enorme.

observo você sozinho pela casa, comendo, brincando, se escondendo. atravessando a escuridão de um corredor enorme e escuro, e sem medo algum, ficando na ponta dos pés para acender a luz. sozinho, tão confiante e tranquilo. ia dizer que tenho muito orgulho, mas a verdade é que não é isso, não; é admiração pela sua independência, seja nos passos do escuro, seja no dizer claramente que “não” quando necessário. porque, diferente da sua mãe, você diz não e sim com a mesma facilidade e tranquilidade. anda na escuridão, e enfrenta com alegria (e óculos escuros) a luz do sol do meio-dia.

menino solar, molequinho cheio de opinião, gatinho doce e carinhoso da mamãe — cada dia amamos mais você e suas descobertas. viver com você tem sido um grande presente!

beijo da mamãe.

PS: e as fotos e vídeos continuam! divirta-se com seus 2 anos e 7 meses e 2 anos e 8 meses.

o desfralde, essa merda :)

ah, a beleza do desenvolvimento humano! uma das coisas mais interessantes de se tornar pai/mãe/cuidador é aprender que somos resultado de anos de treino e aprendizado, que coisas tão corriqueiras e automáticas para adultos quanto fazer cocô e xixi na privada, usar papel higiênico e lavar as mãos foram aprendidos em algum momento. é meio óbvio que não nascemos sabendo essas coisas, mas como esquecemos o processo de aprendizado, é espantoso acompanhar cada pequeno passo pelos olhos de quem ensina. e perceber (não sem ganhar um pouco de humildade, com sorte) que um dia nós também não soubemos como fazer cocô e xixi na privada. kudos para meus pais, parentes e professores, que me ajudaram nesse aprendizado tão essencial e para o qual até este momento eu nunca tinha dado bola.

(o mesmo vale para o processo de aprendizado da linguagem, mas isso é assunto pra outro post)

em meados de janeiro (otto estava com 2 anos e 4 meses, 28 meses) iniciamos o processo de desfralde, por alguns motivos/sinais: ele começou a ficar resistente a colocar fralda; ele comunica bem o que quer/não quer, viabilizando o processo de aprendizado; ele se interessa pelo cocô e xixi, dar descarga, etc.; ele começou a procurar “privacidade” ao fazer xixi (e em especial o cocô). todos os lugares em que li sobre o assunto indicam que esses são bons sinais de que ele está pronto para iniciar o processo. mas…

… são 2 meses de tentativa, e o processo está lento. iniciamos tirando a fralda, contando pra ele que íamos começar a fazer xixi na privada (ou nas plantinhas, ou no ralo do chuveiro…), “que nem o papai” (que teve que voltar a adotar o xixi de pé, que ele não costuma fazer em casa, por pura conveniência — sentar é mais prático e não tem risco de sujar nada :D), e cocô também. desde muito pequenino acostumamos a dar tchau pro xixi e cocô (jogamos na privada, quando a consistência permite), então é um processo que ele já conhece.

bem, o xixi de pé ele amou, claro. mas só agora, depois de 2 meses, ele percebe em 50% das vezes que precisa fazer xixi e pede. os outros 50% ou somos nós que insistimos (e ele resiste, sempre) pra tentar fazer ou ele faz na calça mesmo. uma coisa que fazemos desde o começo (e é mais difícil do que parece) é não reagir mal quando ele faz xixi ou cocô na calça, no chão, enfim. procuramos lidar com naturalidade, explicar que tá tudo bem, que quem sabe na próxima vez ele lembra de pedir, etc. quando é xixi, deixo ele com a cueca/short molhado um tiquinho (pra perceber o molhado, o que aconteceu) e aí troco. o cocô não tem jeito, tem que ser imediato mesmo.

em relação ao xixi sentimos progresso, ele já segura por um bom tempo e algumas vezes pede pra fazer. o cocô, por outro lado, o progresso é zero — ele nunca pediu pra fazer e simplesmente não aceita sentar e “tentar”, nem no penico e nem na privada com o redutor. ele parece preferir fazer cocô em pé ou agachado, e sentar é um problemão. aí é isso: cocô sempre na calça, apesar de ser sempre nos mesmos horário e percebermos quando vai rolar e tentar convencê-lo a sentar e fazer na privada/penico.

não sabemos o que fazer quanto a isso, e não queremos que ele se chateie com o processo, então vamos deixando e limpando muita roupa, e o chão, quando escapa. consultando amigas, nos disseram que para o cocô o controle dos esfíncters realmente precisa estar mais desenvolvido, então nos resta esperar e continuar tentando. uma amiga mencionou tentar ver se ele topa fazer cocô agachado, no penico. nunca tentei, vou tentar essa semana. e também recomendaram deixar ele brincar de subir escada e andar de bicicleta/velocípede, que ajuda a fortalecer e desenvolver a musculatura da região. vamos tentar também, e ver o que acontece.

enquanto isso, nos deparamos com situações como a de ontem, em que ele estava tomando banho de banheira comigo e agachou. eu desconfiei, e perguntei mil vezes se ele não queria tentar fazer cocô na privada, porque “no banho não pode, o cocô não toma banho com a gente, e blá blá blá”, e ele se recusou. até que ele vira e me diz “o otto NÃO fez cocô!” e lá vem o COCOZÃO boiando ao nosso redor… 😀

aí imaginem a correria pra sair da banheira, lavar os 2 (sorte que o cocô dele é bem firme, o prejuízo foi mínimo), se livrar do cocô (parabéns, papai, o pescador de cocô!), lavar a banheira com água escaldante, etc. e no processo todo, ele acompanhando e achando o máximo observar o cocô dele lá, na banheira. quis dar tchau, ajudar a limpar e tudo o mais.

a maternidade não é super divertida? 🙂 imagino que lindo deve ser o processo de ensinar a criança a se limpar sozinha… looking forward to it (NOT)

**

e aí ouço as histórias de desfralde mais lindas do mundo, como um amigo cuja filha com 1 ano e meio (!) que pediu para tirar a fralda, por conta própria. e nunca mais usou, sem NENHUM incidente. inclusive à noite (ela acordava os pais pra fazer xixi no meio da noite, percebam o nível). e morro de inveja, né.

a propósito, todo mundo me disse que meninas desfraldam mais rápido que meninos, não sei se é lenda, mas no geral somos mais rápidas em tudo, não? 🙂

**

DICAS SÃO BEM-VINDAS. PLEASE.

diário do otto: 2 anos e 5 meses

otto,

os dias e os meses passam mais rápido do que consigo escrever. coloquei como meta escrever esse seu diário mensalmente, mas não sei por quanto tempo vai durar. se não registro mensalmente, esqueço muita coisa, mas ao mesmo tempo é tudo rápido demais e não tenho conseguido acompanhar tanta mudança! quero manter o registro mensal pelo menos até seus 3 anos, depois vamos ver.

decidi conseguir pra você uma câmera fotográfica digital velhinha, pois você está obcecado com fotografia (o processo, não o resultado). você não dá bola pra ver como fica, você gosta é de “enquadrar” (muitas aspas, porque embora você faça todo o ritual do enquadramento, da escola do objeto da fotografia, na prática não sai nada parecido com uma foto enquadrada. pelo menos dentro dos padrões, digamos) e clicar. de vez em quando você pede pra ver fotos, mas é raro. você curte é clicar mesmo 🙂

sua rotina continua bastante rígida, e agora acho que também acostumamos com a existência de mais um morador na casa (pra quem não passou por isso pode parecer estranho, mas a chegada de um novo membro da família que muda toda a rotina da casa é difícil, demora a adaptação!). você acorda por volta de 7:30h, toma café da manhã (pão, queijo, suco, ovos, frutas às vezes), vai pra escola (ou passeia com a maria, quando está de férias), toma um lanche (frutas, normalmente) no passeio/escola, toma banho, almoça 12:30h, escova os dentes e dorme 1,5h-2h. toma um lanche quando acorda (iogurte ou fruta, ou ambos), molha as plantinhas, lava o quintal com a maria ou vai dar comida pros patinhos/peixinhos, janta às 17:30h, brinca com o papai e mamãe (na varanda, de giz, ou anda de bicicleta), toma banho com a mamãe por volta de 19:30h, escova os dentes, lê historinha e no máximo 20:30h estamos com as luzes apagadas pra dormir.

todos os dias fazemos basicamente a mesma coisa, com alguma variação no fim de semana, quando fazemos passeios diferentes e tomamos café da manhã na padaria aos domingos. também é nos fins de semana que comemos coisas diferentes, levamos você pra restaurantes, até pra se acostumar, já que gostamos bastante de comer fora. no dia a dia, você é uma criança que come arroz, feijão, carnes variadas, muitos legumes, verduras, frutas e castanhas. dos industrializados, você consome queijo, requeijão e iogurte sempre (nada de leite, depois de tirarmos a mamadeira. não gosta mesmo!), biscoito de polvilho, cookies orgânicos  e pipoca de vez em quando, bolo caseiro (maçã e fubá são seus preferidos), sorvete quando o papai toma, e água. suco, só de laranja, feito na hora de manhã. é muito raro você comer doces (a verdade é que você não se interessa), nunca comeu balas, bolachas recheadas (provou maizena e maria, mas não gostou), refrigerante. comeu doritos uma vez na casa de uns amigos (gostou!), e chocolate se der você come e gosta. procuramos não proibir nada que seja exceção (a menos de refrigerante, que tratamos como bebida de adultos e ponto final, e coisas que são de adulto mesmo). não queremos que você veja as comidas como BOAS ou MÁS, preferimos dar bons exemplos, pra que você crie bons hábitos ao invés de repetir discursos que não são seus. quando você tiver idade para decidir, esperamos que nossos exemplos + a relação não-neurótica com a comida sejam boas fundações.

uma coisa muito legal que notei neste mês que passou é que você começou a inventar coisas, fantasiar nas brincadeiras. antes, as brincadeiras eram muito mais exploratórias, descobrir como as coisas funcionam ou simplesmente experimentar cores por exemplo com o giz, deixar as coisas caírem pra ver o que acontece. agora você “mente”, e inventa coisas que não existem, isso começou recentemente, notei esses dias. você pega o gizão, por exemplo, e finge que é uma câmera, e tira fotos (olha lá a fixação :)); você “faz um café bem cheiroso e gostoso” com a água do banho e oferece pra mim <3 entre outras coisas. não tinha ideia que a imaginação, o faz-de-conta, começavam tão cedo.

sua coordenação motora está excelente, você já corre melhor, embora não seja uma criança exatamente ágil e rápida. você não se arrisca muito, é sempre cauteloso nos brinquedos, nas tentativas mais físicas, e parece ter um pouco de medo de altura. mas seus medos são bem controlados, e você expressa bem o que o incomoda, o que nos deixa felizes. você já desenha círculos fechados muito bem, o que segundo ouvimos de pessoas diferentes é um pouco adiantado pra sua idade. mas isso não nos surpreende, já que você pratica bastante e gosta de desenhar com giz (no chão, no papel, em qualquer lugar :D)

você come sozinho, mas como demora muito e suja tudo, a gente costuma ajudar. o que está errado, claro, mas somos impacientes, você vai perceber. nossa expectativa é que agora que você vai almoçar na escola, isso mude e você fique mesmo independente de nós pra comer, em breve. começamos a tentar tirar sua fralda (o que na prática significa que simplesmente tiramos, e pronto, pra ver o que acontece durante o dia), e você ainda não pede pra fazer xixi nem cocô, apesar de parecer que já percebe que tem vontade (mas não fala nada). nossa expectativa é que sem fralda você perceba melhor seu corpo, e que isso aconteça naturalmente nas próximas semanas. vamos ver!

uma outra coisa que me chamou a atenção é que você finalmente começou a cantar músicas junto com a gente, e já se percebe sua entonação, uma tentativa de se ajustar à tonalidade da música! além disso, percebi você batendo os pés ou mãos, no ritmo, quando eu canto pra você. antes você acompanhava mas sem acertar o ritmo, e o tom não existia (nem tentativa, era monocórdico). queria entender mais do desenvolvimento musical em crianças para poder falar sobre o assunto. vou pesquisar.

você se desinteressou pelos joguinhos de ipad e iphone, e continua imune à TV. desistimos de tentar fazer você ver TV, até porque nos incomoda bastante a publicidade nos canais infantis. seguiremos mostrando coisas no ipad (vídeos, música e jogos), pelo menos temos controle das propagandas. ainda assim, você passa poucos minutos por dia brincando com o iphone/ipad, então isso não nos preocupa.

você emagreceu e cresceu bastante, já não se parece mais um bebê, é um meninão grande agora! continua loiro como seu tio era quando criança, os cabelinhos mais lindos do mundo. continuamos tirando muitas fotos, é claro, que você pode ver aqui.

um beijo enorme da mamãe que te ama cada dia mais!

Juntinhos os 3