sistema de governo para crianças

NÃO SEI SE MORRO DE ORGULHO OU DE APREENSÃO, gente!

 

Otto insiste em não querer ir pra escola, como sempre. Cita pra mim OS DIREITOS DA CRIANÇA (só as partes que interessam, claro, como direito de brincar). Eu menciono uma lista maior, entre eles o direito de IR À ESCOLA.

 

O: “pera. Ir pra escola não é um direito!”

 

Eu: “claro que é. Há crianças que não podem ir à escola”

 

O: “e por que isso é ruim?!”

 

Eu: “porque elas vão virar adultos que não poderão escolher seu trabalho, e serão exploradas quando trabalharem.”

 

(Eu comecei a antever o que podia vir…)

 

O: “mas por que todas as pessoas precisam trabalhar?”

 

Eu: “porque é trabalhando que se ganha dinheiro pra viver, morar, ter coisas”

 

O: “pois eu vou QUEBRAR AS REGRAS DO DINHEIRO. Eu vou achar uma forma de não precisar de dinheiro pra conseguir as coisas que eu quero!”

 

Nessa hora eu (sério) quase comecei a chorar de tanto orgulho da inteligência dele. E ao mesmo tempo me doeu perceber como ele é privilegiado.

 

Nós não somos pais que “doutrinamos” nosso filho. Nunca falamos muito bem sobre dinheiro, nem sobre riqueza e pobreza. Provavelmente porque somos tão privilegiados que ele nunca sequer precisou saber sobre isso. Que foda.

 

Eu: “Otto, a sua ideia é MUITO interessante. Não digo que não exista forma de quebrar a regra do dinheiro, mas é difícil. E estudar vai inclusive te ajudar a quebrar essas regras. Vamos pensar juntos nisso, tá bom?”

 

O: “hm.”

 

Meu filho nasceu anarquista. ✊🏻❤️

 

**

 

Aí na sequência ele me aparece com um gibi da Mônica que fala sobre PROFISSÕES. O puro suco da meritocracia by Mauricio de Souza.

 

🙄

 

Deixei ler, sem filtro, pra balancear.

idelogia de gênero não existe. e o que já existe é pior.

Como é que a gente, que tá preocupado com direitos humanos e com igualdade de gênero, deixou essa gente tacanha associar a tal “ideologia de gênero” à esquerda? Como deixamos criar essa lenda de que incentivar as crianças (e adultos, né) a ser quem elas são é algo ruim?!

Que fique claro: ideologia de gênero NÃO EXISTE. Ninguém decide que gênero vai adotar por questão de ideologia, isso não é escolha. Se fosse, todos seriam heterossexuais cis, porque é exatamente o que querem que sejamos, e BOMBARDEIAM a gente com esterótipos de gênero totalmente arbirtrários.

Porque se é pra discutir “ideologia” de gênero, podíamos falar das seguintes práticas seculares em vigor:

 

– A ideia prevalente de que meninos podem tudo, devem ocupar todos os lugares e dominar todo lugar que chegam

– A insistência em obrigar meninos a não demonstrar sentimentos

– A ladainha de que precisamos prender nossas cabras porque nossos bodes estão soltos

– Obrigar meninas a fechar as pernas, usar vestido, salto, maquiagem desde pequenas, limitando (e desencorajando) o uso das suas habilidades físicas e o desenvolvimento e demonstração da nossa força

– Encher a paciência de meninos para que sejam toscos, grosseiros, mal educados e desrespeitosos com mulheres à guisa de demonstração de macheza

 

Preciso continuar?

 

Se a preocupação fosse mesmo sobre  influenciar crianças a serem algo que não são, TAVA BOM DE MUDAR AGORA MESMO, né não?

mob

Otto quer MUITO o Frank do Carros, e vai ser um inferno pra achar até o aniversário, mas até aí tudo bem. Colocou numa lista e tals.

 

O: “olha, vocês sabem que eu quero MUITO o Frank né? E se vocês não derem ele pra mim, vocês não têm IDEIA do quanto eu vou reclamar!”

 

HHAHAHAHAHHAHAHA (1)

 

Eu: “e enquanto isso você não reclama, você só vai ameaçando a gente, é isso?”

 

O: “é isso.”

 

Fernando: “e você acha mesmo que isso vai funcionar? Parece que não presta atenção em como as coisas funcionam aqui…”

 

O: “mas eu já tentei de tudo! E não funcionou!”

 

HAHHAHAHHAHAHAHHA (2)

 

**

 

Essa porra de brinquedo não existe no Brasil. Esse moleque só gosta de filme e desenho vintage (tá assim agora né; 10 anos é vintage e não acha mais nada).

um príncipe na família ogra

Pai e mãe #decesárea sentam na mesa, jantam, conversam, comem sobremesa e o pai subitamente percebe que a quiança…

 

não jantou.

 

😱

 

E #paisdecesárea comeram quase toda comida.

 

Mas sobrou, ufa, faz um ovo.

 

F: “Otto, a janta tá pronta, vem comer!”

 

(alguns minutos passam, escuto passos na escada)

 

O: “oi, desculpem a demora. Estava vendo desenho.”

 

Não sei como esse menino cresceu assim polido, sendo filho do Shrek e da Fiona.

 

😬

diálogos noturnos

Gente, essa criança tá impossível. 😂

**

O: “mamãe, eu queria ser uma bomba simbionte. Igual o Carnificina”

Eu: “oi?! O que é isso?”

O: (cara de AI, MÃE) “quem criou ele foi o Dr Oc. Ele pegou a meleca do espaço que formou o Venon — isso é o simbionte — e misturou com outro simbionte que ele criou, só que vermelho, e fez o Carnificina.”

Eu: “hm, e você quer ser esse simbionte que é do mal?”

O: “não, queria ser que nem o Venon — ele era do mal mas ficou do bem.”

Sei.

**

Eu: “Otto, você desenhou no travesseiro, de caneta?!”

O: “era só um desenhinho, pequeno… é o mar!”

(E enorme)

Eu: “Não pode, amor. Esse desenho aí não sai mais. Por isso que a gente não desenha nas roupas, nos tecidos da casa.”

O: “mas lava, ué!”

Eu: “não, gato, não sai lavando, por isso a gente EVITA, tá?”

O: “poxa, eu não sabia.”

(Já me arrependi, a mãe)

Eu: “não tem problema, só lembra disso. Boa noite meninos!”

 

(Tou saindo do quarto pra apagar a luz, Fernando deitou com ele)

 

O: “mas mamãe… por que não sai? É IMPOSSÍVEL?” (com muita ênfase)

Eu: “vou deixar seu pai explicar. BOA NOITE, PESSOAL!”

 

Apago a luz e saio, boa sorte aí, Fer!

um post de maternidade desmotivacional

desde que começou essa história, esse blog, fiz questão de não glamurizar o processo, o ato, os fatos. ser mãe nunca foi um sonho pra mim, foi mais o desejo da experiência incrível (e é impossível se arrepender dela, pelo menos por mais de 10 segundos…) de gerar e criar um humano. antropologicamente imperdível, mas com tantos (tantos. TANTOS) momentos difíceis que justificam com muita folga a opção de “não, obrigada, fica pra próxima encarnação”.

no facebook eu compartilho frequentemente minhas dificuldades, peripécias e também as fofurices do Otto, mas hoje foi um dia especial: depois do post reproduzido (ops) abaixo, nasceu (ops!) um outro post derivado, brincando com a ideia de ajudar quem não quer ter filhos a se manter firme neste propósito, caso bata a dúvida ou apareça uma tentaçãozinha.

o post ficou engraçado, mas os comentários ficaram impagáveis. não vou conseguir reproduzir a dinâmica das respostas e dos diálogos paralelos, que me fizeram rir o dia todo, mas não podia perder a oportunidade de registrar as ideias sensacionais destas mães que se uniram pra rir de si mesmas, e dos absurdos da maternidade.

espero que vocês gostem, porque eu gostei demais, e ri tudo de novo compilando a lista 🙂

**

o post original:

Você quer de alguma forma reafirmar seu desejo de não procriar?

Bate um papo comigo sobre a rotina da manhã nessa casa e eu garanto um bom tempo sem essa ideia insana de ter filhos passar pela sua cabeça.

— daí veio a ideia de criar um workshop inédito: palestras (des)motivacionais para quem NÃO quer ter filhos.

nos painéis estão listadas todas/os que colaboraram, porque isso foi escrito a sei lá quantas mãos. muitas. todas elas sujas de ranho.

**

você está determinada/o e não ter filhos, mas recebe pressão da família ou do/a parceiro/a e precisa de ajuda para se manter firme no seu proósito? este workshop foi feito pra você!

venha conhecer a realidade de pais e mães sincerões, que vão contar a real do mundo das pessoas-com-filhos tirando a parte que todo mundo já conhece: filhos-são-a-melhor-coisa-do-mundo 😀

(este post não é patrocinado pela JONTEX, mas estamos abertos a propostas)

há painéis / palestras disponíveis para todo tipo de interesse, os assuntos são intermináveis:

  • Cama compartilhada: como dormir em 10cm, com pé de criança na sua boca. Renata Corrêa
  • Tempo para si mesmo depois de ter filhos: uma ilusão. Carla
  • A arte de manter vivo um ser humano que não acredita em alimentação sólida. Tina
  • Sobrevivendo às manhãs de choro, chilique e ranger de dentes, todos os dias por anos a fio. Zel
  • What Not To Wear protagonizado por crianças e sua correlação com a pressão alta em mães. Por Silvia M.
  • Como sobreviver sem assassinar nenhum parente de 1o grau após 3 anos sem dormir uma noite completa. Angela R.
  • Como criar adolescentes e vencer o monstro do mau humor generalizado. Simone M.
  • Planejamento Estratégico e Alocação de recursos, módulo básico: tirando férias das férias das crianças através da chantagem com os avós. (palestrante ainda em aberto — sugestão de Ila F.)
  • Xixi e cocô na hora das refeições — planejando um cronograma efetivo para driblar interrupções. Camila B.
  • Como dirigir na hora do rush enquanto acalma as crianças no banco de trás: conheça relatos verídicos de pessoas que não enlouqueceram. Rita P.
  • Relato de vivência: “Bati o carro para não bater nas crianças que gritavam no banco de trás”. Silvia M.
  • Nutrição, módulo 1: comida fria e restos devolvidos pelo filho ainda são melhores que não comer. Simone M.
  • Multitarefa, módulo 1: Como escrever um texto enquanto seus filhos brigam e se pegam – A arte de otimizar o uso de seus braços, ouvidos e fala. Stella R.
  • Multitarefa, módulo 2: Como se fingir de morta enquanto trabalha e os filhos põem a casa abaixo. Silvia M.
  • Módulo de vivência des-motivadora: Brincando com o filho dos outros – a arte de devolver mais sujo que pegou. Vevê M.
  • Especialização rápida para crianças descabeladas: Desembaraçando Cabelos Cacheados. Rita P.
  • Privacidade, uma fábula pós-maternidade: Como se concentrar enquanto seu filho te chama/abraça/chora/fica no seu colo/faz gracinhas enquanto você realiza atividades fisiológicas ou de higiene pessoal. Por Emili G.
  • Maternidade Zen Saco: Como manter a paz interior enquanto seu filho, sem nenhum motivo aparente ou lógico, bate a cabeça no chão, na parede, no vidro do carro, no vidro do restaurante, na rua, na chuva, na fazenda ou numa casinha de sapê. Por Fernanda W.
  • Short e camiseta regata aos 11o C: Quebrando a resistência ao guarda-roupa de frio. Por Camila L.
  • Os 7 anos: como sobreviver às vontades próprias, birras e o poder de argumentação dos pequenos seres dessa idade. Vanessa M.
  • O poder da oxitocina, módulo básico: Achando fofo a criança que cospe água do chuveiro — a estética da primeira infância. Por Carla
  • Sexo e Tesão, após a maternidade: ele existe ou resiste? Por Luanna
  • Como ouvir 58 vezes por hora MAAAAÃEEEE + reclamação e/ou pedido sem perder a paz de espírito. Por Dani F.
  • Como lidar com o marido que quer ser outro filho. Consuelo
  • Negociação básica: Como dizer não à criança que acha que comida do seu prato é mais gostosa que a do dela sem causar uma calamidade pública. Por Dani F.
  • Negociação avançada: Como mandar seus filhos tomar banho, pentear o cabelo e escovar os dentes de mil formas diferentes — Do amor à ameaça de morte. Por Naomi
  • Negociação, técnicas anti-terrorismo: Aprenda que usar cachaça não é mais permitido e entenda como sobreviver. Mesa de palestrantes mista em formato de sessão de descarrego, regada a muito vinho
  • Das fraldas sujas da primeira infância ao chulé da adolescência: como sobreviver sem máscara de oxigênio. Por Mariana D.
  • Odontopediatria para leigos: “20 dentes, esses inimigos causadores do caos”. Lorena R.
  • Marketing pessoal, nível avançado: Como convencer todas as pessoas na rua que você não espancou e torturou seu filho, ele só tomou uma vacina. Angela R.
  • Técnicas de Feedback indireto: táticas para antecipar momento SINCERÃO do seu rebento e evitar dissabores pela rua. Naomi, COM LOUVOR.

Estudos de caso:

– C. 7 anos, sobre a escolha de música da Kate Perry para a festa de uma amiga: “eu acho essa música inadequada para crianças”

– O. 4 anos, para visitantes em sua casa: “eu acho que vocês deviam ir para suas casas agora”

– Filhos da Naomi, idade irrelevante: “não sei porque gente burra teima em dar opinião!”; “moça, você sabia que o seu perfume fede?”; “se a barriga dele não fosse tão grande, caberia mais gente no elevador né, mamãe?”

– Y. 4 anos, almoçando na casa da madrinha: “essa sua comida ficou um pouco ruim”

**

aguardamos a presença de todas/os 🙂 (quem quiser que coloque link no post me avisa, e eu atualizo)

apanhado do facebook: agosto

Chegou dia 1, que eu adoro em todos os meses , mas chegou também pra meu espanto (onde foi o resto do ano?) Agosto, que há 4 anos virou meu mês favorito.

Há 4 anos eu estava em casa, com uma barriga do tamanho do mundo, arrumando o quarto do menino, lavando roupas minúsculas e vendo a jabuticabeira florir.

Todos os anos, agora, passo esse mês de Agosto tentando lembrar da vida antes de ser mãe desse rapazinho, e parece outra vida. Era boa, às vezes era inclusive melhor, mas era outra.

No meio do inverno, me aqueço com as lembranças e esse amor tão novo, tão intenso.

**

Fiquei tão feliz hoje — fomos a um encontro com pessoas do meu trabalho e suas famílias, e como sempre não tive grandes esperanças do Otto ser sociável, em especial com as crianças da idade dele (com adultos o processo é lento mas acontece).

Além do evento ser uma delícia, o Otto não só se interessou pelas crianças (OK, não as da idade dele, mas pelo menos eram crianças!), como chegou a ir sozinho falar com elas e chamar para brincar! \o/

Mas, sempre estilo Otto-o-diferente: vendo as crianças brincando juntas, um monte de meninos, ele chega perto e fala: “Meninos, cheguei!”

(Bonitinho é ver os meninos tão receptivos, chamando ele e tentando enturmar. Dá um quentinho no coração vendo crianças do bem ♥)

**

Fernando está criando um monstro.

Eu gosto de trazer coisinhas pro Otto de vez em quando, quando chego da rua. Às vezes é um adesivo, um brinquedinho, um papel, um giz, algo de comer. E ele adora, claro, então vira e mexe, quando eu chego, ele além de me dar o melhor sorriso e abraço do mundo (nada se compara à carinha de feliz do filho quando a gente chega ♥), ele quer saber se “eu trouxe alguma coisinha”. Às vezes tem, às vezes não, e tudo bem.

Hoje tinha — comprei um monte de frutas lindas que tem perto do meu trabalho, e em especial um saquinho de cerejas pra ele.

Cheguei, abracei, beijei, ele pergunta: “tem alguma coisinha?” e lembrei que tinha.

Eu, mega empolgada: “Tem! Trouxe cereja!!”
Otto, desapontadíssimo: “oba.”
(Assim, com minúscula mesmo)
Eu, -fuén-: “O que você queria?”
Otto: “M&M, tem????”

Fer: “Tem, o papai trouxe!”

OLHA, TECONTAR! 😛

**

Otto enlouquecido com a visita do vô Gê, batendo papo agorinha:

Otto: “tem planetas lá fora?”
Vô: “o que você acha? Você conhece os planetas?”
Otto: “conheço, e acho que eles estão chegando!”

(Está anoitecendo e as estrelas começam a aparecer)

**

Hoje meu menininho completa 4 anos. Ontem eu disse que ele faria aniversário, e ele falou “mas eu quero que seja seu aniversário também!”

Expliquei pra ele que era meu aniversário também, já que no dia em que ele nasceu uma mamãe nasceu também. Que todo ano, no dia 27 de Agosto, eu também comemoro meu aniversário de mãe e fico muito feliz.

Eu, que amo o dia do meu aniversário, também tenho há 4 anos mais um dia no ano que é o dia mais feliz <3

**

Presentes de aniversário: bonequinhos da Eva e Wall-e.

“Ela é linda!” (Sobre a Eva)

“Eu adorei!”

Não dá pra explicar a felicidade de ver o filho da gente feliz. É sobrenatural.

**

Fiquei tão impressionada com o Wall-e que o Otto desenhou que fui perguntar pro Fer e Maria se eles não tinham desenhado!

**

Texto muito didático sobre essa técnica que eu uso há alguns anos (e não sabia que tinha esse nome), e é maravilhosa. Aprendi em cursos sobre feedback e depois lendo o livro “a auto-estima do seu filho” tudo fez ainda mais sentido.

Não é fácil aplicar, já aviso. Tenho dificuldade por exemplo com a escuta empática. Mas é essencial praticar, mesmo que nem sempre dê certo. A intenção é tão ou mais importante que o resultado.

**

Meu filho, esse que eu amo mais que tudo, me matando de vergonha: todo mundo chegando pra festa de aniversário com presente, e ao entregar pro Otto escuta algo como — “mas sabe o que eu queria MESMO de presente? O Chick Hicks”.

A gente escuta a mesma coisa há meses, e não achamos pra comprar. Encomendamos com a Raquel, e nem sei o que será quando o bendito chegar.

apanhado do facebook: julho

Existe um outro tipo de felicidade, que descobri faz pouco tempo: a que vem da felicidade do nosso filho  É tão gostosa, tão emocionante. É louco sentir-se feliz simplesmente porque outro o é (e diferente de quando amamos qualquer outra pessoa. Amor de filho é uma coisa bem fora do radar, bem louca).

**

O dia foi louco: acordamos na barra, fizemos castelos de areia, passamos por aquela linda estrada velha para a Tijuca (mágica!), andamos de metrô, encontramos amiga querida de forma planejada, subimos aquela maluquice do Pão de Açúcar (medo, paúra — Otto amou), e descemos quando já era noite. Foi a 1a vez que vi a cidade se acender do alto da montanha.

No meio da rua, à noitinha, enquanto corremos atrás de um menino doido de sono e de um táxi, somos encontrados pela Fernanda, que nos reconheceu e nos abraçamos no meio da rua pela primeira vez (espero que 1a de muitas), com sua filha que de tão linda parece uma ninfa.

Depois disso, entramos num táxi para o universo paralelo e tivemos um episódio de chilique homérico com direito a gritos de aaaaaiiiiiii, chutes e desejos secretos do serviço carioca de disque-homem-do-saco, que só se tornou mais surreal quando passou subitamente com um pedido de “quero um leite com ovomaltine”, na maior calma do universo.

E o dia não seria completo sem o toque final do banho e pijama (novo chilique) seguidos da mãe de cesárea que não percebeu que o shampoo tinha vazado na necessaire e a escova de dentes do menino virou uma mistura de pasta Weleda e sabão (só percebi algo errado quando a escovação virou uma espuma incomum).

O final, previsível, foi infeliz: “ok, tudo sob controle, Otto. Toma aqui um gole de água e COSPE A ÁGUA DE SABÃO, que nem os bichinhos de Madagascar, tá?”

“Pode engolir, mamãe?”

“NÃOOOO!”

Ele engoliu o sabão, é claro.

Boa noite.

**

Fomos hoje pela 1a vez ao cinema com o Otto! \o/ Vimos “como treinar seu dragão 2” e ele assistiu bonzinho do começo ao fim. Levantou, sentou no colo e no chão, mas falou sussurrando como ensinamos (uma graça!), e foi um lorde.


OBS: mas ele reclamou de uma coisa (com a qual eu super concordo) — “o som é muito alto, mamãe!”.

**

Não que eu precisasse de prova, mas essa semana achei lindo ver como o exemplo funciona melhor que o ensinamento: Otto queria entrar no banheiro, e o Fernando estava tomando banho. Ele foi sozinho, eu só escutei: ele bateu na porta e perguntou “posso entrar?”, como uma pessoinha grande! Nunca ensinamos isso pra ele, nenhuma vez, porque achamos que ele ainda é pequeno, e porque raramente as portas aqui são fechadas 

Achei tão lindo!

**

(História do Fernando , mas que eu preciso contar. Basta eu sair dessa casa por umas horinhas e coisas assim acontecem!)

Diz que o Otto queria de todo jeito experimentar uns docinhos que temos num pote de vidro junto à cafeteira, pra fazer graça pra visitas. São docinhos de anis, que ambos odiamos (compramos porque o vidro é lindo, e os docinhos também, nem olhamos o sabor), mas o Fer deixou ele provar. Ele gostou (!!) e ganhou mais 1, e a orientação de não pegar mais.

Fer foi pra cozinha lavar louça e deixou o menino livre. Segundo me explicou, o “senso aranha” de pai apitou e ele foi conferir o que o moleque estava fazendo. Ele estava com um pote de açúcar em cubos na mão, e mastigando, entretido.

Apesar do flagra, não se abalou e informou ao pai: “desse eu não gostei…”

**

Otto é um menino muito surpreendente. Ontem ele pegou algumas pecinhas de Lego, juntou com 2 peças que têm rodinhas, fez um quadrado em cima e trouxe pra me mostrar: “olha, mamãe, é o Wall-e!” (realmente muito parecido com a forma do robô, com as rodas embaixo).

Brincando comigo e com o “Wall-e” na cama, eu estava deitada no meio do caminho da brincadeira, e ele então me diz (exatamente assim, perfeito): “o Wall-e está querendo ir nessa direção, mamãe, eu acho que você deveria dar licença”.

Até a gente estranha um pouco esse jeito sério, mas não consigo deixar de achar fascinante essa personalidade tão peculiar dele <3

**

O paladar do Otto é totalmente ogro mesmo: hoje comeu joelho de porco com chucrute (pela 1a vez) e gostou, e escolhendo sorvete pela cor, quis o verde. Era pistache (eu adoro, mas…), então pedi pra moça dar um tico pra ele provar antes. “Eu gostei!” e mandou ver no pistache.

Curry, pimenta, queijos fedidos, chocolate amargo, alho, cebola e pistache: check.

**

Hoje por puro acaso o Otto assistiu seu primeiro concerto, uma peça de Ravel para 2 pianos. A sala era pequena, com cadeiras, aquele esquema “adulto”, e ficamos um pouco apreensivos com o comportamento dele, mas resolvemos tentar (explicamos antes, e sentamos em local fácil de sair se necessário).

Ele ficou em silêncio, assistiu a peça toda e aplaudiu muito feliz no final Na verdade ele falou, sussurrando, como ensinamos, pra perguntar: “vocês estão felizes? Eu estou feliz!”

Na sequência tocariam uma peça de Saint-Saëns, mas preferimos não arriscar  Uma vitória por vez.

**

A gente ficou pensando essa semana como é louco que o Otto já viajou com 3a10m mais que a maioria das pessoas desse mundo, mais que a maior parte dos que conhecemos. O álbum de férias dele é um espanto  Espero que a gente consiga manter nossa meta de deixar como herança pra ele o gosto por viajar e o interesse por outras pessoas e culturas no mundo.

Não tem nada mais legal que viajar.

apanhado do facebook: junho

Morri de fofura extrema: Otto nos chamou pra brincar de adivinhar qual é o bicho fazendo mímica!   

(Pense num menininho deste tamanhinho imitando elefante, cachorro e macaco!)

**

É tão pequeno, mas eu amo muito quando o Otto se refere a mim como “a minha mamãe” 

**

Todo dia é um drama pra acordar o Otto, às 6:40h, nível novela, com direito a criança se jogando com a cara enterrada no travesseiro, gritando “quero dormiiiiiiiiirrrrr!”.

Sábado, 1o dia das férias. Horário que o menino acorda, felizão:

SEIS DA MANHÃ.

Olha, só amando muito mesmo.

**

Otto hoje me perguntando sobre os sabonetes em formato de mini-corações do lavabo:

“Pra que servem esses… coracinhos?”  

apanhado do facebook: janeiro

Usei o aspirador portátil pra limpar o sofá onde o Otto comeu (tava uma coisa), e de preguiça deixei o aspirador no chão pra guardar depois.
Ele olhou, pegou o aspirador e me disse “mamãe, você sabe onde guarda o aspirador? Vem cá que eu vou mostrar!”. Foi lá e guardou.

Achei fofo porque ele quis guardar \o/ mas também porque ele me “corrigiu” sem brigar comigo. Bom sinal né?

**

Ontem foi ultrapassado mais um marco na alimentação do Otto — ele comeu (e adorou) lasanha de berinjela.

Berinjela sempre foi complicado com ele, graças à textura moleguenta. Quando era servida mais firme (tipo caponata, ou coisa assim) ele comia legal. Se fosse mole, cuspia. O mesmo pra banana amassada e purê de batata (ambos ainda não são bem aceitos).

\o/

**

O que me leva a insistir com os cuidadores de crianças para que não decidam o que a criança gosta ou desgosta em função do próprio gosto (ela será diferente de você, acredite) e nem em função da recusa. Às vezes a criança não gosta da textura, e depois de acostumar aprende a gostar; às vezes o gosto muda. Não deixe de tentar nunca, não julgue o gosto da criança, mantenha as opções sempre à disposição.

**

Aniversário da Bia no radar, pergunto pro Otto: “o que vamos dar de presente pra Bia?”. Ele pensa um pouco e responde com o maior ar de certeza: “uma LUNETA!”.

E agora eu tenho 2 problemas  (achar a tal e convencer a amiga a fazer cara de “AMEI, OTTO!”)

**

Assistindo “a close shave”:

Otto: “mamãe, vamos fazer uma máquina de mingau?”
Eu: (FERROU) “vamos! E como faz? Eu não sei.”
Otto: “Ué: a gente faz o mingau e aí faz a máquina!”

UÉ. E agora estamos aqui fazendo o projeto 🙂

**

Lendo o lindo livro do Morris Lessmore pro Otto antes de dormir, chego na seguinte passagem:

Eu: “… com as páginas abertas, na expectativa de ser lido…”
Otto: “O que é ‘expectativa'”?
Eu e Fer: (!!!!!!) “hmmmm. É quando a gente espera que alguma coisa aconteça, quando a gente quer que aconteça, sabe?”
Otto: a-ham

E seguimos. Foi a primeira vez que ele pediu explicação sobre algum conceito! Ficamos emocionados.

Como é difícil explicar as coisas de um jeito simples, não? Muito, muito legal.

**

Hoje fiquei tão feliz de ver o Otto andando de bicicleta (com rodinha) direitinho!

Ele é um menino bem esperto, mas as habilidades físicas não são exatamente seu forte 😀

**

Criança do interior é assim: na estrada, indo pra Souzas, tem um condomínio de prédios na beira da estrada (20 andares cada, 4 ou 5 torres meio amontoadas).

Otto olha o condomínio e pergunta: “mamãe, o que é aquilo? Um castelo?”
<3

**

the important thing about yelling.

**

artigo genial sobre nomes em geral e em especial sobre escolher nomes para crianças.

**

Levamos o Otto para almoçar pela primeira vez numa churrascaria esquema rodízio, e ele achou o máximo os rapazes servindo, queria experimentar TUDO que chegava, hahhahahha (não foi possível, para desapontamento dele e dos garçons).

Ele comeu bastante salada, como sempre, e provou várias carnes (e queijo, e pão), gostou de tudo, inclusive — pasmem — coração na brasa! <o>

**

Nós: “Otto, o que você tá fazendo?”
Otto: “Abaixando o volume das crianças fazendo barulho”

"Otto, o que você tá fazendo?" -- "Abaixando o volume das crianças fazendo barulho" =O

**

Na noite de ano novo, Otto desmaiou cedo, depois do dia na piscina. Mas meia-noite não teve jeito: acordou com rojões, o Fer foi lá acalmar, mas ele quis ir ver os fogos, e foi, achou bonito até que o barulho ficou demais e quis voltar pro quarto.

Deitei com ele, e os rojões continuaram. Expliquei “é o ano novo. Que barulhão né?”. Ele pensou um pouco, levantou as mãozinhas pro alto, espalmadas, e gritou: “oba! E vai ter bolo pra mim?”

Claro que vai, meu amor. Se depender de mim, você faz aniversário todo dia, com bolo e parabéns. 

Que em 2014 a gente também ache que todos os fogos de artifício são pra nós, com direito a bolo!

<3