entre a cruz e a caldeirinha

eu sou uma gorda saudável, já aviso logo. sou gorda porque como muito, e não porque como bobagem. não sou de fritura, salgadinho, doces, bolacha nem entra em casa (doce ou salgada).

mas eu morro de comer arroz, feijão, macarrão e tudo mais que for comestível e não for melancia. adoro frutas, verduras, legumes, quase todos os tipos de carne e refeição sem salada não é refeição pra mim. pão, requeijão, leite, queijo, frutinha de manhã, eu sou um exemplo exagerado de recomendação de nutricionista. devo comer o dobro da quantidade necessária para o meu tamanho, hence the size.

só que a gravidez tá acabando com a minha vida: além de gorda, vou ficar insalubre. piolho-vampiro gosta de fritura e gordura. batata frita se tornou meu maior desejo de consumo, intercalado com torresmo, pastel e costelinha de porco frita. é, você leu direito, e obviamente essa criaturinha do capeta é filho/a do fer, com esse gosto tão trash.

(ou eu simplesmente abafava os desejos até hoje e estou encontrando uma desculpa pra mergulhar nas gorduras. não descarto essa possibilidade)

vou ali comer uma pera (sob protestos piolhais) e já volto.

matemática estranha

não é doido que quando dizem que estou de 9 semanas (como agora) significa na verdade que já entrei na 10a semana?

ando pensando sobre como dar a notícia pras pessoas, quando chegar a 12a semana. vai ser divertido: tem gente que vai ficar feliz, tem gente que vai ficar chocada, ou as duas coisas ao mesmo tempo. pensem que até uns 6 ou 7 anos atrás eu simplesmente não concebia a idéia de ter um filho. até 1 ano atrás a idéia era concebível mas ainda improvável. e somente há 6 meses começamos a levar a idéia a sério.

e quando acontece, fica irreal. acho que engravidar “no susto” é mais fácil, sabe. tem menos elucubração, punhetação mental. POF, foi! no nosso caso, foi tudo tão planejado e racionalizado que parece roteiro, script. esquisito.

mas mesmo com toda a racionalização, não consigo pensar no futuro concretamente: como vai ser o parto, como vão ser os primeiros meses, a escolinha, a faculdade (!! – ahahhahahaha). sou completamente aqui-e-agora. o máximo que consigo pensar é em contar pro povo.

por agora tenho somente enjôo ocasional e batidas de um segundo coração. um corpo crescendo dentro de outro corpo. não me canso de achar… estranho.