Autoconfiança 

Das coisas que eu realmente tenho orgulho da criação do Otto é a segurança que ele tem de saber (e expressar) o que quer e não quer, e o porquê.
Lá na casa da avó, ela preparou quiabo (sabendo que ele adora). Na hora de comer ele recusou, avisou “não quero quiabo”. Ela tentou persuadir — “mas precisa pelo menos experimentar!” e ele mui perfeitamente respondeu “mas eu já experimentei e gosto, eu só NÃO QUERO”.
Não é maravilhoso? Eu com 44 ainda não aprendi a falar assim tão direta e tranquilamente.
<3

Missão

Eu: “Otto, me explica essa história?”
O: “não é uma história, é uma MISSÃO!”
(Hahhahahhaha, ok)
O: “ali em cima está a Maria” (reparem no rabo de cavalo e no vestido) “e depois sou eu, segurando uma carta com instruções…”
Eu: “e o que está escrito na carta?”
O: “nada, mamãe, é um DESENHO” (leia com um tom de “mãe, você é retardada?”)
(Hahhahahahha)
O: “as instruções dizem que tem um helicóptero num telhado e que vai haver uma explosão!”
(Vocês sabem que eu não edito as falas né? “Vai haver uma explosão”)
Reparem nas setas, direcionando a missão, e a explosão.
Segundo ele, cumprir a missão é outra história.

Fim

Claro que eu podia ensinar o Otto a escrever FIM, que é tão fácil, mas não faço questão alguma que ele aprenda a escrever antes de me pedir (ou aprender na escola). Ele “escreve” um monte, lá do jeito dele, e tá muito bom assim.
Todas as histórias dele têm FIM, e eu acho o máximo <3 quisera a gente também colocar fins tão clara e categoricamente no que acabou.

Enquete

Qual é o teu nome? Otto

Quantos anos você tem? 5 anos

Quando é seu aniversário? 27 de Agosto

Quantos anos tem o papai? Eu não tenho ideia!

Quantos anos tem a mamãe? Eu não sei!

Qual é a tua cor favorita? Vermelho

Qual é a tua comida preferida? Brócolis

Quem é o teu melhor amigo? O Vitor

Qual é o teu programa preferido? Homem-Aranha 2

Qual é a tua música preferida? A do Wall-E (Down to Earth)

Qual é o teu animal preferido? Coelho

O que você tem medo? De nada!

Qual o seu lugar favorito para ir? Zoológico 

O que quer ser quando crescer? O Thor

O que a mamãe mais gosta de fazer? Ler

O que vc mais gosta de brincar? De Lego

O que o papai mais gosta de fazer? Ver jogo de futebol

**

Aí, como eu pedi permissão pra fazer a enquete, ele também pediu permissão pra me fazer 10 perguntas (a criança é específica, vocês sabem).
O que você quer ser quando crescer? <3 Escritora (E de que tipo de livro?) Pra crianças, com desenhos, e pra adultos, com letras
Quantos anos você tem? 44 (E o papai?) 42
O que você mais gosta de fazer? Você acertou — ler. E ver escrever, e ver filmes, e tocar música, e brincar com você.
Onde você morou quando era criança? (!) Morei em vários lugares, mas na sua idade eu morava em SP (E depois?) Morei na praia, lá em Caraguá
Onde você mais gosta de dormir? (Hahhahahha) na minha cama!
(Ele perguntou mais coisas, mas esqueci… Lembrando eu coloco aqui!)

Baby Steps

Otto, como vocês devem ter percebido, é uma criança muito mental. E perfeccionista, pobrezinho, modosque se arrisca muito pouco porque odeia errar. Vai sofrer muito ainda essa criança, e faço cá a minha parte pra amenizar esse lado da personalidade dele.
Exatamente por isso ontem tive tanto orgulho dele se arriscar USANDO esse lado tão mental. Acampamos na noite passada, e ele foi comigo escovar os dentes. Ele acabou, eu ainda estava escovando. Estava muito escuro lá fora (a lua não não tinha nascido ainda), ele quis voltar sozinho pra barraca (que estava perto, uns 20 ou 30 passos, mas no escuro).
Eu: “tá muito escuro! Como você vai achar o caminho?”
O: “mamãe, eu tenho 2 opções: usar a lanterna — mas eu não trouxe — ou procurar a luz verde. Do lado da luz verde está nossa barraca!”
Eu: (que não tinha me lembrado que havia mesmo uma luz externa verde perto da barraca) “ótima ideia. Então vai lá e se precisar de ajuda me chama”
Acabei de escovar os dentes e fui espiar, chegando perto da barraca chamei, ele responde “tou aqui, mamãe! Cheguei na barraca!”
Sei que é pouco, mas ele foi sozinho e achou o jeito dele de resolver um problema e se arriscar (de forma controlada, claro, senão não seria ele :))
É muito incrível observar um ser humano tão diferente de mim se desenvolver. Ele faz caminhos diferentes, escolhas outras, algumas delas alienígenas pra mim.
Observando, aprendo todo dia.

Mocinho

É raro a gente ir com o Otto ao mercado (procuramos evitar; é evidente como o apelo consumista contamina), mas hoje fomos.
Quando menor, a gente deixava ele no carrinho, ou ficávamos de mãos dadas. Agora já maior, começamos a deixar ele andar e ver os corredores, pedimos ajuda com coisas simples, mas ensinando a prestar atenção na gente e não se afastar demais. Somos pais bem estressados com (1) medo de perder a criança e (2) criança solta infernizando as pessoas. Odiamos.
Hoje, como treino, resolvemos deixar ele um pouco mais livre, mas nunca deixamos ele sozinho sem ver onde vai, ficamos de olho de longe pra observar o que ele faria. Ele “se perdeu” (ou seja, não nos achou, porque o Fernando tava olhando escondido).
Ele se viu sozinho e foi direto pra uma moça no caixa:
O: “moça, eu não estou achando meu papai e a minha mamãe. O nome da minha mamãe é Ivanise.”
Calmíssimo. Adulto.
O Fer avisou com gesto que estava com ele e ela sugeriu procurar mais um pouco 🙂 ele se virou, e achou o pai.
Correu lá, e contou que achou que a gente tinha ido embora sem ele (!!! Ô MODEUS) e foi pedir ajuda. O pai explica enfaticamente que jamais em tempo algum iríamos embora sem ele, e reforça a importância de ficar junto de nós.
Gente — ele foi pedir ajuda, tão mocinho, tão centrado. Como pode? <3

Deu ruim 

Mais um capítulo dos “piores pais do universo”, estrelando Fernando e eu: 
O menino teve um chilique porque desliguei a TV, era hora do banho, avisei 10 vezes, aquela função diária de falar com as paredes e depois aguentar #mimimi.
Chilique foi tamanho que o Fer lá do 2o andar ouviu e achou que eu estava torturando o menino (mentira, ele já foi vítima também). Gritos, choro, ranger de dentes. “Eu quero ver desenho PARA SEMPRE!” e “NÃO FALA COMIGO!”, estilo adolescente, foram a gota d’água e ambos não conseguimos não rir, e piorou, enfim.
Em algum momento ele acalmou sozinho (um espanto, já que os pais estavam chorando de esforço pra não rir, sem sucesso), e disse algo como “eu queria ter ficado vendo mais um pouco de desenho enquanto você preparava o banho, mamãe!”.
Aproveitei a deixa: “então perceba o que aconteceu: ao invés de dizer o que queria, quando avisei que era hora de parar, o que você fez?”
“Eu não respondi, porque eu não queria responder, e aí TUDO piorou e deu tudo errado!”
HAHAHHAHAHA <== #paisdecesárea. Não sejam esses pais.
Ele começou a rir também, as coisas se acalmaram e ele foi tomar banho. A contragosto. Não deixou ninguém ajudar, estava todo cheio de marra. Não acabou.
“Sabe, eu só vou seguir as regras e me comportar NA ESCOLA. Aqui em casa não!”
Preferi ceder nessa batalha, já que a guerra pra seguir regras na escola é inglória.
Quis pipoca de lanche, e leu “o bicho alfabeto” comigo. Diz que o poema preferido é o “do mar”, que “foi mar pra tudo quanto é lado”.
Posso considerar esse tipo de exercício na meta semanal?
(Posso, né?)

A 1a Receita

Tou com banana muito madura sobrando, pedi ajuda do Otto pra desenhar a receita do Double Chocolate Banana Bread, e tá aí. As anotações escritas em verde são minhas, o desenho é dele (leia da esquerda pra direita, de baixo pra cima).
Receita aqui.

Partitura

Otto ganhou um vibrafone do avô, adorou, e eu também. Eu queria “tirar” a melodia de “parabéns pra você”, pedi a ajuda dele pra escrever a partitura.
Sugeri identificar cada nota com sua cor, e ele escreveu essa partitura que vocês estão vendo, conforme eu ia tocando as notas.
O sol (amarelo) aparece em 2 oitavas, perguntei pra ele como íamos diferenciar o sol mais grave do mais agudo, e ele nem titubeou “a gente faz a bolinha da mesma cor, só que menor!”
Já tou no treino com ele aqui 😀 Logo logo ensino as frações com os símbolos.