mudar é preciso

e não temos (muito) medo de mudar. então lá vem outra…

mas antes, um pouco de contexto: pra quem me acompanha desde o começo, sabe que a escolha da escola do Otto foi um processo — a gente pesquisou, pensou, avaliou, e acabamos decidindo pela pedagogia Waldorf. os principais motivos foram (1) alimentação orgânica / natural (não servem nada industrializado nem com açúcar, os lanches são todos fruta, castanha ou cereal); (2) contato com a natureza (quintal grande, atividades direto na terra e com plantas); (3) acolhimento da criança sem o ambiente “escolar”, o grande foco é no brincar — não existe AULA, mas atividades lúdicas direcionadas, procurando imitar o ambiente familiar com a professora fazendo as vezes de “mãe” arquetípica.

nos encantamos tanto com a pedagogia que nos dispusemos, junto com outras 7 famílias, a criar uma associação Waldorf para nossas crianças, gerenciada por nós, o Espaço Livre EcoAra. a gestão associativa, com total participação dos pais e professores, é a base da pedagogia, e é uma experiência muito profunda. participar de forma ativa da criação e gestão do espaço no qual nossos filhos vivenciam os primeiros anos escolares é transformador. desde a valorização do trabalho que exige a criação e manutenção de uma escola até o senso de pertencimento e envolvimento, toda a vivência nos torna pessoas mais atentas, melhores, mais dedicadas. além disso tudo, ainda é possível conhecer pessoas do bem — mesmo com os inúmeros conflitos que são inevitáveis ao convívio em grupo, a gente percebe que ninguém erra por maldade, mas porque fazer coisas em grupo é complexo, e o ser humano é difícil.

foram 2 anos muito importantes pra nós, e estou certa que foram também pro Otto. sempre achamos que a pedagogia Waldorf seria muito boa pra ele até os 6 ou 7 anos, quando ainda não iniciam as atividades de alfabetização.

**

ainda assim decidimos abandonar a pedagogia Waldorf para o Otto antes de completados os 7 anos. continuamos voluntários da associação, do Espaço EcoAra, e faremos tudo que for possível para que eles se mantenham e continuem esse projeto tão bonito.

o nosso motivo é basicamente um: quanto mais tivemos contato com a antroposofia, menos gostamos dela. fiz várias tentativas de ler textos, “artigos” e também alguns livros, e a cada tentativa minha frustração e incômodo se intensificavam. esta filosofia se diz científica, e tem um discurso pseudo científico que chega a enganar quem quer ser enganado, mas para quem realmente gosta de ciência e entende o método científico, não dá. eles acreditam em karma, alma, reencarnação, além de jesus como filho de deus, santos, anjos e mais uma lista enorme de coisas absolutamente fictícias (desculpa, pessoal crente. é ficção, até que seja provado). é uma mistura sem fim de dogmas e crenças, porém muito disfarçados de ciência, o que me incomodou ainda mais.

steiner é arcaico. pode ter sido uma figura importante e brilhante no seu tempo, mas ficou ultrapassado em vários sentidos, e não vejo na filosofia uma abertura à diversidade real, ao debate, o incentivo ao pensamento científico. as diretrizes da pedagogia, por exemplo, são extremamente rígidas e o espaço para o debate não existe. os princípios da pedagogia Waldorf têm 1 século e jamais foram revistos, atualizados, modernizados à luz de tantas vertentes pedagógicas novas — como pode? Steiner podia ser um homem inteligente, mas a humanidade continuou a evoluir, e a pedagogia está parada no tempo, cristalizada, obedecendo aos princípios que ele postulou.

não nos sentimos incluídos, nossas dúvidas (colocadas para várias pessoas “seguidoras” da antroposofia) jamais foram acolhidas, muito pelo contrário — nos sentimos mal por questionar, e isso nunca é bom para pessoas como nós, que acreditam que perguntas e questionamentos são a base da evolução, da ciência, do desenvolvimento. como submeter nosso filho a uma pedagogia que se baseia em princípios que sabemos ser fictícios? qual será o espaço que ele terá, depois dos 7 primeiros anos de brincar, para questionar e discordar?

tenho certeza que alguém do meio antroposófico vai dizer que nossa experiência não representa o todo, que a antroposofia é baseada na liberdade do indivíduo, mas não se engane: não é. o indivíduo que refuta a existência de deus e do espírito não tem espaço na antroposofia. concluímos, com certo pesar, que a antroposofia, a pedagogia Waldorf e todos os que de alguma forma entraram em conflito conosco a esse respeito não estavam errados — eles estão alinhados entre si, e coerentes. nós é que precisávamos mudar (ou aceitamos, ou saímos), e a decisão foi tomada. talvez existam educadores brilhantes o suficiente na pedagogia Waldorf que tenham condições de lidar com a diversidade de pensamento, e a clareza de admitir que a antroposofia é mais uma vertente espiritual, sem impor isso a seus alunos de forma indireta e subliminar (o que pra mim é pior do que uma escola declaradamente católica, por exemplo, ou judia). mas não vou confiar a educação científica* do meu filho a professores que (frequentemente) são parte da ficção espiritual de forma tão engajada.

(*) uma pausa para esse assunto: não temos nada contra crenças individuais (tudo contra religião. mas esse é assunto pra outro post) e fé seja no que for. mas estamos convictos que fé e crença devem ser ensinadas SOMENTE dentro do contexto familiar. à escola cabe o ensino das normas, do convívio, dos princípios da vida em sociedade, da ciência. não quero nenhum professor repassando ao meu filho suas crenças em seres imaginários, em especial quando isso é feito de forma indireta e muito frequentemente inconsciente.

mas voltando: depois da exposição às crenças antroposóficas / Waldorf, não ficamos felizes com as possibilidades do ensino neste método a partir dos 7 anos. até os 6 anos seria tudo ótimo, pois eles basicamente brincam e interagem entre si através das atividades dirigidas de artes, música, brincadeiras. poderíamos deixá-lo na Waldorf até os 6 anos pelo menos, mas aí entra uma característica do Otto: ele é um menino introvertido, que demora muito a se familiarizar com as pessoas e ambientes. após 4 anos na Waldorf com a mesma turma, ele seria transicionado para uma escola comum, no sistema de ensino tradicional (o que por si já seria um choque) e além de tudo começando a alfabetização, que é também uma mudança importante.

para evitar um choque tão abrupto, decidimos mudá-lo de escola neste ano, e deixá-lo se adaptar ainda no jardim, antes de iniciar a alfabetização.

**

bom, não foi fácil a decisão. o sistema tradicional de ensino exige da criança uma maturidade que ela nem sempre tem, e isso é doído. o otto por exemplo tem interesse pelas letras e números, formas geométricas, já sabia desde 2 anos, então essa parte não nos preocupa. mas ele não é uma criança independente e extrovertida — não se veste sozinho, nem escova os dentes (direito, né. de qualquer jeito ele faz), lava as mãos, cuida das próprias coisas. muito dessa dependência é culpa nossa, claro, porque temos preguiça de deixar ele fazer (demora; tem que refazer) e fazemos por ele. agora ele está sendo pressionado a ter uma independência que não tem ainda, e confesso que tem sido difícil pra mim (talvez mais que pra ele).

ele agora vai para uma escola de curriculum internacional, em inglês, das 7:20 às 15:15h. almoça e toma lanche na escola, convive com crianças de várias nacionalidades, tudo em inglês e português. há alguns meses ele começou a se interessar muito pelo inglês por causa do desenho dora aventureira, então quando decidimos por esta escola ele ficou super feliz.

ele começou há 1 semana, e não precisamos buscá-lo mais cedo nenhum dia (ou seja, ficou sem chorar e sem reclamar muito), está comendo bem e quando perguntamos sobre a escola ele diz que está gostando. tem chegado feliz, dorme bem, está no geral ótimo, o que nos surpreendeu muito, pra ser sincera. achamos que a mudança seria sentida, que choraria, reclamaria, e ele está lidando muito melhor do que nós 🙂

fizemos nossa 1a reunião com as professoras no final da 1a semana, e elas disseram que ele está bem, não estranhou, mas notaram a falta de independência dele comparado às outras crianças. a culpa é toda nossa, e agora precisamos ajudá-lo a ser mais independente para se adaptar melhor. aparentemente ser tudo em inglês não incomodou ele de forma alguma — não reclamou, e uma das professoras comentou que ele “fala inglês” (rimos muito; ele se vira bem, aparentemente). vamos ver como segue. na 1a segunda-feira depois da 1a semana de aula ele chorou quando percebeu que ia pra escola — queria ficar mais em casa (eu também. nós todos também. como dar essa notícia pra ele?)

**

assim como foi no começo, quando ele foi à escola pela 1a vez, percebo o quanto a tarefa de fabricar humanos é difícil e muitas vezes dolorida — todas as feridas, esquecidas há tanto tempo, abrem e voltam com força total. nestes dias de ansiedade e apreensão por ele, sinto falta da minha mãe. revivo memórias construídas (sempre amei a escola, mas como será que era levantar de manhã e sair de casa? nunca foi fácil na vida adulta, deve ter sido difícil quanto pequena também), tento ser pra ele uma mãe tão presente e carinhosa nessa hora da partida do ninho quanto minha mãe o foi (ser acordada pela minha mãe e tomar café da manhã é das lembranças mais lindas que tenho da infância). eu o acordo com todo carinho, visto sua roupa (ainda não consigo deixá-lo vestir, porque teria que acordar MUITO mais cedo), sento para tomar café da manhã junto. na volta, pergunto da escola, e tento mostrar que é um lugar (e uma experiência) super legal. ele nunca fala muito, mas diz que gosta, e eu tento acreditar.

anseio pelo dia em que ele faça amigos, e se interesse também pelo mundo dos outros, não somente o nosso, da nossa casa e nossa família. quero que ele navegue, tenha coragem, e sinta felicidade também em partir, não só em retornar.

enquanto isso, meu coração de mãe cabe num dedal.

</3

a experiência antropológica mais completa

A Maria, nossa mais que querida funcionária que é mãe-avó-amiga-babá-etc. agora está com um problema pra sair com o Otto e passear no condomínio: ele só quer andar pelado. No meio do passeio ele decreta “tou com calor, vou tirar a roupa!”

Com muito custo ela convence o menino a pelo menos vestir uma cuequinha (ele cedeu sob protestos, parece), e ele anda de cueca pelo condomínio.

Pra além da graça toda da situação, e o fato dela agora chamar o menino de “curumim” , fiquei pensando no quanto a nudez é tabu. Ele e nós andamos sem roupa na casa com frequência. Eu inclusive ando sem roupa até quando temos visitas (evito quando tem homens, por pura convenção social), não tenho vergonha nenhuma.

Quando adultos, respeitamos as convenções sociais sem nem prestar atenção. Quando criamos uma criança, nós confrontamos com algumas regras que, pensando bem, não fazem sentido algum.

Pra que usar tanta roupa no verão? Por que não podemos andar pelados quando a roupa não serve para proteger? Por que tanto incômodo sobre o que vão pensar sobre nossos corpos?

**

E percebo, encantada, que minha maior expectativa em relação a ser mãe se cumpriu: é a melhor experiência antropológica que pode haver.

rasgando livros e corações

estávamos lendo o livro fofo da coruja com o otto (“um tanto perdida”) antes de dormir, e na empolgação de passar a página (a história é cheia de surpresas) ele arrancou um pedaço dela fora, meia página! <o> (mesmo a gente tendo avisado mil vezes, antecipando o ocorrido). minha reação foi espontânea e tão de choque com o livro rasgado (como é impactante rasgar livro, não? que coisa!) que mesmo eu não tendo gritado e nem brigado com ele o menino ficou paralisado, coitado, olhando, mexendo na página rasgada com aquela cara de “OPS!”.

“dá pra consertar, mamãe?” — “dá sim, mas nunca vai ficar igual, meu amor”.

continuamos a história, mas ficamos todos meio chateados. acabou, guardou, vamos dormir, beijos, abraços, etc. a gente sempre dá a opção de escolher quem fica com ele para dormir, e surpreendentemente hoje ele escolheu o Fer (ele SEMPRE quer que eu fique, é um grude comigo nessa hora), e ficou repetindo “você me desculpa, papai?”, com aquela carinha de quem fez bobagem.

AI, GENTE. destruiu nosso coração. a gente não brigou com ele, nem gritou, nem NADA, mas não precisa fazer nada disso pra criança perceber que algo errado aconteceu, e tentar consertar. e convenhamos, é só um livro né?

o que reforça pra mim 2 coisas:

1) nenhuma criança precisa apanhar. a gente consegue transmitir a mensagem, eles entendem TUDO!

2) é preciso todo cuidado, amor e respeito do mundo ao lidar com crianças. elas sentem demais a nossa decepção, raiva, medo, apreensão, tensão, etc.

o Fer ficou lá, e eu vim aqui terminar um trabalho pra ver se meu coração cresce e fica do tamanho normal de novo, que agora ele está do tamanho de uma uva passa.

criação com apego

Com algumas diferenças, essa foi a opção que fizemos aqui na forma de criar o Otto. Ele sempre odiou sling, então ficava muito no colo. Sempre pegamos no colo quando chorava, nunca deixamos chorando. Mamava quando queria. Dorme na nossa cama até agora. Sempre escutamos o que ele quer, e negociamos o que fazer e não fazer os 3, ele não é menos considerado por ter 3 anos.

E não, ele não pode fazer tudo o que quer. Aqui adotamos o castigo (sentamos junto com ele pra pensar e conversar sobre o que aconteceu). Quando ele não é legal conosco ou com outras pessoas, procuramos fazer com que haja consequências que ele entenda. Tiramos coisas que ele gosta, por exemplo. Pedimos que ele diga obrigado e por favor, aqui, porque é assim que o tratamos e queremos tratamento igual da parte dele. Não gritamos com ele e não deixamos que ele grite conosco.

E por enquanto estamos contentes com o resultado. Alguns dias são mais difíceis que outros, mas no geral o comportamento dele é bem alinhado com o nosso, a convivência com as outras pessoas também é boa e tranquila. As pessoas elogiam o comportamento dele, que é uma criança bem querida.

Cada família tem uma dinâmica, não acho que exista forma “certa” de educar. Importante é ter mais gente feliz, confiante e boa com seus semelhantes neste mundo. Essa é a nossa meta pra ele, e esse caminho eu acho que leva pra lá 🙂

gênio pra quê?

Pensei tanto nessa notícia — a primeira reação é achar incrível, UAU, que máximo. Mas logo depois pensei: e quando essa criança brinca e socializa? Qual a vantagem de ler tantos livros e não dividir com ninguém? Pra quê contar até 200?

Li em algum lugar a respeito de crianças-gênio que chegam à vida adulta e se tornam simplesmente adultos acima da média, e não transformaram sua capacidade excepcional em nada significativo. E pior — tem problemas sociais.

Por que valorizamos tanto estes marcos e métricas individuais (ler, contar, quantos livros) e tão pouco as habilidades sociais e criativas?

como educar para o NÃO consumo

essa é a pergunta de um milhão de dólares, e para a qual (desculpem) não tenho a resposta. mas tenho minhas reflexões e algumas práticas/fé para compartilhar.

eu consumo muito mais do que devo (ou posso, às vezes) e preciso. acumulo roupas, sapatos, bugigangas, móveis e enfeites, jogos, músicas, filmes, livros. não me engano com o discurso de que algumas coisas são “acervo”. são bens de consumo, são supérfluos, não preciso de 90% do que possuo. mas gosto de consumir, de ter, acumular.

(e não sou, nem de longe, a pessoa mais consumista e apegada que conheço!)

cada vez que faço faxinas na casa me dou conta do quanto eu compro. cada vez que junto o lixo reciclável me assusto com o volume de embalagens que estou descartando. pra que tanta coisa, pra que tanta embalagem?

e sendo assim, consumista, como criar meu filho para ser menos consumista e deixar de querer TER tudo, comprar coisas? é possível na nossa sociedade criar um ser humano que não seja consumista, que seja minimamente blindado contra a propaganda, o apelo de comprar?

**

para entender melhor a questão do consumismo e iniciativas de proibir ou pelo menos controlar melhor as propagandas dirigidas para o público infantil, conheçam o movimento infância livre de consumismo.

**

acompanho este movimento desde seu nascimento, acho propaganda dirigida a crianças uma coisa execrável, mas sempre fui contrária à intervenção do estado nesta questão. minha lógica é a seguinte: propaganda precisa de veículo, e quem dá acesso a ele são os pais/responsáveis. eliminando o veículo, acaba a influência, certo?

mais ou menos (e por isso cada vez mais acho que seria sim benéfico o estado controlar este tipo de ação de marketing), porque quando a criança é muito pequena é simples “blindá-la”, basta evitar canais de TV e locais de consumo de produtos infantis (parques de diversão, shopping, etc.). conforme a criança cresce e começa a conviver com o restante do mundo fora da sua própria casa, o bombardeio é constante e muito forte. outdoor, folheto, gibi, amiguinhos, familiares, novamente a TV, etc etc etc. quando paramos para prestar atenção a esse assunto, percebemos que somos regidos pelo consumo, o tempo todo. tudo ao nosso redor grita COMPRE COMPRE COMPRE.

nós já estamos embebidos nessa realidade, amortecidos, não percebemos mais (e compramos, compramos, compramos). quando chega um novo humano no mundo e começamos a prestar atenção a esse assunto, é assustador. e avassalador também, é quase impossível evitar a imersão nessa cultura. afinal, precisamos comprar para viver.

precisamos mesmo? é essa pergunta que me faço, e sem entrar em nenhuma onda hippie, que não é meu estilo. não tenho intenção de viver sem dinheiro ou sem comprar. mas venho pouco a pouco (últimos 15 anos) tentando reduzir meu nível de consumo. considerando que meu salário aumentou consideravelmente nestes 15 anos e que continuo gastando praticamente tudo que ganho, fica claro que minha tentativa não é exatamente um sucesso. mas analisando meus gastos, vejo que consumo muito em comida, habitação e… viagens. ou seja — como bem, moro bem e viajo muito, e é aí que vai a maior parte do meu dinheiro (consegui guardar também, pra morar ainda melhor!). já não gasto mais tanto dinheiro em roupas e artigos de luxo pra uso pessoal; mas ainda gasto bastante com transporte (2 bons carros, que nos levam da nossa boa casa pros bons lugares que gostamos de ir) e muito com eletrodomésticos, por exemplo, que poderia reduzir. pouco a pouco, vamos analisando e cortando aqui e ali, focando no que é importante pra nós.

continuo consumindo muito, sim. mas cada vez mais no que é essencial pra mim, pra nós da família. menos “coisas”, e mais vivência (boas refeições, espaço em que convivemos, viagens juntos). chegaremos lá, tenho fé.

**

ainda precisamos comprar, sim. não plantamos nossa comida (mas uma parte dela já começamos a plantar), mas preparamos nossas refeições; não construímos nossas coisas, mas procuramos comprar diretamente de quem constrói ou produz; contratamos serviços que não queremos fazer; viajamos de avião, mas também procuramos viajar de carro, dentro do nosso país; os carros ainda são indispensáveis, diante da escolha de moradia que fizemos, mas quem sabe um dia podemos andar a pé, de bicicleta, ou mesmo de moto? uma opção para o futuro.

**

com o otto, tomamos algumas medidas que por enquanto têm funcionado bem. conforme ele vai crescendo, o desafio é maior, mas somos criativos e tenho certeza que encontraremos alternativas educativas e saudáveis para lidar com a situação. ele tem 3 anos, e não precisa ainda de “educação para o consumo”. falarei da minha opinião sobre mesada e coisa parecida no próximo bloco.

– não levamos o menino para fazer compras de nenhum tipo, a não ser que seja inevitável. comprar não é “programa”. saímos para comprar somente o que precisamos, e deixamos a criança em casa (ou vamos juntos quando a babá está em casa, ou 1 vai e o outro cuida dele)

– não costumamos falar sobre comprar/ter coisas. procuramos sempre falar sobre usar as coisas, trazer as coisas, emprestar as coisas. por exemplo: “otto, a mamãe TROUXE um presente” (e não COMPROU um presente). pode parecer besteira, mas acho que essa abordagem tira o peso/fetiche da compra

– não falamos sobre dinheiro nem sobre caro/barato com ele ainda, não damos “valor” para nada. e como ele não nos presencia comprando quase nunca, não faz a correlação coisa-dinheiro. se ele vê alguma coisa e quer, e eu considero caro, simplesmente falo que não vamos levar aquilo naquela hora, que aquele item é da loja e fica por lá

não usamos coisas (trazidas ou compradas :)) como prêmio, é simplesmente uma surpresa, um agrado

– não comemoramos dia de mãe, pai nem criança. não damos importância a presentes no aniversário ou natal, procuramos dar mais ênfase ao evento que aos presentes (a festa, a visita dos amigos e família, a comemoração em si). ou seja — no aniversário, sempre falamos da alegria que é receber a visita de fulano, que veio especialmente para o aniversário, e não que o fulano deu o presente X

– fazemos questão que quaisquer presentes pra ele sejam recebidos diretamente por ele, das mãos de quem deu, e pedimos que ele agradeça. consideramos extremamente importante que ele perceba que a pessoa é mais importante que o presente (ou que o presente é importante porque ALGUÉM pensou nele). somos completamente contra o sistema de colocar os presentes num montão, que ele vai abrir depois. até hoje, todos os convidados são recebidos por nós e por ele, e o presente é dado pra ele diretamente

– ele simplesmente não vê TV. só assiste programas no IPad (youtube ou outros), DVDs, NetFlix, tudo sem pausa ou propaganda. ponto final.

**

conforme o menino for crescendo, vamos explicar que as coisas custam dinheiro, e algumas coisas custam mais ou menos. vamos tentar usar a quantidade de unidades de medida de $$ para explicar, mas sempre procurando ensinar sobre querer ou não querer trocar o $$ pelas coisas, e se realmente precisamos daquilo ou se é mero desejo.

acho muito importante ensinar que as coisas têm valor monetário, que trocamos dinheiro por coisas, e em especial que o dinheiro é algo que se ganha. muito me incomoda a ideia de mesada por ser um dinheiro dado, e não ganho. ora, se a ideia é ensinar como funciona o mundo, por que alguém simplesmente dá dinheiro a outro, sem trocar por nada?

também me desagrada dar mesada ou dinheiro à criança em troca de tarefas que ela devia fazer simplesmente por ser parte da família/comunidade. não acho certo dar dinheiro em troca de arrumar a cama, ou ajudar na limpeza e organização da casa. isso faz parte das atividades comunitárias. faz mais sentido pra mim ganhar uns trocados por lavar o carro, cuidar do jardim (coisas que normalmente nós aqui pagamos para outros fazerem). ainda não sei como vamos lidar com essa questão. tanto eu quanto o fer fomos crianças sem mesada, nossos pais davam dinheiro para coisas que precisávamos ou queríamos, sob demanda específica, não tínhamos dinheiro “nosso”, pra gastar ou guardar.

entendo a lógica de dar mesada para ensinar a “administrar o dinheiro”, essa é uma habilidade útil na vida. mas acho que ensinar a consumir minimamente e (por exemplo) convidar a ajudar a administrar as despesas da casa  em conjunto podem ser formas alternativas de ensinar (por que não? eu faço tudo numa planilha excel, e posso perfeitamente convidar o otto mais velho a me ajudar, analisar junto. quem sabe até ele aprende a usar planilha cedo? :D)

**

como disse no começo — não tenho respostas definitivas, tenho crenças e ideias. os itens que coloquei ali no meio a gente já pratica, e o otto não simplesmente não pede pra comprar coisas, nunca. ele pede coisas — “mamãe, você me trouxe um presente?” ou “papai, eu queria um chocolate!”. mesmo quando vamos aos lugares que têm coisas à venda, ele não pede pra comprar, ele simplesmente “quer”. e aí, ou levamos ou dizemos que aquele ali não vamos levar agora, quem sabe outro dia.

ele não associa natal, aniversário e nenhuma data com o fato de ganhar presentes ou coisas, por enquanto. por outro lado, procuramos valorizar bastante as festas, as pessoas e as viagens. no aniversário dele e nas festas em geral, costumo preparar tudo em casa, e “fazer” presentes pra ele (cartão, álbum, etc.). também peço que as pessoas não tragam presentes comprados, que façam algo pra ele ou mesmo reciclem coisas das suas crianças. quase ninguém faz isso, mas quando fazem é sempre lindo (e já percebi que ele próprio valoriza muito presentes personalizados).

**

mas dizia que mudei de ideia em relação ao controle de propagandas, porque a concorrência é mesmo desleal. e as pessoas que não estão tão engajadas quanto nós nessa cruzada contra o consumismo? e os que precisam da TV como babá pra ter 1h de sossego e cuidar da casa, da vida? e as mães e pais solteiras/os, que precisam levar seus filhos onde vão porque não têm com quem deixar? e quando ele ficar na casa de amigos, ou não estiver numa escola tipo waldorf como o otto?

precisamos de toda a ajuda que tivermos. é sim nossa obrigação como educadores ensinar nossos filhos a ser menos consumistas, e acho que todos os esforços devem ser feitos. mas se não tivemos alguma ajuda, a tarefa fica hercúlea e muito estressante para os pais.

então, continuarei investindo nestas pequenas ações cotidianas e também apoiarei ações maiores para ajudar o mundo a ser menos consumista. no que depender de mim, o otto será muito menos consumista do que eu fui/sou.

nem príncipe nem plebeu

desde que o otto começou a falar, e se comunicar bem com a gente, procuramos sempre conversar, negociar, explicar tudo o que fazemos com e para ele, o também o que ele pode e não pode fazer. quando conversar não funciona, usamos o “castigo” — fazemos um “time out”, sentamos com ele no quarto dele num banquinho pra “pensar no que aconteceu” e falar sobre isso. ele não gosta (a menos que queira nos contrariar, aí ele QUER ir pensar), mas o resultado geralmente compensa, pois ele se acalma e falamos sobre o que não deu certo, não foi legal, etc. e ele geralmente sabe direitinho o porquê do castigo ou da bronca.

educar o otto tem me feito repensar uma série de coisas no meu próprio comportamento, porque me peguei repetindo frases que minha mãe dizia quando eu era criança, e que eu odiava. percebi também que eu dizia pra ele coisas que detestaria que dissessem pra mim! resolvi então fazer um exercício difícil, mas importante: me colocar no lugar dele quanto ao que digo e exijo. a ação, a frase, as palavras, o tom, tudo.

por exemplo: “otto, PARA de bater essa colher na mesa, AGORA!”

(frase dita com os devidos grifos, depois de minutos de batuque incansável que estavam me causando uma enxaqueca)

me imaginei na cozinha, batucando com meus talheres, alheia ao barulho (ou até curtindo, sei lá), e alguém muito maior que eu, mais forte, do qual eu dependo e a quem eu amo, falando essa frase assim, do nada. em tom agressivo, e (pelo menos pra mim), sem nenhum motivo. eu tenho absoluta certeza que ia ficar com medo, ou com raiva, ou ambos.

e ao me colocar no lugar dele, veio uma enorme pergunta que independe do medo, raiva, ou surpresa: por que eu deveria parar? só porque alguém grande e bravo (e que eu amo, a propósito) pediu ou mandou?

fiz também um outro exercício: se o otto não fosse meu filho, ou nem fosse uma criança. eu falaria do mesmo jeito, a mesma coisa? não, é claro que não. então por que com ele eu falo e faço assim?

porque por trás da relação adulto/criança e filhos/pais tem a sombra enorme da obediência. e obediência não é respeito, a obediência é baseada na hierarquia, no medo, ela é burra. ela pressupõe uma relação de poder, completamente desigual.

eu ODEIO obediência. eu não acredito nela, nunca acreditei, eu C&A* para hierarquias, e nomes, e títulos. não faz sentido algum eu continuar baseando minha relação com meu filho neste conceito estúpido.

concluí: não quero que meu filho me obedeça. nunca. prefiro mil vezes que ele desobedeça, que questione, que seja um mala-sem-alça, revoltado, chato de galocha. obediência é uma coisa triste.

e mais — tive que ter discussões importantes com o Fer, pai da criança e meu companheiro, a respeito disso. ainda não tenho certeza que ele entendeu meu ponto (tomara que esse texto ajude!), mas combinei com ele: jamais, nunca, dizer coisas como “você não OBEDECEU a mamãe, e por isso <X>” ou “você precisa obedecer a mamãe!”.

**

mas às vezes a gente precisa que a criança obedeça, não? e aí? olha, eu prefiro adotar o verbo COLABORAR, e vou explicar o porquê, não é neurolinguística amadora.

nossa função é educar a criança, ensinar a ela as regras de convívio, a empatia, etc. (com sorte, essa é a função de todos os adultos que cruzarem o caminho dela). a coisa mais básica (e difícil, eu sei) que ele precisa aprender é que existe um limite, físico e social, entre ele e as outras pessoas todas. que se ele não olhar pra onde pisa, vai pisar no meu pé e aprender empiricamente que dois corpos não ocupam o mesmo espaço ao mesmo tempo; que quando ele grita, o som chega até meus ouvidos e me incomoda; que se ele deixar um brinquedo no chão, atrapalha a passagem das pessoas. enfim, vocês entenderam. e como fazer com que ele entenda isso, e aprenda a respeitar os limites alheios?

com uma paciência do tamanho do mundo, e parando pra questionar certas coisas, com franqueza.

me perguntei: por que eu respeito os limites alheios? por medo, covardia, porque não quero confrontar. porque não quero chatear a outra pessoa. por preguiça de me impor. porque quero agradar.

e como tomamos essa decisão, de respeitar, ou de colaborar? como aprendemos isso? errando e acertando. o que significa, na prática, que lidando com as consequências do que fazemos aos outros, aprendemos com o erro/acerto, e lembramos do que queremos repetir ou evitar, criando um padrão de comportamento.

consequência é a palavra-chave. as crianças aprendem a respeitar por medo, sim, aprendem que se forem obedientes, não serão punidas. mas eu não quero criar uma criança que me respeita por medo, poxa. eu quero que ele seja rebelde 🙂 um rebelde respeitoso! e tenho certeza que isso é possível, se eu conseguir mostrar claramente as consequências do que ele faz, e se eu mostrar pra ele que eu o respeito, e que quero o mesmo tratamento de volta. é uma troca, e não uma obrigação. o respeito e a colaboração têm relação com o interesse mútuo e (com sorte), com amor.

então, ao invés de dar um grito de “não pisa no meu pé!” quando ele pisa, eu tenho explicar que eu também sinto dor (será que ele sabe? sempre pressuponho que não. e ensino), que quando ele pisa no meu pé, dói, e eu não gosto. ele puxou meu cabelo outro dia, e pedi que parasse, expliquei que doía, etc. ele continuou. eu tentei diferente — mostrei que nós 2 temos cabelos. puxei o dele, de leve, mostrando que podia doer. avisei que para cada puxão no meu cabelo, eu daria um igual no cabelo dele. e assim foi, até que doeu, ele chorou, e parou de puxar meu cabelo. e agora, quando ele puxa sem querer e eu aviso, ele para imediatamente.

o exemplo do cabelo é mais fácil de demonstrar ação/consequência. algumas coisas são mais difíceis, por exemplo: ele começou há alguns meses a ignorar perguntas. ele ouve, mas não responde. estamos ensinando que ele pode dizer que não quer conversar, é direito dele, mas não pode não responder, simplesmente. por quê? porque vivemos em grupo. é uma regra razoável numa comunidade — você pode não querer conversar, mas não pode não responder à pergunta “você vai querer jantar?” porque isso impacta a comunidade. usar a tática de fazer o mesmo com ele não funcionou muito bem por enquanto (ignorar perguntas e conversas), embora eu tenha tentado fazer isso às vezes para que ele sinta qual é o problema.

procuro sempre mostrar pra ele que precisa parar de fazer certas coisas (espirrar água em mim no banho, por exemplo), porque eu não gosto, e não quero. também acho essencial ensinar pra ele que todos temos direito a não querer que invadam nosso espaço físico, que nos toquem, machuquem, incomodem. que precisamos ouvir o outro, prestar atenção ao que estão pedindo. (e sempre que possível, respeitamos a vontade dele. acho que isso ajuda muito neste processo)

em cada pequeno exemplo destes, o que estou ensinando é como colaborar conosco pra que nossa vida juntos seja mais legal, mais tranquila, e até possível às vezes. quero que fique claro que ele é MAIS UM na nossa comunidade, e não o centro dela. ele precisa colaborar conosco, com as coisas que nós também precisamos ou queremos fazer, como por exemplo dormir um pouco mais no fim de semana. eu quero dormir, ele quer ver desenho — ele fica com o ipad, mas às vezes quer que eu fique junto. e eu explico: até as 8h a mamãe vai dormir, e você pode ver o seu desenho. depois brincamos juntos, mas agora, nesta 1h, eu quero fazer outra coisa.

a boa notícia é que cada vez mais isso tem funcionado!

e assim vamos, ensinando as menores coisas, aquelas todas que a gente fazia no automático. e quer saber? é bom. porque a gente aprende muito quando ensina, e aprende inclusive a mudar a si mesmo em coisas que estavam enraizadas e cheias de musgo. crianças obrigam a gente a fazer uma faxina na mente e na alma.

**

quando preciso que ele faça alguma coisa, sempre explico o porquê. e quando o que precisa ser feito não tem negociação, no entanto, faz-se à força. e explico sempre: “você podia ter colaborado, a gente não precisava brigar. mas isso PRECISA ser feito, então vamos lá”. trocar fralda de cocô que já passou do prazo, ir dormir, colocar cinto de segurança, sentar direito na cadeira pra não cair, essas coisas e muitas outras. comer não é uma delas, no entanto. comer, só quando se tem fome (mas os horários da casa são respeitados, nada de refeição fora de hora — regras da comunidade :))

não gosto de falar até a orelha cair. explico 1, 2 e no máximo 3 vezes. sei que crianças não absorvem tudo de uma vez, assim, pá-pum, ok. mas se não colaborou depois do papo, vai à força mesmo, paciência. de novo — consequências. ele sempre tem a opção de nos ajudar, de perguntar, de fazer JUNTO. se não colabora, a comunidade decide 🙂

porque é isso — não quero obediência, deus me livre de criar um menino vaquinha de presépio, mas ele também não é o príncipe herdeiro, não senhores. ele é parte da nossa comunidade, essa pequenininha da nossa casa, e da comunidade maior da família, amigos e escola, e cada vez o círculo dele vai se expandir mais. a cada círculo, ele vai ter que aprender como lidar com limites diferentes, demandas diferentes, e muito menos paciência que a nossa. não farei bem algum a ele sendo condescendente, então procuro ter empatia porém sem exagero.

crianças são tiranas, todas elas. as pessoas falam “ai, meu filho tem personalidade forte, sabe?” como desculpa para falta de educação. minha senhora, todas as crianças têm personalidade forte, é parte do desenvolvimento neural do ser humano, não existe criança bovina. se ela for bovina, algo está errado. cabe a nós, como educadores, ensinar às crianças que há outras pessoas — com quereres e gostares diversos — no mundo, e que elas são parte do mundo, iguaizinhas às demais pessoas.

eu que não vou criar um ser humano mala geração Y!

**

sim, o progresso é lento, e às vezes enche o saco. mas vale a pena, quando a gente vê aquele ser tão pequeno sendo razoável, estando atento às pessoas ao seu redor, e já negociando como fazer o que ele quer através e junto dos outros. integrado à comunidade, pouco a pouco, e não um reizinho cheio de vontades ou uma criança pequena que obedece por puro medo.

pra quem pergunta das coisas legais de ter um filho, essa é uma delas — ver um ser humano decente sendo criado, do zero. fabricado, desde as células até o comportamento e flexão verbal. é absolutamente mágico e incrível.

(e cansa pra caramba)

**

(*) C&A = cago e ando. ou cagando e andando.

as coisas tão mais lindas

“E as coisas lindas são mais lindas
Quando você está
Hoje você está
Onde você está
As coisas são mais lindas
Por que você está
Onde você está
Hoje você está
Nas coisas tão mais lindas”

a empatia é uma das qualidades, ou atributos, que considero verdadeiramente importantes. entendo que boa parte do meu papel como mãe é ensinar ao meu filho que ele é parte de um todo, que é essencial observar e respeitar os que o cercam. mas eu quero mais — que ele seja capaz de enxergar o outro de coração aberto, e por mais que não se identifique ou não entenda, que aceite e respeite.

difícil, porque afinal eu mesma não cheguei a esse ponto, seja por que motivo for. (mas creio que é possível ensinar algo que não se sabe. até por não saber, e saber porquê não sabe, talvez seja viável)

diz a internet que empatia é a capacidade de reconhecer emoções sendo experimentadas por outro ser senciente, real ou ficcional. sentir empatia não implica sentir compaixão ou simpatia, mas tão-somente reconhecer, perceber. dar direito ao outro de sentir.

(a mim esse direito foi negado, tantas e tantas vezes enquanto criança! cresci sem saber que podia sentir, independente da anuência alheia)

aprendi na prática, observando o otto: para sentir empatia legítima, é preciso ser respeitado primeiro. e é com orgulho que digo (e confirmo, a cada dia) que ele é muito respeitado, e suponho que inclusive por isso esteja se tornando uma criança observadora, atenta e cheia a de empatia.

contar histórias, ou ver filmes, é uma excelente oportunidade de observar a reação da criança a respeito de relacionamentos e sentimentos. nestas ocasiões é que comecei a perceber o quanto o otto presta atenção aos relacionamentos e ao “humor” dos personagens.

“olha, mamãe, o cascão está bravo”. ou “o curupira ficou feliz, né?”. ele observa as expressões faciais, os sorrisos ou cenhos franzidos, e interpreta, decodifica. são sutilezas das expressões, que nunca foram observadas ou ensinadas ativamente por nós (não ensinamos “as expressões”, como alguns métodos sugerem. com cartões. deus me livre, lembrei de parenthood).

ele viu as irmãs brigando no filme lilo & stitch, e ficou aos prantos. “por que elas brigaram, mamãe?”; essa semana, vendo um vídeo sobre o saci, chorou quando capturaram o saci na garrafa. “eles vão soltar ele, mamãe?”. ele entende o sofrimento do outro, a tristeza, o medo. é tão bonito!

é impossível não se emocionar com a beleza de um ser humano tão, tão pequeno ainda, que não sabe nada do mal, das dificuldades, que vive praticamente numa redoma de carinho e cuidado, perceber tão claramente o sofrimento do outro e sentir empatia.

ele sente porque é, ainda que tão pequeno e protegido, um humano. nele, só um dos tantos espécimens vivos neste momento no planeta, está representado também o todo, aquilo que faz de nós o que somos, como espécie. a empatia nos faz ter mais chances de sobreviver, como grupo, no longuíssimo prazo. e ele carrega isso consigo.

mais que o primeiro choro, o primeiro passo ou a primeira palavra, a demonstração de empatia do meu filho me faz chorar de emoção e receber com felicidade mais um ser humano no mundo.

bem-vindo, meu filho, você faz parte da espécie mais bem-sucedida de toda a evolução; você é um humano!

<3

 

**

mas sim, sei que as bene gesserits discordariam de mim, já que o teste para descobrir que ali naquele ser habita de fato um ser humano, é feito com o gom jabbar 😉 e é um teste bastante interessante, a ser discutido em outra ocasião.

diário do otto: 2 anos e 5 meses

otto,

os dias e os meses passam mais rápido do que consigo escrever. coloquei como meta escrever esse seu diário mensalmente, mas não sei por quanto tempo vai durar. se não registro mensalmente, esqueço muita coisa, mas ao mesmo tempo é tudo rápido demais e não tenho conseguido acompanhar tanta mudança! quero manter o registro mensal pelo menos até seus 3 anos, depois vamos ver.

decidi conseguir pra você uma câmera fotográfica digital velhinha, pois você está obcecado com fotografia (o processo, não o resultado). você não dá bola pra ver como fica, você gosta é de “enquadrar” (muitas aspas, porque embora você faça todo o ritual do enquadramento, da escola do objeto da fotografia, na prática não sai nada parecido com uma foto enquadrada. pelo menos dentro dos padrões, digamos) e clicar. de vez em quando você pede pra ver fotos, mas é raro. você curte é clicar mesmo 🙂

sua rotina continua bastante rígida, e agora acho que também acostumamos com a existência de mais um morador na casa (pra quem não passou por isso pode parecer estranho, mas a chegada de um novo membro da família que muda toda a rotina da casa é difícil, demora a adaptação!). você acorda por volta de 7:30h, toma café da manhã (pão, queijo, suco, ovos, frutas às vezes), vai pra escola (ou passeia com a maria, quando está de férias), toma um lanche (frutas, normalmente) no passeio/escola, toma banho, almoça 12:30h, escova os dentes e dorme 1,5h-2h. toma um lanche quando acorda (iogurte ou fruta, ou ambos), molha as plantinhas, lava o quintal com a maria ou vai dar comida pros patinhos/peixinhos, janta às 17:30h, brinca com o papai e mamãe (na varanda, de giz, ou anda de bicicleta), toma banho com a mamãe por volta de 19:30h, escova os dentes, lê historinha e no máximo 20:30h estamos com as luzes apagadas pra dormir.

todos os dias fazemos basicamente a mesma coisa, com alguma variação no fim de semana, quando fazemos passeios diferentes e tomamos café da manhã na padaria aos domingos. também é nos fins de semana que comemos coisas diferentes, levamos você pra restaurantes, até pra se acostumar, já que gostamos bastante de comer fora. no dia a dia, você é uma criança que come arroz, feijão, carnes variadas, muitos legumes, verduras, frutas e castanhas. dos industrializados, você consome queijo, requeijão e iogurte sempre (nada de leite, depois de tirarmos a mamadeira. não gosta mesmo!), biscoito de polvilho, cookies orgânicos  e pipoca de vez em quando, bolo caseiro (maçã e fubá são seus preferidos), sorvete quando o papai toma, e água. suco, só de laranja, feito na hora de manhã. é muito raro você comer doces (a verdade é que você não se interessa), nunca comeu balas, bolachas recheadas (provou maizena e maria, mas não gostou), refrigerante. comeu doritos uma vez na casa de uns amigos (gostou!), e chocolate se der você come e gosta. procuramos não proibir nada que seja exceção (a menos de refrigerante, que tratamos como bebida de adultos e ponto final, e coisas que são de adulto mesmo). não queremos que você veja as comidas como BOAS ou MÁS, preferimos dar bons exemplos, pra que você crie bons hábitos ao invés de repetir discursos que não são seus. quando você tiver idade para decidir, esperamos que nossos exemplos + a relação não-neurótica com a comida sejam boas fundações.

uma coisa muito legal que notei neste mês que passou é que você começou a inventar coisas, fantasiar nas brincadeiras. antes, as brincadeiras eram muito mais exploratórias, descobrir como as coisas funcionam ou simplesmente experimentar cores por exemplo com o giz, deixar as coisas caírem pra ver o que acontece. agora você “mente”, e inventa coisas que não existem, isso começou recentemente, notei esses dias. você pega o gizão, por exemplo, e finge que é uma câmera, e tira fotos (olha lá a fixação :)); você “faz um café bem cheiroso e gostoso” com a água do banho e oferece pra mim <3 entre outras coisas. não tinha ideia que a imaginação, o faz-de-conta, começavam tão cedo.

sua coordenação motora está excelente, você já corre melhor, embora não seja uma criança exatamente ágil e rápida. você não se arrisca muito, é sempre cauteloso nos brinquedos, nas tentativas mais físicas, e parece ter um pouco de medo de altura. mas seus medos são bem controlados, e você expressa bem o que o incomoda, o que nos deixa felizes. você já desenha círculos fechados muito bem, o que segundo ouvimos de pessoas diferentes é um pouco adiantado pra sua idade. mas isso não nos surpreende, já que você pratica bastante e gosta de desenhar com giz (no chão, no papel, em qualquer lugar :D)

você come sozinho, mas como demora muito e suja tudo, a gente costuma ajudar. o que está errado, claro, mas somos impacientes, você vai perceber. nossa expectativa é que agora que você vai almoçar na escola, isso mude e você fique mesmo independente de nós pra comer, em breve. começamos a tentar tirar sua fralda (o que na prática significa que simplesmente tiramos, e pronto, pra ver o que acontece durante o dia), e você ainda não pede pra fazer xixi nem cocô, apesar de parecer que já percebe que tem vontade (mas não fala nada). nossa expectativa é que sem fralda você perceba melhor seu corpo, e que isso aconteça naturalmente nas próximas semanas. vamos ver!

uma outra coisa que me chamou a atenção é que você finalmente começou a cantar músicas junto com a gente, e já se percebe sua entonação, uma tentativa de se ajustar à tonalidade da música! além disso, percebi você batendo os pés ou mãos, no ritmo, quando eu canto pra você. antes você acompanhava mas sem acertar o ritmo, e o tom não existia (nem tentativa, era monocórdico). queria entender mais do desenvolvimento musical em crianças para poder falar sobre o assunto. vou pesquisar.

você se desinteressou pelos joguinhos de ipad e iphone, e continua imune à TV. desistimos de tentar fazer você ver TV, até porque nos incomoda bastante a publicidade nos canais infantis. seguiremos mostrando coisas no ipad (vídeos, música e jogos), pelo menos temos controle das propagandas. ainda assim, você passa poucos minutos por dia brincando com o iphone/ipad, então isso não nos preocupa.

você emagreceu e cresceu bastante, já não se parece mais um bebê, é um meninão grande agora! continua loiro como seu tio era quando criança, os cabelinhos mais lindos do mundo. continuamos tirando muitas fotos, é claro, que você pode ver aqui.

um beijo enorme da mamãe que te ama cada dia mais!

Juntinhos os 3

obrigada, meu filho não precisa de 100 mil reais

num mundo onde existem coisas como essas, eu não devia me espantar com um BBB de mamães e bebês. mas me espanto, felizmente, em especial por estar num programa que há pouco tempo promoveu opções bem radicais de maternidade, completamente opostas à relação destas mães com seus bebês e as “dicas” de desmame (ESQUEÇAM as bobagens que este senhor falou, por favor).

sim, acho esse programa ruim para os bebês, que são expostos a um ambiente antinatural, com clima estressante e competitivo, enquanto suas mães passam por provas que certamente não as tornam mães melhores. mas pra mim o pior mesmo é o que o programa faz com as mães, que são induzidas pela promessa de que estão fazendo algo de bom para o futuro dos seus filhos! vejam o “mote” do programa: “Esta edição traz muitas novidades para as mães que sonham em proporcionar um grande futuro para os seus bebês.” (grifo meu)

100 mil reais vão proporcionar um grande futuro para os nossos bebês? sério?

antes de dizer (e digo) que aquelas mães estão lá porque querem, oras, que são gananciosas ou simplesmente sem noção, penso que não existe mãe que não queira “proporcionar um grande futuro para o seu bebê”. seja lá como queremos fazer isso, é isso mesmo que queremos. mais do que a mera vaidade ou falta de noção, esse programa joga com o desejo poderoso de toda mãe de ver seus filhos sendo melhores, bem-sucedidos. felizes? aí já não sei.

sei que é um programa com duração limitada, e de verdade não acho que fará MAL a nenhum dos bebês. mas não paro de pensar que essas mães perderam a noção, o norte, quando se deixaram encantar pela promessa do dinheiro ou da fama numa foto de propaganda de pomada.

essa história me leva a pensar no quanto estamos longe de entender o que é felicidade e sucesso, o que é criar um ser humano que possa ser pleno e feliz. é preciso ter dinheiro, fama, estudar em harvard, visitar a disney? sério?

desde que me tornei mãe penso demais nisso: o que quero para o meu filho no futuro? devo comprar imóveis, guardar dinheiro, investir em ouro ou ações? preciso de um fundo de investimento para a faculdade dele, o MBA? será que devo colocá-lo numa escola que o prepare para o GMAT, ITA, USP desde já? devo colocá-lo numa escola bilíngue aos 2 anos, para que ele não precise estudar inglês e fale como nativo sem dificuldade?

de verdade, é isso tudo que está na cabeça dessas mães. são 100 mil para que meu filho seja melhor que o seu, melhor que elas próprias, que seja… feliz?

quanto mais penso nisso, mais acho que não devo me concentrar em TER e PAGAR nada além do necessário. que o que meu filho precisa para ser feliz e bem-sucedido é do meu incentivo e exemplo constantes. ele precisa aprender (sem que a escola precise insistir em formato de apostila para lerdos) a aprender, continuamente. precisa que eu o estimule a fazer perguntas, ser curioso sempre, investigar. precisa aprender disciplina (e nenhuma escola vai ensinar isso melhor do que nós, os pais), para ser livre e poder se indisciplinar o quanto quiser e puder.

obrigada, hipoglós e tv globo, mas meu filho não precisa de 100 mil reais, porque ele tem a nós, ele tem nosso tempo, nossa dedicação, nosso interesse. ele vai ganhar os 100 mil reais que precisar, quando precisar. mesmo que nós fôssemos pobres ele ainda assim não precisaria desse dinheiro, como meus pais e nós 3 nunca precisamos. não seriam 100 mil que mudariam nossa história, pois não é dinheiro na conta que muda a dinâmica de uma família, que forma caráter, valores e motivações de uma criança. e sem isso tudo, 100 mil são simplesmente 100 mil moedas.

todo meu dinheiro vai continuar sendo dedicado a confortos úteis e inúteis, livros, músicas, comida e viagens, muitas viagens. e isso tudo combinado com meu tempo, minha dedicação e exemplo certamente formarão um cidadão com vontade de aprender, com repertório de vida, história e bagagem que nenhum dinheiro consegue comprar.

tenho pena das mamães do programa do hipoglós. espero que elas percebam a tempo que nenhuma promoção de marca alguma no mundo proporciona nada além de ilusão de consumo vazia.

**

PS 1: hipoglós nunca entrou nesta casa, e depois dessa não entrará mesmo; TV globo já não faz parte da nossa vida há muitos anos, e cada novo “evento” confirma a sapiência da nossa decisão.

PS2: a melhor forma de regular o consumo e dar o exemplo para os nossos filhos é não consumir, ou consumir o mínimo necessário. cabe a cada um de nós mudar o mundo.