finalmente, o parto

bem, pra resumir, o parto foi um horror, completamente o inverso do que eu tinha sonhado e planejado.

vocês devem lembrar que decidimos fazer o parto numa maternidade em campinas, pois “casa de parto” só existe em são paulo (SUS) e parto domiciliar eu não queria, não me sentiria segura aqui no fim do mundo em vinhedo. achamos uma médica que privilegia o parto normal e topou seguir nosso plano: parto natural, intervenção mínima pra mim e pro bebê. na medida do possível, é claro, porque afinal estaríamos num hospital.

acontece que chegamos à 41a semana e 3 dias e nenhum sinal de dilatação. a médica então sugeriu que fizéssemos uma indução química, como é de praxe no SUS (e ela faz com frequência) caso o colo do útero esteja favorável. como era o meu caso, aplicamos a medicação no colo do útero no dia 26/ago às 15:30h e voltei pra casa. as contrações começaram às 18:30h, de 3 em 3 minutos, com duração de 30seg a 1min. fomos para a maternidade às 21h, e nada de dilatação. o bebê estava bem, então ela aplicou a medicação novamente (ainda dentro do plano) para ver se nas próximas 6h eu entrava em trabalho de parto.

nada mudou nas contrações, mas às 5 da manhã minha bolsa estourou e o líquido era verde escuro. as contrações estavam sem intervalo, e muito intensas. neste ponto, o batimento do bebê estava OK, mas quando a médica chegou ao hospital depois de 30min os batimentos dele começaram a cair, minha dilatação ainda era nenhuma, e decidimos fazer uma cesárea de emergência. esquema de emergência mesmo, tudo corrido, intenso e difícil.

o otto nasceu com apgar 1 (e recuperou para 7 no 5o minuto de vida), e foi direto para a UTI. o que significa na prática que ele podia ter morrido ou ter ficado com sequelas – houve pressionamento de cordão umbilical, impedindo o oxigênio de chegar ao bebê. foi assustador, e muito difícil. fui ver meu filho depois de mais de 12h do parto, e ele ficou na UTI por 8 dias.

a recuperação dele foi ótima, no fim ele ficou na UTI para garantir que não houve nenhuma sequela detectável nesta fase. todos os exames dele estão 100% e ele está ótimo. começou a mamar no peito já na UTI sem nenhuma dificuldade e se desenvolveu muito bem. ou seja: por agora, não há motivo pra preocupação, basta acompanhar o desenvolvimento dele normalmente.

mas sair do hospital sem ele foi difícil; ficar internada visitando meu bebê na UTI foi horrível; o medo de ele poder ter alguma sequela por conta do ocorrido foi um pesadelo. foi tão punk que eu me lembro de tudo como se fosse um filme, passado com outra pessoa.

e afinal, o que aconteceu neste parto? poderia ter sido diferente? talvez sim. poderíamos é claro ter feito uma cesárea na 40a semana, mas essa nunca foi nossa opção. poderíamos também ter esperado mais e não induzir o parto, mas essa opção não era confortável pra nossa médica. no fim, fizemos o que achamos correto, e não acho que fizemos nada errado. aconteceu porque aconteceu, e felizmente tivemos um final feliz.

tudo isso, enfim, pra me ensinar que planejar demais não serve pra nada. podemos planejar tudo nos mínimos detalhes e um evento mínimo pode mudar tudo.

fiquei triste e frustrada por não poder passar pela experiência de um parto natural, sim. como não vou engravidar de novo, já era. mas depois de tudo que passei, percebo que importante mesmo é o bebê estar bem e saudável, o resto é secundário. a frustração passou, e o otto está aqui com a gente 100%.

15 thoughts on “finalmente, o parto

  1. ô querida….

    minha pequena nasceu de cesárea porque ficou sentadinha e não quis saber de virar.

    eu também ia encarar o parto natural, mas enfim… e se não fosse a mira do doutor, ia ter sido com mais emoção: quando abriram eu quase não tinha mais líquido.

    mas nenem é tudo de bom, e Otto é um fofo!

    beijos

  2. Ai Zel, chorei. Doeu ver que sempre supomos que está tudo bem e que nem sempre as coisas saem como esperamos. Não te conheço pessoalmente mas pessoas ótimas como você não deviam sofrer, nunca.

    Saúde pra vocês.

    beijos

  3. otto e zel foram guerreiros e passaram juntos, já de início por uma intensa e difícil experiência que define o que será esta parceria por toda uma vida. Feliz pelo final feliz! Muito leite e amor nestas vidas!

  4. uau! que bom que deu tudo certo no final, mas foi realmente punk, hein? tb esperei até o fim da 40ª semana e nada. queria parto normal tb e não deu. não pretendo ter outro bebê… mas é difícil a hora H, né?

    acompanho os blogs e as fotos do Otto. Ele tá fofo demais e se parece muito com vc 9eu acho).

    Desejo sorte e muita tranquilidade para voc~es.

    beijos

  5. oi zel, acompanhei teu blog com muito prazer (o unico blog de gravidas bem escrito e sem frescuras que encontrei!! ) e fiquei na espera desse post durante tempos…

    estou com 39 semanas e venho me preparando para um parto humanizado… mas justo ontem me apareceram as malditas hemorroidas, o que pode tornar meu parto mais doloroso ainda…

    a vida nao é como planejamos, o importante é ter expecttivas, se organizar pra elas, mas se elas nao se cumprem… aceitar o que vem, sem sem deixar de priorizar o mais importante: vc e seu filho estão bem! parabens pelo blog.

    beijo, maria

  6. que bom que,apesar de tudo, deu certo e ele está 100%,é isto que interessa. Minha experiência também mostrou que planejar partos às vezes são palavras ao vento mesmo, quando nasceu minha filha tive 0 contrações,e a bolsa já vazando há dois dias.Planos por água abaixo.Fui saber o que eram contrações na segunda gravidez,e por azar,ao sofrer um aborto natural,e foi um horror.Enfim, planejei,e saiu tudo ao contrário que sonhei.Não há muito o que planejar nestas situações.Um beijo e saúde sempre para o bebê.

  7. É isso exatamente, Zel: o mais importante de tudo é esse garoto lindo estar com vocês e estar bem. É legal planejar, é necessário, mas é bom lembrar da margem do improvável. Lembrar a gente lembra, mas a vontade de poder ser como a gente quer acaba mesmo sendo maior. Sair tudo como se quer é também questão de sorte, sempre, ô dureza. E parabéns, vocês três fizeram um belo trabalho!

    Você tem é uma senhora história pra contar para ele (aposto que o Otto vai se divertir contando para os amiguinhos sobre o tal líquido verde).

    Espero que tudo continue assim super bem para vocês. Agora é viver essa experiência única mesmo de encantamento e diversão que é assistir de camarote uma pessoa se desenvolvendo. É apaixonante.

    Ai, deu saudade; tudo bem, quem sabe ainda tenho uns netos adiante, ohoh.

    Beijos para vocês

  8. Licença para um adendo: completa solidariedade à angústia que vocês passaram e torcendo para a sua completa recuperação física, emocional e tudo o mais, se bem que pela sua carinha naquela foto linda, parece que tudo já passou.

  9. obrigada pelas mensagens de solidariedade, meninas! foi difícil, mas passou e está tudo bem. acho legal compartilhar, pra que outras mulheres saibam que nem sempre as coisas saem do jeito que a gente planeja 🙂

  10. Oi Zel! Sabe que fiquei esperando você contar como tinha sido o parto, pois estava apreenssiva. Tive duas gravidezes (gravidezes?) e nas duas também aconteceu de estar com 42 semanas e nada acontecer. Da primeira vez preferi a cesárea, pois já não aguentava mais a barriga. Mas da segunda, meu parto foi no CAISM e passei por uma situação bem parecida com a sua. Porém, a Mari nasceu com ajuda do fórcepes e eu tive três cortes de epísio. Tudo por que o SUS indica o parto “normal” – por que o meu não foi! – acima de tudo. O importante é que a minha pequena também está bem, não teve nenhuma sequela, assim como o Otto. E assim como você, percebi que o mais importante de tudo é a saúde do bebê. Que bom que o Otto está bem e que vocês três estão felizes!

    Um beijo

    Fer

  11. Zel

    Lendo e relendo seus ultimos posts só podemos ter certeza de uma coisa: não temos mesmo controle sobre nada.

    Te admiro muito, admiro a força que você teve e tem e te desejo tudo de bom hoje e sempre.

    E muita saúde pra todos vocês!!!!

    Um beijo grande!!

  12. Pingback: em uma palavra: empatia | Fabricando

  13. Pingback: o 1o dia na escola |

  14. É, como diz a música do Capital Inicial “nem tudo é como vc quer, nem tudo pode ser perfeito…” e por esta razão, não gosto muito de planejar demais as coisas. Estou grávida pela primeira vez, tenho 28 anos e optei por um parto domiciliar, mas sempre que perguntam se será em casa, eu respondo que sim, se tudo der certo, caso haja alguma intercorrência o plano B, hospital, será posto em prática sem receios ou remorsos da parte minha e de meu companheiro. É claro que meu parto está planejado, mas no que precisa ser planejado mesmo, não em detalhes. Não sei em que posição vou parir e nem em que cômodo da casa será, não defini trilha sonora e nem o que vou querer comer, pois acredito que isso tudo só se definirá no momento, eu sei lá o que vou quer na hora! A única coisa que sei é quero que dê tudo certo, que tudo corra bem e caso haja problemas estou ciente de que não será por culpa minha, pois tudo o que pude e precisei, eu fiz para que as coisas dessem certo. Vivemos num mundo onde as pessoas não sabem mais lidar com imprevistos, querem estar no controle de tudo, mas isso é algo impossível! Devemos sempre nos preparar para o porvir e é justamente a falta de consciência de que não podemos controlar tudo, o fator que nos leva a frustrações. As coisas ocorrerão do jeito que tiverem que ocorrer.
    Fico feliz que seu bb esteja muito bem, pois é isso que realmente importa.

    Abraços.

  15. Pingback: a história da chupeta | fabricando

Leave a Reply