Precisamos falar sobre a Turma da Mônica

Me sinto até um pouco boba falando disso. É tanto massacre (ainda mais esse ano) sobre a gente ser exagerada — como mãe, mulher, feminista — que dá insegurança. Mas quanto mais leio os gibis e vejo os desenhos, mais estou certa que a Turma da Mônica tem problemas graves de repetição de padrões atrasados, e que deviam ser repensados e mudados.

Nem vou falar sobre o Cascão, único personagem de origem claramente negra da turma tradicional, ser sujo e fedido. Entendo que fica complicado mudar algo no personagem nessa altura da história, mas, PORRA.

O que me incomoda demais, até porque vejo os reflexos disso no Otto, é a relação de competição e briga constante entre meninos e meninas (que na prática, até agora nos 8 anos do Otto, eu não vi acontecer de forma natural) e a naturalização dos xingamentos.

A Magali é comilona; a Mônica é mandona, baixinha e gorducha. Os xingamentos são sempre dirigidos às meninas, e quando não são relacionados a características físicas (tipicamente é assim que ofendemos mulheres, afinal), os xingamentos também fazem parte do universo do que é malvisto em mulheres: comer e dominar.

É ridículo estar em 2018 e ainda ter que falar disso, explicar, porque tem muita gente que sequer compreende o teor da crítica.

Por que gorducha e baixinha são xingamentos? Eu fiz essa pergunta pro Otto, ele não soube responder. A resposta é complexa, e ele não vai conseguir mesmo elaborar, porque aqui nessa casa ninguém NUNCA fez comentários de julgamento sobre aparência física. Bullying é um problema grave entre crianças e jovens, e nós todos como educadores devíamos buscar eliminar essa prática, ensinar as crianças a serem mais inclusivas. Aí uma história em quadrinhos super famosa e com alcance enorme faz o contrário: inventa uma relação estúpida entre as crianças tal que os meninos estão constantemente contra as meninas, em especial a Mônica, SEM PARAR. A vida desses meninos é infernizar a vida dela.

Mas o pior pra mim é que eles sequer são colocados como vilões (o que seria uma forma de ensinar que o que fazem é errado); eles são AMIGOS dela. Inclusive na sequência da Mônica jovem eles são NAMORADOS.

Percebem o padrão? Meninas sendo ensinadas que os meninos as agridem porque gostam delas, meninos sendo ensinados que agressão é forma de expressar interesse. Tá na hora da gente educar melhor essas pessoas pro mundo também melhorar, sabe?

É um trabalho insano ficar aqui explicando pro Otto que xingar NÃO É legal, que amigos não xingam, que ninguém gosta de ser xingado. Explicar que ser gorducha não é motivo de vergonha (e reparem que o corpo da Mônica é IGUAL aos demais. Ela nem é gorducha, caramba, mas e se fosse?).

Tenho que ficar mostrando pra ele que existem outras formas de se relacionar que não sejam pela briga e disputa.

Que difícil, gente. Por que não dá pra fazer histórias sem tanto julgamento, xingamento, relações tortas?

Muda, Maurício de Souza! Presta atenção que já vivemos em outros tempos, e queremos coisas novas e melhores.

Comments are closed.