diário do otto: 2 anos e 3 meses

otto,

tem sido mais difícil pra mim escrever mês a mês, porque agora tudo se mistura e já não lembro mais direito exatamente o que pertence a este mês. você nos surpreende diariamente com tiradas engraçadas, frases cada vez mais complexas e ideias curiosas vindas 100% da sua cabecinha 😀

todo dia tenho coisinhas novas pra contar sobre você. desconfio que essa sua fase de criança deve ser uma das mais divertidas. essa semana você cismou que se fala OTTO-borogodó (e morre de rir quando repete isso). também conheceu um amigo da mamãe que se chama hugo, como seu monstrinho de pano preferido, e ficou muito espantado com o nome, e repetia com olhos arregalados “ele chama HUGO, mamãe!”.

e você fala tão direitinho que dá gosto. “abre a rede pra eu balançar, vovó?” e 30seg depois “abre pra mim, vovó!”. (mas o ÍBULON eu não consigo corrigir, porque é fofo demais <3).

na escola está tudo bem, você gosta muito de ir e pergunta das tias e dos amigos E AMIGAS (aparentemente você não gostou dessa história de gênero masculino ser neutro no coletivo), embora às vezes fique grudento na hora de eu ir embora. na maior parte das vezes você fica bem, e até fala “TRABALHA, mamãe!”, me mandando embora 🙂 e você foi mordido pela 1a (e 2a…) vez na escola, o que nos deixou muito chateados, mas passou.

uma coisa que nos deixa muito felizes é que você é um menino carinhoso, que gosta de beijar, abraçar e ficar juntinho. nós adoramos! e por mais que eu reclame de ter que fazer você dormir todo dia (1 hora, 1 hora e meia…) e dormir com você na cama com muita frequência, tenho certeza que vou sentir falta quando você ficar independente e dormir na sua caminha. é gostoso abraçar você ou mesmo me ajeitar quando você resolve dormir EM CIMA de mim. o contato físico é uma das coisas que mais tenho gostado dessa história toda de ser mãe.

no geral você é uma criança educada, tranquila, obediente e muito divertida. não é montagem minha nas fotos — você está sorrindo sempre, fazendo graça e conversando com a gente. uma delícia de menino, que nos faz muito felizes!

sua alimentação agora é praticamente igual à nossa, que no geral é mesmo muito saudável. comemos em casa durante a semana, comida toda preparada aqui mesmo. muitos legumes, verduras, frutas, carne vermelha e branca, queijos, ovos (muitos ovos!) e peixes. nos fins de semana saímos para almoçar geralmente no domingo, e você se diverte bastante. já aprendeu a pedir comida pro garçom e não se faz de rogado: “moço, qué papá! uma shalada e batata fita!”. juro, é isso que você sempre pede. de vez em quando pede também carninha  ou farofa.

o sono mudou — você dorme agora a noite toda, mas nem sempre na sua cama. cansamos do esquema de fazer você dormir na sua cama, fazemos dormir na nossa cama, levamos pra sua e quando você acorda vem dormir comigo. seu pai foi expulso pro quarto de hóspedes, coitado. esperamos que essa fase não dure muito, mas francamente aceitamos qualquer arranjo que nos deixe finalmente dormir depois de 2 anos insones…

uma coisa que nos chama bastante a atenção é como você desenvolveu bastante nesse último mês a percepção sobre o funcionamento das coisas. aprendeu a abrir e fechar torneira, a embalagem de pomada (e agora alcança o interruptor, SOCORRO). entende o funcionamento das torneiras de água quente e fria (e identifica pelas letras…), diferencia esquerda e direita, entre muitas outras coisas. dia desses você pegou o garfo e falou “mindinho, seu vizinho, pai de todos, fura-bolo… (pausa) ele não tem mata-piolho!” 🙂

essa semana você teve estomatite pela primeira vez, algumas aftas apareceram na boca e você reclamou que “a língua incomoda, mamãe!”. seu pediatra avisou que podia ser vírus, e hoje você empipocou… mas fora isso, sua saúde é de ferro! fora o nariz meio travado quando muda o tempo (herança dos seus pais alérgicos), tudo muito bem.

uma coisa linda que aconteceu esse mês é que você começou a pedir pra que eu conte histórias sobre as pessoas. começou pedindo “conta a história do tio weno e da tia mawá po otto dumí?” e eu contei, claro. conto do meu jeito, com foco nas coisas que você conhece e talvez lembre…

“era uma vez o tio weno e a tia mawá que viraram palhaços! eles chamam frederico e cremilda, e quando se conheceram se adoraram tanto tanto que começaram a namorar…”

e você faz perguntas, e repete partes da história, é uma graça. até que essa semana você pediu “mamãe, conta a história do papai, da mamãe e do otto?” e seu pai (e eu também, ok) ficou todo emocionado.

agora a mamãe conta a nossa história toda noite no escuro antes de dormir, pra que um dia você se pergunte de onde vêm essas lembranças de antes de nascer, e de tão pequeno… e vou te contar, já bem maior, que grande parte das nossas lembranças de infância são memórias re-construídas, por mamães tagarelas e inventivas como eu.

nossos dias têm sido deliciosos, cheios de conversas e surpresas, pequenas coisas boas acontecendo todos os dias. e muito cansativos também, não vou mentir. trabalhar o dia todo + educar e brincar com você é bastante coisa pra uma mamãe quarentona só.

aqui estão as muitas fotos que tenho de você com 2 anos e 3 meses. cada dia mais lindo, e ainda loirão! achamos que você vai ter o cabelo do seu tio kito, que é castanho claro e fica loiro quando cresce.

um beijo cheio de amor da sua “mamãe zel” (e do “papai fer” também :)).

diário do otto: 2 anos e 1+2 meses

otto,

bebê, esses 2 meses foram tão intensos e cheios de novidades que a mamãe não conseguiu escrever 2 posts, um para cada mês. tá tudo misturado e acumulado, como acho que será daqui pra diante.

você começou na escola, e contei aqui um pouco sobre seu primeiro dia. foi lindo e muito fofo, mas não durou. 10 dias depois, seu pai viajou a trabalho e você começou a dar trabalho para ficar na escola. ficou dengoso e muito grudento comigo, e reclamando de ir pra escola — “não góta da ecólinha!” virou seu mote. nos disseram que é normal, pois quando a novidade vira rotina, a maior parte das crianças já não quer mais mesmo ir. mas insistimos, e seu pai recomeçou sua adaptação… até que você pegou uma gripe e ficou bem caidinho. preferimos manter você em casa até melhorar, e foram mais 10 dias de molho (culminando com uma amigdalite bacteriana bem chata). e logo depois que você ficou doente a mamãe também adoeceu e precisou fazer uma cirurgia (retirada da vesícula), o que acabou causando mudanças e incômodos. mas 5 dias depois a mamãe estava ótima e tudo voltou ao normal — você voltou pra escola e a mamãe pro trabalho.

mas houve uma mudança enorme logo após sua gripe — você começou a dormir a noite toda, sem interrupção para mamar ou trocar fralda! graças ao seu nariz entupido, decidimos parar com o leite (que piora a secreção de muco) e ver o que acontecia, até porque você estava recusando leite quando percebia o que era. e funcionou! agora estamos tentando compensar o leite com queijo e iogurte, estamos progredindo.

você continua comendo bem, porém está numa fase muito chata de ser do contra pra tudo (inclusive pra comer), como contei nesse post. agora temos que deixar você fazer as coisas do seu jeito, ou não oferecer muitas opções, prs que você se sinta no controle da situação e decida sempre que possível. chega a ser muito engraçado, mas tem horas que realmente irrita, pois tudo demora mais e dá trabalho. mas vamos seguindo tentando rir e nos divertir com sua independência e ideiazinhas próprias.

seu vocabulário e articulação melhoraram muito! você continua falando pausadamente, e pensando bem antes de falar, mas cada vez melhor e mais certinho. você usa os tempos verbais corretamente na maior parte das vezes, os plurais, e entende bem alguns opostos (em cima/embaixo, quente/frio, fora/dentro, pesado/leve, etc.). já sabe os nomes de todos seus amiguinhos na escola, das professoras e volta falando sobre eles. “o que você fez hoje na escola, otto?” “brinquei com os amigos e as amigas!” 🙂

você agora é fã de gelatina e de pudim de pão, além das coisas que já gostava. ah, e sorvete de SOCOLÁTI também agrada sempre 🙂

agora vemos você mais comprido que gordinho, com os braços e pernas mais proporcionais, já se parece mesmo um menino e não um bebê. cada dia mais lindo, mais engraçado, interagindo com a gente, inventando brincadeiras (sua preferida atualmente é esconde-esconde, embora você só queira ser achado, e não se esconder :)) e falando coisas malucas da sua cabecinha. estamos amando essa fase, mais que todas as outras, e tenho certeza que teremos saudade dessa sua idade.

apesar de você estar se tornando um menino, e se comportar como um mini-adulto, ainda é meu bebê e dorme abraçadinho, pede colo e procura a mamãe quando está com medo, triste ou quer um beijo. é impossível não ficar besta de paixão e amar você mais e mais a cada dia.

por mais que seja difícil e chata essa sua fase de dizer não pra tudo e querer fazer tudo sozinho, é motivo também de muito orgulho e alegria perceber você entendendo que é um indivíduo e procurando seu espaço. tudo o que mais quero é que você seja um menino (e um adulto) feliz, independente, dono do seu nariz. que saiba que pode contar conosco sempre, mas que também saiba que queremos que você encontre seu caminho, sua forma de viver.

aqui tem fotos dos seus 25 meses, e aqui dos 26 meses. divirta-se, meu amor!

te amo muito, um beijo da mamãe.

das coisas todas

mais 4 dias e meu bebezinho faz 1 ano! mal consigo acreditar. em alguns momentos parece que os dias não passam, e tudo é cansativo e difícil, mas chega esse momento em que parece que voou (provavelmente porque as coisas ruins e difíceis ficam esquecidas, como convém à perpetuação da espécie :))

já são quase 6 meses de volta ao trabalho, o menino tá quase andando sozinho, creio que em breve vai começar a falar também, come feito um dragão e é constantemente feliz, sorridente e capeta. ou seja: tudo nos eixos. não fosse o desmame precoce e auto-imposto do menino e as doencinhas da estação, teria sido tudo perfeito.

a partir do primeiro aniversário vamos começar a alimentar o otto com a nossa comida, e pra isso eliminaremos o sal e reduziremos a quantidade de tempero. o sal cada um coloca no próprio prato (o que aqui entre nós eu achei bom, pois as meninas que trabalham aqui em casa carregam mais no sal e tempero do que eu gostaria). a vantagem é que nossa alimentação é bem balanceada e toda preparada em casa, sempre com legumes e verduras, carne, arroz e feijão, muitas frutas. comida simples e caseira, que é o melhor tipo.

bem, açúcar ele nunca comeu, e vamos continuar evitando. não quero ser absolutamente radical, porque acho que comida não é só combustível, é também ritual. não quero que o otto se sinta excluído quando todos estiverem comendo o bolo de aniversário dele, por exemplo, e ele não. vou evitar ao máximo o açúcar no dia a dia, mas quando o doce em questão for parte importante da refeição, se ele quiser vou deixar provar. refrigerante, só quando ele for bem maior, e ainda assim como exceção também. e se possível quero evitar que doces se tornem prêmio. odeio a idéia de comida como recompensa, ou associada com chantagem emocional (ai, meu filho, fiz esse pudim com tanto amor e você neeeeem ligou… eca!).

nossa rotina diária é muito bem estabelecida, e funciona bem: saio de segunda a sexta entre 7:30h e 8h, quando a babá chega, e volto às 17:30h, horário que ela vai embora. nos fins de semana costumo pedir ajuda à minha cunhada ou minha mãe, pra que eu tenha tempo de dormir umas horas a mais ou ir à manicure. mas no fim de semana, aproveito o máximo de tempo que tenho com o otto, e tem sido cada vez melhor. às vezes uma amiga ou minha mãe ficam com ele à noite pra gente poder jantar fora ou resolver algum assunto na rua, e ele fica super bem. o otto nunca chora quando eu ou o pai saímos, adora a babá, as avós e avôs, as tias. a partir dos 9 meses ele começou a estranhar pessoas que não conhece e ambientes estranhos e muito lotados (aí ele chora de dar pena, e se agarra na gente, tadinho). mas basta passar o tempo e acostumar, e ele volta a ser o bebê sorridente e sem vergonha de sempre, rindo pra todo mundo e brincando.

acho que o fato de termos sempre deixado ele ir pro colo de todo mundo ajudou a torná-lo sociável e amigável, mesmo sendo tão desconfiado como ele é (observa MUITO tudo ao redor, as pessoas, a comida, a roupa, os brinquedos. não pega nem come nada antes de olhar muito bem). estamos felizes em observar como ele é feliz e gosta de conhecer pessoas novas (mas não gosta, definitivamente, de gritos e bagunça).

o sono dele melhorou bastante, mas ainda está longe de ser uma maravilha. já não preciso mais ir pra bola de pilates niná-lo pra dormir, basta sentar no sofá com ele no colo e balançar de leve. ele costuma dormir sem muito drama em 10-20min. ainda não conseguimos fazê-lo dormir sozinho, mas confesso que não tentei a sério 🙂 tenho gostado de fazer ele dormir no colo, aproveitar pra mimá-lo e mantê-lo bem perto enquanto ele ainda cabe no colo e é bebê. sei que vou sentir falta disso no futuro, e aproveito ao máximo. ele acorda 2x para mamar depois de dormir (por volta de 19h), e chora 3 a 4 vezes (o fer vai lá, consola ele no berço mesmo, e ele dorme de novo). e nos últimos tempos, depois das 5h trazemos ele pra nossa cama, que assim ele dorme mais tempo (até umas 7h, às vezes).

ele ficou resfriado 2 vezes até hoje (nariz entupido), e teve otite/amidalite/conjuntivite neste último mês. os resfriados são chatos, porque o nariz entope e ele dorme muito mal, mas basta lavagem nasal com soro e paciência pra passar. as -ites foram realmente muito chatas, e decidimos tratar com antibiótico e colírio, porque 3 infecções simultâneas pra um adulto já são incômodas; pra um bebê, seria cruel demais esperar passar no dobro do tempo. mas se por um lado o remédio faz a infecção desaparecer rapidamente, por outro tem o custo no corpinho novo do bebê – o otto teve alergia ao veículo do remédio, empipocou todo. então além de -ites, ele teve reação ao remédio. mas foi 1 semana somente (que pareceu durar uma vida), e passou. o primeiro ataque de vírus e bactéria que o corpinho dele sofreu, que dó!

e mesmo doente o menino sorria, brincava e até comia (nos dias ruins só mamava e comia pedaços de fruta). e deu seus 2 primeiros passos no meio da crise de -ites!

enfim, ainda vou escrever o post de diário do otto no fim de semana que vem, mas queria registrar aqui pras amigas mães ou futuras mães que há esperança. é difícil no começo, a gente fica exausta e desesperada, parece que nunca vai melhorar, mas melhora e fica cada vez mais divertido e gostoso.

respirem, se acalmem e relaxem, que no fim tudo dá certo 🙂

(sempre procurando rir dos obstáculos, inevitáveis. bom humor é essencial)

diário do otto: 10 meses

otto,

10 meses, já! meu deus, nem parece que já passou tanto tempo. não temos saudade nenhuma dos primeiros meses, não me entenda mal. mas é que, diferente do que eu pensava enquanto acontecia, passou rápido mesmo. você está um mocinho lindo 🙂

esse mês você teve resfriado, e foi uma chatice sem fim. nada de mais, além de nariz um pouco entupido, mas você além de não saber dormir sozinho também não sabe assoar o nariz e nem respirar pela boca, ou seja: cada vez que o nariz entope você acorda, chora e não consegue dormir sozinho. foram 2 semanas de suplício pra nós e pra você. pra ajudar, fazemos uma “lavagem nasal” que você AMA (not), inalação pra ajudar (você adora, e dorme agarrado no inalador) e muita cebola crua e cortada no quarto (que ajuda a desentupir o nariz). seu quarto fica parecendo um saco de cebolitos, mas pelo menos você se sente melhor.

você continua andando com a nossa ajuda, cada vez mais firme e mais cheio de vontade. sua diversão preferida é derrubar os livros da estante (há uma especial predileção pelo livro do alan moore, “a voz do fogo”), e mordê-los de vez em quando. ainda nas preferências novas, você estabeleceu uma relação interessante com um brinquedo que seu avô me deu antes de você nascer, o sapo cantor. é um sapo que canta e dança uma música dos anos 50, e pelo qual você parece ter amor e ódio ao mesmo tempo. você nos faz “andar” com você até o quarto (onde ele fica), e quando está na frente dele, ensaia  uma dancinha muito engraçada, que é a deixa para ligá-lo. ele canta e dança, e você fica hipnotizado, às vezes sorrindo. e quando acaba, normalmente você dá um tapão nele, chuta ou morde a cabeça. tudo muito delicado e doce.

aliás, você é um troglodita-bebê, saiba. adora chutar, morder, dar tapões e acha o máximo derrubar as coisas. morre de rir das brincadeiras mais toscas e agitadas, uma graça. inclusive uma das suas demonstrações de carinho mais divertidas é dar cabeçadas nas pessoas (juro). uma doçura 🙂

ah, mas você também aprendeu a “beijar”: abre o bocão na bochecha da gente, babando tudo e fazendo barulho “uá-uá-uá”. desconfio inclusive que você gosta é do barulho, e não do beijo 🙂 ensinamos pra você a fazer barulho de índio, batendo a mão na boca e a fazer BRRRR com os dedos nos lábios, e você acha o máximo. nesse mês aliás você começou a pegar nossa mão e puxar, pra fazer o que você quer: barulho de índio, BRRR, bater palmas ou apertar o botão de um brinquedo.

você continua não engatinhando, só se arrasta parecendo uma minhoca, mas está bem firme de pé, andando loucamente, mas ainda com a nossa ajuda. acho que falta você a aprender a sentar pra ficar de pezinho… vamos esperar e ver!

bom, na parte de alimentação você continua comendo até o pé da mesa. arroz, caldo de feijão, tudo que é legume e fruta, duas refeições enormes por dia, mais o leite, mais frutas, ufa! e tem, é claro, aquele cocô MARAVILHOSO de quem começou a comer couve e brócolis 😀

seu sono ainda está irregular à noite, mas cada vez melhorando mais. você cresceu e ganhou peso acima da curva, está um meninão enorme e lindo! *piu piu*

eu acho você lindo, claro, como é de se esperar de qualquer mãe babona. mas tem uma coisa em você que acho bem parecida comigo, e que faz com que as pessoas gostem de você e te achem mais lindo do que você é: o sorrisão, a felicidade que faz você brilhar. você puxou da mamãe esse o bom humor frequente… e os momentos de mau humor bem desagradáveis (sorte que são poucos :D)

do seu pai você puxou o tamanho, o olhar intenso, direto e sério e o carinho. você é um bebê muito carinhoso, beijoqueiro e querido. continue sempre assim, meu amor!

beijão da mamãe.

PS: as fotos do seu décimo mês estão aqui. divirta-se!

diário do otto: 9 meses

otto,

já estou ficando sem novas expressões pra contar como cada mês traz uma nova dificuldade, sabe? 🙂 até entendo quem diz que “melhora com o tempo”, mas a verdade é que cuidar de bebês é difícil. vocês não falam, e a gente tem que fazer das tripas coração pra entender o que fazer pra ajudar vocês a serem mais felizes!

esse mês você teve sua primeira doença, a roséola, e nos matou de preocupação. olhando friamente, não havia motivo para pânico, mas a gente é inexperiente, meu filho. somos dois marmanjos de quase quarenta anos e não sabemos nada de como funcionam os bebês, uma lástima. então ficamos apavorados, procurando informações sobre o que você poderia ter. todos os médicos que consultamos em 3 dias (3, veja bem…) disseram a mesma coisa: paciência, deixe a febre evoluir e os novos sintomas aparecerem. e assim foi: 3 dias de febre e falta de apetite e depois as bolinhas, pra nosso alívio. agora vamos tentar ser menos desesperados em outras oportunidades, porque já fomos avisados que crianças adoecem bastante nestes primeiros 5 anos de vida. aiai!

bom, fora isso, você continua comendo feito um ogrinho, gosta de tudo que a gente oferece (mas prefere carne, pera e caqui). e foi no dia em que completou 9 meses que você praticamente disse NÃO pro peito 🙁 você ainda não fala, mas aprendeu a fazer BRRR com a boca pra tudo que não quer. vale pra comida, bebida e tudo o mais (sentar/deitar), e agora vale pro peito também.

estava tentando manter a rotina de amamentação 2x por dia, até quando você quisesse (eu esperava que fosse até pelo menos 1 ano), mas depois de semanas levando mordidas frequentes no peito e agora com o BRR, acho que acabou essa fase mesmo. estou racionalmente convencida que você não quer mais mamar no peito, e não estou exatamente sofrendo, mas a verdade é que continuo tentando (inutilmente, você morde e ri, e faz BRRR). provavelmente vou desistir de vez a partir dessa semana, pois farei minha primeira viagem de trabalho (3 dias, 4 noites) e aí acabou a teta mesmo. foi bom enquanto durou, e vou lembrar sempre da sua carinha linda e feliz mamando na teta (pelo menos até o sétimo mês…).

esse mês você começou a fazer algumas coisas novas: bater palminha (primeiro quando cantávamos parabéns, depois pra qualquer coisa :D), dar tchau (mas você parou depois que aprendeu a bater palmas, e as palmas servem também pra dar tchau!) e chacoalhar o corpinho de um jeito muito engraçado quando quer andar pela casa com a nossa ajuda. você empurra a barriguinha pra frente e pra trás, e parece uma minhoca louca, hahahaha!

você continua sem muito interesse em engatinhar, mas se joga no chão e fica “nadando no seco”, sem conseguir se mexer a não ser rolando. você rola muito bem pra lá e pra cá, mas não apóia o peso nos joelhos ainda. em compensação, você ADORA ficar de pé e andar pela casa com a  nossa ajuda segurando suas mãozinhas. aliás, você não anda, corre. e chuta tudo o que vê pela frente, principalmente bolas. você ama brincar de bola, e já chuta desde que conseguiu ficar de pé, é incrível.

outra coisa curiosa: você cortou o cabelo pela terceira vez desde que nasceu (cortamos aos 4 meses, 6 e agora com 8), porque seu cabelo é muito bagunçado, cresce lateralmente e fica parecendo o ravengar. quando você era menor era pior ainda – o cabelo era bagunçado, ralo, esquisito, afe. agora tá lindo, com o cabelo cheinho e arrumado.

você continua “falando” bastante, seu repertório agora inclui consoantes novas: mé, mã, nã (além do tzi, dái e bói). morro de curiosidade pra ver como vai ser você falando! seus dentinhos estão de vento em popa, já são 7 e creio que os 2 caninos vem vindo aí. parece um tubarãozinho assassino, morde nossa bochecha, o ombro e tudo o mais que vê pela frente.

seu sono continua difícil, embora tenha melhorado depois da mamadeira noturna. nos dias de febre foi um horror, acordando de hora em hora. mas tenho fé que você está amadurecendo e aprendendo, aos poucos, a dormir.

outra novidade iniciada aos 9 meses exatos foi começar a estranhar as pessoas e se agarrar em nós. nunca tinha acontecido, e de repente você fecha a cara e até chora quando alguém estranho chega muito perto ou tenta interagir com você. que mecanismo de defesa será esse dos bebês, me pergunto. muito curioso.

estamos cansados, confesso. mas você é um menino tão bem-humorado, lindo e sorridente que é difícil ficar brava com você mesmo quando tem chororô e manha. você acorda sorrindo e brincando, está sempre alegre e de bom humor, é uma felicidade estar junto de você. mesmo quando temos vontade de chamar a mamãe-saruê, ainda amamos você mais que tudo no mundo.

mais um mês pela frente, menino. que seja assim, cada vez melhor!

beijo da mamãe.

(veja aqui suas fotos com 9 meses)

a primeira doença

o otto já tinha tido febre (38.5) quando tomou a primeira dose da hexa, com 2 meses, teve também um pouco de catarro (pouco mesmo, não chegou a tampar o nariz nem nada) aos 4 meses, depois de algumas horas de viagem de carro com ar-condicionado ligado, e tomou label aos 2 meses por causa de suspeita de refluxo (melhorou, inclusive). mas doença tipo virose, essa foi a primeira e descobrimos o quanto é ruim ter um bebê doente em casa.

tudo começou com uma febre baixa na sexta-feira que se transformou numa febre de 38.5-39.5 que durou 3 dias inteiros, sem trégua. segundo nossa amiga pediatra, febre de 38.5 é baixa, mas os pais frescos aqui não conseguem ficar tão tranquilos assim, e obviamente apavoramos, fomos pro PS, procuramos outro pediatra (porque o dele não atendeu telefone e nem retornou, falo disso no fim do post).

prefiro sempre não medicar, especialmente se a febre não passar de 38, 38.5, mas ele estava incomodado demais, e ficamos preocupados à noite (e se a febre subir muito e não percebermos?). usamos tylenol, que se mostrou ineficaz para a febre, e a cada 2 ou 3 horas a febre voltava. alternamos com alivium (que foi melhor), e também adotamos de dia o banho morno, e à noite recorremos aos “paninhos úmidos na testa”, aquela coisa de filme. e somente febre, nenhum sintoma.

no final do terceiro dia a febre desapareceu milagrosamente. no quarto dia, o sintoma que faltava para o diagnóstico apareceu: ele encheu de bolinhas, tipo brotoejas (que somem quando pressionamos a pele). ou seja – roséola, doença típica da idade (ele completa 9 meses amanhã), na sua manifestação mais típica. são 3 dias de febre persistente, com bolinhas no quarto dia (que podem durar de 2 a 3 dias) e muita irritação do bebê.

foi muito, muito chato, estressante e preocupante. acho que vai demorar ainda um pouco pra ficarmos mais tranquilos quando ele tiver essas doenças da infância, gripes e etc. mas aprendemos um pouco sobre algumas coisas, e vou aproveitar para compartilhar o que nos foi ensinado pelos médicos que nos apoiaram nestes dias:

– febre é bom, a febre é nossa amiga 🙂 aprendemos que subir a temperatura do corpo é a forma que temos de impedir os vírus/bactérias de se multiplicarem e proliferarem. a recomendação de todos os médicos que consultamos foi a mesma: se a criança não estiver desconfortável (não mudar muito de comportamento), deixe a febre agir;

– quando a febre é preocupante? quando afeta a criança, quando ela fica muito “largada” ou, ao contrário, quando chora muito e reclama. essa é a hora de medicar. se ao medicar a criança volta rapidamente ao normal (ou quase, diante das circustâncias), é porque tudo está bem. quando a criança mesmo medicada ainda continua mal, é hora de se preocupar e procurar ajuda;

– febre que vem juntamente com lesões de pele é motivo para procurar o médico;

– caso seja preciso medicar – sempre sob orientação do pediatra! – , tylenol é a melhor opção para dor (ele é pouco eficaz para febre); alivium é antitérmico mas é também antiinflamatório, e por isso não deve ser usado quando ainda não se sabe a origem da febre (ele pode mascarar outros sintomas); dipirona é o mais eficiente para febre, consulte o pediatra sobre essa possibilidade;

– a tal convulsão febril acontece raramente. leia um interessante relato de médico aqui;

– precisamos encarar a febre, e essas doenças comuns na infância, com mais tranquilidade, pois elas são muito frequentes até os 4-6 anos. essa parte a gente aprendeu só na teoria, porque na prática dá um pavor danado, ai credo!

**

bom, e o pediatra, né. as consultas dele são excelentes, nós adoramos o estilo e confiamos na opinião profissional dele. seria perfeito, se atendesse telefone ou se pelo menos retornasse ligações. já é a terceira ou quarta vez que ligamos para tirar dúvidas e pedir orientação e ele não atende e nem retorna. ou seja: vamos mudar. acho que pediatra tem que orientar por telefone, sim, faz parte da profissão. então, vamos ao próximo!