o que NÃO é autismo

Excelente artigo sobre disgnósticos precipitados (e incorretos) de autismo, quando o que a criança apresenta é simplesmente comportamento tipicamente masculino e introvertido. Também esclarece um pouco sobre comportamento típico de crianças de 1-3 anos.

Muito interessante para que observar e respeitar características inatas de cada criança, sem necessidade de rótulo, porém lembrando que existem algumas inclinações, sim, e elas são perfeitamente naturais. Nem todos serão extrovertidos e verbais.

“The stereotype of boys as logical, inflexible, and businesslike in their communication habits is more than just a stereotype. A recent massive study out of the University of Florida involving fifty-four hundred children in the United States ages eight to sixteen indicates that twice as many boys as girls fit this thinking-type temperament. Conversely, twice as many girls as boys fit the feeling-type temperament— tactful, friendly, compassionate, and preferring emotion over logic.”

crianças e tecnologia

sei que tem quem ache que deixar crianças usarem gadgets é coisa ruim, de pais que não querem dar atenção pra criança e que crianças devem brincar com outras coisas. concordo com a preocupação, e discordo da demonização de devices (inclusive da TV).

acho que a grande questão da discussão é o quanto a atividade é completamente passiva ou ativa e principalmente o balanceamento entre tipos.

computador, TV, aparelho de som, gibi, iphone, ipad ou qualquer outro device podem ser educativos e estimulantes, tudo depende do que está rodando nele, a personalidade da criança e obviamente a participação dos pais no processo.

sentar no sofá e ver TV (ou ver vídeo no youtube, ou assistir clips no ipad…) é passivo; ouvir música também. mas é completamente passivo, não estimula nenhuma área do cérebro? claro que não, poxa. ver desenhos, ouvir música, ver e ouvir vídeos são estímulos, sim. são estímulos diferentes de resolver quebra-cabeça e interagir com o device, é claro. assim como brincar de quebra-cabeça é diferente de correr e jogar bola. estímulos diferentes, desenvolvimentos diferentes. e minha opinião é que há grandes benefícios em todo tipo de atividade, o importante é que os pais se dediquem a direcionar, garantir que seus filhos serão expostos ao máximo de possibilidades, aprendendo de tudo um pouco.

acho importante ter momentos de calma e introspecção, ouvindo música, por exemplo. ou o mergulho no mundo interior/fantasia de contar uma história, ler um livro, ver um filme. gostaria que meu filho também aprendesse o prazer e a importância de divertir-se com calma, por si próprio, seja sozinho ou acompanhado de algum estímulo.

claro que o desenvolvimento físico é importante também — correr, pular, subir/descer, explorar fisicamente o mundo é essencial para o desenvolvimento de qualquer ser humano. neste ponto, sou uma mãe privilegiada — vivemos numa cidade pequena, moro num condomínio com inúmeras possibilidades de lazer. podemos fazer coisas simples como correr na grama, brincar na areia, em brinquedos de parquinho, subir em árvores, comer frutas do pé, nadar na piscina, dar comida aos patinhos no lago, tomar banho de mangueira. jogamos bola, brincamos no quintal, observamos o pôr do sol, as árvores, as flores e os bichinhos, e meu filho é exposto a isso o dia todo (e ele adora).

fiquei pensando que o problema talvez seja que essa nossa realidade é diferente da realidade de tantas outras crianças que vivem em cidades grandes ou mais pobres (com menos opções de área de lazer legal e segura). é compreensível que levantem questões sobre crianças submetidas predominantemente às atividades, digamos, passivas.

aqui em casa, gastamos uma parte do tempo brincando com o otto de coisas como quebra-cabeça, livrinhos, carrinhos, cantando músicas e interagindo com os brinquedos e entre nós. ele não gosta ainda de TV, e só assiste 10min de desenho de manhã e à tarde, que é o tempo de tomar a mamadeira (sentamos com ele no sofá e vemos desenho e damos mamadeira), e ele parece gostar. mas acabou a mamadeira, corre pra fazer outra coisa e ignora a TV de novo.

ele gosta muito do iphone e ipad (são os devices que temos em casa. tenho um blackberry também, mas ele não liga pra ele, afinal não tem nada legal :D), e procuramos deixá-lo brincar somente quando não tem mais nada pra fazer ou queremos distraí-lo enquanto fazemos outra coisa. o ipad e iphone viraram nossa salvação no carro, quando precisamos esperar alguma coisa e ele está impaciente, mas em especial nas primeiras horas do dia. o otto acorda às 6:30h, então usamos 1h da manhã (até a babá dele chegar) pra cochilar um pouco enquanto ele brinca na nossa cama com apps de quebra-cabeça, vê histórias ou vídeos (e nos chama pra ajudar, de vez em quando).

bom, pra quem como nós acha que brincar com devices é legal, não estraga a criança e nem transforma os pais em negligentes :D segue a dica de um site que faz crítica de apps para crianças e as nossas dicas pessoais sobre apps (para iphone e ipad) que o otto ama (e a gente também), desde mais ou menos 6 meses, quando começou a brincar com os devices.

- apps4kids: site especializado em apps para crianças, tem MUITA coisa, separada por idade inclusive.

- the fantastic flying books (grátis): essa app (exclusiva para ipad) não é para a idade do otto, mas ele ADORA (e nós também). é uma história interativa, muito lindamente contada e desenhada, e tem algumas oportunidades de interação bem fofas. ele passa um tempão indo, voltando, explorando, é uma graça. e a história é linda.

- toca boca (alguns grátis, outros não): é uma empresa de jogos que ganhou nosso coração, dica do antenadíssimo tio weno. eles têm vários jogos legais, nós baixamos o paint my wings, hair xmas, toca doctor (o nosso preferido) e toca monsters (o preferido do otto-ogro, de longe, já que trata de comida).

- memory (grátis): adoramos esse jogo simples de memória, com 3 opções de desenhos e várias de complexidade. o otto ainda não entendeu 100% como joga, mas gosta de achar os desenhos iguais, tem musiquinha legal e tudo. acho que pode ser mais legal ainda pra crianças maiores.

- talking tom: sucesso absoluto entre crianças (e adultos meio lesados como eu), o gato repete o que a gente fala e reage a alguns estímulos, alguns deles nada nobres como socar o pobrezinho até ele desmaiar. todos contando com a crueldade infantil para vender apps :D aí tem a namorada do tom, e esse vídeo hollywood que o otto AMA assistir mil vezes.

- talking bacteria: mais uma app que eu adoro mas digo que é pro otto (embora ele também ame e morra de rir). essa são simplesmente bactérias que repetem o que a gente fala (bem engraçado), se reproduzem quando damos donuts, morrem quando usamos uma pílula e ficam LOUCAS quando fazemos cócegas ou damos uma droga. não é muito educativo mas, olha, é bem engraçado :)

- drawing: essa app é simples e fácil de usar, você desenha com os dedos usando cores do lápis (com espessuras diferentes), e tem também “figurinhas” pra colar. o otto adora ficar riscando, colocando as figurinhas, apagando e começando tudo de novo. bem simples e boa, mas tem um banner em cima que às vezes distrai a criança (e irrita a adulta aqui).

- bongos!: claro, por que não dar a uma criança uma app que faz BARULHO, não é? :)

- nano keyboard: o bongô não é suficiente? use essa app de piano/órgão pra alegrar sua vida nas longas viagens de carro!

- a galinha pintadinha, a onipresente: como pude esquecer justo essa, a mais amada pelo menino? no iphone tenho “a galinha de emergência” (a versão teaser da app completa do ipad) que tem só 2 vídeos (funciona quando não tem mais nada, mas ele reclama que não tem as músicas que ele gosta). no ipad você baixa uma jukebox das músicas/vídeos e compra um a um. atualmente são 3 dvds, com várias músicas do cancioneiro nacional infantil e outras inéditas deles. poderia escrever um post só sobre essa franquia — há quem ache ruim, mas eu ainda não entendi o porquê, francamente. as músicas são (na maior parte) aquelas que ouvíamos quando crianças, muito bem executadas e com vídeos lindos. os arranjos e execução são ótimos, as animações fofas e engraçadas, não consegui achar defeito. a única coisa que me incomodou foi a última atualização da app, que mudou completamente o look & feel (mas verdade seja dita — eu demorei mais pra me adaptar que o otto) e veio com 1 música grátis (“lava a mão”) que é na verdade propaganda de sabonete. dispensável. e não dá pra apagar/esconder as músicas que você não quer comprar. elas ficam todas lá, com indicação de preço (antes de baixar) ou o “play” (depois de compradas). acabei comprando quase tudo, porque o otto vê o desenhinho da música e quer ouvir. acho que seria legal com os pais ter a opção de esconder músicas que não queremos comprar.

vou dar mais uma olhada no ipad e ver se não esqueci nada (claro que tinha esquecido, a mais querida de todas, a última!) mas essas são as queridinhas lá de casa. e pra quem tem curiosidade, tenho iphone desde antes do otto nascer, e como sempre me viu usando obviamente teve curiosidade, e eu deixei ele explorar. sei que é um device caro, mas sempre usei proteção (tela + externa), ele nunca fez nenhum estrago. desde as primeiras tentativas, com poucos meses, entendeu perfeitamente como funcionava o sistema de toque com os dedos. não acho que meu filho seja um gênio porque domina esses devices rapidamente com poucos meses de idade, acho é que o iphone/ipad são realmente intuitivos, e o bebê não tem conceitos pré estabelecidos de como as coisas funcionam, então eles exploram sem restrição.

por enquanto estamos felizes com nossa relação (e a dele) com atividades físicas/mentais, passivas e ativas. somos pais que gostam de tecnologia, acho natural que ele também se interesse, até pelo exemplo. continuaremos a estimular o gosto dele pelas atividades físicas, pois isso é um problema que nós temos (somos sedentários) e não queremos que ele vá para o mesmo caminho, estamos tentando mudar nossos hábitos para também dar exemplo.

no mais, divirtam-se com suas crianças, não sejam muito radicais e deixem também suas dicas de apps legais :)

meus links favoritos

vocês já clicaram ali em LINKS? são poucos, mas bons links que eu recomendo sobre assuntos de quem tem filhos :)

o mais novo na lista é o sushi de mãe, da querida lu terceiro.

se vocês que me lêem escrevem seus blogs sobre os assuntos relacionados, me mandem os links! conforme for visitando (e gostar, claro, pra poder recomendar), divulgo aqui, ok? dicas e recomendações são sempre bem-vindas.