diário do otto: 2 anos e 5 meses

otto,

os dias e os meses passam mais rápido do que consigo escrever. coloquei como meta escrever esse seu diário mensalmente, mas não sei por quanto tempo vai durar. se não registro mensalmente, esqueço muita coisa, mas ao mesmo tempo é tudo rápido demais e não tenho conseguido acompanhar tanta mudança! quero manter o registro mensal pelo menos até seus 3 anos, depois vamos ver.

decidi conseguir pra você uma câmera fotográfica digital velhinha, pois você está obcecado com fotografia (o processo, não o resultado). você não dá bola pra ver como fica, você gosta é de “enquadrar” (muitas aspas, porque embora você faça todo o ritual do enquadramento, da escola do objeto da fotografia, na prática não sai nada parecido com uma foto enquadrada. pelo menos dentro dos padrões, digamos) e clicar. de vez em quando você pede pra ver fotos, mas é raro. você curte é clicar mesmo 🙂

sua rotina continua bastante rígida, e agora acho que também acostumamos com a existência de mais um morador na casa (pra quem não passou por isso pode parecer estranho, mas a chegada de um novo membro da família que muda toda a rotina da casa é difícil, demora a adaptação!). você acorda por volta de 7:30h, toma café da manhã (pão, queijo, suco, ovos, frutas às vezes), vai pra escola (ou passeia com a maria, quando está de férias), toma um lanche (frutas, normalmente) no passeio/escola, toma banho, almoça 12:30h, escova os dentes e dorme 1,5h-2h. toma um lanche quando acorda (iogurte ou fruta, ou ambos), molha as plantinhas, lava o quintal com a maria ou vai dar comida pros patinhos/peixinhos, janta às 17:30h, brinca com o papai e mamãe (na varanda, de giz, ou anda de bicicleta), toma banho com a mamãe por volta de 19:30h, escova os dentes, lê historinha e no máximo 20:30h estamos com as luzes apagadas pra dormir.

todos os dias fazemos basicamente a mesma coisa, com alguma variação no fim de semana, quando fazemos passeios diferentes e tomamos café da manhã na padaria aos domingos. também é nos fins de semana que comemos coisas diferentes, levamos você pra restaurantes, até pra se acostumar, já que gostamos bastante de comer fora. no dia a dia, você é uma criança que come arroz, feijão, carnes variadas, muitos legumes, verduras, frutas e castanhas. dos industrializados, você consome queijo, requeijão e iogurte sempre (nada de leite, depois de tirarmos a mamadeira. não gosta mesmo!), biscoito de polvilho, cookies orgânicos  e pipoca de vez em quando, bolo caseiro (maçã e fubá são seus preferidos), sorvete quando o papai toma, e água. suco, só de laranja, feito na hora de manhã. é muito raro você comer doces (a verdade é que você não se interessa), nunca comeu balas, bolachas recheadas (provou maizena e maria, mas não gostou), refrigerante. comeu doritos uma vez na casa de uns amigos (gostou!), e chocolate se der você come e gosta. procuramos não proibir nada que seja exceção (a menos de refrigerante, que tratamos como bebida de adultos e ponto final, e coisas que são de adulto mesmo). não queremos que você veja as comidas como BOAS ou MÁS, preferimos dar bons exemplos, pra que você crie bons hábitos ao invés de repetir discursos que não são seus. quando você tiver idade para decidir, esperamos que nossos exemplos + a relação não-neurótica com a comida sejam boas fundações.

uma coisa muito legal que notei neste mês que passou é que você começou a inventar coisas, fantasiar nas brincadeiras. antes, as brincadeiras eram muito mais exploratórias, descobrir como as coisas funcionam ou simplesmente experimentar cores por exemplo com o giz, deixar as coisas caírem pra ver o que acontece. agora você “mente”, e inventa coisas que não existem, isso começou recentemente, notei esses dias. você pega o gizão, por exemplo, e finge que é uma câmera, e tira fotos (olha lá a fixação :)); você “faz um café bem cheiroso e gostoso” com a água do banho e oferece pra mim <3 entre outras coisas. não tinha ideia que a imaginação, o faz-de-conta, começavam tão cedo.

sua coordenação motora está excelente, você já corre melhor, embora não seja uma criança exatamente ágil e rápida. você não se arrisca muito, é sempre cauteloso nos brinquedos, nas tentativas mais físicas, e parece ter um pouco de medo de altura. mas seus medos são bem controlados, e você expressa bem o que o incomoda, o que nos deixa felizes. você já desenha círculos fechados muito bem, o que segundo ouvimos de pessoas diferentes é um pouco adiantado pra sua idade. mas isso não nos surpreende, já que você pratica bastante e gosta de desenhar com giz (no chão, no papel, em qualquer lugar :D)

você come sozinho, mas como demora muito e suja tudo, a gente costuma ajudar. o que está errado, claro, mas somos impacientes, você vai perceber. nossa expectativa é que agora que você vai almoçar na escola, isso mude e você fique mesmo independente de nós pra comer, em breve. começamos a tentar tirar sua fralda (o que na prática significa que simplesmente tiramos, e pronto, pra ver o que acontece durante o dia), e você ainda não pede pra fazer xixi nem cocô, apesar de parecer que já percebe que tem vontade (mas não fala nada). nossa expectativa é que sem fralda você perceba melhor seu corpo, e que isso aconteça naturalmente nas próximas semanas. vamos ver!

uma outra coisa que me chamou a atenção é que você finalmente começou a cantar músicas junto com a gente, e já se percebe sua entonação, uma tentativa de se ajustar à tonalidade da música! além disso, percebi você batendo os pés ou mãos, no ritmo, quando eu canto pra você. antes você acompanhava mas sem acertar o ritmo, e o tom não existia (nem tentativa, era monocórdico). queria entender mais do desenvolvimento musical em crianças para poder falar sobre o assunto. vou pesquisar.

você se desinteressou pelos joguinhos de ipad e iphone, e continua imune à TV. desistimos de tentar fazer você ver TV, até porque nos incomoda bastante a publicidade nos canais infantis. seguiremos mostrando coisas no ipad (vídeos, música e jogos), pelo menos temos controle das propagandas. ainda assim, você passa poucos minutos por dia brincando com o iphone/ipad, então isso não nos preocupa.

você emagreceu e cresceu bastante, já não se parece mais um bebê, é um meninão grande agora! continua loiro como seu tio era quando criança, os cabelinhos mais lindos do mundo. continuamos tirando muitas fotos, é claro, que você pode ver aqui.

um beijo enorme da mamãe que te ama cada dia mais!

Juntinhos os 3

sujeito-verbo-predicado

o otto vem arriscando frases aos poucos, do jeito perfeccionista dele, mas normalmente ele fala de si mesmo na terceira pessoa (o otto quer, o otto pegou), e chama cada um pelo seu próprio “título”: a tia paula, a mamãe, o papai, etc.

o jeitinho dele montar as frases é um caso à parte: sempre muito lentamente, saboreando cada palavra e quase podemos ver os neuroniozinhos trabalhando pra articular as coisas “direito”. isso porque não ficamos corrigindo o menino, a gente no máximo repete o que ele fala do jeito certo, sutilmente, por exemplo: ele diz “venhanta, mamãe!” e eu repito “ah, é pra mamãe LEVANTAR?” e assim vai. eu em especial tenho uma preocupação em deixá-lo se arriscar, tentar mais, já que ele é tão contido.

e essa semana ele me pegou de surpresa, com uma frase tão completa, corretinha e cheia de significado. todo dia tomamoa banho juntos na banheira, eu e ele, antes de dormir. nesta hora, entre 18:30 e 19:00 começa o ritual de preparação da hora de dormir. ele adora a hora da banheira — corre pra ver a banheira enchendo de água, joga os brinquedos dentro, “ajuda” (aham) a pegar pijama, fralda, escova de dentes, água, etc.

pois entramos no banho os 2, ele sempre comenta que a água “tá quente”, e começamos a brincar. nesse dia ele sentou e olhou bem fixo pra mim (eu já pude “ver” a cabecinha dele funcionando, antes dele começar a falar, pela carinha) e disse, bem pausadamente:

“eu gosto de tomar banho com você!”

eu sorri, abracei ele e disse que gostava muito de tomar banho com ele também. e comecei a rir muito, porque a carinha dele foi tão engraçada, e a frase tão certinha! e comecei ao mesmo tempo a chorar, emocionada, porque me dei conta que ele tinha dito EU e não “o otto” e VOCÊ e não “a mamãe”. e, é claro, porque pela primeiríssima vez ele estava expressando verbalmente seu apreço por mim, pela minha companhia.

quão incrível é poder presenciar tantas primeiras vezes na vida de alguém?

a emoção de ver um ser humano distinguir a si mesmo do outro, e expressar seus sentimentos em palavras escolhidas por ele mesmo, é imensa. é claro que ele expressa seu amor de muitas outras formas, como só as crianças conseguem. me sinto muito amada por ele, várias vezes por dia. mas essa expressão de gostar da minha companhia foi emocionante demais pra mim. mais emocionante que o nascimento dele, andar ou mesmo falar a primeira palavra.

há coisa mais incrível e humana que se comunicar?

**

e pouco tempo depois dessa experiência intensa, leio esse lindo artigo (em inglês) sobre “as últimas vezes” dos nossos filhos. e chorei, chorei, porque é tão verdadeiro e a gente simplesmente não se dá conta.

ele fala sobre o quanto valorizamos as primeiras vezes (como essa minha história) e esquecemos das últimas vezes. por exemplo — quando será a última vez que o otto vai pedir para dormir na cama junto conosco? quando será a última vez que vai pedir “denguinho” (abraço apertado, no colo) pra mamãe e pro papai?

as crianças crescem, as fases mudam, e todos os dias deve haver uma “última vez” sem que a gente perceba. na ânsia da próxima novidade, do próximo “marco de desenvolvimento”, deixamos de viver este momento incrível e, aliás, único de fato existente, que é o presente.

o passado não existe, é só lembrança; o futuro é um sonho. mais, muito mais, vale a vivência de agora. seja num abraço, numa frase incompleta, no riso e no choro, no cansaço. o sono deste imediato instante é mais valioso que as tardes preguiçosas de anos atrás e que as férias no fim do ano.

e é verdade: para cada fase e momento que eu desejei ardentemente que acabasse há alguma coisa que eu sinto falta.

as primeiras frases, e a cabecinha com ideias

o otto entendeu o que é “amigo” (ou seja — alguém que ele gosta muito, ou coisa parecida), e agora repete os nomes dos amigos com frequência, como para relembrar. vira e mexe ele fala dos “amigos”: prego (pégo, o jardineiro), cáudia (a letti), maína (a marina da letti), obéito (roberto, marido da letti). é, ele ama a família toda 🙂

mas uma noite dessas ele estava deitado comigo, já no escuro, hora de dormir, depois de um dia intenso de brincadeira na casa de um amigo que tem 3 filhos: andré (8), julia (6) e helena (3). e começou o seguinte diálogo:

o: “amigo! andé… juila… quem maish?”

(eu em silêncio, não respondi. sou partidária de não dialogar depois de dar boa noite)

o: quase senta na cama, coloca o dedinho na têmpora e fala pra mim “pensha!!!”

derreti, claro, e apertei muito o menino 🙂

**

essa semana ele disse a primeira frase completa, olhando um desenho de barquinho de papel (que minha sogra faz pra ele sempre que encontra): “vovó malu… fez… po Otto!”

<3

**

e agora está se soltando mais com frases curtas, como “ábi pa mim” (a porta), “tomá banho” e a mais nova, no meio da noite ele acorda, chama o pai e fala “fálda. vazô.” (e quer que troque).

**

ninguém pode mais ficar sentado, agora, que ele pega pela mão e chama: “venhanta!” 🙂

**

como se a fofura geral da idade não fosse suficiente, ele agora só chama a tia paula de “paulinha”. assim, direitinho, o dia todo. “fêm, paulinha!”.

**

as coisas mais fofas que ele fala nessa idade acontecem na hora de dormir. temos uma rotina muito bem definida há muitos meses, que começa com o banho (que pulamos às vezes nos dias muito frios), pijama, escovar os dentes, beber água, ler o livro e deitar.

o pai inventou uma brincadeira com os livros disponíveis (são 2), ele chama as opções de cardápio, e agora ele se refere à hora da leitura como “ápio”. o pai lê o nome do livro e o nome dos 4 autores (franceses), e ele acha o máximo! repete do jeito que consegue, e morremos de rir com a pronúncia (muito boa, aliás) dos nomes franceses.

f: — otto, quantos autores tem esse livro?

o: — qáto!

f: “valeRRí vidô…”

o: vidô!

f: “… cateRRíne tessandiê…”

o: sandiê!

f: “láuRRe baliancuR…”

o: cuRrrrr!

f: e “guiléRme tRanói”

o: tanói!

e aí é o festival de folhear o livro procurando os bichos que ele prefere, e nomear e contar cada um. contar as histórias que é bom, já desisti. agora só invento alguma coisa em cima do desenho do livro, pelo tempo que ele permite que paremos em cada página.

porque, afinal, pra quê regras? saltitamos pelos bichos, rimos juntos dos nomes, brincadeiras e pronúncias até a hora de deitar e finalmente dormir.

é a hora mais deliciosa do meu dia, sem sombra de dúvida.