diário do otto: 4 anos e 6 meses

otto,

os últimos 6 meses foram intensos, com mudanças importantes. seria impossível escrever uma cartinha por ano somente, então acho que vou manter a frequência semestral.

você mudou de escola, e os motivos estão todos aqui. ficamos com muito medo da mudança, mas depois de 4 semanas na escola nova estamos mais tranquilos — apesar da mudança radical (período integral, em inglês, tudo novo) você ficou todos os dias na escola sem reclamar, desde o primeiro dia. não chorou (como fez tantas vezes na 1a escola), não resistiu, e quando chega da escola está sempre muito feliz e animado. parece que está gostando, inclusive do aprendizado de inglês. sua socialização ainda não aconteceu do jeito que todos consideram normal — você continua introspectivo, não se interessa muito pelas outras crianças e sempre procura os adultos para conversar ou brincar. isso ainda nos preocupa, porque ficamos apreensivos sobre como será conforme você crescer. ter amigos é tão importante! ainda mais pra quem não tem irmãos e nem primos da mesma idade. mas tentamos respeitar seu tempo e estilo, vamos acompanhando.

um dos motivos da escola da escola nova é que você tem se interessado muito em falar inglês, por causa do desenho da dora, a aventureira. começou a repetir cores e expressões em inglês (os números você já sabia), e a querer aprender mais. achamos super legal seu interesse e vamos incentivar — como gostamos muito de viajar, temos vários amigos estrangeiros e poder falar/ler em inglês é também útil no dia a dia, será ótimo pra você.

segundo suas professoras você é bem tranquilo na escola, e as moças que ajudam na entrada e saída se referem a você como “o príncipe do K4” (que é o nome da sua turma). pelo jeito tem mais gente apaixonada pelo seu jeitão sério 🙂

mudamos também de casa no primeiro mês do ano, depois de 13 meses de obra, e estamos terminando. a mudança não foi muito súbita porque já visitávamos nossa casa nova praticamente todos os dias, então fomos nos acostumando com ela. nosso jardim é lindo, e você está se divertindo bastante. nossa casa é clara, ventilada, muito ampla e feliz <3

viajamos para Marília rapidamente no final do ano, para o natal na casa da vó Malu, pois nossa obra estava quase acabando. nossas férias esse ano vão ser muito bem planejadas, pois estamos numa contenção enorme de despesas (tudo que temos está sendo colocado na casa!). você visitou a família toda, brincou muito, tomou banho de mangueira, comeu fruta no pé, como as férias devem ser.

seus dias agora têm sido na escola das 7:20 às 15:15. tomamos café da manhã os 3 juntos, a mamãe faz o seu lanchinho (2, sempre bem caprichados e você come tudo), o papai leva você pra escola, você almoça por lá e então volta pra casa. encontra com a maria, brinca um pouquinho, então eu chego e podemos ficar juntos até a hora de dormir.

agora você dorme no seu quarto! colocamos um colchão de casal no chão, um tapetão e você normalmente fica a noite toda muito bem. às vezes acorda de manhã cedinho, e aparece no nosso quarto falando “oi, pessoal! vamos dormir juntinhos, os 3?” e a gente aceita sempre, claro.

(confesso que morro de saudade de dormir com você. de vez em quando eu acordo durante a noite achando que você chamou e vou pra sua cama, pra matar a saudade)

sua alimentação continua ótima — você já não come tanto quanto antes (em quantidade), mas continua comendo direitinho, adora frutas, legumes, verduras, arroz e feijão, etc. ainda não conseguimos convencer você a comer sanduíche e comidinhas-tranqueira, aos poucos vamos fazendo a sua des-educação!

quanto mais passa o tempo, mais gosto de passar tempo com você. é uma delícia ouvir suas ideiazinhas, brincar com as coisas que você gosta, ler histórias. você ainda está na idade de ter chiliques (que são muito engraçados em retrospectiva, mas ainda são bem irritantes), não lida bem em especial com o cansaço e o sono. quanto mais cansado, mais manhoso e bravo você fica, e ainda não reconhece que está na hora de dormir. esse momento é sempre tenso, de convencimento, cheio de rituais que ajudam o processo mas ainda são necessários porque você quer mesmo é que o dia dure “para sempre”, que o sol nunca vá embora e que seja sempre fim-de-semana.

ainda não posso te contar esse segredo, mas quando você puder ler esse texto, saiba que nós também queremos que os dias sejam eternamente um domingo ensolarado e azul, e que a segunda-feira seja “um dia”, e não amanhã.

um beijo cheio de amor da sua mamãe.

**

aqui as fotos dos seus 4 anos, até agora. tem muito mais pela frente! 🙂

diário do otto: 4 anos

“as entradas no meu rosto

e os meus cabelos brancos

aparecem a cada ano

no final do mês de agosto”

**

otto,

há 4 anos eu ainda não tinha 40 anos, e ainda era exclusivamente filha. as jabuticabeiras todas estavam em flor, o varal cheio de roupinhas minúsculas, o seu quarto já estava arrumado e nós esperávamos o desconhecido. lembro daqueles dias de fim de inverno, cheio de luz, flores, muitos tomates (adorava comer tomates durante sua gravidez) e uma espera que parecia interminável. é engraçado lembrar como eu não sabia, não tinha ideia, nem de leve, do que seria a vida algumas poucas horas depois.

agosto nunca foi um mês especial pra mim, mas depois de você tornou-se o mês mais intenso do ano aqui por dentro. o mês de março, que é meu aniversário, é cheio de alegria e euforia (amo completar mais um ano!), mas seu mês é puro sentimento. seja pela espera, chegada ou entrada em nossas vidas junto com a primavera.

tornei-me mãe de supetão (a gravidez não me preparou para o que viria. será que prepara alguém?), mesmo achando que estava preparada. ao chegar de forma completamente diferente do que eu tinha planejado, você já me ensinou que nem sempre temos controle de tudo; o período na UTI me lembrou que toda minha força e fé estão em mim, nos outros humanos que nos cercam, e não em algum deus ou entidade superior (sempre tive esperança que tudo aconteceria da forma mais perfeita e possível, que tudo ficaria bem); sua chegada em casa criou uma nova família, um mundo novo, pessoas novas.

não foram 4 anos fáceis, em especial os primeiros meses. percebo agora que (exatamente como temia) não estava preparada para ceder, doar, deixar ir a vida anterior. resisti, e por isso machucou tanto. não é que seja fácil (não é. lembre, caso eu não esteja mais aqui quando e se você decidir ser pai), mas tudo se torna muito mais difícil quando não deixamos a correnteza nos levar, e eu nadei à toa por muito tempo, até entender que jamais as coisas seriam iguais, e isso não é necessariamente ruim.

pois agora, 4 anos depois, quero repetir pra você uma frase que meu professor de ioga sempre dizia e demorei a internalizar: a dor é inevitável (física ou não), mas o sofrimento é opcional. em muitos momentos esqueci a dor (existência ou ausência) e me dediquei a sofrer. sofri com as noites insones, o cansaço, o medo, a preocupação. melhor seria ter simplesmente sentido tudo que cada um desses fatos trazia, e deixar passar, feito água.

muito mais fácil falar que fazer, meu amor. mas vale a tentativa, porque depois de passado o tempo, que dá perspectiva e lucidez, vejo que podia ter sofrido muito menos se fosse simplesmente menos controladora.

neste seu aniversário, mais que sua festa, presentes, abraços e amor, deixo aqui um conselho para a vida: não tente controlar nada. planeje, sonhe, realize, brigue pelo que você acredita e quer, mas não se machuque resistindo ao que é inevitável, ou muito difícil. tente ser flexível, sinta quando o pensamento não ajudar mais. olhe pra dentro, e liberte-se dos limites ou metas que você se auto-impôs.

seja feliz, seja livre.

amo você mais que o mundo, mais que tudo.

um beijo, mamãe.

 

**

preciso também contar como foram esses meses, não? foram lindos. teve escola, família, construção da casa nova (tá quase pronta! mais 3 meses e acho que mudamos), mudanças pequenas e grandes no dia a dia, sua personalidade cada vez se mostrando mais — assertivo, direto, introvertido, carinhoso, sério. um menino especial, muito diferente das demais crianças que conhecemos, e em especial muito diferente de mim. o que é fonte de inúmeras preocupações (não sei lidar com o que não conheço, e sofro) e espanto (encantamento, medo, surpresa. você traz um mundo de aprendizado pra mim diariamente).

você tem brincado muito com bonecos e carrinhos, inventando roteiros e histórias, sozinho na maior parte do tempo. ainda não vemos você muito interessado em outras crianças da sua idade, mas num período de 3 meses passamos de “muito preocupados” com sua falta de interesse por amigos para “ok, é assim que ele é” depois de uma mudança significativa no seu comportamento bem no meio das férias. você se tornou subitamente mais falante, interativo, chama as pessoas (adultos ou crianças maiores) para brincar, faz perguntas até para desconhecidos e parece mais confortável em locais desconhecidos. ainda achamos que você deve ter mais interações sociais da sua idade, mas nossa preocupação com isso diminuiu muito. esperamos que você cada vez mais se solte, e consiga transitar sem problema em ambientes sociais, não porque é o “certo” mas porque vai ajudá-lo muito na vida 🙂

sobre as férias: fomos para ubatuba visitar o vovô Ivan e tio Kito , paramos em angra e no rio, e na volta conhecemos petrópolis, terminando com um divertido acampamento em itatiaia. foi sua primeira vez acampando, e você amou cada momento. foram 20 dias de férias com você, e pela primeira vez em muito tempo eu não cansei das férias, e confesso que queria ficar junto mais um pouquinho, aproveitando nosso tempo juntos como família.

nossos dias têm sido bons, meu filho querido, não me canso de fotografar e contar como somos felizes na maior parte do tempo. é lindo ver um ser humano crescer, e é mais lindo ainda quando podemos contribuir e participar <3

aqui você encontra fotos de todo o período: 3a9m, 3a10m, 3a11m.

e a partir de agora me comprometo a continuar contando as histórias frequentemente, mas o diário deve ficar anual (ou semestral). espero que você goste de um dia acompanhar como foi sua infância em tantos detalhes 🙂

diário do otto: 3 anos e 6, 7 e 8 meses

otto,

parece que agora minhas cartinhas serão a cada 3 meses, pelo menos. suponho que quanto mais você crescer menos terei a atualizar e contar pra você, e desconfio do porquê: agora converso com você, e consigo expressar em cada momento como me sinto, e escrever aqui parece um pouco redundante (embora não seja, já que você não vai se lembrar de muita coisa dessa época). por mais que você não compreenda a dimensão de alguns assuntos que conto por aqui, e do seu próprio desenvolvimento, cada dia mais você interage como um ser humano 😀

farei um esforço pra manter as cartinhas, pois acho que será super legal você ler depois, mais velho, sobre seu próprio desenvolvimento e personalidade nessa idade.

sempre leio o diário anterior pra ver como as coisas estavam na última vez que escrevi, e uma mudança importante que percebi (e seu pai também, e ele está muito contente com isso) é como ficou mais fácil cuidar de você, agora que já é um menino mais crescido. já não usa fralda, come sozinho (demora e faz uma bagunça, mas…), conversa com a gente, explica como quer brincar, entende quando explicamos as coisas. no fundo, agora é possível negociar com você — mesmo que não goste do que estamos falando, você ouve e muitas vezes entende. muito diferente de lidar com sua versão pequeno-homem-das-cavernas 🙂

ainda temos episódios de homenzinho-das-cavernas, mas somente quando você está cansado ou com fome (o que é totalmente compreensível, pois até a mamãe com 42 anos é assim até hoje quando está cansada ou com fome!). no mais, conviver com você e estar ao seu lado tem sido muito divertido.

tiramos nossas sonhadas e aguardadas férias para os Estados Unidos com a tia Kelly e a Julia, e foi muito legal. fomos para NYC com você, mas apesar de ter gostado de várias coisas (caminhar no parque, ir aos museus, andar de táxi e de metrô), essa parte da viagem foi um pouco difícil pra você, e pra nós. o frio estava ainda muito intenso (mas você não reclamou de nada, e até disse que gostou do frio), e a cidade é muito cheia. andar com uma criança do seu tamanho em NYC não é tarefa fácil, e seu pai teve que carregar você muitas vezes. o que você mais gostou, de longe, foi estar com sua tia e prima, e andar de táxi e metrô. trouxemos de lá vários carrinhos (sua nova paixão) e em especial o táxi amarelo, que você adorou e carregou pra todos os lados (e te conto um segredo: sua prima de 12 anos gostou tanto do táxi também que demos uma miniatura de presente pra ela!).

dali fomos para o grand canyon, que foi mais gostoso pra todos nós — mais aberto, mais quente. pudemos caminhar bastante, andar de ônibus e carro, vimos paisagens incríveis e muito pouca gente. mais silêncio e um visual inesquecível. a viagem de volta foi muito cansativa (saímos do hotel de las vegas às 9:30 da sexta e chegamos na nossa casa em Vinhedo ao meio-dia do sábado), mas você não reclamou nenhuma vez. não deu trabalho nenhum em especial na 2a parte da viagem (em NYC você estava mais irritado, eu acho), e foi um amor. as pessoas inclusive elogiavam você no meio da viagem, vendo como você convive com as demais pessoas da forma que sempre ensinamos você: com respeito, com educação. temos muito orgulho de você ser essa pessoa tranquila e educada que você é <3

vou escrever um post separado sobre a viagem, mas foi muito legal e você gostou. nós também adoramos sua companhia!

na escola você está ótimo, a gente nem acredita — você agora ama ir para a escola, apesar da resistência inicial. o ambiente é ótimo, você gosta e está aos poucos se soltando. até o momento você mantém seu jeitão introvertido, não gosta muito de muita gente junta (nem crianças), e nem de crianças que gritam, ou fazem muita algazarra. você prefere brincar com as crianças mais velhas, e ainda assim desde que não sejam agitadas demais. aos poucos estamos tentando ensinar você a conviver com as outras crianças, incentivar a chamá-las pra brincar (e é curioso que você chama — não é tímido. a questão não é timidez, parece que não quer mesmo se envolver em certos tipos de brincadeiras). acredito que nosso maior desafio atualmente é integrar você nas brincadeiras com outras crianças, e ver se você prefere mais a companhia de crianças que de adultos.

seu interesse pelas letras, números e até pelos desenhos diminuiu, agora você quer brincar com suas coisas, e com as pessoas, criando suas próprias brincadeiras, o que é bem legal. você começou a inventar histórias, cenários, diálogos, e é muito divertido observar como funciona sua cabecinha. agora conseguimos entrar nas suas brincadeiras, e nos divertir bastante juntos.

a alimentação continua ótima, mas um pouco mais difícil de administrar em função das distrações — agora você quer brincar, e não sentar pra comer 🙂 mas o apetite continua ótimo, e o gosto pelas comidas mais saudáveis também. mês passado você foi ao dentista pela 1a vez, e tudo está OK com seus dentes. a única coisa que precisamos fazer é uma limpeza, que seu dentinho está amarelinho (não sabemos se é comida, ou escovação pouco eficiente. vamos limpar e depois observar). estávamos preocupados pois você ainda usa chupeta pra dormir, mas como é só pra dormir, aparentemente não fez nenhuma diferença! \o/

seu sono está excelente, ainda dormindo com a gente, e com planos de ir dormir no seu quarto assim que mudarmos para a casa nova (e você tá empolgado com o “seu quarto”). mas confesso que não tenho pressa, porque dormir e acordar com você é muito gostoso e eu sei que quando eu menos esperar você vai estar se mudando de casa e indo pra faculdade… 🙂

**

menino, o tempo voa, e só vejo seus cabelos crescendo como grama, suas perninhas ficando mais fortes, o rosto menos bochechudo, os pezinhos criando calos. você já pula com os 2 pés fora do chão (e eu que nunca soube que isso era importante?), ensaia escovar os dentes, e quer fazer coisas sozinho. mas se recusa a colocar roupas e sapatos, um curumim. bem ou mal, eu gosto de ajudar você. acho que é meu jeito disfarçado de esticar o máximo possível sua dependência (que é pouca) de mim, curtir meu bebê-que-não-é-mais-bebê, e aproveitar cada minuto do seu cheirinho, seu corpinho fofo e seu riso que ilumina os dias mais nublados, que faz a noite virar dia.

espero que um dia você leia estes escritos e consiga capturar uma faísca do tamanho do meu amor, do encantamento que é assistir sua vida desenrolando, seus caminhos se fazendo conforme você anda. mesmo quando minha mão já não estiver mais segurando a sua e você andar só pelo mundo, estarei presente quando você escolher ovos mexidos pro café porque “lembra a casa da mamãe”.

amo você, pirilampo!

**

aqui tem fotos desses meses deliciosos: 3 anos e 6 meses3 anos e 7 meses3 anos e 8 meses.

**

esqueci de contar uma coisa super legal que começou a acontecer nesses meses: você está cantando “em outros idiomas”, é de morrer de rir (e de fofura). a primeira música que você cantou foi “down to earth” (peter gabriel), e depois deslanchou e começou a cantar outras, inclusive em italiano (“fui no tororó”, que você adora uma animação que tem no youtube). claro que você não fala esses idiomas — mas você repete as palavras direitinho (nem todas, o que deixa tudo mais engraçado), e pronuncia muito bem grande parte delas! super interessante de observar.

diário do otto: 3 anos e 3, 4 e 5 meses

otto,

agora parece que realmente perdeu o sentido escrever a cada mês, seja porque a fase mais intensa dos grandes marcos de desenvolvimento passaram, seja porque estou também envolvida com tantas outras coisas que o tempo me atropela. pode ser também que eu é que tenha deixado de me importar tanto em prestar atenção às “novidades” e aproveitar sua companhia, cada dia mais deliciosa <3

reiniciamos seu desfralde pela 2a vez há menos de 2 meses, e já considero como um sucesso. o xixi foi muito fácil, em 2 semanas estava resolvido, já o cocô demorou mais um pouco, com alguns episódios de fazer na roupa ou no chão <o>, mas hoje completamos 1 semana inteira sem nenhum incidente, inclusive saindo para passar o dia fora sem fralda! estamos muito orgulhosos de você. pode parecer uma coisa boba, mas é um controle importante do corpo, que sequer lembramos que aprendemos (depois de adultos, parece que sempre soubemos né?). agora você avisa que quer ir, e já sai correndo com a gente pra fazer direitinho. um moço!

nestas férias algumas coisas mudaram bastante — você começou a dormir um pouco mais tarde (porque nós deixamos, claro) e começou também a acordar BEM mais tarde (9h, 9:30h!), o que é uma maravilha para os seus pais que adoram dormir, mas será certamente um problema quando as aulas voltarem. teremos que fazer uma transição pra evitar choro e ranger de dentes na hora de acordar…

algumas coisas mudaram bastante nestes meses, você tem se interessado mais por histórias diferentes (novos filmes, ufa), mas continua encantado com o wall-e, a ponto de desenhar o robô o dia todo, de todas as formas. aliás, seus desenhos estão cada vez melhores e mais complexos, é muito legal de observar. e você adora desenhar, se deixar passa o dia todo com papel e caneta.

você também tem se desenvolvido bem na parte física, que nunca foi exatamente seu forte — já está andando de bicicleta direitinho (com as rodinhas) e sobe nas coisas de um jeito que não fazia antes. procuramos continuar incentivando você, que precisa mesmo ganhar mais confiança e testar seus limites!

a coisa mais linda que aconteceu esse mês foi seu interesse pela “ode à alegria” de beethoven, graças ao curta do burn-e, que nos emocionou muito. ver você apreciando música é a realização de um sonho nosso como pais, sendo o assunto tão importante pra nós. você nem sabe o quanto sua alegria nos faz felizes. aliás, acho que é impossível explicar para quem não tem filhos o que significa ver nossos filhos felizes — é uma alegria multiplicada por milhares, fogos de artifício imaginários, o que pode haver de mais delicioso na vida.

**

sua rotina só mudou quanto ao sono, cada vez melhor, e ainda dormindo conosco (não canso de dizer o quanto é gostoso dormir com você, tão pequeno e carinhoso nos abraçando…), acordando com seu sorrisão de feliz <3

continua comendo tudo e mais um pouco, se interessando por coisas novas, sem medo de provar nada. mas também continua nos enfrentando bastante e colocando seus quereres, o que é muito legal e nos deixa felizes. você é um menino sensível e tranquilo, mas com bastante personalidade, que sabe se posicionar quando é necessário. bem melhor que seus pais, inclusive 😀

**

nosso amor só cresce, e a cada noite depois que você vai dormir seu pai e eu nos olhamos e dizemos, como um coro: “como ele é querido, que menino mais especial!”. a gente procura sempre dizer o quanto ama você, espero que isso nunca seja fonte de dúvida pra você, mas que também fique registrado aqui, preto no branco: amamos você demais, e admiramos sua personalidade, seu jeito doce e ao mesmo tempo determinado. que você se mantenha assim, pois será de grande valia na sua vida para ser feliz <3

aqui estão fotos destes seus meses, todas tiradas e guardadas com muito amor: 3 anos e 3 meses, 3 anos e 4 meses, 3 anos e 5 meses.

um beijo maior que o mundo da sua mamãe que adora você mais que tudo.

diário do otto: 3 anos e 1 mês + 3 anos e 2 meses

otto,

este foi mais um daqueles meses que viraram 2, seja pela correria do dia a dia ou porque as grandes mudanças já não acontecem mais tão rápido.

a grande mudança que percebo (e também percebe quem vê só fotos) é física — você não se parece mais com um bebê e sim com um menino grande. seu corpinho agora é comprido, mais magro, o rostinho está perdendo aquela gordura dos bebês e a fofura. agora podemos ver um pouco do rapazinho que você vai se tornar em alguns anos. seu cabelinho continua bem claro, mas já não mais loirão como antes (apesar de clarear muito conforme o cabelo pega sol; quanto mais comprido, mais claro), suas perninhas e braço perderam as dobrinhas. e você também já não se comporta como bebê na maior parte do tempo (seu vocabulário e forma de se expressar verbalmente nunca foram de bebê, desde que começou a falar frases, o que é muito interessante).

dizem que a fase que começa aos 2 anos e vai até mais ou menos 5 anos é a “adolescência do bebê”, e a descrição é bem correta. seu temperamento não está nada fácil — discorda de tudo que propomos, nunca quer colaborar com a gente imediatamente (a não ser que seja ideia sua, ou que a gente convença você de que assim é :)), começou a não querer comer algumas coisas (nunca uma coisa só, varia conforme seu humor), briga pra fazer tudo. percebo que é uma queda de braço, a cada decisão a ser tomada. você simplesmente discorda por discordar, pra mostrar que tem vontade, e é um indivíduo independente de nós. acho saudável, e às vezes até engraçado, apesar de ser tão cansativo ter que negociar tudo como se fosse um caso de sequestro 🙂

a rotina da escola tem sido umas das mais difíceis — você agora não acorda espontaneamente antes de 7h, normalmente (a menos que seja domingo, claro, aí você acorda às 6h), e obrigar você a levantar, trocar de roupa, tomar café, sair, e entrar e ficar na escola tem sido um martírio. tudo acontece à base do choro e ranger de dentes. a mistura de sono/preguiça e ser-do-contra é explosiva, e tem nos estressado a todos. estamos tentando ter paciência nesta fase, porque sabemos que passa, como tudo, mas olha meu amor: tá dose.

o desfralde foi um completo fracasso, e voltamos atrás. mas como começou a esquentar de novo, decidimos comprar uma privadinha pra você, bem bonitinha e que tem até música (a esperança que você se interesse pelo processo e pelo menos TENTE). você achou a privada o máximo, mas quando conversamos sobre o assunto afirmou bem categoricamente: “não quero fazer cocô nem xixi na privada, quero usar a fralda”. não tivemos argumento, vamos precisar pensar um pouco melhor sobre como convencer você. não sei se estamos fazendo certo, mas achamos que você entende perfeitamente o que estamos propondo, e que na hora que estiver pronto você vai iniciar a mudança sozinho. (além do mais, não conheço nenhum ser humano adulto normal que não usa a privada, então tenho fé que há de acontecer em breve)

sua capacidade verbal, argumentação e raciocínio às vezes nos espantam (e não esqueça que eu e seu pai não sabemos muito sobre crianças, você é nossa única referência). você entende ideias muito complexas, coisas abstratas, e fala sobre elas com naturalidade. outro dia, lendo uma história, falou sobre um personagem “olha, ele desenhou ele mesmo!”, e achamos uma graça essa clareza sobre o que é o outro e a representação dele em imagem. você tem completo domínio de esquerdo/direito, e já nos explica caminhos quando andamos de carro em rotas conhecidas, antecipando os próximos passos “vira à esquerda, depois à direita e depois à direta de novo”. melhor que muita gente grande que a gente conhece!

seus desenhos estão melhorando muito também, já se vê algum traço com personalidade, que se repete. e para nosso espanto, você sempre que consegue pinta os desenhos todos dentro do contorno, com o maior cuidado e concentração. mesmo sem nunca termos dito que é “assim que faz” (e temos esse cuidado, seguindo as mesmas diretrizes da sua escola, que é favorável à interpretação livre). você é um menino concentrado, sério, observador, muito analítico. e fazemos de tudo pra que você desenvolva também outros aspectos de personalidade menos presentes naturalmente em você, como a ousadia, as atividades físicas mais intensas.

Desenhando a mamãe! <3

você continua sendo um menino muito carinhoso e sorridente, em especial conosco em casa, mas é mais contido com pessoas na rua e com quem não vê com frequência. procuramos respeitar sua personalidade, mas sempre ensinando que é importante dizer oi, tchau, obrigado. sua socialização com outras crianças é muito tímida ainda, você só interage com tranquilidade e felicidade com as crianças que já conhece, independente da idade. e isso tudo é muito diferente pra mim, meu querido, pois sou e sempre foi uma pessoa extrovertida, seu jeito é muito diferente do meu. mais uma coisa pra mamãe aprender com você — como é o mundo das pessoas introvertidas. e é sempre bom e rico aprender com você, ver o mundo com os seus olhinhos. eu me esforço bastante!

**

essa noite você teve febre (passou o dia um pouco diferente, sem querer comer e com sono. foi dormir cedo, e aí — febrão), e nas altas horas você estava acordado, abraçado comigo (ainda dormimos juntos), e suas mãozinhas não paravam de mexer, passando no meu ombro, nas minhas mãos, no braço, mexendo na minha orelha. você costuma fazer isso quando não quer dormir — está quase dormindo e aí começa a mexer pernas e braços, pra “se acordar”.

pedi que você parasse, falei algo como “sossega, bebê, para com as mãozinhas, você precisa descansar!” e você respondeu com uma vozinha bem tranquila pra mim “mas eu só quero fazer carinho em você, mamãe”. e eu derreti feito um picolé na praia, abracei você bem forte, beijei bastante e deixei você fazer seu carinho, até dormir.

e pensei, não pela última vez, que por mais que critiquem pais e mães que permitem que seus filhos durmam na cama do casal, tenho certeza que estou fazendo a coisa certa. não só porque você ainda é muito pequeno (é natural que se sinta só dormindo sozinho no seu quarto) e queira se sentir protegido enquanto dorme, mas também porque esse carinho, essa proximidade física entre filhos/pais é única, e se perde conforme os anos passam. em muito breve você será um menino grande que vai querer experimentar todas as sensações físicas da vida, com outras pessoas. o meu tempo de abraçar seu corpinho, sentir seu cheiro, acariciar seus cabelos e ganhar muitos beijos e abraços vai passar. o carinho não acaba, é claro, desde que mantenhamos a prática de demonstrar nosso afeto fisicamente também, mas as noites dormindo abraçados acabam, e um desses dias vai ser pra sempre, quando você achar que é “crescido demais” pra isso. entendo, ficarei feliz quando esse dia da sua independência física chegar, mas tenho certeza que terei saudade. mas ao mesmo tempo, ficarei feliz porque uma das muitas coisas que pude ensinar a você é que proteger e ser protegido é bom, que demonstrar carinho fisicamente é bom, que é bom ser amado.

enquanto você não decidir que é hora de ter seu próprio espaço pra dormir, aproveitarei pra amar estes momentos de carinho tão único, que só conheci com a maternidade. nada se compara ao abraço e carinho de um filho. aquece o corpo, o coração e forma lembranças capazes de iluminar o dia mais triste.

<3

**

nossos dias têm sido puxados graças às quedas de braço, mas muito divertidos também. você está apaixonado por alguns desenhos (cocoricó e wallace& gromit, juro que vi e alguns desenhos do mickey do youtube) e filmes (wall-e, lilo & stitch, detona ralph e ratatouille). vê mil vezes, e quer ver tudo de novo 🙂

temos muito orgulho do menino feliz e divertido que você é, é um prazer ver você crescer e se tornar uma pessoinha incrível!

beijo enorme da mamãe.

PS: fotos dos seus 37 e 38 meses.

diário do otto: 3 anos! \o/

otto,

você fez 3 anos neste lindo mês de agosto, e parece que foi ontem; e também parece toda uma vida!

aliás, como era a vida antes da sua chegada? preciso me esforçar pra lembrar, é como se tivesse sido com outra pessoa. o passado é cheio de coisas diferentes, que eu adorava fazer, mas não trocaria minha vida atual pela anterior. você vai aprender que sua mamãe não se apega ao que passou, gosta muito mais de viver o dia de hoje. cada dia é um dia, aproveitando cada pequena felicidade e deixando também que as pequenas tristezas e cansaços tenham seu lugar. espero conseguir lhe ensinar um pouco sobre viver o presente — não remoer o passado, não criar ansiedade pelo futuro — e ser flexível.

fui ler o diário do seu 1 ano — você tinha começado a andar e não falava nada além de vogais, ainda um bebezão. aos 2 anos, já falava muito bem mas ainda podíamos ver um pouco de bebê. com 3 anos já temos um menino em casa, sem carinha e nem comportamento de bebê. sua fala agora é praticamente perfeita, como de um adulto. é raro ver você cometendo erros de conjugação ou mesmo concordância (no máximo com os verbos irregulares que não conhece bem), não há quem não comente sobre como sua fala é certinha. seu interesse pelos números e letras diminuiu (e continuamos não forçando nada, deixando que você explore o que mais lhe interessa), mas você conta bem até 40 ou 50. o mais curioso é que perceber seu entendimento da lógica da contagem (sequência e quantidade), brincando às vezes de aumentar e diminuir.

esses dias você comia torradinhas no prato (tinha 9 ou 10), e ia fazendo uma contagem regressiva a cada uma que comia. chegando à última, perguntei “e aí? quanto sobrou?” e você, filosoficamente respondeu “o vazio” 🙂 e então ensinamos sobre o zero, claro!

sua interação com outras crianças ainda é bem limitada, você não vemos demonstra interesse especial por nenhum amigo da escola. percebo mais interesse seu com os filhos dos nossos amigos, e cada vez mais se interessando por crianças mais próximas da sua idade (diferente de antes, que só gostava das crianças mais velhas). me parece que você é uma pessoa reservada, diferente da sua mamãe, que sempre foi muito extrovertida. o que faz da experiência de ensinar e conviver com você algo ainda mais interessante pra mim.

suas professoras sempre se referem a você com muito espanto — “ele é um menino muito diferente! é sério, analítico, concentrado e observador. um menino muito inteligente, que pensa antes de falar, que faz perguntas interessantes e relevantes”. é um orgulho muito grande pra nós, seus pais, saber não só que você demonstra inteligência, mas principalmente que está confortável sendo quem é, do jeito que é, em meio a tantas crianças tão diferentes. sua tranquilidade e confiança em si mesmo são os sinais mais claros pra nós que estamos fazendo um bom trabalho como pais. ser inteligente é muito legal, claro, mas ser um menino bom e feliz é muito mais importante.

a mudança mais significativa no seu desenvolvimento, nesta fase, é seu interesse e habilidade em contar histórias. você quer ver e ouvir histórias o tempo todo, repetidamente, e eu me divirto muito (além disso, sem modéstia, sou muito boa contando histórias!). você vê, ouve e conta e reconta as mesmas histórias, mas nem sempre da mesma forma. também inventa situações, caminhos, nomes (e idiomas, aparentemente), e conta histórias com perfeição, nos mínimos detalhes. e canta as músicas também, sempre muito perfeitamente (inclusive corrigindo a si mesmo e começando de novo quando erra…).

há alguns dias sua professora nos contou que toda sua turma parou para ouvir você contar a história do curupira. e que você contou a história toda direitinho, e eles ouviram até o fim! quão fofo é uma turma de crianças menores de 4 anos contando e ouvindo história juntas?

**

Gromit & Wallace \o/

sua festa de 3 anos foi a mais legal de todas, só com as pessoas realmente próximas de você, que convivem bastante. o papai e eu preparamos uma surpresa — fizemos esculturas do gromit & wallace, que você adora, para colocar na mesa. e a tia paula e a vovó malu fizeram a ovelhinha shawn e os saquinhos de lembrança. não consigo descrever sua carinha de feliz ao ver os personagens que adora na mesa de aniversário, foi a coisa mais linda. mentira — a coisa mais linda foi seu rosto e sua felicidade na hora do parabéns, olhando pra cada pessoa ao redor da mesa cantando pra você. este ano, pela primeira vez, acho que entendeu que a festa era sua. foi lindo e emocionante <3

**

bom, quanto à sua rotina, você continua dormindo com a mamãe ou o papai, e não sabemos quando isso vai mudar. estamos esperando um sinal divino 😀 mas temos incentivado você a tentar dormir na sua cama, sozinho, e durante o dia isso já acontece com frequência. sua alimentação continua a mesma — você come de tudo, embora esteja mais seletivo (como oferecemos muita variedade, isso não é um problema), e não tem problemas em experimentar coisas novas. uma coisa que agora você adora é chocolate, que damos de vez em quando (está se transformando num chocólatra, como seu pai :))

a fralda, por enquanto, desistimos de tirar. você já sabe expressar sua vontade, e não quer fazer xixi ou cocô na privada (mas não quer fralda também. tem sido uma briga de vez em quando). decidimos então manter conversas sobre isso, tentando ver quando você vai se interessar pelo assunto, e aí vamos fazer a transição.

no mais, fora os seus chiliques de 3 anos (tudo do contra, tudo é não, tudo é do seu jeito), os dias têm sido bons, as histórias têm sido lindas e divertidas, e mesmo seus pitis chegam a ser engraçados. uns dias são melhores que outros, mas no geral a experiência é incrível e muito bonita. você sempre foi e continua sendo um menino inteligente, tranquilo, de humor excelente, cheio de empatia e muito articulado. como não amar e não ter orgulho?

feliz 3 anos, meu amor. que venham mais 300 anos! um beijo enorme da sua mamãe.

PS: veja aqui as fotos dos seus 3 anos.

diário do otto: 2 anos e 11 meses

otto,

esse foi um mês puxado. nós 3 ficamos doentes, de cama até, e você teve uma infecção de ouvido e pneumonia leve, o que nos deixou muito apreensivos. nunca tinha visto você tão caidinho antes, acho que foi a virose mais forte que você teve nestes quase 3 anos (e pra ser sincera, uma das viroses mais fortes que eu tive na vida toda!). agora estamos todos recuperados, mas além disso eu estive fora 2 das 6 últimas semanas, e acho que isso também pesou, pra você e pra mim. (e pro seu pai, claro que ficou com você nesses dias doentinho e sentindo falta da mamãe).

você nunca chorou com a minha ausência, sempre ficou muito bem enquanto estou fora, seja no trabalho aqui pertinho ou viajando. agora que você já pode usar o telefone e o facetime, tento falar com você, mas normalmente você quer só dizer OI e TCHAU, e acabou (“posso apertar o botão vermelho, papai?”). sei de você pelo seu pai, que me manda fotos, e na maior parte do tempo não sinto saudade e nem sofro. sei que logo volto.

mas quando chega o dia de ir embora, parece que meu coração não cabe em mim. fico ansiosa, e conto as horas pra chegar e encontrar você. parece que a saudade se concentra toda na viagem de volta, e quanto mais perto chega, mais eu sinto.

dessa vez foi diferente, acho que é porque você está mais crescido. quando cheguei, você não estava, e quando você chegou do seu passeio e me viu… nunca vou esquecer seu sorriso enorme, seus olhos que sorriem mais que sua boca, e sua felicidade. abracei você, que não parava de me olhar e sorrir-sorrir-sorrir, me abraçando forte. um amor tão grande, a felicidade de estar junto e me ver ali com você…

nunca foi tão bom voltar pra casa <3

**

foi somente 1 semana nos estados unidos, dessa última vez, mas quando cheguei você era outro. “eu não sou bebê, mamãe, eu sou um RAPAZ!”, você me corrige. e está absolutamente certo.

**

você é, de fato, um rapazinho. ainda com fraldas (ou sem elas, enfim) e sem se entender com o banheiro, mas deixemos isso pra lá 😉

sua rotina continua a mesma, tudo nos conformes, e seu sono é bom mas ainda na nossa cama. e tenho a impressão que nós é que estamos adiando indefinidamente essa mudança, porque afinal é tão cômodo que você durma a noite toda… em algum momento vamos mudar. só não sei quando!

você agora se interessa muito mais pelos filmes, adora a close shave (cujos bonequinhos você herdou do papai), wall-e, lilo e stitch e detona, ralph. adoramos assistir com você!

chocolate é algo que entrou na sua lista de preferências e pedidos, igualzinho ao seu pai (doces em geral nem tanto, mas chocolate… paixão).

e estamos oficialmente na idade do NÃO, e agora a forma como você diz não é mais elaborada e muito mais engraçada. além de se recusar a fazer qualquer coisa que alguém sugira (não importa o que é e nem se você realmente quer), você recusa com frases completas e gestos pra enfatizar, como um bom descendente de italiano — “eu NÃO vou comer, eu NÃO quero comer, e eu NÃO VOU!” (pontuado por muitas mãos indignadas reforçando o argumento).

mas a mais nova e mais divertida é a frase “eu não vou discutir isso com você!”, tirada diretamente da boca do seu pai, que está muito feliz (só que não) em ver você se apropriar da sua “argumentação” 😛

aliás, estamos aprendendo cada dia mais que ser pai/mãe é difícil inclusive porque nossos filhos são espelhos claríssimos de nós mesmos. tudo o que fazemos retorna pra nós, refletido e muitas vezes incômodo. você nos ensina através do seu aprendizado, trazendo de volta ao mundo sua interpretação do que vive e vê.

meu rapazinho, você tem senso de humor. e é carinhoso, risonho, cheio de ideias e opiniões. ver você crescer e ser um pouco de nós e muito de você é lindo e emocionante.

no mês do seu aniversário fico sempre nostálgica, lembrando daquelas semanas imediatamente antes da sua chegada. os dias de sol, as flores da jabuticabeira, os tomates maduros (eu só comia tomate quando você morava dentro da barriga!), a preparação do seu quarto, as roupas no varal, aquela vida que parece até que foi outra, antes de você chegar.

são três anos, e parece que foi ontem; parece também uma vida toda, como se cada momento fosse enorme e durasse pra sempre.

que dure pra sempre, cada dia.

um beijo da mamãe.

PS: as fotos e vídeos dos seus 2 anos e 11 meses estão aqui.

diário do otto: 2 anos e 10 meses

otto,

eu ouvi seu coração. esse, ao qual você se refere quando quer (ou não) que brinque de estetoscópio (que você aliás fala tão lindo, tão per-fei-ta-men-te), o órgão, sem metáfora. e foi uma emoção tão intensa encostar minha orelha no seu peito e ouvir um coração de passarinho, pequeno, batendo tum-tum-tum. um coração que já ouvi enquanto você era nada mais que um piolho dentro da minha barriga, e depois nunca mais.

foi a primeira vez que ouvi seu coração fora do meu corpo. um coração, agora, só seu.

e doeu, doeu tanto, porque ouvir um coração batendo me remete de forma crua à realidade de que todos os corações um dia não mais baterão. como um choque, pensei na finitude da nossa existência, e percebi que eu mesma deixar de existir só é importante na medida em que isso afetar você. mas que sua existência e permanência nesse mundo enquanto eu estiver aqui significa absolutamente tudo, é a coisa mais importante que já houve.

o mundo deixa de existir sem você. é claro que isso não é verdade, isso sim é uma metáfora, mas pra mim o mundo só faz sentido com seu coração nele, batendo feito passarinho, e seu corpinho tão macio, sua voz que mais parece música, sua risada e seus pensamentozinhos.

o mundo é você, pra mim, desde que você veio a ele.

**

você agora é um mocinho, apesar da recusa em usar as instalações sanitárias como os demais seres crescidos. suponho que seja pra compensar o quanto você é articulado, e um tanto adulto pra sua tenra idade. decidimos desencanar e limpar a bagunça eventual, sem insistir demais. afinal, não conhecemos nenhum ser adulto e normal que não usa o banheiro conforme esperado. (ok, alguns ainda não aprenderam a usar a descarga e nem acertam o vaso, mas são detalhes)

sua adolescência infantil tem nos irritado um pouco, de vez em quando. você ainda é das crianças mais calmas e educadas da horda, onde quer que estejamos, mas ainda assim seus rompantes eventuais de “não quero”, jogar coisas, chutar/empurrar e dar gritinhos nos assustam. suponho que nossa expectativa era criar uma criança que fosse adulta (e a verdade é que estamos aliviados que você é um pouco moleque, sabemos que é saudável que você seja assim… criança). às vezes acho que nós, seus pais, é que somos excessivamente chatos e nunca tivemos paciência para crianças pequenas. ainda assim, gostamos muito de brincar com você e encontramos coisas legais pra fazermos juntos. isso, combinado à escola e à maria, garantem que você possa ser 100% criança e brincar muito e sempre.

continuamos felizes com nossa escolha da sua escola — você anda um pouco resistente pra ficar, ainda não sabemos porque, mas sua professora diz que você está ótimo e se comporta muito adequadamente pra sua idade 🙂 come bem, brinca, faz traquinagens. só falta o xixi e o cocô pra ficar tudo bem mais fácil agora.

você tem gostado cada vez mais de histórias (livros ou filmes), e agora já gosta de alguns filmes novos: detona ralph, como treinar seu dragão, ratattuille e gromit & wallace (em especial a close shave, que você chama de “aquele da VACA”. não consegui convencer você que é uma ovelha…). seus livros preferidos são ainda do morris lessmore, os caminhões, a coruja e agora também o do cocô, genial!

este mês viajamos para o rio, e visitamos vários amigos queridos. você se divertiu muito, e voltou falando da dora e da claudia sem parar 🙂

você é, cada dia mais, nosso companheiro de aventuras e motivo de muita diversão. e quero aproveitar pra contar uma coisa — se um dia você estiver lendo isso aqui e achar que ter filhos é trabalho demais e que não compensa, vou te contar um segredo: compensa. por mais que o trabalho seja enorme (e é) e a vida mude para sempre (às vezes pra pior, não vou mentir) a experiência é incrível. recomendo demais que você também passe por essa aventura louca e maravilhosa que é criar um ser humano.

tenho certeza que somos, eu e seu pai, pessoas melhores depois que você nasceu e se juntou a nós. e ainda virá tanto! mal podemos esperar.

um beijo com amor da sua mamãe.

PS: as fotos e vídeos dos seus 2 anos e 10 meses estão aqui.

diário do otto: 2 anos e 9 meses

otto,

ah, menino, o famoso terrible twos veio com força no último mês! como toda criança aprendendo sobre o mundo, você faz tentativas e testes dos limites ao seu redor. físicos (sua cabeça cheia de galos que o diga) e emocionais. e nós, seus pais sempre atentos, estamos aqui pra garantir que os limites existam, apesar do trabalho danado que dá fazer isso.

um dia, se resolver ter filhos, você vai descobrir o quanto é difícil (e interessante, não vou negar) criar um ser humano. ou melhor — transformá-lo num cidadão, e não simplesmente num membro da mesma espécie. seria mais simples ceder, dizer sempre sim e seguir fingindo que estamos educando. mas optamos por ensinar você a ser um cara legal, consciente da existência de pessoas ao redor. um carinha que diz OI e TCHAU, que fala por favor e obrigado, que senta para comer com outros seres humanos. que se comporta a maior parte do tempo como um ser humano normal e sociável.

maior parte, eu digo, porque você está na fase de nos contradizer, de contradizer o mundo e a realidade. constatamos “olha, está chovendo!” e você dá um chilique-monstro, afirmando “NÃO TÁ CHOVENDO, TÁ SOL”. discute as cores (“isso não é vermelho, é AZUL”. e é vermelho), inverte as músicas todas (“NÃO atirei o pau no gato-to, mas o gato-to MORREU-REU-REU”). e assim vamos, virando os olhos e suspirando, pra não contrariar você. até porque não adianta — se concordamos que o azul é vermelho, você muda de ideia e o vermelho vira então vermelho mesmo, era o azul que estava errado. porque o importante é ser do contra, e discordar e dizer não.

o que fazemos? deixamos você ser do contra, a maior parte do tempo, sem stress. o problema é a menor parte do tempo, quando confrontamos por necessidade, e temos que lidar com sua frustração por ser contrariado. grito, choro, chilique e ranger de dentes. tudo muito chato e desagradável, mas enfim, sabemos que faz parte. e que um dia ainda contaremos essas histórias e você vai (com sorte) achar graça também.

neste mês, estivemos de férias, viajando bastante, e foi muito legal (fora os chiliques, claro). você amou a praia como sempre, viu golfinhos, nadou “sozinho” (de bóia de braço) na piscina e no mar, que era igual a uma piscina, tomou sorvete, dormiu até tarde, andou de avião… muitas coisas legais, pra gente guardar de lembrança. nestas férias também visitamos seus avós em marília e seu tio e avô em ubatuba. visitamos o projeto tamar, que você adorou (as tartarugas são lindas!), comemos bem, dormimos bem. tudo bem gostoso!

as conversas com você continuam muito divertidas, e cada vez mais complexas. você anda inventando mais histórias malucas que nos fazem morrer de rir 🙂 essa semana, me contou a história do bote dos indiozinhos em outra versão: o bote VIROU, e o jacaré comeu os pés e pernas dos indiozinhos. quando perguntei o que acontecia depois, disse que eles ficaram “estragados” e não podiam sentar, e aí encerrou dizendo que “consertaram” eles, e tudo voltou ao normal. há uns dias você virou pra mim e disse “mamãe, você é uma figura!”. como não amar?

neste fim de semana, pela primeira vez na vida toda, você viu um filme INTEIRO! \o/ colocamos detona ralph (desenho totalmente nerd, eu e seu pai AMAMOS) e você não só assistiu tudo como ficava comentando, nas horas “tensas” do filme: “o que vai acontecer agora?” <3

o seu desfralde, em compensação, vai na mesma: xixi quase sob controle, cocô progresso zero %. estamos tentando não nos estressar com isso, mas confesso que com o frio chegando a história piora, e fica mais complicada (roupa pra lavar, roupa molhada). mas vamos lá, nunca vi nenhum adulto normal usando fralda 😀

sua alimentação continua ótima no geral, em comparação com o que vemos por aí, mas você está mais seletivo desde que começou a fase “do contra”. come em menor quantidade, e escolhe mais. como sempre oferecemos muita variedade, não tem sido exatamente um problema, pois alguma coisa você sempre come (especialmente o que você escolhe, claro). mas algumas refeições você recusa quase tudo, e nossa política não mudou: come o que tem, ou não come. e aí só come na próxima refeição, nada de exceções. o que acontece na prática é que na próxima refeição você está com fome, e come o que tiver. e se não comer… só na próxima 🙂

continuamos firmes no propósito de minimizar açúcar e comidas não-saudáveis, e tem funcionado bem. você come o que tiver, sem grandes dramas. e por enquanto ainda não pede doces (e como não temos em casa, facilita bastante manter o controle em dias normais).

seu sono está bem, desde que durma na cama conosco. estamos ensaiando a sua mudança de volta pro quarto, mas ainda com bastante medo. afinal, nós só começamos a dormir depois que você veio dormir conosco. estamos escaldados, e relutantes em abrir mão de um sono tranquilo… vamos ver como segue nos próximos meses.

no mais, você está um menino lindo, educado (a maior parte do tempo, pelo menos), feliz, muito sorridente e carinhoso. é um prazer muito grande estar com você a maior parte do tempo 😀 na hora do chilique, a mamãe sempre pensa em chamar a mamãe-saruê pra um acampamento.

as fotos dos seus 2 anos e 9 meses você acha aqui.

beijo enorme da sua mamãe-figura.

diário do otto: 2 anos e 7 meses + 8 meses

menino-otto,

agora você é um menino. ainda não sabe usar o banheiro, é verdade, mas não fosse isso já poderia considerar você um ser humaninho, e não mais a criatura pertencente à espécie toda especial que são os bebês. pra nós — eu e seu pai — essa sua nova fase é infinitamente mais interessante e deliciosa. estamos apaixonados pela sua versão criança, por mais que você-bebê fosse lindo, louro e fofo.

agora é possível conversar com você! negociar, explicar, ouvir suas ideias, suas questões. nas últimas semanas você começou com questionamentos mais claros, e perguntou pra mim pela primeira vez “por que aquela luz tá piscando, mamãe?”. era um carro, na minha frente, e fiquei tão emocionada que expliquei pra você quase o código de trânsito 🙂

você agora pergunta “o-quês”, “porquês” e “comos”. e nós respondemos, cheios de encantamento e espanto. repito — pra quem não passou pela experiência de acompanhar um ser crescer daquela minhoquinha que é um recém-nascido para uma criança aprendendo sobre o mundo, é difícil explicar o quanto é incrível. tão incrível quanto ver um cavalinho sair de dentro da sua mãe e andar/correr (ok, os cavalos são mais incríveis). nosso cérebro é uma máquina espantosa, assustadora. observar você crescendo nos torna ainda mais amantes da natureza e da vida.

agora você canta músicas, da sua cabecinha, inventa palavras pra gente rir, conta histórias de forma eloquente e sempre bem-pau-sa-do, explicando tu-do. e fala com as mãozinhas <3 enfatizando seu ponto de vista com dedos, braços, caras e bocas. você é muito expressivo, sério e engraçado no seu método. nos últimos meses você tem sido mais “moleque”, sobe nas coisas, alcança coisas no alto, se arrisca mais. bem diferente do seu comportamento de sempre, o que nos deixa muito felizes. achamos que é a escola que está ajudando você a se soltar mais, e ser menos sério e contido.

ultimamente você tem se interessado ainda mais por livros, histórias, e pede que contemos a mesma coisa várias vezes. começou a achar filmes (TV ou ipad) mais interessante, até senta pra ver um pouco. a TV você não gosta muito porque quando tem intervalos (comerciais) você reclama e se desinteressa; quando precisamos que você dê sossego por um tempo mais longo, o ipad é tiro e queda — são horas (mesmo, se a gente deixar!) de desenhos, vídeos, músicas e jogos. mas você continua se interessando pelos carrinhos, dominó, pião e outros brinquedos.

e hoje, do nada durante o café da manhã, você anunciou “vou ler!”, e foi para o seu quarto. sentou, sozinho, com 2 livrinhos, 1 deles no colo e outro do lado, e ficou lá, “lendo”. sozinho. tranquilo. e nos convidou pra ler junto, pra rever as mesmas histórias, uma depois da outra. não sei descrever a emoção de ver você “lendo”, no seu quarto, como uma pequena pessoinha, não mais um bebê. com vontade própria, calmo, independente.

conviver com você tem sido fácil, na maior parte do tempo (tirando o desfralde, por enquanto sem progressos além do xixi). alimentar você é moleza (come de tudo, e muito), divertir você é fácil, seja na rua ou em casa. dormir ainda é aquela novela de 1 a 2 horas, na nossa cama. mas você dorme a noite toda, o que acaba nos deixando tão felizes depois de 2 anos de drama que a gente até esquece que você devia dormir na sua caminha 😀

a paixão pelas letrinhas e números continua, e você agora conta bonitinho em inglês (até 10, que tem num livrinho que você ganhou), e até corrige o meu THREE (“é FREE, mamãe!”). fala o SEVEN com o “n” bem marcadinho, chega a ser engraçado.

e recita as músicas e a “oração” de agradecimento pelo almoço, que fazem na escola. junta as mãozinhas e fecha o olho, agradecendo “a cleonice pelo almoço gostoso que ela preparou!”. é de apertar muito, de tanta fofura!

já não sei mais se vou conseguir escrever a cada mês. a impressão que tenho é que algo mudou, alguma chave, e aqueles marcos de desenvolvimento tão claros dos primeiros meses agora se misturam, e seu tornar-se menino é fluido, cada vez mais próximo dos seres humanos que somos nós, seu pai e eu. o sorriso de um, o cenho franzido do outro. mais que só mistura, você é uma ponte, um caminho que traz e leva mensagens de um para o outro, cria mundos e questões que não existiam antes de você existir.

acho que finalmente estamos aprendendo a ser pais, e não só filhos. incorporamos estes novos (e difíceis) papéis na nossa existência. e quanto mais você se destaca como ser independente de nós, mais nossa condição se aprofunda e evidencia. temos um compromisso, uma meta, um desejo — que você seja feliz, autônomo, confiante. um menino louro e sorridente no meio desse mundo enorme.

observo você sozinho pela casa, comendo, brincando, se escondendo. atravessando a escuridão de um corredor enorme e escuro, e sem medo algum, ficando na ponta dos pés para acender a luz. sozinho, tão confiante e tranquilo. ia dizer que tenho muito orgulho, mas a verdade é que não é isso, não; é admiração pela sua independência, seja nos passos do escuro, seja no dizer claramente que “não” quando necessário. porque, diferente da sua mãe, você diz não e sim com a mesma facilidade e tranquilidade. anda na escuridão, e enfrenta com alegria (e óculos escuros) a luz do sol do meio-dia.

menino solar, molequinho cheio de opinião, gatinho doce e carinhoso da mamãe — cada dia amamos mais você e suas descobertas. viver com você tem sido um grande presente!

beijo da mamãe.

PS: e as fotos e vídeos continuam! divirta-se com seus 2 anos e 7 meses e 2 anos e 8 meses.