a história da chupeta

chupeta sempre foi um assunto que eu considerei simples antes de ser mãe: não darei  para o meu filho, já que não tem nenhum benefício.

mas aí seu filho nasce num parto complicadíssimo e passa 8 dias na UTI, onde você pode visitá-lo somente a cada 3h, e as coisas mudam. ele chorava, sem ninguém amamentando ou pegando no colo, então as enfermeiras deram chupeta pra ele e uma boa parte do tempo isso era suficiente pra ele não chorar. quando a fome apertava ele chorava MUITO — quando eu chegava pra amamentar, ouvia de longe o menino gritando de fome, e além da preocupação com a situação (ele estava na UTI em observação, pra ver se não havia nenhuma seqüela do parto) eu ainda sofria horrores de não poder dar o peito na hora que ele quisesse.

dessa forma, minha opinião sobre a chupeta tornou-se irrelevante e cedi. não suportava a ideia de deixá-lo chorando sem colo e sem peito. a chupeta é um substituto ruim, mas me pareceu melhor que a alternativa. não me arrependo.

voltando para casa, tínhamos muito medo e total inexperiência. a chupeta não atrapalhou em nada a amamentação (ele pegou o peito perfeitamente de primeira, e assim foi até que decidiu desmamar por conta própria aos 9 meses), mas acredito que pelos 8 dias na UTI ele associou o peito a comida e não ao efeito calmante, e simplesmente não aceitava mamar como forma de conforto ou mesmo para dormir. mamar, pro Otto, sempre foi objetivo: acabou a fome, acabou o peito. os incômodos e o sono nunca foram resolvidos com o peito, ele não pegava de forma nenhuma sem fome. colo sempre foi essencial, ele ficava mais calmo e muitas vezes parava de chorar estando no colo (andando, de preferência), mas o peito era buffet mesmo.

acho até que por isso aos 9 meses, quando ele já tinha muitos dentes (>7 com certeza) e comia de tudo, desinteressou do peito. pegava pra mamar, e ele mordia o peito, cuspia e ria. não queria mesmo, pra minha frustração (se pudesse, teria amamentado até sei lá quando, era muito legal, em especial depois da 1a fase de mamar a cada 2h).

mas enfim, devido a esse detalhe do peito não acalmar a criança, a chupeta tornou-se uma âncora, porque acalmava o menino imediatamente. talvez se tivéssemos suportado o choro nos primeiros dias e “ensinado” pra ele que o peito era uma boa alternativa à chupeta, ele tivesse aprendido. mas se você tem filhos e lembra o que a gente sente quando o recém-nascido chora, há de ter empatia com nossa situação e entender que a chupeta já não parecia tão ruim.

conforme a época crítica de RN foi passando, reduzimos o uso da chupeta para apenas a hora de dormir (e sempre que podíamos, tirávamos da boca dele enquanto dormia). quando ele parou de mamar no peito, adotamos a mamadeira (que ele aceitou na boa, bem parecida com a chupeta) para dar leite, porém paramos quando ele completou 2 anos. por mais que tivéssemos cedido à chupeta e à mamadeira, sempre tivemos a preocupação de minimizar o uso e evitar problema buco-maxilares. e escovamos os dentes dele pelo menos 2x/dia desde que os dentes nasceram, aos 6 meses.

(além de acharmos bem complicado a criança usar chupeta o tempo todo)

aos 3 anos levamos o otto a uma dentista pela primeira vez, e pra nosso alívio ela afirmou que não havia nenhuma consequência do uso da chupeta na dentição, nem nada que fosse visível. ele tem os mesmos problemas alérgicos de nariz que eu e o pai, que não acho que têm relação com chupeta, a genética explica 100% (mas veja que disse ACHO, já que não investigamos nem sou especialista no assunto). sorte, ou é porque o uso da chupeta nunca foi muito intenso.

o otto sempre deu trabalho pra dormir, e a chupeta também era uma muleta enorme. naquele momento crítico do sono, da chatice do cansaço, a chupeta ajudava a acalmar e ele dormia. não nos parecia OK deixá-lo chorando pedindo a chupeta e simplesmente não dar, ele parecia tão pequeno ainda! nós estávamos aqui há mais de ano sofrendo com o momento de tirar a chupeta, já que tampouco nos parecia legal inventar alguma história maluca pra tirar a chupeta (dar pro papai noel, pro coelho da páscoa, pros ETs…).

até que há 1 ou 2 meses a boquinha dele apareceu meio assada, como que rachada de frio. achamos que podia ser de dormir com a chupeta, pois ficava bem vermelho acima do lábio superior. decidimos tirar a chupeta por uns dias pra ver como ficava, e explicar pra ele que não ia usar a chupeta porque estava machucando a boquinha. não era uma tentativa de tirar a chupeta, era mesmo um jeito de testar uma hipótese.

na 1a noite ele pediu a tetê, e explicamos a situação. ele reclamou (não lembro se chorou, mas reclamou), explicamos de novo, ele acabou cedendo. pra nosso espanto (e alívio) dormiu normalmente, sem chupeta. fizemos o mesmo no próximo dia, e nos demais, até que a boquinha melhorou. ele continuou pedindo a tetê, mas cada vez menos enfaticamente. continuamos explicando, e quando a boca melhorou percebemos que podíamos eliminar a chupeta sem drama. alguns dias depois, ele já não pediu mais, como se a chupeta nunca tivesse existido! e o sono continua bom, normal, dormindo rápido quando cansado e mais devagar quando está menos cansado.

no fim a assadura na boca não era da chupeta, é causada por ele mesmo, que passa muito a língua no lábio quando o tempo está muito seco. tenho passado batom hidratante e melhora :)

não sei se tiramos a chupeta tarde demais, e nem se existe algum problema causado por ela que nem descobrimos, mas essa foi mais uma das muitas lições de ilusão de controle e certeza que a maternidade me trouxe: nem sempre a gente consegue fazer as coisas do jeito que considera ideal; as coisas acontecem no tempo em que precisam acontecer, e não quando a gente quer — precisamos estar atentos se agir na hora certa quando ela aparece!

diário do otto: 1 ano e 4 meses

 otto,

você já é praticamente um adulto, meu amor! \o/

brincadeiras à parte, é essa sensação que temos mesmo: que de um dia pro outro você deixou de ser bebê pra ser um menino. um menino que não fala palavras e frases ainda, é verdade, mas com comportamento de menino, sim. é impressionante (e até assustador) perceber o quanto você compreende o que falamos, apesar de não falar quase nada. há um certo link na cabeça da gente entre falar-ouvir, e supomos que já que você não fala, não entende muito o que falamos também. ledo engano. você simplesmente entende TUDO, frases como “pega o outro controle remoto pra mamãe, otto” (você pega mesmo o OUTRO e não o que já está na mão) ou “vamos trocar a fralda” (você dá a mãozinha e me leva pro trocador) ou até “come um pedaço de brócoli” (e você pega e come, com suas mãozinhas gorduchas).

sei que essas pequenas coisas parecem bobas pra quem não tem filhos, mas a gente se espanta porque há poucos meses este mesmo bebê nem sentava. há 1 ano não fazia NADA sozinho, e agora come, anda, pede coisas e tem vontade própria. é incrível!

você anda agora muito bem e segue a gente pela casa enquanto fazemos coisas, e arrisca (demais) corridas, nos deixando de cabelo em pé. chuta bola, sobe, desce (degraus inclusive), come “sozinho” com a colher (derrubando tudo, claro), pega tudo que vê pela frente e leva embora, especialmente sapatos (e volta pra buscar o par!), pede o que quer o tempo todo… ou seja: é a criança que não fala mais tagarela que já vi :)

o mais engraçado é que você “fala” com vogais tônicas: “á” pra água,  mamá, nai e pra dar coisas de forma geral; “ó” pra vovó, óculos, e pra mostrar; “é” é meio coringa, como se fosse concordando ou confirmando (“otto, quer biscoito? — É!”); “ô” pra biscoito e vovô. e sabemos que você sabe as vogais, porque fala mamã, papá, tetê, ígui (ziggy, um porco-espinho de pelúcia), e já falou ága e a-bô. sei lá o que falta pra deslanchar outras palavras, e enquanto isso vamos rindo do seu idioma de vogais.

mas JURO que dia desses você falou “água” perfeitamente pra mim. mas é só pra mim, o que me fez lembrar do sapo cantor :)

a coisa mais linda desse último mês é que você agora nos chama pra brincar, e propõe o que quer fazer claramente, é muito bonitinho. se você não fosse tão teimoso seria menos engraçado :D você se mete nas brincadeiras de bola e areia das crianças no parquinho (e a gente morre de medo deles derrubarem você, os pais superprotetores), é uma graça ver você começando a se interessar pelas outras crianças.

em casa, está um caos: além de correr pra todo lado, você agora aprendeu a abrir e fechar portas e gavetas ao seu alcance, e aprendeu até a guardar coisas (guardou sozinho uma faixa de cabelo da mamãe! no lugar errado, mas tudo bem). pelo menos você aprendeu a descer da cama, do sofá e a descer degraus maiores de costas (é super engraçado ver você descendo parecendo uma minhoca).

seu ritmo de sono está estabilizando (2 sonecas por dia, ao som da bendita galinha pintadinha e dormindo por volta de 19:30h até 6h da manhã), mas ainda tá dando muito trabalho pra pegar no sono. demora de 30min a 1h, e é bem chato de ficar lá com você revirando na cama que nem pipoca até dormir. mas vou achando paciência onde não tenho, porque afinal você é fofo de morder, e essa fase vai passar, aiai.

seu interesse por música e aparelhos eletrônicos só aumenta, e você adora brincar com o iphone e o ipad da mamãe, especialmente pra ver os vídeos da supracitada galinha e interagir com as bactérias e o talking tom. sabe destravar os 2 aparelhos sozinho, e colocar os vídeos de novo quando acabam. filhinho de nerd, nerdinho é :D

estamos tentando ensinar você a dar beijo, mas tá difícil! dá um ou outro de vez em quando, mas só pra fazer graça. abraço, em compensação, você já aprendeu e pede pra dar, é lindo!

ah, e além dos 4 molares que você ganhou, tem mais 2 dentinhos nascendo em cima. você é praticamente um tubarão :D inclusive no apetite — continua comendo como gente grande, de tudo, especialmente brócoli, cenoura e frutas em geral. nosso orgulho!

estamos cada dia mais apaixonados por você, e nos divertindo muito acompanhando você crescer e se tornar uma pessoinha tão diferente de nós. estamos cansados como sempre, e felizes como nunca.

te amo, meu querido. um beijo da mamãe.

(aqui as fotos deste mês)

diário do otto: 1 ano e 3 meses

otto,

como pode tanta coisa acontecer em tão pouco tempo? somente 1 mês e você saiu de férias pela primeira vez, nasceram 4 (!) molares e você está andando sozinho muito bem \o/

além disso, apareceram “palavras” novas, como “ó” pra vovó e “ô” pra vovô, e a mais fofa “á-bô” (com gesto de acabou com as mãozinhas) quando acaba a comida, fechamos o chuveiro, acaba a música…

neste mês tivemos muitas primeiras vezes: primeiras férias, primeira viagem de avião, primeiro hotel, primeiro passeio de bugue, primeiro sorvete (de tangerina, depois de coco, depois de chocolate…), primeira noitada, primeiro PF de boteco, primeira bruschetta (você AMOU). você está ficando um mocinho muito querido, e se comportando cada vez melhor. agora sim tenho a sensação de que as coisas vão ficando mais fáceis, conforme você cresce e entende melhor o mundo.

o seu sono continua variando, e você passou o mês todo acordando pelo menos 2x por noite, chorando, como é de praxe. mas desta vez estamos certos que seu sono foi muito atrapalhado pelos seus 4 molares nascendo, porque também durante o dia você ficava chatinho, mordendo tudo que via pela frente (inclusive suas mãozinhas. fez 2 reloginhos de mordida no próprio pulso) e com febre baixa às vezes. você agora tem 12 dentes, bebê!

agora você não só levanta e anda sozinho, como aprendeu a descer/subir degraus muito bem, sabe desacelerar (e obecede direitinho nossas ordens de “devagar!”, é muito fofo) e cai com as mãos espalmadas no chão, amortecendo a queda. em compensação, você acha o máximo ficar rodando em torno de você mesmo até ficar tonto e cair :D sorte que a fralda amortece a queda de bunda.

seu entendimento das coisas melhora a cada dia, é impressionante como você entende TUDO que a gente fala, e interage mesmo sem falar. estamos nos esforçando pra não atender as coisas que você pede fazendo gestos e falando “AHHHH”, pra ver se incentiva você a pronunciar as palavras. então, quando aponta a água e pede Á, a gente repete várias vezes ÁGUA, quer ÁGUA? antes de dar. é meio ridículo, mas achamos que ajuda. embora sua cara de sem-vergonha nos diga que você só vai falar mesmo quando quiser.

nestas últimas semanas você tem praticado gritos muito altos, parece uma harpia louca. o que nos deixa preocupados, porque ODIAMOS criança que grita em público. felizmente você é muito mais comportado em público que em casa. e estamos procurando sair com você mais frequentemente pra acostumar com ambientes cheios, barulho, etc.

ficar com você de férias por 1 semana foi cansativo mas também uma delícia pra acompanhar você mais de perto. essa fase em que você está é muito mais divertida que os primeiros meses, e a interação é mais fácil. em resumo: a mamãe está apaixonada por você <3

e há 3 noites (vou até falar mais baixo… shhhhh) você dorme sem acordar NENHUMA VEZ. depois de 15 meses! esperamos que a bonança dure, pelo menos até o próximo dente ou resfriado :D

você está um grude com a mamãe, só quer ficar no colo, e apesar das dores nas costas eu aproveito o máximo que posso, porque sei que dura pouco. daqui a pouco você vai estar um meninão correndo da mãe, e sei que vou ter saudade.

por enquanto, meu menino lindo, continue esse carrapatinho lindo.

um beijo com amor, da mamãe.

(aqui as fotos deste mês cheio de aventuras!)

amamentação: quando fui demitida

pois é. planejei tanto, ordenhei por 2 meses, esquematizei os horários pra poder trabalhar e amamentar, e no fim das contas quem decidiu mesmo como ia funcionar foi o otto!

quando ele chegou em casa, eu fiz um esquema de livre demanda mas com intervalo máximo de 2h a cada mamada de dia e no máximo 4h à noite. só no terceiro mês ele mesmo começou a espaçar um pouco mais as mamadas (3h), mas nunca deixei passar disso porque quando ele ficava com fome era um berreiro e demorava pra ele acalmar e mamar direito. preferi não arriscar e dar a teta logo, pro menino não ficar bravo.

ele sempre foi um bebê muito “objetivo” pra mamar – não enrolava no peito, mamava direitinho e largava quando não queria mais. a impressão que sempre tive é que o peito pra ele era mesmo comida, milk delivery :D ele fazia uma gracinha ou outra, mas quando estava satisfeito largava e não queria ficar de jeito nenhum.

quando ele começou a comer (que coincidiu com o nascimento dos dentes), percebi que o interesse pelo peito diminuiu. com 6 meses ele já tinha 2 dentes, com 7 meses já tinha 5 e com 8 estava com 7 dentes (e agora com 9 parece que estão vindo os caninos). quanto mais os dentes vinham, mais ele parecia faminto por comida mais que por leite. começou a mamar como “lanche”, parece, e começou a me morder. as mordidas no início eram tímidas, mas ele foi empolgando e mordendo forte, puxando, um horror. e achava a maior graça quando eu brigava com ele, o cachorro!

pois prestes a completar 9 meses as mordidas pioraram, e ele passou a recusar o peito de vez. aprendeu a dizer não do jeito dele (fazendo brrrrr com a boca), e bastava olhar pro peito e fazia brrrrr! se eu insistisse, ele mordia. a única forma de fazê-lo mamar era dormindo.

quando completou 9 meses ele realmente se recusou a mamar de manhã e à noite, e eu decidi que não tinha sentido em insistir. ele está comendo bem, e mama suplemento desde que completou 8 meses  — meu leite diminuiu muito, coincidentemente (?) depois que comecei a ordenhar no trabalho.

verdade é que ainda tentei um pouquinho, sempre que dava. mas a reação era a mesma: brrrr e mordida.

ok, bebê, entendi o recado. fui demitida da função de provedora de leite. com 9 meses decidiu que já era hora de largar a teta. tou vendo que a minha vida vai ser *super* fácil.

e como eu me senti? meio deixada de lado né :D mas nada dramático. o processo foi gradual, e partiu realmente dele. prefiro assim que um bebê mamando até os 2 anos e tendo que ser desmamado à força. por pior que seja, é sempre melhor ser demitida que demitir…

amamentação e alimentação: quase 9 meses, e tudo vai bem

depois de muita resistência, especialmente da minha parte, adotamos a mamadeira para complementar as mamadas do menino, quando ele completou 8 meses. a verdade é que foi simples, e ajudou muito no período da noite, desde então ele tem dormido cada vez melhor.

nosso pediatra sempre foi da linha “pare de amamentar de madrugada depois dos 6 meses”, e eu bem que tentei, mas o menino tinha fome. entre deixá-lo chorando e amamentar, amamentei. mas acontece o leite materno é absorvido mais rápido, é fato, e o intervalo tinha que ser de no máximo 4h entre cada mamada à noite…

é desumano uma mulher trabalhar o dia todo e amamentar a noite toda. aliás, que dureza é amamentar a noite toda mesmo que você não trabalhe o dia todo, é muito puxado. com o bebê comendo bem, ganhando peso e com ótima saúde, pra que se sacrificar? eu realmente estou convencida que pra ser boa mãe não é preciso (e nem desejável) sofrer, dar o sangue, etc.

diante do meu desejo de continuar trabalhando e ter noites de mais sossego e ser feliz, decidi testar a mamadeira. fiquei com medo dele não querer mais o peito, depois da mamadeira, mas sabia que aos 8 meses esse risco é menor. ele já sabe mamar no peito, beber no copo e mamar na mamadeira, sem confundir as coisas. pois tentamos, e foi ótimo!

atualmente ele mama no peito às 6:30h e às 19h, e na mamadeira lá pelas 8h (120ml), 15h (210ml), 20:30h (já dormindo, 150ml) e entre meia-noite e 1 da manhã 210ml.

as quantidades da mamadeira foram adaptadas por nós mesmos, a recomendação do pediatra foi 210ml às 15h e meia-noite (as outras nós damos por conta, porque achamos que ele mama pouco no peito). fico contente que ele continua mamando no peito, porque não é a fonte primária de alimento dele mas é um suplemento essencial para sua imunidade, funcionamento do intestino e, é claro, chamego com a mãe ;)

além das mamadas, ele tem se alimentado de sólidos muito bem: 1/2 mamão todos os dias de manhã, 1 pera (às vezes inteira de uma vez, às vezes em 2 período do dia), 1 laranja (não gosta mais do suco, quer a fruta) e 1 caqui ou banana ou melão. e almoça 1 prato de sopa cheio de sopa de legumes com alguma proteína (carne vermelha, frango ou gema cozida de ovo) e janta 1 prato cheio de sopa cheio de legumes somente.

iniciamos a papinha e as frutas em purê, bem líquido, para ensiná-lo a engolir. quando ele começou a engolir bem e “mastigar” (ele faz o movimento direitinho), mais ou menos no sétimo mês, paramos de fazer papa e deixamos tudo em pedaços. foi na mesma época que ele começou a não querer o suco e sim a fruta, e recusa coisas muito melequentas (prefere mastigar os pedaços).

aliás, é impressionante como a natureza é perfeita. o otto teve dentes muito cedo, os primeiros nasceram com 5 meses e com 8 meses ele tem 7 dentes já nascidos (e mais vindo por aí). junto com os dentes veio o interesse pela comida e o movimento de mastigação. ele sempre aceitou alimentos sólidos muito bem, e come com o maior prazer.

da minha parte, continuarei a dar o peito enquanto ele quiser. neste mês, com novos dentes vindo por aí, ele mordeu meu peito algumas vezes, e foi bem doloroso. dei bronca, tirei o peito, comecei a dar o peito com ele dormindo, mas não desisti. depois de 1 ou 2 semanas desse comportamento, passou e agora ele mama normal de novo.

ou seja: é possível manter a amamentação com a mamadeira, com os dentes e com a alimentação sólida. basta um pouco de paciência, sorte :) e boa vontade.

registro do ogrinho

dados de crescimento do menino:

nascimento: 3.325g, 52cm (estimados, eles erraram na 1a medição com certeza)

1 mês: 3.960g, 54,5cm

2 meses, 15 dias: 6.000g, 59,5cm

3 meses, 15 dias: 6.700g, 62cm

5 meses: 7.480g, 66,2cm

7 meses: 6 dentinhos (4 em cima, 2 embaixo), 8.450g, 69.5cm

9 meses: 9.250g, 72,3cm

10 meses: 10.220g, 74,6cm

13 meses (1 ano e 1 mês): 11.410g, 78,5cm

17 meses (1 ano e 5 meses): 18 dentinhos, 12.550g, 82,7cm

rotina do bebê: evoluindo e observando

iniciamos a rotina de alimentação do otto (além do leite do peito) aos 5 meses. a decisão foi tomada em conjunto com o pediatra, por dois motivos:

1. eu queria voltar a trabalhar com a rotina 100% estabelecida e ajustada por mim. como a volta estava programada pra quando ele estivesse com 6 meses e meio, preferi começar antes;

2. ele estava “regredindo” no intervalo entre as mamadas (pedindo pra mamar mais frequentemente, especialmente durante a noite). segundo o pediatra, baseado no crescimento dele (que foi maior que o esperado e acima do ganho de peso), é normal que ele mame mais porque precisa mais. a sugestão para aliviar um pouco pra mim (não ter que dar tanto o peito) foi iniciar com suco e frutas. (e funcionou!)

ele aceitou muito bem tudo o que oferecemos, depois de passada a estranheza inicial. caso você não saiba, como eu não sabia, todos os bebês estranham o sabor dos alimentos oferecidos na primeira (segunda, terceira…) vez. é preciso insistir, pra que ele se acostume. a diretriz do pediatra foi dar a mesma fruta por 1 semana antes de oferecer outra, e assim fizemos.

depois de 2 semanas de frutas e sucos, ele já estava gostando de quase tudo, e iniciamos a papinha de legumes. ele aceitou muito bem também, e depois de 2 semanas incluímos carne na papinha (tudo batido no liquificador). a diferença que sentimos, obviamente, foi no cocô: ficou pastoso e passou a fazer 1 ou 2 vezes por dia somente. até o início de outros alimentos, ele fazia cocô a cada 3h (até o terceiro mês) e depois de 4-6 horas.

a rotina dele ficou assim:

entre 6:00 e 7:00: acorda e mama no peito. brinca com a mamãe até as 7:30h :)

por volta das 09:00: suco de fruta (começamos com 1 laranja lima; hoje ele toma 2 laranjas mais um pouco de mamão. quando está com o intestino mais preso, colocamos ameixa preta junto batida)

por volta das 11:00: leite do peito no copinho, cerca de 100ml

por volta de 12:30: almoço (começamos com 4 colheres de sopa de papinha, hoje ele come 7. aumentamos progressivamente, conforme ele reclamava que acabou)

por volta de 15:30: leite do peito no copinho, cerca de 100ml

por volta de 17:00: fruta (começamos com 1/2 fruta, hoje ele come uma mistura de 3 frutas, 1/2 de cada, ou seja, 1 fruta e 1/2. também aumentamos conforme ele reclamava que queria mais)

costumamos dar 2 banhos curtos nele durante o dia, um de manhã e outro no início da tarde, pois ele é calorento e sua muito (e adora banho!). a maria passeia com ele a pé pelo menos 2 vezes por dia, ele adora e distrai. ele tira pelo menos 3 sonecas durante o dia, uma de manhã, outra na hora do almoço e outra à tarde, cada uma de 30min-1h. às vezes ele dorme mais, mas não é frequente.

chego do trabalho às 17:30h, brincamos, passeamos os 3 no condomínio a pé por 30-40min, e entre 19:00 e 19:30 ele toma o banho final do dia. a essa hora ele já está morrendo de sono (bocejando, coçando os olhinhos) e às 20:30h normalmente está dormindo.

o otto não dorme sozinho, nunca dormiu. precisamos niná-lo até dormir, ou ele chora, boceja, coça o olho e não dorme (e vai piorando, piorando… uma chatice). há os que defendam que devemos deixá-lo chorar no berço até “aprender” a dormir sozinho (nosso pediatra é dessa linha), mas nós não gostamos da idéia. achamos que ele é ainda muito bebê, e não é um problema ainda fazê-lo dormir no colo. decidimos fazer assim até que possamos conversar com ele e entender, ou que ele comece a dormir sozinho por conta própria, quando estiver pronto. por enquanto, quando ele chora à noite a gente pega do berço, nina de novo, e volta. isso acontece às vezes 1, 2 vezes por noite. às vezes ele acorda a cada 2h (quando os dentinhos começaram a nascer, por exemplo…)

até essa semana ele mamava durante a noite e madrugada: por volta de meia-noite, às 4:00 e depois o dia começava de novo. há 2 dias eliminamos a mamada da madrugada, ele mama por volta da meia-noite e depois só a partir das 6 da manhã. funcionou bem, e ontem foi o primeiro dia que ele dormiu direto até de manhã sem acordar (aleluia!). continuaremos insistindo!

truques que fomos adotando pra manter a rotina

– felizmente nunca precisamos fazer nada pra que ele dormisse às 20h, esse horário foi imposição dele mesmo, apenas respeitamos. o que fizemos foi sempre fazê-lo dormir de novo quando ele eventualmente acordasse entre 20h e 6h (em oposição a deixá-lo brincar, conversar com ele ou coisa assim). ou seja: a partir da hora que ele dorme, é noite e devemos dormir, nada de brincadeira nem conversa.

– não temos deixado ele dormir mais de 1,5h durante o dia. quando ele quer dormir mais, abrimos a janela, fazemos barulho de leve até acordar, ou simplesmente pegamos no colo e gentilmente acordamos.

– procuramos manter um intervalo de 2-2,5h entre as refeições, mas peço que a babá sempre tente manter o último leite do dia por volta de 15:30h, para que eu regule o horário da mamada-antes-de-dormir pra perto de 19:30h, que relaxa bastante o bebê e ajuda a dormir mais fácil (é incomum o otto dormir mamando, acreditem se quiser…)

– ele costuma dormir de chupeta, mas tiramos depois que ele dorme profundamente. a chupeta acalma bastante, e com os dentinhos nascendo então, é a salvação. mas tiramos sempre depois de um tempo, senão ele tira sem querer e acorda BRAVO.

update: esqueci do mais importante! quando ele completou 6 meses, comecei a anotar toda a rotina dele num caderninho, diariamente. a babá, eu e o pai mantemos os seguintes dados lá – hora que acordou/dormiu, mamou, comeu, fez cocô e dormiu (e por quanto tempo). essas anotações nos ajudaram a entender o ritmo dele, e também servem pra que eu saiba o que aconteceu com ele durante o dia quando chego do trabalho. considero essencial!

das muitas coisas que acontecem ao mesmo tempo

olha, um amigo diz que ter filhos é conhecer a vida selvagem, e é mesmo. não que por enquanto a coisa seja “selvagem”, mas no sentido de se conectar às coisas mais básicas de ser humano, ou ser bicho.

estamos aqui na fase de alimentar o bebê (além do leite) e observar como o trato digestivo se comporta. ao mesmo tempo, os dentes irrompem pelas gengivas do menino, transformando-o numa piranha assassina.

já disse por aqui do quanto o bebê é basicamente uma fábrica de excreções e fluidos corporais em geral. vivemos estes primeiros meses em função do xixi, cocô, vômito, baba e meleca (quando há), e ficamos felizes quando o cocô dá sinal de vida. a pior coisa que pode acontecer a um bebê é não fazer cocô (o que me lembra aquela ótima piada sobre quem é o mandachuva do corpo humano – o cu, e não o cérebro, lembrem sempre).

desde que iniciou a alimentação sólida, o otto estava com o cocô ótimo: mudou de líquido para pastoso, mas tudo sob controle. pois desde a inserção da carne vermelha o intestino prendeu um pouco, dificultando a vida dele e a nossa. hoje pela primeira vez ele precisou de ajuda para fazer cocô, e graças aos céus a super-babá dele estava aqui. ela basicamente obrigou o menino a fazer cocô: perninhas apoiadas sobre a barriga, empurrando, e óleo pra lubrificar. havia cocô, e ele não conseguia fazer (apesar de fazer força) porque estava endurecido. com a ajuda, fez muito – MUITO – cocô mais durinho, até chegar na consistência normal pra idade (pastoso). santa babá, porque eu já teria que apelar para o supositório, não saberia conduzir o procedimento. mas observei e aprendi, e se precisar fazer de novo já sei como é.

como se não bastasse, ele já está com 2 dentes embaixo e mais vários querendo rasgar a gengiva. tem pelo menos mais 1 embaixo e os 2 de cima (centrais) estão prontos pra sair. um deles está deixando a gengiva roxinha (como um hematoma), e segundo o pediatra é normal (às vezes o crescimento do dente rompe vasinhos). o menino morde tudo que vê pela frente, judia da chupeta loucamente, morde nosso braço, o ombro, queixo, nariz, mãos, qualquer coisa, pobrezinho. morde como cachorrinho pequeno, de chacoalhar a cabecinha. não imagino a dor e coceira que deve sentir, judiação.

pois junte os dentinhos nascendo e o cocô preso, e terá um bebê irritado e com problemas de sono. acorda de 2 em 2 horas, chorando, mordendo e reclamando. e nós aqui, tentando fazer o melhor pra que ele passe por essa fase sem muito sofrimento.

e dizem que temos sorte, pois há bebês que adoecem nessa fase, e ele não teve nada além do incômodo.

ainda quer ter filhos, meu bem? :)

dizem que melhora, e é verdade. mas também é mentira :)

bom, chegamos aos tais 6 meses, o grande marco dessa fase da vida do bebê. a verdade é que melhora sim, por vários motivos, mas outras coisas pioram também (e já estou percebendo que continua assim, forever and ever).

o que melhora nesta fase: você conhece melhor o bebê, e já não é tão difícil saber o que ele quer (comer, dormir, trocar fralda, brincar, etc.); o bebê interage bem nessa fase, sorri e brinca, o que facilita ter prazer em estar com ele sem tanta tensão e preocupação; a freqüência de mamar provavelmente já diminuiu (a cada 4h) e já não é mais tão cansativo, a gente dorme um pouco mais.

o que piora (ou fica mais difícil): o bebê demanda mais atenção, não basta estar ali, tem que participar :) além disso, se seu bebê for como o meu, os dentes vão começar a aparecer e esse é um processo horroroso. dói, o bebê sofre e não há muito que se possa fazer. caso seu bebê durma bem, é possível que pare de dormir bem e acorde muito à noite. o otto sempre dormiu à noite (acordando para mamar), e continua não acordando completamente, mas chora durante a madrugada com muito mais freqüência agora com os dentinhos. fica claro que ele está sofrendo e não há muito o que fazer.

a questão do sono é a que mais nos preocupa no momento. o otto sempre teve muito sono a partir de 19h, e costuma dormir às 20h. mas ele nunca dormiu uma noite inteira sem interrupção. no início nós o acordávamos pra mamar a cada 4h (até o segundo mês), depois ele mesmo acordava 1 ou 2 vezes por noite para mamar. até pouco tempo atrás essa era a rotina, e agora ele começou a acordar a cada 2 horas, muito incomodado. como coincidiu com os dentes, acreditamos que seja isso.

nosso pediatra é da linha “deixa chorar” (pra dormir) e “não amamente durante a madrugada a partir dos 6 meses”. nós nunca deixamos o otto chorar (e não vamos deixar tão cedo), simplesmente porque não acreditamos que fará bem a ele ou a nós, e eu tentei não dar o peito das 23 às 5, mas com o incômodo do dentinho desisti dessa idéia. vou dar o peito a cada 4h durante a madrugada se ele quiser. até porque ele vai parar de mamar no meu peito 2x por dia (vou voltar ao trabalho), e pode estar simplesmente sentindo falta do contato. amamentá-lo na madrugada não me incomoda tanto, tenho muita facilidade pra dormir.

o problema é quando o fer não estiver disponível pra cuidar dele durante a madrugada, acordando a cada duas horas… aí eu vou ter que cuidar dele, amamentar e trabalhar o dia todo no dia seguinte. antevejo dias de zumbi. mas procuro ter esperança que vai passar logo, e vou sobreviver sem grandes dramas.

morro de inveja de pessoas cujos filhos dormem a noite toda desde pequenininhos, afe.

bom, tendo alguma dica pra essa fase dentinhos e problemas de sono, deixem comentário por favor. qualquer ajuda é bem-vinda. achamos alguns links que podem ser úteis, se você chegou aqui procurando ajuda (e encontrou uma mãe perdida :D): kellymom (melhor site sobre amamentação e outras coisas que já vi, mas é em inglês), discussão sobre sono no multiply, relato de uma mãe sobre padrão do sono do seu filho, dentição no orkut, artifo sobre dentição e relato de como os dentes afetaram o sono dos filhos.