diário do otto: 2 anos e 1+2 meses

otto,

bebê, esses 2 meses foram tão intensos e cheios de novidades que a mamãe não conseguiu escrever 2 posts, um para cada mês. tá tudo misturado e acumulado, como acho que será daqui pra diante.

você começou na escola, e contei aqui um pouco sobre seu primeiro dia. foi lindo e muito fofo, mas não durou. 10 dias depois, seu pai viajou a trabalho e você começou a dar trabalho para ficar na escola. ficou dengoso e muito grudento comigo, e reclamando de ir pra escola — “não góta da ecólinha!” virou seu mote. nos disseram que é normal, pois quando a novidade vira rotina, a maior parte das crianças já não quer mais mesmo ir. mas insistimos, e seu pai recomeçou sua adaptação… até que você pegou uma gripe e ficou bem caidinho. preferimos manter você em casa até melhorar, e foram mais 10 dias de molho (culminando com uma amigdalite bacteriana bem chata). e logo depois que você ficou doente a mamãe também adoeceu e precisou fazer uma cirurgia (retirada da vesícula), o que acabou causando mudanças e incômodos. mas 5 dias depois a mamãe estava ótima e tudo voltou ao normal — você voltou pra escola e a mamãe pro trabalho.

mas houve uma mudança enorme logo após sua gripe — você começou a dormir a noite toda, sem interrupção para mamar ou trocar fralda! graças ao seu nariz entupido, decidimos parar com o leite (que piora a secreção de muco) e ver o que acontecia, até porque você estava recusando leite quando percebia o que era. e funcionou! agora estamos tentando compensar o leite com queijo e iogurte, estamos progredindo.

você continua comendo bem, porém está numa fase muito chata de ser do contra pra tudo (inclusive pra comer), como contei nesse post. agora temos que deixar você fazer as coisas do seu jeito, ou não oferecer muitas opções, prs que você se sinta no controle da situação e decida sempre que possível. chega a ser muito engraçado, mas tem horas que realmente irrita, pois tudo demora mais e dá trabalho. mas vamos seguindo tentando rir e nos divertir com sua independência e ideiazinhas próprias.

seu vocabulário e articulação melhoraram muito! você continua falando pausadamente, e pensando bem antes de falar, mas cada vez melhor e mais certinho. você usa os tempos verbais corretamente na maior parte das vezes, os plurais, e entende bem alguns opostos (em cima/embaixo, quente/frio, fora/dentro, pesado/leve, etc.). já sabe os nomes de todos seus amiguinhos na escola, das professoras e volta falando sobre eles. “o que você fez hoje na escola, otto?” “brinquei com os amigos e as amigas!” 🙂

você agora é fã de gelatina e de pudim de pão, além das coisas que já gostava. ah, e sorvete de SOCOLÁTI também agrada sempre 🙂

agora vemos você mais comprido que gordinho, com os braços e pernas mais proporcionais, já se parece mesmo um menino e não um bebê. cada dia mais lindo, mais engraçado, interagindo com a gente, inventando brincadeiras (sua preferida atualmente é esconde-esconde, embora você só queira ser achado, e não se esconder :)) e falando coisas malucas da sua cabecinha. estamos amando essa fase, mais que todas as outras, e tenho certeza que teremos saudade dessa sua idade.

apesar de você estar se tornando um menino, e se comportar como um mini-adulto, ainda é meu bebê e dorme abraçadinho, pede colo e procura a mamãe quando está com medo, triste ou quer um beijo. é impossível não ficar besta de paixão e amar você mais e mais a cada dia.

por mais que seja difícil e chata essa sua fase de dizer não pra tudo e querer fazer tudo sozinho, é motivo também de muito orgulho e alegria perceber você entendendo que é um indivíduo e procurando seu espaço. tudo o que mais quero é que você seja um menino (e um adulto) feliz, independente, dono do seu nariz. que saiba que pode contar conosco sempre, mas que também saiba que queremos que você encontre seu caminho, sua forma de viver.

aqui tem fotos dos seus 25 meses, e aqui dos 26 meses. divirta-se, meu amor!

te amo muito, um beijo da mamãe.

dialética aos 2 anos

pra quem não sabe, entre 18 e 30 meses a maior parte dos bebês passa por um período de mudança significativo de comportamento, apelidado pelos americanos de terrible twos (referência aos 2 anos de idade). achei um artigo interessante sobre essa fase aqui.

a principal característica dessa fase é a demonstração de independência, exercício da vontade através do “não” e reforço do “eu”. e isso deve ser considerado positivo pelos pais — significa que o bebê está de fato se desenvolvendo neurologicamente conforme o esperado, pois é justamente nesta fase que o bebê entende que é um ser separado dos pais (mais especialmente da mãe), que tem suas próprias vontades, pensamentos, desejos e que pode exercitá-los. já vi quem chamasse essa fase de “adolescência do bebê” e faz todo o sentido, já que a adolescência é mesmo marcada pelo desejo do jovem de destacar-se da sua família, e criar seu próprio mundo e espaço independentes.

o otto já apresenta sinais de independência há muitos meses, mas nada muito marcante, são pequenas coisas que percebemos no dia a dia: dizer não para coisas que ele normalmente gosta ou resistir a trocar a fralda na hora que precisa trocar. com um pouco de jeito e alguma técnica é possível contornar sem stress.

mas ontem ele chegou a um novo nível: além de dizer “não” pra absolutamente tudo que era pedido ou oferecido, na hora do jantar ele olha o prato de salada (que adora) e diz “não qué querê!” 🙂 e comeu tudo, como sempre, mas no seu tempo, do seu jeito.

temos dormido juntos na minha cama, antes de colocá-lo no seu berço (ele demora pra dormir, acho mais prático fazer assim que ficar plantada do lado do berço dele). deitado na cama, no escuro, ele vira pra mim e diz: “tá do contra!” (repetindo algo que falaram pra ele durante o dia, com certeza). eu ri, e falei que não tem problema, que pode ser “do contra” também.

normalmente ele dorme abraçado comigo, ou segurando no meu braço. mas ontem quando o abracei, como faço toda noite, ele disse “não abaça, dumí shójinho!”. me segurei pra não rir, falei “claro, pode dormir sozinho, a mamãe tá aqui se você precisar”. dei um beijo de boa noite e deixei ele quieto. em alguns minutos ele pediu a hilda (coruja de pano) e o hugo (monstro de pano), que fazem companhia pra ele no berço. peguei os dois, e ele realmente não veio me abraçar — ficou tentando conversar comigo (depois de dar boa noite eu não converso mais com ele, só fico ali junto) e depois de insistir na conversa e ver que não ia funcionar, ele virou e dormiu sozinho com seus bichinhos!

achei uma graça (e muito significativo) que logo depois de começar na escola ele também tenha começado a manifestar seu poder de decisão, sua individualidade, a ponto de querer dormir (a parte mais complicada de toda sua rotina, desde que nasceu) so-zi-nho. e que tenha iniciado o ritual de separação da mãe, através da transferência do apego para os  bichinhos (achamos que ele ia pular essa fase, mas pelo jeito ainda está por vir).

minha forma de lidar com essa necessidade de independência é oferecendo opções quando possível (leia o último link que coloquei nesse texto), pra que ele possa de fato exercer sua vontade. deixo que ele diga não, e não forço quando não é preciso. adio um pouco a troca da fralda, deixo que ele escolha no prato o que quer comer, misturo fruta com salada com sopa, pra que ele decida o que quer primeiro, deixo que ele tenha pelo menos a sensação de que está no controle de algumas coisas. na grande maioria das vezes funciona — ele fica muito feliz de poder fazer as coisas do seu jeito, fica confiante e normalmente não confronta de novo.

ele tem testado um pouco mais os limites físicos também, e tenta fazer coisas “perigosas” (o que têm potencial de causar acidentes). quando o risco do acidente é baixo, tenho procurado deixar acontecer, sob supervisão (cair, por exemplo), pra que ele entenda causa-consequência.

mas não sou do tipo que negocia tudo o tempo inteiro: tem hora que não dá pra ceder, nem conversar, nem negociar. certas coisas são NÃO mesmo, com letras maiúsculas, e aí simplesmente exerço autoridade e pronto. às vezes é preciso trocar fraldas à força (porque não posso discutir naquele momento, e temos que sair, por exemplo), tirar coisas perigosas da mão dele ou desgrudá-lo do armário que ele resolveu se pendurar (e pode cair em cima dele). sempre converso e explico os motivos, mas quando precisa ser rápido, é inconveniente ou arriscado, não dou opção.

aliás, se tem coisa que detesto é observar essas mães bovinas, que falam com voz mole e com a bunda imóvel na cadeira, enquanto vêem os filhos fazendo merda. “fulaninhooô, coloca o sapaaaaato que a gente precisa ir pra casa. vou contar até 2 milhões, hein?!”. quero morrer. tem que colocar o sapato e sair e a criança tá enrolando? levanta essa bunda e coloca à força, pronto. depois, em casa, conversa e explica.

por enquanto estamos conseguindo lidar bem com a fase “do contra”. cedendo às vezes, confrontando outras. até pra que ele saiba que sim, pode e deve exercitar suas vontades, mas não sempre. que às vezes ele precisa sim se adequar às pessoas ao redor, mesmo que fique chateado.

como não tenho medo de cara feia e nem ligo pra chororô, quando ele fica bravo ou chora eu consolo, pego no colo e explico: eu sei que é difícil ser contrariado, não fazer o que a gente quer. pode chorar, a mamãe te entende.

mas não é e continua sendo não.

diário do otto: 1 ano e 8 meses

otto,

você completou 20 meses imediatamente após a volta da sua primeira viagem internacional, e foram muitas novidades em pouco tempo. viajamos de avião por 15h (com intervalo em frankfurt), andamos de trem, ônibus, metrô, barco, a pé, dormimos em 8 hotéis diferentes, comemos em vários restaurantes, você experimentou um monte de comidas novas e se adaptou muito melhor do que eu esperava.

passamos praticamente este mês todo viajando, conhecendo lugares e pessoas novas, e você se mostrou quase sempre simpático e bem humorado. em compensação, quando o humor azedava… aiaiai. suponho que o temperamento “fácil” do papai e da mamãe foram transmitidos pra você também, não? 🙂 não tivemos problema com fuso horário e nem com seu sono. em compensação, você gripou (eu também!) e ficamos os dois cansados e reclamões. o papai, felizmente, não adoeceu e nos aturou neste período.

você começou a ficar mais mandão e cheio de vontades, quer fazer tudo do seu jeito. o que é compreensível, afinal está na idade de entender que você e as demais pessoas são distintos, que você é um ser único, um indivíduo, e tem suas próprias vontades e desejos. é difícil às vezes lidar com seu desejo de independência (não quer que troque fralda, que dê banho, que coloque/tire roupa e sapato, que dê comida ou água…) já que você ainda não aprendeu a fazer tudo sozinho. mas por outro lado, é tão bonito ver você tomando as rédeas das pequenas coisas da sua vida, como colocar sapatos e comer sozinho! acho uma graça você concentrado segurando os talheres, brincando com o iPad ou tentando colocar sapatos.

no meio da viagem você comeu sua primeira refeição completamente sozinho. pedimos um prato de macarrão à bolonhesa, você pegou seu garfo e se recusou a comer se a gente oferecesse. foi pra cima do prato e comeu, com gosto, um MONTE de macarrão. ficou imundo, derrubou um monte, mas ficou super feliz, e nós deixamos você dar seu primeiro passinho de independência, cheios de orgulho (ou no caso do seu pai, nojo da meleca! hahahahaha).

também foi neste mês, faltando 1 semana para completar 20 meses, que você falou sua primeira palavra “completa”, com intenção e significado: . meu filho, saiba que uma das coisas mais difíceis de ser pai/mãe é não comparar, não criar expectativas e respeitar sua individualidade. a mamãe falou muito cedo (10 meses) e o papai a gente não sabe, mas também foi bem antes de 2 anos. ficamos apreensivos porque você não começava a falar, porque os pais sempre acham que tem alguma coisa errada quando os filhos não se desenvolvem como “os outros” ou eles mesmos quando bebês.

sabemos que isso é bobagem, e que cada pessoa é única, tem seu tempo e personalidade própria, mas sempre queremos que nosso filho seja o melhor, o mais rápido, mais inteligente, mais tudo. quando, de verdade e lá no fundo, pra nós você é e sempre vai ser o mais lindo, inteligente, esperto e divertido dos bebês, independente de qualquer coisa que você faça. nunca duvide disso!

dizem que “palavra” na sua idade é qualquer expressão verbal que represente alguma coisa, mas eu e seu pai não contamos assim; se fosse assim, sua comunicação por vogais tônicas já contaria como um vocabulário bastante impressionante desde muito cedo! atualmente você fala: pé (é pé mesmo e ipad também), mão (seu ã é super engraçado!), chão (muito frequente, quando quer que a gente deixe você solto andando), có (colo), tetê (chupeta), pão, papai, tia, pau (paula), aía (maria), qué, não, roXão (rojão), dirigí (você adora sentar no banco do motorista no colo do papai quando estacionamos na frente de casa!), xixi, cocô, pum, pepé (papel), iX (lixo), papá, fofô (vovô). e nada de mamãe, seu sem-vergonha!

seu sono melhorou MUITO. você simplesmente não deu trabalho a viagem toda com sono (só nos dias de nariz entupido, claro), e agora dorme muito bem das 19:30-20:00 até 7:00 mais ou menos. às vezes não acorda nenhuma vez, às vezes acorda para mamar somente por volta de meia-noite. seu pai e eu nem conseguimos acreditar, parece milagre! depois de 1 ano e 8 meses, seu sono finalmente estabilizou à noite. agora a única coisa que dá trabalho é a hora de dormir, pois você tenta se manter acordado (apesar de cair de sono), e tem demorado até 1h para pegar no sono. mas teremos paciência, e ficaremos ali do seu lado, até você aprender a dormir e (com sorte) apreciar a delícia de descansar 🙂

bem, você continua comendo feito um ogro, apesar de ter dado trabalho para comer na viagem (sem apetite algum, super seletivo e querendo comer sozinho somente). em casa, tudo vai muito bem e você come tudo e de tudo. continua super fã de brócoli e cenoura, e está numa paixão incrível com quiabo (come 2 bandejas por semana, sozinho!). nas frutas, continua fã de melancia, morango, pera e agora adora abacaxi também. além das outras todas, tem aqueles que pega direto do pé, que você come na pracinha (pitanga, amora, goiaba).

seus passeios estão muito divertidos, você caminha bastante sozinho (mas às vezes pede colo, e está PESAAAADOOO), começou a se interessar por brincar com outras crianças, interage mais e adora areia, carrinhos, pazinha, etc. tem sido interessante observar seu interesse pelas outras pessoas aumentar, suas tentativas de socialização. aliás, na viagem, você foi muito simpático e aprendeu a piscar para todo mundo, sorrindo, como quem flerta. essa gracinha fez MUITO sucesso e arrancou risadas das pessoas mais sérias. você foi total sucesso em todo lugar, e batemos muito papo pela rua graças a você e sua simpatia! muitas pessoas elogiaram seu cabelo (que é lindo mesmo, e bem dourado), seu sorriso, enfim, sua lindeza. nós somos suspeitos, afinal pra nós você sempre vai ser o bebê mais lindo do mundo. e agora, que manda beijo então? (com a mãozinha e com barulho) de morrer de fofura.

meu amor, este mês foi incrível. foram 3 semanas intensas, 24/7 com você e apesar do cansaço de ter alguém pra cuidar o tempo inteiro, foi muito gostoso também. você está cada dia mais divertido, esperto e comunicativo, e temos brincado muito juntos. tenho certeza que cada ano que passar será mais e mais legal!

ah, esqueci de contar: eu faço uma brincadeira com sua tia kelly desde pequena, a gente imita ogro (imitando dentões fora da boca), e descobri que você acha O MÁXIMO a cara de ogro. morre de rir, e imita (tenta, por enquanto), fechando a boquinha. e fala OGR (opa, mais uma palavra!)

um beijo e abraço daqueles bem apertados da mamãe, cada dia mais apaixonada por você.

PS: veja as suas fotos neste mês!