o drama da escola

[1-set-2016]

Bom, houve a mudança de horário, de turma, depois de muito pensarmos e conversarmos com o Otto. Ele afirmou que queria “estudar à tarde e em português”.

 

A professora dele quase chorou, porque AMA o menino (“ele é incrível!”), e combinou de fazer um piquenique de despedida com a outra turma, que segundo ela estava inconformada com a saída dele. Uma amiguinha mandou uma mensagem pra ele via WhatsApp da mãe, dizendo que estava triste e adorava ele. Fofos, todos eles, ficamos comovidos.

 

As salas são próximas, e uma parte do horário coincide. Ao chegar ontem na escola pra deixar o Otto, Fernando ficou de olho enquanto ele entrava e viu a seguinte cena: ele, distraído, ao invés de ir pra sala nova, foi pra sala antiga. As crianças, quando viram ele chegando, correram loucamente na direção dele, felizes, “o Otto voltou, o Otto voltou!” e ele, quando se deu conta, saiu correndo de volta pra sala nova, **se esquivando das tentativas de abraço**.

 

Já administrada a situação, ele esclarece aos amigos da turma anterior, num clima de “circulando”:

 

“Eu agora TENHO OUTRA EQUIPE.”

 

Vocês não me perguntem qual é a mágica que essa criança faz pra ser tão amada por todo mundo na escola, mesmo sendo tão mala, porque só pode ser feitiçaria e não fui eu quem fez.

 

**

 

Enquanto o mundo tá essa loucura ali fora, aqui no meu microcosmos as coisas tão loucas também: decidimos mudar o Otto de turma na escola, depois de muito pensar (e consultá-lo).

 

Acordar não naturalmente, antes de 6:30h, é um problema desde que começou na escola. Ele sempre acorda cedo (nunca depois de 8:30, mas quase nunca antes de 6:30), mas levantar e estar PRONTO demora muito mais que dá pra demorar pra sair pra escola. E assim, nossas manhãs são sempre um inferno. Sempre atrasados, sempre brigando, por 4 longos anos.

 

No último ano ele estava numa escola internacional, das 7:20 às 15h. Tudo em inglês. E chegava em casa esgotado (não física, mas mentalmente), apesar de não reclamar da escola. Logo após as últimas férias — suponho que mais maduro, crescendo — ele começou a pedir: posso sair mais cedo da escola? Eles podem falar português? “Eu queria entender tudo que é pra eu fazer.”

 

A percepção dele de que estava cansativo e que não estava entendendo como queria (apesar da professora JURAR que ele entende) foi a gota d’água, e resolvemos trocar de horário e de curso. Decidimos manter na mesma escola, pra não radicalizar demais, e observar.

 

Começamos essa semana. Por enquanto tudo bem, mas… já já conto como foi a transição 🙂 Só pérolas. <3

 

**

 

Mas tem mais. Acharam que seria fácil e tranquilo? Não, claro. Ele não quer sair de casa, essa é a grande questão. Então estando na escola ele diz que tá adorando, mas pra sair…

Hoje o Fernando penou pra convencer, mas conseguiu. No carro, já indo, depois de minutos de silêncio ele fala com voz seríssima:

“Você conseguiu me fazer gostar do horário novo da escola… … Parabéns.”

O_o

**

Conversando com a vó Maria Lucia e a tia Paula ele avisa em tom meio “desculpaí, pessoal” que “olha, eu adoro vocês. Mas eu gosto mais da minha mamãe…”

❤️💛💚💙💜

quianças

[31-ago-2014]

Crianças e seus cerebrinhos incríveis:

Vó Malu conta pra ele que quebrou o pé e ele não tem dúvida — “peraí que vou pegar minha caixa de ferramentas pra consertar!” E trouxe a furadeira! Já usou seu presente, vó Vera 😀

**

Meu filho, esse que eu amo mais que tudo, me matando de vergonha: todo mundo chegando pra festa de aniversário com presente, e ao entregar pro Otto escuta algo como — “mas sabe o que eu queria MESMO de presente? O Chick Hicks”.

A gente escuta a mesma coisa há meses, e não achamos pra comprar. Encomendamos com a Raquel, e nem sei o que será quando o bendito chegar.

história (quase) sem fim

Essa semana na hora de dormir resolvi contar pro Otto a história dele. “O Otto nasceu em 2010, na cidade de Campinas, e mora em Vinhedo, e blá blá blá e agora ele vai fazer 7 anos! Viva!”

 

O: (…) “mas mamãe: como acaba essa história?”

 

Eu: 😬 “ela não acaba, ué, ela continua dia após dia.”

 

O: “mas ela acaba um dia, não acaba?”

 

Eu: 😬😬😬 “ah, meu amor, acaba sim, mas demora. E enquanto isso a gente vai fazer muitas coisas legais!”

 

O: 😭😭😭 “MAS EU NÃO QUERO QUE ACABEEEE!!!!”

 

Mãe pisciana, filho virginiano. É puxado.

A.G. / D.G.

“Mamãe, quem foi o primeiro homem que apareceu na Terra?”

 

“Mamãe, quem veio primeiro: a luz ou a escuridão?”

 

**

 

Como era ser pai e mãe antes do Google, pessoal? Vocês inventavam as respostas?! 😀

oitávama volta em torno do sol

Este ano:

“Mamãe, estou completando hoje minha sétima volta em torno do sol! Agora começa a oitávama volta!”

❤️❤️❤️❤️❤️

**

Em 2015:

Tão bonitinho ele feliz que tá fazendo 5 anos <3

“Eu estou ficando grande! Eu vou crescer um adulto!”

<3

**

Em 2014:

Hoje meu menininho completa 4 anos. Ontem eu disse que ele faria aniversário, e ele falou “mas eu quero que seja seu aniversário também!”

Expliquei pra ele que era meu aniversário também, já que no dia em que ele nasceu uma mamãe nasceu também. Que todo ano, no dia 27 de Agosto, eu também comemoro meu aniversário de mãe e fico muito feliz.

Eu, que amo o dia do meu aniversário, também tenho há 4 anos mais um dia no ano que é o dia mais feliz <3

 

(Presentes de aniversário = Wall-e e EVA)

“Ela é linda!” (Sobre a Eva)

“Eu adorei!”

Não dá pra explicar a felicidade de ver o filho da gente feliz. É sobrenatural.

**

Em 2013:

3 anos do meu menininho hoje \o/

Não tem preço a carinha dele hoje cedo, sorrindo e me falando “hoje é meu aniversário, né?” <3 <3

Cantamos parabéns, felizes, com 1 cupcake no café da manhã, e hoje na escola dele tem música, coroa e parabéns.

E é meu aniversário como mãe também, papel que ainda não me serve direito, como uma roupa que não estamos acostumados a vestir.

Esse misto de amor, cansaço, felicidade e saco cheio é uma maluquice. Pra quem queria a experiência antropológica da maternidade, acho que o objetivo está 100% cumprido, e de quebra ganhei um amor maior que o mundo e que cresce a cada dia, inexplicavelmente.

**

Em 2011:

Comemorei hoje junto com 1 ano do meu menino meu primeiro aniversário de mãe. Com bolo arco-íris, almoço pra família e muitas risadas. Sempre fui otimista e feliz com a vida de forma geral, mas ser mãe trouxe uma nova dimensão à minha fé na vida e no futuro. Ainda mais quando há tantos desejos de amor, mãos pra ajudar e até borboletas e beija-flores pra enfeitar o bolo! Obrigada a todos pelo carinho. <3

**

Em 2010:

Não tenho fotos do dia do nascimento do Otto — essas fotos são as primeiras que tenho, do dia 4/set, quando ele finalmente foi pra casa depois de 8 longos dias de UTI.

Vocês podem ver que ele desaprovava tudo, obviamente. Mas foi um dia de milagre e alegria pra mim, pra nós. Não passou um ano ainda que, neste dia, eu não olhe pra ele e me emocione muito lembrando como esse nascimento foi difícil pra todos nós.

Mas a gente se recupera <3

proeminente!

Aquele momento em que você já não acompanha mais os desenhos que seu filho assiste:

O: “Proeminente é uma fantasma gigante que tem vários tentáculos que você corta um e nascem mais 2 no lugar. E solta fantasmas da boca dela, que é redonda com pontas gigantes.”

Eu: “e qual é o lugar mesmo onde você disse que fica essa criatura?!”

O: “Ela É o Reino Maldito!”

hulk

Geralmente o Fernando leva o Otto pra escola, e eu busco. Na saída ele tá que é só alegria, parece o Morgan Freeman saindo de Shawshank, uma euforia só.

Aí hoje eu fui levar, e o menino é a imagem do desgosto. Não brigou nem nada, mas quase dá pra ver ele arrastando corrente pra entrar.

 

Eu: “quer que eu ajude a levar a mochila? Tá difícil né?”

O: “é que eu quero me atrasar, mamãe.”

Eu: “ô amor, faz isso não, atrasar deixa a gente ansioso.”

O: (…) “tchau, mamãe, daqui eu vou sozinho.”

Eu: “ah, é? Tá bom, beijo, se cuida meu amor”

 

E ele vai num passinho desolado, sem olhar pra trás, cabisbaixo, e entra.

Na minha cabeça tocou essa trilha sonora.

😪

 

early teens

[24-ago-2015]

Ontem Otto deu demonstrações de adolescência precoce:

Eu: “ô Otto, se eu não tou enganada, falamos que você não vai ver desenho porque não foi legal hoje mais cedo!”

O: “mamãe, eu acho que você ESTÁ enganada.”

**

F: “Otto, pra descer a escada precisa colocar a mão no corrimão!”

O: “ô papai, FICA FRIO!”

**

OLHA.

os outros (tipo o filme de terror)

[24-ago-2015]

F: “você tá feliz na escola, Otto?”

O: “tou. Eu gosto muito do parque de areia!”

(…)

O: “mas eu não gosto quando o Fulano fala palavras feias pra mim”

**

Não conseguimos descobrir o que o fulano fala. Mas já quero aniquilar o Fulano e todas as gerações da sua família, e ensinar o Otto a lutar karatê pra socar a boca do fulano.

**

ARGH, como lidar?! <o>

**

Mas na prática vou pedir à professora pra ensinar o Otto a se defender e se manifestar quando acontecer. Ele afinal vai ter que lidar com muita gente sem noção no mundo.

PESSOA-AL!

[24-ago-2014]

Otto acaba de acordar, depois de falar dormindo, bem agitado, chama na maior calma, mas firme:

 

— “PAPAAAAAI! PESSOA-ALLL”

 

Não agüento, hahahahahaha <3