apanhado do facebook: outubro

Vi Lilo & Stitch mil vezes antes do Otto nascer e agora que ele também é fã estou vendo mais mil vezes. E não enjôo. Morro de rir na cena da troca da bomba entre o Stitch e o cientista; choro quando Stitch vai se despedir <3

**

e agora tudo que a gente pede pro otto fazer e ele não quer (quase tudo, diga-se), ele responde “não! eu vou FUGIR!” e sai correndo.

fico dividida entre rir muito e chinelar o menino. #bodegaiato

**

me incomodei com a tal tabela de mesada compartilhada esses dias no facebook (tem foto no artigo), e deixei passar. nunca tive mesada e não pretendo dar mesada ao Otto. gostei muito do texto, concordo 100%.

**

excelente texto (em inglês) sobre obediência, tema que abordei esses dias no blog. concordo muito.

**

como é maluco o cérebro das crianças — estou em casa, numa conf call com meus colegas nos USA a tarde toda (em inglês). o Otto está por aqui, andando e prestando atenção ao que estou fazendo, quietinho. há poucos minutos ele foi na pilha de livros e trouxe um livro que “fala” os números em inglês, quando aperta no lugar certo, e está aqui brincando do meu lado  incrível né?

detalhe: ele não faz aula de inglês, nem escola bilíngue, nem ensinamos em casa. o livro foi presente da Léa. ainda não estou convencida dos benefícios ou impactos de ensinar outros idiomas tão pequeno, por enquanto ele só é exposto a outros idiomas como parte da vida social (ou indiretamente graças à minha profissão).

livro sobre o assunto que me indicaram:  “Raising a Bilingual Child”, Barbara Zurer Pearlson

**

Ser mãe de moleque que vive no mato é dar banho, enxugar e CATAR CARRAPATO. <o>

**

como bem diz o Felipe, é preciso educar nossos filhos sobre os riscos e consequências de vazamento de informação privada na internet. Lamento que ela não tenha sido orientada, ou não tenha percebido o que poderia acontecer.

Já sobre a reação ao vídeo, convido você a pensar qual seria se fosse um homem. Se ele seria xingado, julgado, humilhado.

**

74% das meninas acham que têm menos poder que meninos. Sabe quem pode mudar isso? Você, eu. Mudando a forma como tratamos as meninas e os meninos. Pra que em 20, 40 anos as coisas sejam diferentes.

**

casas perfeitas, pessoas perfeitas, zero bagunça e nenhum sinal da existência de crianças. pra quê?

**

Ontem o Otto parecia belzebu encarnado pela manhã (duvida? Pergunta proAlexandre ou Fernando, que presenciaram). Levantou, foi vestido e deixado na escola à força, berrando.

Hoje acordou, comeu, vestiu e ficou na escola todo feliz.

Alguém explica?

**

Sou partidária da rotina rígida para crianças: horário certo pra acordar, comer, dormir. Temos feito assim nestes 3 anos, e acho que ajuda muito. Mas quando a gente abre exceções (e abrimos, porque afinal os desvios são parte do caminho também :D) se lembra porque as regras são tão úteis.

Otto foi o capeta encarnado na sexta e sábado pra dormir. Nível disque-homem-do-saco-litoral-norte. E passou a noite acordando, sonhando (brigando no sonho, reclamando e discutindo), chorando. Acordou ontem e hoje até com olheiras de tanto drama a noite toda.

(Nem conto do estado dos pais, zumbis)

Chegando em casa, mesmo
1h deslocado na rotina, jantou direitinho, tomou banho, escovou os dentes, colocou pijama, deitou e pronto. Sem drama.

Santa rotina, EU TE AMO.

**

Mostrei essa foto do perfil pro Otto e perguntei quem era. Ele olhou bem e disse: “VOCÊ!” 

Ou seja, tô igual \o/

As 3 graças

**

Pra quando o Otto quiser saber sobre a morte, é simples: we are made of stardust.

Nem céu, nem alma, nem nada disso. Simplesmente nossa matéria volta ao universo, de onde veio.

**

(texto do papai)

Otto, 3 anos: “Eu tava tomando banho, tranquilo, quando de repente aconteceu uma coisa muito estranha: acabou a água quente! Não deu tempo de ficar limpinho” (17x)

1. Deu tempo.
2. Com essa pontuação.

**

Reunião de pais Waldorf na casa de um deles, num condomínio aqui na cidade. Crianças tocam a campainha para pedir doce. Pai Waldorf leva UVA PASSA pras crianças. Crianças ficam tão surpresas que vão embora sem travessuras (e não pegam as uvas, claro).

😀

**

hoje fomos à reunião periódica com a professora da turma do otto, e foi muito legal aprender um pouco como sobre ele se comporta quando não estamos junto. algumas coisas são exatamente iguais — a tendência de observar muito antes de tentar qualquer atividade, preferência por brincadeiras com poucas crianças e sem muito barulho, a tranquilidade e educação ao falar com as pessoas e explicar o que quer e não quer, todo o jeitão analítico bem caraterístico dele.

mas nos surpreendemos com coisas que ele só faz na escola, como por exemplo perguntar se pode levantar da mesa, se pode começar a comer, se pode pegar coisas que não são dele (nunca fez isso em casa, quem me dera!). soubemos que ele gosta de contar histórias para os amiguinhos, mas que conta com suspense, entonação, do início até o fim, perfeitamente, ao ponto de causar espanto. e que uma das brincadeiras que ele mais gosta é cuidar das bonecas e dos amigos menores, com a maior atenção. nunca imaginamos!

a professora fez piada chamando ele de “pequeno imperador”, dizendo que ele sabe muito bem o que quer e o que não quer, e expressa isso verbalmente sem o menor problema. e que DIRIGE os outros, inclusive os adultos, pra fazer as coisas do jeito dele. reconheceu, Keké?

**

Otto hoje cedíssimo, logo que amanheceu, ainda dormindo comigo na cama: “de onde vem essa música?”

Eram os pássaros, acordando junto com o sol <3

**

Otto está apaixonado pela história “o dente de leite de Ganesha”, presente do Weno e Mawá. Aí tem uma parte que tem os desenhos que ele faz com a presa quebrada, e quando ele viu o ratinho amigo do Ganesha e o desenho do rato (bem estilizado, bem hindu), explicou: “olha, é ele desenhando ele mesmo!”

Achei tão legal ele entender a diferença entre o personagem e o desenho do personagem, e o “self”! É tão bonito ver um ser humano aos poucos construindo suas bases, conceitos simples e ao mesmo tempo tão difíceis de explicar.

Fabricar humanos é louco.

**

Desenterrei um baralho que compramos em Creta, e cada carta tem um personagem da mitologia grega. Mas ele foi escolhido pra brincadeira porque é de papel, e mais fácil de fazer castelos. Aliás, como é difícil fazer castelos de cartas, gente! <o>

**

A gente não tem pedido prato separado pro Otto, porque: sempre sobra; é caro pra caramba; pratos infantis são ridículos. Aí pedimos entrada e prato pros adultos e dividimos com ele. Mas aí acontece dessas (ele rouba nossa comida).