SHOW ME THE MONEY

Otto apareceu ontem com mais um dente mole (até quando vai isso, gente?! 🤣), e por mais que a gente explique que não é pra arrancar à força, ele não sossega enquanto o dente não cai. Nunca precisamos tirar um dente dele, desde pequenininho ele traz o dente prontinho pra Fada do Dente. Falando nela….

Vocês lembram que antes do Natal ele teve A CONVERSA conosco sobre as teorias a respeito do Papai Noel e da Fada do Dente, tivemos que admitir que era tudo fantasia e lenda, etc. e ficamos de boa. Natal sem nenhum problema, tudo lindo.

Até ontem, quando ele tirou o dente 🙄 e avisou o Fer que estava colocando embaixo do travesseiro PRA FADA DEIXAR DINHEIRO. O Fer (que estava com ele nessa hora) desesperou, vejam o diálogo dos pais nos prints 🤣

Na dúvida, ele trocou o dente pelo dinheiro.

Hoje de manhã, perguntou pro Otto sobre o dente é o dinheiro, e ele respondeu:

— “sim, A FADA DO DENTE (fazendo aspas com as mãos! 🤣🤣🤣) deixou o dinheiro.”

Conclusão (correta, do Fer): podem acabar com minha ilusão mas não vão impactar meus planos financeiros.

Seje ômi, menino!

(Escrito em Janeiro de 2016)

Sempre odiei essa coisa de #mãedemenino (ou o contrário). Por mais que eu entenda (e aceite também, afinal fatos são fatos) as inclinações de gênero facilmente observáveis, reforçar estereótipos não beneficia nem o indivíduo nem a sociedade.

Não acreditamos nesta família em coisas, cores, brinquedos de menino ou menina.

Era irritante passear com meu menino vestido de laranja ou roxo ou rosa e pessoas comentarem “coitado do menino! Vocês vestem ele de rosa?!” ou sequer olharem a carinha ÓBVIA que ele sempre teve de menino e chamá-lo de “ela” porque ele vestia laranja ou cores vivas.

É desanimador quando alguém pergunta pra ele se “tem namorada”. É escroto dizer que ele é lindo e “vai pegar todas”.

Me dói (e dá trabalho pra desfazer o estrago) ouvir ele falar coisas que ouviu na escola / desenho como: meninas têm que ter cabelo comprido; meninos vestem azul. Felizmente temos uma família que ajuda a desmontar esses estereótipos retrógrados. Ele tem uma avó de cabelo curto é um avô de cabelo comprido. Uma mãe que não usa vestido. Um pai que trabalha em casa.

Mas vai piorar, e isso me dói por antecipação: meu filho é introvertido, sensível, com desenvolvimento físico / motor “atrasado” para a idade.

Ele não grita, não é agressivo, não joga bola. Ele desenha, brinca de bonecos, gosta de sereias e das estrelas. Ele odeia aula de educação física e os meninos que “fazem bagunça”. Ele gosta de ajudar nas tarefas domésticas, de preparar comida.

Quando vai começar o julgamento por ele não ser “MACHO” suficiente? Quando vão dizer que ele é “mulherzinha” ou mandar ele “ser homem”? Quando começarão a fazer comentários sexualizados, incentivando-o a ser escroto com as meninas?

Ser #mãedemenino é todo dia, toda hora, DESFAZER o estrago que os desenhos, as histórias e as pessoas continuam fazendo, pra não criar mais uma criatura sexista e horrível nesse mundo.

E você, #mãedemenino que não está fazendo isso ativamente, está ajudando a perpetuar uma sociedade desigual. Se ligue, e mude.

Gato

Moça na farmácia pede pro Otto tirar a máscara pra fazer teste de COVID, ele tira.

Ela: “nossa, Otto, como você é bonito!”

Otto: “é, todo mundo fala isso.”

藍

Um desejo: a autoestima dessa criança.